Blog do Eliomar

Ex-diretor do Dnocs e um brado de justiça

70 1

Com o título “A Bolsa do DNOCS e os Movimentos Solitários dos Servidores Públicos”, eis artigo do professor Albert Gradvohl, que foi diretor administrativo-financeiro da autarquia. Por tentar manter o benefício, acabou exonerado. Confira:

Certamente, se compararmos a época da ditadura militar, o Brasil evoluiu politicamente. Mas a forma de se fazer política em nosso país parece continuar semelhante ao coronelismo. Os feudos são os mesmos, e a calúnia tem sido uma ferramenta utilizada para misturar joios e trigos conforme os interesses. Aquilo ou aquele que não serve ao poder de um determinado grupo é descartado e desgastado de maneira enganosa e convincente via mídia. Refiro-me a bolsa dos servidores do DNOCS. Ela é tão importante para a vida daqueles servidores, como o órgão ainda é para o Nordeste. Porém, parece pouco importante para alguns que detém ou participam do poder, pois até agora, não se vê investimento nem na instituição e muito menos em seus servidores. Afinal, nenhum aparelho sem manutenção pode  funcionar.

Agora,estamos diante de um novo momento. O congresso ergue uma  esperança política em relação a bolsa dos servidores, já que conseguiram esgotar desde o início desse ano  a instância administrativa.É bom lembrar, que no ano de 2011, quando estávamos a frente da diretoria administrativa do DNOCS, em uma de nossas reuniões a respeito do assunto com o então secretário nacional de recursos humanos do ministério do planejamento, doutor Duvanier Paiva, esse sensibilizou-se com a exposição de motivos que retratamos em relação a situação dos servidores do DNOCS. Somado a pressão política que estávamos sofrendo na época em razão da  nobre causa, em comum acordo, o doutor Duvanier  resolveu enviar para o congresso a referida proposta, buscando assim um novo projeto amparado em lei.

Esta tomada de partido em favor dos servidores até hoje oprimidos, resultou em um documento do ministério do planejamento, completamente diferenciado do exposto em relatório oficial, pois o mesmo assume ERRO do próprio ministério em ter corrigido periodicamente a conhecida complementação salarial intitulada de bolsa, transformando-a com o tempo em GRATIFICAÇÃO, caso se analise sob o aspecto técnico. Essa NOTA TÉCNICA n.522/2011,oficial e esclarecedora,chegou em nossas mãos, absolutamente uma semana antes do falecimento desse importante gestor.

Por isso mesmo, acredito que a MPV 568, de 11 de maio de 2012, não é apenas uma emenda, mas uma opção ético-política, que afirma  o direito adquirido dos servidores, assim como  a verdadeira descoberta que unifica  todos os componentes de que estávamos no caminho certo, e não contrariando a forma inescrupulosa e falso testemunho  de que estava havendo desvios e mal uso do dinheiro público.

O desvio calunioso de R $ 119 milhões de reais, advindo desde outras administrações, sempre esteve no bolso dos servidores do DNOCS, pagando não só a solidez de seu trabalho, assim como, fazendo jus a qualificação intelectual desses servidores, que em muitos casos não são recompensados por esse autoinvestimento. Para que se entenda plenamente o caráter antagônico entre a importância dessa MEDIDA PROVISÓRIA em contraposição ao ponto de vista de alguns que defendem apenas o poder dominante, é essencial que se pesquise o atual interesse pelos servidores públicos brasileiros, valorizando-os pela história, aprovando o mais urgente possível  medidas que garantam pelo menos  seus  ganhos reais.

Que DEUS ajude a resolver esse problema.

* Professor Albert Gradvohl,

Ex-diretor administrativo-financeiro do Dnocs.