Blog do Eliomar

Informação unida contra o crime

Editorial do O POVO deste sábado (10) ressalta a escolha do Ceará para sediar o primeiro Centro Regional de Inteligência Integrado, essencial para mapear os passos dos criminosos. Confira:

O Ceará acaba de ser brindado com o anúncio de que foi escolhido para sediar o primeiro Centro Regional de Inteligência Integrado permanente do País para combater o crime organizado. O comunicado oficial foi feito pelo ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, em atendimento ao pedido formulado por nove governadores do Nordeste, tendo como justificativa a posição geográfica estratégica do Estado na rota do tráfico de drogas internacional.

Aliás, a notícia encontra o Ceará ainda abalado pela execução sumária de três mulheres, executadas com requintes de perversidade por supostos membros de uma facção supostamente integrante do crime organizado local. Os assassinatos causam grande clamor público e pressionam em favor da punição rigorosa dos culpados.

Qualquer estratégia de combate ao crime organizado tem como pressuposto básico as ações de inteligência. A informação é essencial para mapear os passos dos criminosos e possibilitar o desbaratamento das quadrilhas antes que se tornem quistos inextirpáveis. E para evitar superposições e dispersões de esforços e recursos é preciso centralizar os serviços de inteligência das polícias militares e civis estaduais, Polícia Federal e de cada corporação das Forças Armadas para enfrentar o desafio de um antagonista perigoso e bem articulado. Para tanto, não se partirá do nada, pois já existe um cabedal de experiências resultantes dos centros integrados provisórios, montados durante eventos de peso, como a Copa do Mundo, Olimpíadas e fóruns internacionais do meio ambiente.

Evidentemente, é preciso que a própria sociedade civil possa participar desses esforços, a partir dos estudos promovidos por seus centros acadêmicos não só para agregar maior rigor científico, mas ajudar no controle social desse instrumento. Essa é uma exigência natural da democracia para que os objetivos perseguidos não se desvirtuem eventualmente, como é suscetível (mas não imperativo) de acontecer quando se monopolizam informações.

O Ceará sente-se gratificado por situar em seu território um sistema operacional dessa envergadura e certamente envidará esforços para que tenha o máximo de sucesso no objetivo almejado. A contribuição do Estado poderia traduzir-se também, de forma paralela, na reunião do conhecimento produzido nessa área por suas universidades para fazer uma ponte com outros centros acadêmicos espalhados por todo o País com o mesmo objetivo. É o Brasil todo que sairia ganhando com esse intercâmbio de conhecimentos em área tão demandada.