Blog do Eliomar

Emancipação de distritos? Muita calma nessa hora

Com o título “Emancipação: prudência”, eis artigo da professora e jornalista Adísia Sá, que está no O POVO desta terça-feira. Ela aborda o veto presidencial ao projeto de emancipação de distritos. Ela apoia a decisão de Dilma Rousseff. Confira:

O nosso Estado já viveu a “farra” de emancipação de municípios. Alguns, com êxito; outros, capengando; outros, em inanição permanente. Morrendo e resistindo, resistindo e morrendo, como diria Demócrito Rocha. Eis que o tema volta à tona, não tanto no Ceará. A coisa chegou a tal ponto que a presidente Dilma pede cautela em emancipações. O argumento maior diz respeito à receita. De acordo com a presidente, não há aumento de receita, mas a divisão dela. E isso é preocupante: de que vão viver as novas comunas?

“Quanto mais municípios forem criados, menor a fatia do bolo que fica para outros municípios”. Prudente as palavras da presidente. E foi além. É favorável a uma reforma tributária, desde que seja mais abrangente. É contra a redução do Fundo de Participação dos Municípios (FPM). Defende os pequenos municípios e afirma que o seu governo não abdica dessa postura.

Na entrevista a jornais gaúchos, a presidente enfatizou o esforço do Governo em garantir mais subsídios para o “Minha Casa, Minha Vida”. Não se pode negar o êxito do programa, visível no Ceará.

Das palavras de Dilma um ponto chamou minha curiosidade: o País possui 5.570 prefeituras, o que vale dizer – mais de 1.500 municípios. Isso é bom? Sem dúvida, considerando que essa realidade alegra e orgulha os municípios. Novo município significa autonomia administrativa, Câmaras acompanhando a atuação dos prefeitos, vereadores batendo às portas de seus deputados para que arrastem mais verbas para suas localidades.

De sua entrevista, outro ponto aguçou minha atenção: “É um absurdo paralisar obras no Brasil”. Tomou como exemplo o que está acontecendo em seu Estado de origem (Rio Grande do Sul), referindo-se à BR 448: “Você pode usar de vários métodos, mas paralisar obra é extremamente perigoso.” Isso significa que um dos pontos altos de seu Governo é abrir estradas, escolas, hospitais.

Encerrando a entrevista, a presidente afirma que todas as obras iniciadas terão continuidade e serão inauguradas ainda no atual mandato. “Não tem a ver com eleição”, afirmou Dilma. Está bem, acredito, mas que é bom inaugurar obras em plena campanha eleitoral, ah, isso é. Como se sabe, a presidente é candidata à reeleição. O que está dando certo, que certo continue…

* Adisia Sá,
Jornalista e Professora.