Blog do Eliomar

O desserviço do BBB: uma sociedade vivendo em guetos, mas que sorri para as câmeras

Com o título “BBB só tem de nobre o horário”, eis artigo de Odaílson da Silva, psicanalista e escritor. Ele aborda essa febre chamada Big Brother Brasil, um “programa capcioso, onde o que importa é a forma e não o conteúdo”. Dê uma espiada: 

“Vamos dar só uma espiadinha na casa mais famosa do Brasil”, é o chavão do apresentador Pedro Bial. De Berlim a BBB. Um apelativo programa capcioso, fundamentado no fato de que, o que se vê é a predominância do estético sobre o ético, onde o que importa é a forma e não o conteúdo. A face de uma sociedade imagética que se explica no consumo, na busca pelo prazer e por ditadura da beleza, onde o que menos importa é o preço, mesmo que este seja a própria vida, como amiúde, temos visto diversas delas ceifadas em desnecessárias operações, sobretudo de lipoaspiração e colocação de próteses de silicone. É a hegemonia do culto ao corpo, que usa cada vez mais o apelo sensual para atrair o olhar dos incautos e cobiçadores espectadores.

O famigerado BBB é a mais completa manipulação e degradação moral. Um programa desses, como bem disse Adauto Novaes, “leva o homem à completa perda de si mesmo”. O BBB é fútil e vazio de valor e conteúdo. Seu inspirador, George Orwell, jamais imaginaria que sua obra, o livro 1984, não se tratava de utopia, tampouco ainda, que seu “Grande Irmão”, seria transformado em reles programa televisivo utilizado pelo sistema capitalista para manipular, como marionetes, as vidas das pessoas, arrastando-as ao consumo e a completa estupidez.

O horário é nobre, mas quão podres são os desvalores que a TV dissemina. Para se ter uma ideia, a produtora holandesa Endemol, criadora do reality show, ficou estarrecida quando soube que, após mais de uma década, a televisão brasileira continua a exibir o programa. Pasmem! Em nenhum outro país do mundo isso aconteceu.

Será que o titã tinha de fato razão: “a televisão me deixou burro demais?” Seja como for, uma coisa é certa: o desserviço que o BBB “presta” tem um preço; uma sociedade vivendo em guetos e cidadãos cada vez mais isolados, aterrorizados, mas que sorriem. Afinal, estamos todos sendo filmados (vigiados, controlados, dominados).

* Odailson da Silva

odailson1975@hotmail.com
Psicanalista e escritor