Blog do Eliomar

Instituto Lula diz que jornal ‘mente e omite’ informações sobre ‘lobby’

O Instituto Lula divulgou nota à imprensa classificando como mentirosa e omissa a manchete da edição deste domingo (19) do jornal O Globo sobre o suposto lobby do ex-presidente Lula em favor da Odebrecht no exterior.

Segundo o Instituto Lula, que repassou à imprensa a íntegra dos e-mails trocados com a reportagem de O Globo para demonstrar a tese da nota, a reportagem seria mais uma do jornal “que não diz nada”. Para a entidade, os telegramas nada provam e foram usados apenas “para criar um factoide”. “[…] entendemos que a necessidade de criminalizar as atividades de Lula vão [sic] além da normalidade e das boas práticas jornalísticas”, reclama o Instituto.

Em um dos e-mails trocados entre a reportagem de O Globo e o Instituto Lula, o emissário deste faz a seguinte reclamação, a respeito de outra matéria, do mesmo jornal, sobre suposta omissão de documentos, por parte do Itamaraty, que em tese demonstravam a relação entre Lula e a Odebrecht. A entidade reclama da suposta omissão, por parte do jornal, em relação à publicidade dada pelo Itamaraty de documentos demonstrando “a atuação positiva do ex-presidente Lula”.

“Gostaríamos de complementar dizendo que O Globo fez um grande fuzuê, com manchete de primeira página sobre os documentos do Itamaraty durante a presidência de Lula, mas depois, quando os documentos se tornaram públicos e revelaram a atuação positiva do ex-presidente Lula, não localizamos nenhuma matéria do jornal sobre o assunto, o que talvez tenha causado estranhamento aos seus leitores, que talvez achem que os documentos não foram publicizados [sic]. Por isso segue matéria que fizemos sobre os documentos ignorados pelo jornal”, diz a mensagem.

Confira a nota do Instituto Lula:

Em mais uma matéria que não diz nada, o jornal O Globo, não se atenta aos fatos e faz distorções para prejudicar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Reproduzimos abaixo a troca de e-mails entre o jornalista e o assessor de imprensa do Instituto Lula, na qual fica clara a intenção de usar documentos que não revelam nada de novo, para criar um factoide. As mensagens trocadas entre repórter e assessor, em circunstâncias normais, deveriam ser apresentadas aos leitores do jornal na matéria, mas entendemos que a necessidade de criminalizar as atividades de Lula, vão além da normalidade e das boas práticas jornalísticas”.

(Congresso em Foco)