Blog do Eliomar

Hoje é o Dia Mundial do Xadrez

foto-xadrez-pecas-reis

Em uma crônica enviada ao Blog, o jornalista Nicolau Araújo aborda a questão racial no Dia Mundial do Xadrez, neste sábado (19). Confira:

– Xeque-mate! Anunciou o intrépido jogador, em uma mesa de bar, já com o tabuleiro armado à espera de um novo adversário.

– Quem venceu, as brancas ou as pretas? Perguntou um branco, alto e forte, interrompendo a sinuca ao lado.

– Eu venci. Lisonjeou-se o franzino xadrezista.

– Sim, mas de brancas ou de pretas? Insistiu o jogador de sinuca, ainda de taco na mão.

– Que diferença faz?! Eu venci e pronto!

– As pretas venceram. Acusou um negro, encostado ao pé do balcão.

– Que nada! Foram as brancas, eu vi! Protestou um branco, a duas mesas do tabuleiro.

– Foram as pretas! Retrucou um mulato, que chegava não se sabe de onde.

– Foram as brancas! Gritou um ariano, se espremendo entre o pequeno aglomerado, que ganhava corpo.

– Foram as pretas!

– Foram as brancas!

– As pretas!

– As brancas!

– As pretas!!

– As brancas!!

– Ei! Eu venci! Reclamou o homenzinho, que tentava manter o tabuleiro armado.

– Sai pra lá! O homenzinho fora destronado para dar lugar ao que se poderia chamar de jogo vivo.

– Joga o bispo lá!

– Avança o peão!

– Ataca o cavalo dele!

– Come a torre!

– Bota a rainha na diagonal!

– Descrava o rei!

– Ei! O que é isso?!

– Tá na regra!

– De qual regra?

– Tá insinuando que estamos trapaceando?

– Vocês estão trapaceando!

Brancos e negros levam a disputa para fora do tabuleiro, através de socos e pontapés. Ao som das sirenes de viaturas da polícia, brancos e negros se unem na fuga.

– Polícia! O que está acontecendo aqui?

– Brancos e negros quebraram o meu bar, por causa do resultado de uma partida de xadrez. Reclamou o dono do estabelecimento.

– E quem venceu, as pretas ou as brancas? Perguntou um policial, que vistoriava o local.

– Eu venci. Suspirou o franzino xadrezista, que apanhava as peças espalhadas pelo chão.