Blog do Eliomar

Quem odeia o PT, vota em Bolsonaro?

456 5

Com o título “Bolsonaro não é o caminho para comandar o Brasil!”, eis artigo de Rodrigo Cardoso, estudante do curso de direito da Universidade de Fortaleza. Ele pede espaços para abordar o cenário nacional onde Jari Bosonaro vem aparecendo como presidenciável. Confira:

A mais recente pesquisa Datafolha, realizada nos dias 7 e 8 de abril de 2016, trouxe um dado impressionante: os ricos votam em Jair Bolsonaro (PSC/RJ) e os pobres votam em Lula. Entre quem ganha até 2 salários, ou quem tem apenas o ensino fundamental, Lula tem liderança absoluta em intenção de voto, com 28 e 31 pontos, respectivamente. Entre quem ganha mais de 10 salários, quem lidera absoluto é Bolsonaro, com 20 pontos.

É compreensível que os mais pobres votem em Lula, pois foi o presidente que mais ajudou as classes menos favorecidas desse país, além de conceder diversas conquistas para o trabalhador brasileiro, como o aumento real do salário mínimo em todos os anos do seu governo, e diversos programas sociais reconhecidos no mundo inteiro. Mas é difícil compreender como a elite desse país, com o nível maior de instrução, possa ter a coragem de apoiar Jair Bolsonaro, um ser repugnante, fascista, viúva da ditadura militar, com pensamentos caretas, totalmente medievais, e que homenageou um notório torturador em seu discurso na votação do impeachment.

O principal motivo dessa alta popularidade de Bolsonaro entre os mais ricos é que a rejeição da elite desse país ao governo do PT não é mais oriundo da razão, pelo governo ruim, mas é apenas de ódio. É verdade que o PT em suas campanhas eleitorais ajudou essa divisão, entre ricos e pobres, provocou rixas na sociedade, mas seus governos não foram governos voltados essencialmente para os mais pobres, não foi comunista ou socialista, como alguns direitistas teimam em dizer, mas muito longe disso, principalmente, o governo Lula que teve um grande pacto social com a classe conservadora, como explica o livro de André Singer: os sentidos do lulismo. Os bancos nunca lucram tanto quanto no ano passado do governo Dilma.

Mesmo assim, o antipetismo foi construído e incentivado nos grandes meios de comunicações, junto com a veiculação da corrupção generalizada dos políticos tradicionais, dando ênfase aos petistas, como se fosse um partido de ladrões, o que não é verdade, pois a maioria do partido é composta por gente honesta, mas vários roubaram de fato, alguns já foram punidos e outros culpados devem ser. Mas na sociedade ficou enraizado esse sentimento de antipetismo muito forte, que não faz bem ao país, pois já provocou agressões nas ruas, discussões entre amigos, xingamentos de vários petistas em locais públicos, como dentro de um hospital com o ex-ministro Mantega, quando ele foi visitar sua mulher com câncer, e o ultimo caso, amplamente divulgado na imprensa foi com o ator José de Abreu em um restaurante em São Paulo.

As manifestações que ocorreram no país contra Dilma e Lula foram marcadas pelo ódio ao PT, negação da política, dos partidos políticos, e a única liderança política que capitalizou em cima disso foi Jair Bolsonaro. Algo similar ocorreu na Alemanha em 1933, quando um governo de centro-esquerda comandava o país, que sofria uma crise econômica, e a população enxergou em Hitler, a solução de todos os problemas, pois era um discurso fácil de ser engolido, por conta do ódio aos judeus e as esquerdas.

A elite enxerga no discurso odiento e fascista de Bolsonaro a antítese do projeto petista, personifica nele como a oposição ideal para substituir o governo do PT. A clássica direita brasileira – PSDB e PMDB, não respondem mais aos anseios do eleitorado conservador, pois ambos representaram modelos fracassados e ultrapassados, e o discurso do nacionalismo fascista de Bolsonaro entra como música no ouvido desse eleitorado de direita. A falta de um projeto nacional do PT para o Brasil, os diversos erros nos governo petistas, principalmente no mandato da presidente Dilma, com uma política econômica desastrosa, alianças espúrias desde o governo Lula, com os políticos mais arcaicos brasileiros oriundos do PMDB, várias personalidades do partido tendo se lambuzado na corrupção, tudo isso, fez o projeto do PT está em seu ciclo final e o Brasil precisa de uma alternância no poder em 2018, mas o caminho não é Bolsonaro, e longe disso.

O ódio nunca é um bom conselheiro na hora de votar, e a história mostra o que esse tipo de voto pode trazer para a sociedade. A figura de Adolf Hitler não deve ser esquecida, era uma figura caricata na Alemanha como Bolsonaro, mas com seu discurso fascista e de ódio foi angariando apoios, e com ele, chegou à presidência da Alemanha, e foi responsável pelas paginas mais sombrias da história da Alemanha e do mundo, não podemos deixar a história se repetir no Brasil. Devemos buscar uma opção presidencial em 2018, que não leve o país para os antigos donos do poder, que delapidaram o patrimônio público, com o projeto de estado mínimo, algo condenável em um país tão desigual como o Brasil. O país precisa de um político competente para trilhar o caminho do desenvolvimento econômico, com um projeto de nação, mantendo e aprimorando as conquistas sociais dos governos petistas e harmonizando um país dividido, e nunca um candidato que busca separar ainda mais a sociedade, destruir as minorias e criar barreiras para a construção de um futuro próspero, de paz e democrático para o país.

* Rodrigo Cardoso,

Estudante de Direito da Unifor.