Blog do Eliomar

A crônica de uma decisão

142 1

Da coluna Fábio Campos, no O POVO deste domingo(6):

Sexta-feira foi o dia do “fico”. Fica Cid Gomes, o governador. Fica Domingos Filho, o vice-governador. Acabou por se confirmar o plano inicial nutrido por Cid durante quase todo o segundo mandato. Porém, não foi esse o plano que a ele se impôs nos últimos dias.

Com a candidatura de Eunício Oliveira em campo, o governador passou a considerar necessário eleger o irmão Ciro senador. Para isso, bastava Cid abdicar do Governo para deixar Ciro elegível. Simples, não? Sim, mas havia algo a resolver. No caso, quem assumiria o Governo com a saída de Cid.

Ora, caberia ao vice assumir a tarefa. Afinal, Domingos Filho havia sido escolhido pelo próprio Cid para a vice. Antes, como deputado e como presidente da Assembleia, deu todas as demonstrações de apreço e fidelidade ao governador.

Ainda no PMDB, Domingos dizia que não era “peemedebista”, mas sim “cidista”. Depois, saiu da sigla para se juntar ao Pros, o asilo político de Cid e companhia. No Governo, assumiu tarefas importantes e foi um vice de comportamento exemplar. Muito discreto, e sem jamais causar desconfortos ao titular.

Mas, Domingos é de Tauá, no árido Sertão dos Inhamuns. Não é de Sobral e nem da Região Norte. Sua tradição política familiar é outra. Portanto, por mais fiel e dedicado que tenha sido, não era homem da absoluta confiança do grupo do governador.

Na reunião da tarde de quinta-feira, quando perguntado, Domingos disse que sua intenção era assumir o Governo caso Cid decidisse sair. Declarou que se assim fosse iria trabalhar para viabilizar-se como candidato ao Governo. Também disse que caso não conseguisse a indicação, apoiaria com vigor o nome do partido.

No entanto, não eram esses os planos do governador. O projeto era o seguinte: Cid sai. Domingos também sai. Assim, o governo cairia no colo de Zezinho Albuquerque, o presidente da Assembleia amigo-irmão de Cid e Ciro.

Domingos bateu pé. Sugeriram-lhe outras possibilidades. Um Ministério, por exemplo. Dilma não se oporia. Que tal uma vaga vitalícia em um tribunal de contas? Ou um mandato parlamentar? O vice manteve-se firme.

Diante da legítima resistência, na noite de quinta-feira Ciro formulou um “aventureiro” que a crônica política leu como um injusto ataque dirigido a Domingos. No dia seguinte,

Cid enterra o plano de renunciar e declara que levará o mandato até o fim.

Trocando em miúdos, o projeto é entregar o poder a um membro do grupo. A ninguém mais.