Blog do Eliomar

No quesito transparência, a AMC ultrapassou o sinal vermelho e levou multa da cidadania

Com o título “O bem que faz a clareza”, eis ponto de vista do jornalista Érico Firmo, editor de Cotidiano e colunista de Política do O POVO, sobre o imbróglio criado pela AMC em torno de multas sobre quem ultrapassasse o semáforo no vermelho durante as madrugadas. Falta de transparência dá nisso. Confira:

A polêmica sobre multa por avanço em sinal vermelho é exemplar e pedagógica sobre comunicação pública. Até segunda-feira, a AMC informava que motoristas que ultrapassam sinal vermelho estão sujeitos a multa, mesmo de madrugada. Ao dizer isso, a autarquia levava ao público orientação distinta da adotada até então, anunciada ainda no primeiro mandato de Luizianne Lins (PT).

Antes, dizia-se aos motoristas horários e velocidade nos quais não eram multados. Desde a semana passada, o recado era que a multa podia ocorrer em qualquer horário. Houve mudança de postura, ainda que só publicamente.

Autoridades fizeram isso com a melhor das intenções, para evitar acidentes e estimular respeito à lei. Porém, disseram declarar uma coisa publicamente, embora adotassem outro comportamento internamente. Com toda boa intenção mundo, isso está errado. Publicidade dos atos é princípio da administração pública. Está no artigo 37 da Constituição. Não é direito do poder público deixar de informar à população a maneira como age.

A razão para motoristas não serem multados ao avançarem sinal vermelho na madrugada é não os expor a possível risco. Se as pessoas ficarem paradas no semáforo por medo de multa, podem estar submetidas ao perigo do mesmo jeito. A intenção não se concretiza. Além do mais, como as pessoas haveriam de saber que, no caso de precisar avançar o sinal, deveriam fazê-lo a 30 km/h? Se o poder público passou a não informar, apesar de dizer adotar o critério internamente?

Não fazia sentido. Clareza, transparência e respostas diretas, sem evasivas, são sempre a melhor maneira de se relacionar com a população, sem subestimar as pessoas e sem esconder nada.