Blog do Eliomar

100 Anos da Arquidiocese – Graças ao Senhor por seu crescimento

Com o título “Jubileu Centenário – boa nova em novos tempos”, eis artigo do arcebispo de Fortaleza, dom José Antonio Aparecido Tosi Marques, sobre os 100 anos da Arquidiocese que serão comemorados nesta sexta-feira, no Condomínio Espiritual Uirapuru. Confira:

A história da evangelização no Ceará remonta ao século XVII, quando chegaram os primeiros missionários jesuítas em Ibiapaba, onde foi criado o primeiro aldeamento missionário. Em 1861, houve a instalação do bispado e posse do 1º bispo, dom Luís Antônio dos Santos, sacerdote que participou do Concílio Vaticano I.

Os anais da história marcam que a Diocese de Fortaleza foi criada a 6 de junho de 1854 pela Bula Pro AnimarumSalute (Pela Salvação das Almas) do papa Pio IX, desmembrada da Diocese de Olinda. A 10 de novembro de 1915, pela Bula CatholicaeReligionisbonum (O bem da Religião Católica) do papa Bento XV, foi elevada a Arquidiocese e Sede Metropolitana.

A Igreja vai crescendo pela geração de novas células do Corpo Místico de Cristo. Multiplicam-se as comunidades dos que, recebendo o Evangelho, tornam-se discípulos missionários de Cristo, membros da Igreja, cidadãos do Reino de Deus no mundo.

Da única Diocese do Ceará surgiram as Igrejas Particulares de Sobral e Crato (1914), Limoeiro do Norte (1938), Iguatu (1961), Crateús (1964), Quixadá, Tianguá e Itapipoca (1971). O Decreto Christus Dominus do Concílio Vaticano II define: “Diocese é a porção do Povo de Deus, que se confia a um Bispo para que a apascente com a colaboração do presbitério”.

Com o objetivo de facilitar o pastoreio do povo de Deus nesta Arquidiocese, há quase 30 anos ela foi dividida em Regiões Episcopais (RE), áreas com características específicas geográfica e cultural semelhantes. São seis RE metropolitanas e três que contemplam Paróquias na praia, na serra e no sertão.

Com a programação do Jubileu Centenário, damos graças ao Senhor pelo crescimento e vitalidade de Sua Igreja. Queremos reconhecer os dons do amor de Deus que tem sido tão abundante nos 100 anos passados desde que a Diocese de Fortaleza se desdobrou em tantas Igrejas Diocesanas (são 9 dioceses no Ceará). Graças pelos dons do Espírito no testemunho dos fiéis e das comunidades em sua vida e missão: santidade que é caridade em muitas formas de obras de misericórdia.

São novos os tempos, são grandes desafios, mas se tornam, para os discípulos-missionários de Cristo, oportunidades de testemunhar e anunciar como maior dom a “alegria do Evangelho” dado a todos, com maior coerência, zelo e ardor.

Na celebração eucarística jubilar, amanhã, 13, toda a Igreja no Ceará estará reunida em Fortaleza, no Condomínio Espiritual Uirapuru (CEU), expressão dos frutos da graça de ser Igreja de Cristo, para expressar a comunhão de toda a Igreja e relançar nova a missão do Evangelho. “Firmes na fé, alegres na esperança e solícitos na caridade” para “nova evangelização em novos tempos”.

*José Antonio Aparecido Tosi Marques

pascom@arquidiocesedefortaleza.org.br 
Arcebispo Metropolitano de Fortaleza.