Blog do Eliomar

Datafolha/O POVO – A onda Heitor Férrer

25 10

Essa é da Coluna Política do O POVO, assinada, nesta quinta-feira, pelo jornalista Érico Firmo:

Três aspectos se destacam na nova pesquisaO POVO/Datafolha. Um é a oscilação negativa de Moroni Torgan (DEM), no nível em que ela se deu. Outro é a oscilação positiva dos dois candidatos das máquinas. Mas o principal, certamente, é o crescimento de Heitor Férrer (PDT) e sua entrada, para valer, no jogo sucessório. O pedetista é a novidade que altera a trilha que seria previsível. Pelas pesquisas anteriores, o rumo mais óbvio – e Fortaleza é pródiga em renegar obviedades – seria Moroni Torgan (DEM) tentando se sustentar, com Roberto Cláudio (PSB) e Elmano de Freitas (PT) brigando para chegar ao segundo turno. Sem ser possível descartar a hipótese de os competidores de PSB e PT, com mais dinheiro e infraestrutura, ultrapassarem o concorrente do DEM e irem ambos à fase final da disputa. Tudo isso ainda está posto, mas Heitor é o fato novo. Está tecnicamente empatado tanto com o candidato do governador como com o da prefeita. E é o único em ascensão fora da margem de erro.

Heitor tem perfil que o credencia a tentar repetir fenômenos eleitorais da história recente, como Maria Luiza e Luizianne Lins. Tem vínculos tradicionais com segmentos progressistas e inserção na classe média setor que sempre resistiu a Moroni e que costuma ser pouco afeito a estruturas governistas. Mas lhe falta ainda componente que foi crucial para as duas mulheres que administraram Fortaleza: a criação de uma atmosfera que contagiou setores da cidade e as levaram à vitória. Não se percebe a candidatura de Heitor, nem de longe, como o mesmo fenômeno. O programa eleitoral é bem convencional e não consegue encantar – fator que foi crucial nos dois exemplos mencionados. Só muito recentemente passou a se utilizar do trunfo maior do pedetista: seu histórico de defesa da ética e da moralidade. Todavia, o crescimento deve impulsioná-lo. Obter dinheiro ficará mais fácil. Conseguir adesões será mais simples. E os apoiadores e militantes demonstrarão mais empolgação. Por outro lado, o candidato ficará no centro das atenções. Será mais visado e cobrado. Suas propostas serão colocadas em teste. Para o bem e para o mal, a pesquisa O POVO/Datafolha marca o início de uma nova campanha para Heitor.