Blog do Eliomar

O aumento dos homicídios no Ceará não é ficção

Com o título “”3.417 mortos não são ficção”, eis artigo da jornalista Iana Soares, que nos expõe a onda de assassinatos de jovens e adolescentes nos últimos dias, no Ceará. Um roteiro absurdo que expõe o aumento dos homicídios. Confira:

Muitos anos depois, diante do fuzilamento, o jovem cujo nome nunca saberemos haveria de recordar o instante exato em que viu a Pajuçara do alto, em cima de uma roda-gigante, enquanto comia um algodão-doce ao lado da moça que beijara no beco, ao meio-dia. Ainda não adivinhava o filho que agora visitara.

Yasmin deitou o vestido sobre a cama depois de prová-lo e dar voltas diante do espelho de moldura azulada. Escolheu uma cor que contrastava com a areia vermelha de Pentecoste. Não sei se ensaiou a descida pelas escadas, se haveria escadas ou se os ciganos que passaram por Macondo também assistiriam à festa da menina que dançaria valsa e Anitta. Atravessada por uma bala, rasgou o tempo. Quinze anos são uma centelha para os que virão de solidão.

Adolescente é morto em frente a hospital após visitar filho recém-nascido. Enquanto segurava um bebê-conforto, um menino de 17 anos foi alvejado por uma quantidade não definida de tiros. A maioria das balas atingiu o rosto. Não relataram o movimento que o corpo fez antes de alcançar a calçada, mas houve quem perguntasse: “Tinha passagem?”. O filho estava dentro da maternidade, não no bebê-conforto.

Adolescente é baleada em assalto e morre no dia em que completaria 15 anos. Durante a comemoração de festa de aniversário da mãe, Yasmin Furtado foi atingida pelo disparo de um dos assaltantes. A bala ricocheteou na janela e foi parar na nuca da garota, que não sobreviveu.

As primeira frases dos dois últimos parágrafos foram manchetes do O POVO Online, em 15 de setembro. No sábado, 16, o jornal O POVO manchetou que, a três meses do fim do ano, o número de homicídios de 2017 já supera todo o ano anterior. Em oito meses e meio, 3.417 pessoas foram assassinadas no Ceará. Os dois primeiros parágrafos deste texto são a ficção que arrisco na tentativa de entendermos que há vidas interrompidas por questões que o Estado precisa enfrentar. Nunca serão apenas números.

*Iana Soares

ianasoares@opovo.com.br

Jornalista do O POVO.