Blog do Eliomar

O buffet salgado, os viadutos e muita calma nessa hora…

292 8

Com o título “Um viaduto não compensa um revólver na cabeça”, eis artigo do publicitário e poeta Ricardo Alcântara. Ele aborda o caso dos gastos do governo estadual com buffet, o que foi denunciado pelo deputado estadual Heitor Férrer (PDT), durante pronunciamento, nesta semana, na Assembleia Legislativa. Confira:

Não “só ao jornal O Povo”, como disse o governador: a muitos não pareceu razoável que o Palácio de Governo pague uma média diária de três mil reais em serviços terceirizados de alimentação. O trocadilho é infame, mas inevitável: está salgado…

Mas nem vou me deter em razoabilidade. Meus hábitos de consumo são modestos e não me habilitam a conferir as comandas de quem governa um povo pobre com privilégios de um sultão iemita sentado em barris de petrodólares.

A tarefa, deixo para tribunais de contas e parlamentares que, como Heitor Férrer, cumprem suas atribuições de fiscalizar os atos do executivo, ainda que sob acusação de oportunismo e execração generalizada à sua árvore genealógica.

No episódio – de resto, uma previsível confirmação de um habitual pendor para o supérfluo – mais atenção chamou a reação do governador, desproporcional nos termos e desprovida de veracidade na sua improvisada argumentação.

Disse ele ter herdado contratos do governo anterior. Mentiu. Seu governo licitou a empresa. E duas vezes. Ainda que tenha sido sempre assim, eventual desvio de conduta anterior não o tornaria imune a igual juízo em caso de persistir no erro.

Indecorosa, de assustadora virulência, a afirmação de que o denunciante pertence, em sua cidade de origem, a uma família na qual ninguém é honesto. É provável que tenha ofendido a alguns eleitores seus, senão ao sentimento de toda a cidade.

Como antes tentara já com os “maconheiros do Cocó”, repete agora que somente ao jornal O POVO interessa noticiar o que lhe parece irrelevante, quando, de fato, para seu estilo a mídia nacional já reserva espaços em pautas de abordagem folclórica.

A combinação de agressividade nos termos e conteúdo inconsistente revela um homem emocionalmente esgotado, quando seus índices de aprovação já declinam sob a trilha furiosa dos tiroteios que fazem de sua polícia a impotência fardada.

Talvez lhe desespere descobrir que, à percepção pública, aspectos negativos de sua gestão se sobreponham àquilo que ele considera promissor em sua governança. É assim mesmo, governador: um viaduto não compensa um revólver na cabeça.

Entre a dispendiosa construção de uma ponte paisagística e nossas vidas, optamos por ficar mais uns dias por aqui. Entre a obra de um majestoso aquário e a paz em nossas ruas, ao mar com os peixes: queremos é nossos filhos longe dos traficantes.

E sabe aquele estaleiro barulhento que você queria enfiar como uma faca no peito da cidade? Maior bem nos fará sair às ruas sem medo de morrer na esquina. São nossas escolhas, governador. Você fez as suas. E aí, muita calma nessa hora…

* Ricardo Alcântara,

Publicitário e poeta.