Blog do Eliomar

Supermercados aguardam um “Papai Noel” reforçado

“O faturamento do setor supermercadista no Natal deste ano deve crescer cerca de 7,9%, de acordo com estimativa da Associação Brasileira de Supermercados (Abras), divulgadas hoje (26) na capital paulista. Segundo a pesquisa anual da entidade, 65% das empresas entrevistadas aumentaram as encomendas, 33% mantiveram os pedidos no patamar do ano passado e 3% reduziram as compras.

Segundo o levantamento, entre os produtos nacionais, deverão ter maior procura nesse período as frutas de época (14,2%), os refrigerantes (14%), as cervejas (13,8%), o panetone (12,3%) e as frutas secas (11,4%). Os produtos importados devem apresentar crescimento superior à média geral (7,9%), com destaque para frutas especiais (13,5%), vinhos (9,7%) e azeites, azeitonas, queijos e embutidos (9%).

De acordo com a Abras, o setor deve contratar 11,5 mil funcionários temporários para o período do Natal, e há possibilidade de 13% deles (o equivalente a 1,5 mil empregados) continuarem nas empresas. Em 2008, os supermercados contrataram 11 mil funcionários temporários.

O presidente da Abras, Sussumu Honda, atribuiu o otimismo do setor ao fato de a situação econômica neste ano estar muito diferente da de 2008, porque já se observa crescimento da geração de empregos e da massa salarial, além de preços estáveis e inflação sob controle. Entre as razões do otimismo, Honda apontou também o aumento do poder aquisitivo, por causa dos dissídios salariais e da melhora do poder de compra do salário mínimo.

“Esses fatores deixam o varejo otimista, já que, no final do ano passado, tivemos uma queda não esperada nas vendas. Esperamos um incremento maior neste ano, porque temos o real valorizado e a oferta de produtos importados vai ser muito forte este ano. O importado deve ter queda nos preços, não na mesma proporção do dólar, mas principalmente porque deve haver uma concorrência maior em diversas áreas”, afirmou o representante dos supermercados. Para ele, o desempenho dos últimos meses demonstra que o setor deve fechar o ano com crescimento de 5,5%.”

(Agência Brasil)