Blog do Eliomar

Protesto de bispo cearense contra reajuste de parlamentares divide opiniões

243 9

O protesto de dom edmilsonda Cruz virou tema de editorial do jornal O POVO desta quarta-feira. Confira:

O Senado concedeu, ontem, através de sua Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH), a Comenda de Direitos Humanos Dom Hélder Câmara a dom Manuel Edmilson da Cruz, bispo emérito de Limoeiro do Norte e presidente do Movimento Ceará de Paz (MCP), dentre outras personalidades. Na cerimônia de entrega, porém, o religioso recusou a homenagem em protesto pelo aumento desmesurado de vencimentos que os parlamentares se autoconcederam recentemente.

A comenda que leva o nome de dom Hélder Câmara tem um valor simbólico muito expressivo por exaltar uma das figuras mais importantes na área de defesa dos direitos humanos, reconhecido não só internamente, mas em todo o mundo, onde existam vítimas do arbítrio, da violência do Estado e do poder político e econômico.

Ao destacar o cearense dom Edmilson da Cruz, o Senado, através de proposta do senador Inácio Arruda (PCdoB-CE), tinha a intenção de emprestar reconhecimento a uma das figuras mais dignas do episcopado brasileiro. Este, porém, considerou um dever de consciência recusar a homenagem, justificando que a comenda ficara esvaziada de seu sentido pelo fato de os parlamentarem terem agido de uma forma que não a honravam, quando promoveram seu próprio aumento salarial de maneira exorbitante. “Ela é um atentado, uma afronta ao povo brasileiro, ao cidadão, à cidadã contribuinte para o bem de todos, com o suor de seu rosto e a dignidade de seu trabalho” – protestou o bispo, reafirmando a fama de ser uma voz corajosa na defesa dos oprimidos e do interesse público.

Evidentemente, pela sua entranhada convicção cidadã e de respeito ao Estado Democrático de Direito, dom Edmilson tem um grande apreço pela instituição parlamentar. Justamente, por ter esse zelo, não quer vê-la desfigurada por atos que se distanciem da vontade da sociedade, pois os representantes estão ali como delegados da soberania popular, ou seja, o mandato pertence ao representado e não ao representante.

Certamente, o gesto de dom Edmilson deve ser louvado como uma advertência aos políticos para tenham compromisso com o interesse público a fim de que a democracia seja honrada principalmente pelos que são encarregados, em primeira mão, de preservá-la.