Blog do Eliomar

Secult diz que Antonieta Noronha é orgulho para a história das artes cênicas no Ceará

Em nota de pesar pela morte de Antonieta Noronha, a Secretaria da Cultura do Estado do Ceará lembra a trajetória artística da atriz. Confira:

A Secretaria da Cultura do Estado do Ceará lamenta o falecimento, nesta segunda-feira (14) da atriz Antonieta Noronha. A Dama do Teatro Cearense terá seu exemplo sempre lembrado por todos aqueles que buscam desenvolver e expressar seu talento nos palcos. Sua trajetória é um orgulho para a história das artes cênicas no Estado. Antonieta Noronha dedicou o melhor da sua vida na busca pela interpretação profunda e perfeita de cada um dos personagens que assumiu.

Natural de Sobral, começou sua vida profissional participando do Programa de Calouros, da Ceará Rádio Clube, e A Voz de Ouro ABC, da rádio Uirapuru, aos 18 anos.

Depois de integrar o Grande Coral, do Conservatório Alberto Nepomuceno, recebeu um convite para participar do Curso de Arte Dramática da Universidade Federal do Ceará (UFC). A partir de então, lançou-se para a carreira de atriz e participou do elenco da TVE, nos anos de 1970. Integrou grupos de referência nas artes cênicas como a Comédia Cearense e o Teatro Novo. No cinema, ganhou visibilidade com filmes como Dora, Doralina; O Amor não Acaba às 15h30min; Deixe-me Ficar; Tempo da Ira e Central do Brasil.

Acumulou em sua trajetória vários prêmios por sua atuação no teatro, cinema e televisão. Mais recentemente, já em 2015, por ocasião dos seus 50 anos de vida artística, foi reverenciada pelos colegas de trabalho e espaços culturais da cidade, como o Dragão do Mar e o Cineteatro São Luiz, que reexibiram filmes com sua atuação ou novas montagens de peças já estreladas pela atriz.