Blog do Eliomar

Cagece – Casa de ferreiro, espeto de pau

Com o título “Água: Trate com carinho””, eis artigo de Edilton Silva Saldanha, jornalista e servidor do DNOCS. Ele mostra a contradição da Cagece, que divulga campanha contra o desperdício de água, mas mostra pouca eficiência contra vazamentos em sua rede. Confira:

Com esse tema, a Cagece vem promovendo há meses uma campanha contra o desperdiço d’água. A Campanha está sendo veiculada em rádio, TV e outras mídias, da capital e do interior. Mas, de que adianta a Cagece orientar os consumidores para as boas práticas de utilização da água, se não faz a sua parte?

Em resposta a essa indagação, vou fazer uma narrativa de um fato que aconteceu no bairro Montese, em Fortaleza.

Por volta das 5h30min, da tarde de terça (27/10), observei que um imóvel localizado na rua Dulcineia Gondim, quase esquina com a rua Alberto Magno, apresentava um vazamento de média proporção, presumivelmente no hidrômetro. Ao passar novamente às 5h30min, da manhã de quarta-feira (28/10), o quadro era o mesmo.

Litros, e mais litros de água, sendo desperdiçados em lâmina d’água, que lembrava um verdadeiro rio, que tinha como curso as ruas circunvizinhas.

Procurei um ‘orelhão”,e digitei o famoso 08002750195, da Cagece. Após esperar alguns minutos, fui atendido pela telefonista. Eu me identifiquei, e, muito depois de responder perguntas inócuas, fiz o devido registro sobre o vazamento, enquanto o líquido precioso jorrava a deus dará, como se fosse um fruto inesgotável, e que não está em escassez.

Antes de desligar, perguntei a atendente da Cagece por que o atendimento, para reparar os vazamentos, demora tanto? Ela prontamente, e ingenuamente, me respondeu: é porque são muitos os vazamentos e as equipes de conserto não atendem a demanda.

Vejam bem, como uma instituição promove uma campanha para conter o gasto abusivo de água, se nem ela consegue deter o problema, e dá exemplo?

Por que tanto vazamento na rede de água e esgoto da Cagece? Quem se habilitaria a responder esse questionamento? Poucos acertariam na resposta correta, porém se sabe que é grande o número de construtoras particulares que prestam serviços de manutenção e reparos nessas redes.

Alguém saberia responder, por que a Cagece não possui sua própria equipe técnica, para resolver esses problemas?

Portanto só nos resta compreender que a terceirização pode trazer benefícios, mas como pode trazer conseqüências, que geram prejuízos irreparáveis. Essa água, que foi desperdiçada está sendo fornecida pelo açude Castanhão, que apresenta uma ínfima capacidade de 13,7 %.

Portanto, vamos atender a súplica da Cagece, mas em contrapartida, cobremos de modo severo uma gestão técnica, responsável e eficaz, na operacionalização e distribuição desse “ouro líquido”, tão necessário a vida.

* Edilton Silva Saldanha,

Jornalista e servidor do DNOCS.