Blog do Eliomar

O pré-carnaval e o direito dos moradores

Em artigo enviado ao Blog, o conselheiro da Comissão Federal de Anistia do Ministério da Justiça, Mário Miranda de Albuquerque, reclama da falta de sinalização durante a realização do pré-carnaval. Confira:

É um absurdo o que está acontecendo aos moradores e seus familiares residentes nas ruas do entorno onde acontecem as apresentações de blocos nesse pré-carnaval em Fortaleza. O elementar direito de ir e vir está sendo flagrantemente violado, com o bloqueio das ruas pela AMC.

Simplesmente, moradores e familiares não conseguem entrar (sair ainda é possível, com enormes dificuldades). Tome-se o exemplo da rua Gonçalves Ledo, entre a Monsenhor Tabosa e a Tenente Benévolo, imediações do Mercado dos Pinhões. O acesso que normalmente é feito pela Monsenhor Tabosa está bloqueado e não há qualquer placa indicativa orientando como seria o acesso.

Por dois sábados consecutivos, vi frustrada a visita à minha mãe idosa e doente. A gente é jogado, por intuição, pois não há placa de orientação, como afirmado, a buscar uma saída pelo lado da praia da Monsenhor Tabosa, e o resultado é que fica-se perdido no meio do verdadeiro labirinto de ruelas e becos existentes nesse setor. Um absurdo.

Assim como eu, outros membros da família passaram pelo mesmo tormento e frustração e é de se supor que outras famílias residentes nesse trecho da rua Gonçalves Ledo também.

Apela-se medidas saneadoras do problema por parte das autoridades municipais e quiçá do Ministério Público. É possível que o mesmo esteja ocorrendo em outras áreas da cidade. Imagine em caso de emergência por doença.