Blog do Eliomar

Turista sofre com problema de segurança e, também, com precária segurança alimentar

26 2

Com o título “A folia dos turistas em apuros”, eis relator de Allan Aguiar sobre sério risco para os que visitam o Estado: além de problemas de segurança pública, a precária segurança alimentar. Confira:

Ana Cláudia chegou, em plena madrugada de domingo de Carnaval, com sua mãe na emergência lotada do Hospital Monte Klinikum. Nada parava no estômago da Ana Cláudia, a qual foi diagnosticada com algo parecido com Rotavírus produto de ingestão de alimentos contaminados. Ana Cláudia e sua mãe vieram do Rio para passar o Carnaval na Terra da Luz. A infecção alimentar foi forte e elas já estavam há quase 24 horas no Hospital a base de muitas bolsas de soro, antialérgicos, dipironas e profenid. Ao lado da Ana Cláudia e sua mãe estavam a Isabel e o Fernando, de São Paulo, também ligados nos mesmos medicamentos injetáveis. Abatidos, e com quadro de dengue, revelaram que escolheram Fortaleza por basicamente dois motivos: menor possibilidade de chuvas e preço. Segundo eles o pacote de carnaval para Fortaleza estava bem mais em conta que para Natal.

Chegaram na quinta-feira e logo foram perguntar onde se comia bons frutos do mar, principalmente lagostas e camarões. Desnecessário afirmar que nossa segurança alimentar desmontou por completo o passeio deles, azedando a experiência na terra da luz.

Conversando com médicos plantonistas descobri que as emergências dos hospitais particulares de Fortaleza andam abarrotadas de turistas submetidos a vírus e bactérias cabeça–chata. Ou seja, quando não são vítimas da precária Segurança Pública do Estado são atingidos pela Insegurança da prestação de serviços turísticos e alimentares de alguns estabelecimentos que, predadores que são, preferem explorar o Turista que o Turismo, atrapalhando a fidelização desse cliente chamado de turista, que de bobo não tem nada. Ele simplesmente não volta e ainda depõe contra o Destino Turístico junto a sua vasta rede de relacionamentos. Alguns incautos estabelecimentos comerciais precisam entender definitivamente que o principal marketing é o boca-a-boca e que enganar ou explorar turistas é um tiro certeiro no próprio pé.

A crise que assola o Turismo Cearense tem raízes profundas que perpassam, também, a precariedade dos serviços públicos, nomeadamente quanto a Segurança Pública e a Saúde Pública que teria, neste caso da Ana Claudia, que botar para funcionar a Vigilância Sanitária. Ao contrário, nosso lúcido Governo do Estado continua apostando em esqueleto de Aquário, Aeroportos regionais fantasmas e outros mamutes onerosos para a frustrada tentativa de incrementar e qualificar os fluxos turísticos nacionais e internacionais.

Após ser liberado, fiquei a refletir sobre a que ponto chegou nosso País, que assiste o mundo classificar-nos como ameaça global a saúde dos povos no planeta. Um país que corre o risco de assistir a realização de uma Olimpíada com delegações desfalcadas pelo medo da infecção de um mosquito. Só nos resta agora evitar, no quadro de medalhas, outros 7×1 da “Copa das Copas”

* Allan Aguiar,

Ex-Secretário de Turismo do Ceará e ex-Presidente da CTI/NE – Fundação de Turismo Integrado do Nordeste.