Blog do Eliomar

Demissões de professores da Estácio atingem unidades de Fortaleza. Grupo se manifesta

952 1

(Postagem atualizada às 13h25min)

Protesto dos alunos da Estácio de São Paulo (Foto – Globo)

O Grupo Estácio demitiu cerca de 1,2 professores em toda sua rede no País. A medida gera protestos em todas as unidades, incluindo Fortaleza, onde os alunos lançaram abaixo-assinado contra as demissões em massa.

Houve cortes na Estácio do Ceará.

*Confira o abaixo-assinado dos alunos da Estácio do Ceará:  https://secure.avaaz.org/po/petition/Alunos_de_todos_os_cursos_de_Graduacao_da_Estacio_de_Sa_Abaixoassinado_contra_as_demissoes_em_massa_na_Universidade_Esta/?zMuWFmb&utm_source=sharetools&utm_medium=whatsapp&utm_campaign=petition-461323-Alunos_de_todos_os_cursos_de_Graduacao_da_Estacio_de_Sa_Abaixoassinado_contra_as_demissoes_em_massa_na_Universidade_Esta&utm_term=MuWFmb%2Bpo

Confira carta de um professor demitido da Estácio de Fortaleza. Em tom de desabafo, ele pediu reservas:

Caro jornalista Eliomar de Lima,

Sou professor demitido pela Estácio. E fui demitido por que? Por que sou assíduo, pontual, ganho prêmios e dou boas aulas. Infelizmente para eles isso não é qualidade, eles querem precarizar o serviço docente trocando professores por computadores e aulas online. A Instituição não respeita seus professores, não valoriza seu trabalho, não aceita opiniões e não deixa a democracia atuar no meio acadêmico.

Há muita mentira. Projetos são custeados pelos professores e depois a direção apenas quer fotografias para dizer o que se fez. Os professores demitidos foram demitidos por que são profissionais sérios e competentes e isso para a Estácio não é qualidade do ensino. A Estácio usa doutores apenas para credenciamento e depois os descarta.

A Estácio não cuida da segurança dos alunos que são assaltados dentro e fora da Instituição. A Estácio tem péssimo atendimento aos alunos que, mesmo marcando horário com seus coordenadores, nunca os encontra na Instituição e, quando os encontra, nada resolvem pois o poder está concentrado no Rio.

A Estácio persegue a quem ousar reclamar. A Estácio tem decaído no ensino e os mecanismos beneficiam mais aos alunos que não estudam do que os que estudam.

Enfim a Estácio é isso tratam os alunos e os professores como lixo. O professor da Estácio não é feliz…Pois vive sob ameaças, coações e falta de respeito…

*Assinado – Professor da Estácio em depressão terrível.

Confira a nota da Estácio:

O Grupo Estácio promoveu, ao fim do segundo semestre letivo de 2017, uma reorganização em sua base de docentes. O processo envolveu o desligamento de profissionais da área de ensino do Grupo e o lançamento de um cadastro reserva de docentes para atender possíveis demandas nos próximos semestres, de acordo com as evoluções curriculares.

Esta reestruturação não tem nenhuma relação com as novas regras estipuladas pela chamada “Reforma Trabalhista”. As novas contratações ocorrerão exatamente no mesmo regime de trabalho dos professores que estão sendo desligados. Portanto, a alegação de que a Companhia supostamente estaria realizando um desligamento em massa para se beneficiar das novas regras trabalhistas não procede. Não se trata de recontratação dos mesmos professores que estão sendo desligados.

A Legislação brasileira determina que eventuais desligamentos de professores só ocorram em janela muito restrita, o que faz com que o volume de desligamentos fique concentrado em curto espaço de tempo. Prova disso, é que não há desligamentos de docentes ao longo dos demais meses do semestre.

A reestruturação está levando em consideração a qualificação dos professores de acordo com exigências do órgão regulador. A Estácio manterá mesmo o rigor na contratação de seus docentes. A Estácio reafirma seu compromisso em manter a qualidade de ensino que conquistou com muito trabalho ao longo dos últimos anos.

A Estácio não divulgou números relacionados a essa reestruturação. A reorganização tem como objetivo manter a sustentabilidade da instituição e foi realizada dentro dos princípios do órgão regulatório.