Blog do Eliomar

Centrais sindicais avaliam positivamente manifestações dos trabalhadores pelo País

manifest

Em Fortaleza, professores e servidores públicos também deram seu recado.

Diversas manifestações e paralisações foram planejadas para hoje (30) pelas principais centrais sindicais brasileiras. Central Única dos Trabalhadores (CUT), Força Sindical, Conlutas e Central Geral dos Trabalhadores do Brasil (CGTB) aproveitam o Dia Nacional de Mobilização e Paralisação para pressionar os governos federal e estaduais e o Legislativo para atendimento de uma série de demandas que, em comum, têm a defesa de uma agenda que associe desenvolvimento com distribuição de renda.

Entre as reivindicações, estão o fim do fator previdenciário, a redução da jornada de trabalho sem redução salarial, a valorização das aposentadorias, a reforma agrária, o fim do Projeto de Lei 4.330/04, que libera a terceirização e torna mais precárias as condições de trabalho, transporte público e de qualidade, mais investimento em saúde e educação e a suspensão dos leilões de petróleo.

Dirigentes sindicais consultados pela Agência Brasil afirmam que as mobilizações e paralisações estão superando as expectativas iniciais. “Nosso objetivo é chamar a sociedade para a pauta dos trabalhadores, e estamos conseguindo isso”, disse o presidente da CUT, Vagner Freitas. Para ele, as primeiras horas de ações foram “muito positivas”.

CUT

Segundo a CUT, a negociação com o governo está “quase parada”. ‘Mas queremos fazer andar, e sabemos que isso só acontecerá com pressão e mobilização. O governo até dialoga e negocia. O problema é que não tem concedido nada”, acrescentou o sindicalista.

Força Sindical

Do presidente da Força Sindical, Paulo Pereira da Silva, o Paulinho: “Os protestos têm abrangência nacional, estão nas principais capitais, e a pauta está na rua, sendo defendida pelos trabalhadores na busca por uma negociação séria com o governo. Infelizmente, o governo só tem feito reuniões para marcar reuniões. Nada além disso”.

Conlutas

Do coordenador da Executiva Nacional do Conlutas, José Maria de Almeida: “Estamos confirmando as expectativas que tínhamos. Está sendo um dia de protestos muito fortes, com paralisações de transporte público em pelo menos sete capitais”.

(Agência Brasil/Foto- Mauri Melo)