Blog do Eliomar

Presença de Gony na equipe cidista é cooptação, avalia analista político

7 3

Com o título “Novos nomes no time de Cid”, o publicitário e poeta Ricardo Alcântara analisa o secretariado de Cid Gomes. Sobre o caso Gony Arruda, deputadol estadual reeleito pelo PSDB e que ocupará a pasta dos Esportes, vê como cooptação. Confira:

Nesta segunda-feira, o governador Cid Gomes, por meio do seu vice, Domingos Filho, que empossará a equipe, dará partida no desafio de contrariar a tendência e cumprir um segundo mandato com melhor desempenho do que o primeiro. Tem grandes chances de consegui-lo: muito do que iniciou vai alcançar materialidade a partir de agora – e em 2012, principalmente.
 
A escolha de Gony Arruda (PSDB) para Esportes indica que o governador pretende mesmo cooptar os tucanos que queiram se manter aliados e deixar à míngua a minoria de dois que se mantém fiel a Tasso Jereissati que, aliás, não deverá manifestar surpresa alguma: em política, a gratidão nunca foi assídua.
 
A ascensão de um neófito, o deputado Antonio Carlos (PT), de suplente a líder do governo, se não atende a critérios técnicos compreensíveis, sinaliza uma manobra política a ser decifrada: o deputado integra o mesmo grupo da prefeita Luizianne Lins, em quem o governador não tem encontrado um ombro amigo. Aí tem.
 
Para a Segurança, antes dirigida com estilo cerebral por um servidor da Polícia Federal, Cid Gomes cumpre o prometido: vai um “pé de boi” – e bota pé de boi nisso! O coronel Bezerra é ex-comandante da Guarda Municipal de Sobral, o que talvez não seja suficiente para transmitir tranqüilidade à família cearense.
 
A presença do “presidente” Evandro Leitão (PDT) no Trabalho, é boa notícia para o governo: se ele souber fazer por lá 10% do que fez pelo nosso time…aguarde. Mas a galera alvinegra ficou preocupada: se, com seu distanciamento, as coisas não andarem bem no “mais querido”, a mundiça já sabe em quem colocar a culpa.
 
Para a Cultura, foi nomeado Francisco Pinheiro (PT), que, como seu vice, conquistou a estima do governador, o que talvez indique boa disposição, mas, perfil alheio às questões de que cuida a pasta e tão distante do meio, a primeira impressão transmitida pela indicação do gentil Pinheiro é de irrelevância. A ver.

No mais, ficam aqueles que sempre pareceram titulares no projeto do governo em seus aspectos fundamentais. Entre continuidade e mudança, a escolha do secretariado tem a marca de um equilíbrio que Cid Gomes sempre se esforça em garantir às suas decisões. Que vença o desafio de superar a si mesmo.

Ricardo Alcântara,

Publicitário e poeta.