Blog do Eliomar

O tempo da campanha e os números das pesquisas

Da Coluna Política, no O POVO deste sábado (15), pelo jornalista Érico Firmo:

Sete é a diferença talvez mais importante entre a pesquisa Ibope, divulgada ontem pela TV Verdes Mares, e a pesquisa Datafolha, que O POVO publicou no último domingo. Sete dias separam o término de uma e a finalização da outra. É sempre complicado comparar pesquisas diferentes, feitas com metodologias diferentes por institutos diferentes. Porém, no fim das contas, ambas têm o mesmo objetivo que é captar a opinião do eleitor de Fortaleza, naquele momento, sobre o 2º turno.

E os resultados são bastante semelhantes. Com uma semana de diferença, os dois candidatos aparecem no Ibope com percentuais maiores que os observados no Datafolha. Capitão Wagner (PR), com quatro pontos a mais. Roberto Cláudio (PDT), com três. No Datafolha, RC tinha 48% e o Capitão, 34%. No Ibope, o placar é de 51% a 38%.

Sete dias antes, o Datafolha mostrava que a diferença entre ambos era de 14 pontos percentuais. Agora, o Ibope aponta 13 pontos percentuais de diferença.

Os que não sabem em quem votar, que eram 10% no Datafolha, são de 4% no Ibope. A distribuição entre os dois candidatos foi praticamente uniforme. Brancos e nulos eram 8% no Datafolha e são 7% no Ibope.

Nos votos válidos, quando brancos e nulos são excluídos, o Datafolha mostrava Roberto Cláudio com 59% e o Capitão Wagner com 41%. O Ibope apresenta placar de 57% a 43%. Com sete dias a menos de campanha pela frente.

Com pesquisa realizada uma semana depois, o Ibope mostra cenário que pouco se alterou em relação ao Datafolha. A notícia é, obviamente, boa para o atual prefeito e candidato à reeleição. E ruim para o candidato de oposição. Afinal, RC está na frente. Wagner tenta reduzir a vantagem. Se pesquisa realizada uma semana depois mostra cenário tão parecido com levantamento anterior de outro instituto, isso é bom para quem quer manter o panorama da campanha. E ruim para quem deseja reverter a desvantagem.

Em sete dias, a pesquisa Ibope mostrou diferença entre os candidatos um ponto menor do que estava no Datafolha. Em votos válidos, ela é quatro pontos menor. No Ibope, está 14 pontos atrás nesse quesito.

Aparentemente, uma semana a mais de campanha fez a indefinição cair. Os votos se dividiram de forma mais ou menos uniforme. Com tendência ligeiramente favorável ao Capitão. Mas, considerando a margem de erro, não é possível afirmar se houve mudança real. Se houve, no ritmo em que vem, é pouco para reverter a diferença.

Outro número-chave para analisar o momento da campanha é 15. O número de dias que faltam até o 2º turno. Esse tempo dá para quê? Para coisa demais. Primeiro, considerando a ressalva que nunca deixo de fazer: pesquisas erram. Elas têm margem de erro. Se a diferença está dentro dessa margem, a pesquisa não errou. Está estatisticamente previsto. E ainda há 5% de possibilidade de as pesquisas errarem até fora dessa margem. É probabilidade a ser considerada.

Além disso, fatos novos podem surgir. Candidatos raramente se conformam passivamente em ficar atrás. Wagner pode mudar a estratégia de campanha. No programa eleitoral de ontem, já foi incisivo ao apontar promessas que não teriam sido cumpridas por RC. Bater é sempre perigoso. Pode tirar votos do adversário ou aumentar a rejeição de quem bate. Nunca é estratégia fácil. E há os debates pela frente. São muitos fatores, capazes de, talvez, introduzir novidades e deslocamentos na eleição. Porque, até agora, com sete dias de diferença entre elas, as pesquisas realizadas apresenta panorama com mudanças sutis. A seguir assim, Fortaleza terá seu terceiro prefeito reeleito.