Blog do Eliomar

Assassinato de Andréa Jucá – Vizinhos ligaram 10 vezes para a Ciops

720 1

sonoeleitorla

Ronda acabou virando só promessa de eleição.

“O desfecho da tragédia passional que deu no assassinato da pedagoga Andréa Aderaldo Jucá, esfaqueada 20 vezes pelo ex-marido Alan Terceiro, mostra que a Segurança Pública no Ceará se arrasta numa gestão que acumula vícios e distorções administrativas. A demora no envio de socorro ao local onde se daria o homicídio e a dificuldade em se acionar uma viatura, apesar da enxurrada de telefonemas para o 190, podem ter contribuido para a morte de Andréa.

Os fatos exclusivos que serão revelados a seguir (leia o quadro), com base em registros da própria Coordenadoria Integrada de Operações de Segurança (Ciops), apontam para um cenário confuso, falta de iniciativa e crise de comando em um setor crucial para o combate ao crime em Fortaleza: o atendimento da Ciops. Andréa Jucá, 39 anos, ex-secretária municipal de Finanças de Madalena e mãe de três filhos, morreu sem chance de defesa e gritando por um socorro público que chegou tarde. Vinte e três minutos depois, como registra a Ciops. Ou mais de 40 minutos, segundo denuncia de quem ligou e não conseguiu o contato com o 190.

Era domingo, último dia 13, quando a moradora do bairro Rodolfo Teófilo foi acuada dentro de casa pelo ex-marido e ex-suplente de vereador Francisco das Chagas Filho, conhecido como Alan Terceiro. O conflito, inicialmente de natureza privada, virou caso de polícia quando as atitudes violentas de Alan começaram a provocar desespero na vizinhança e ecoaram na rua onde Andréa morava.

Eram 14h14min35s quando uma operadora da Ciops recebeu o primeiro pedido de socorro para Andréa Jucá. Uma vizinha, que pede para não ser identificada, se apavorou com os gritos dela e recorreu ao 190. No registro, a atendente da Ciops escreve que se trata de uma “briga de família” e que há uma “mulher gritando por socorro”. A funcionária até tenta deslocar uma viatura da PM para o número 1156 da rua Frei Marcelino, próximo à igreja São Raimundo. Mas recebe uma negativa e escreve no relatório que a “viatura do Ronda da área em rendição e o P.O.G. (Policiamento Ostensivo Geral) está indisponível no momento”.

* Do O POVO, leia aqui.