Blog do Eliomar

A Torcida Real

Com o título “God save the queen”, eis artigo do jornalista Cláudio Ribeiro, no O POVO desta quarta-feira. Ele mistura, de uma menira bem humorada, a Copa da Rússia com a possível gravidez da princesa Kate. Confira:

A se confirmar o que o tabloide americano Life & Style andou espalhando ontem, de que a duquesa Kate Middleton estaria com sinais de nova gravidez apenas dois meses após ter dado à luz ao menino Louis, eita que talvez a seleção inglesa nem esteja nas manchetes de hoje depois do jogo suado contra a Colômbia. Harry Kane perdeu a foto principal do The Sun? Será que o Daily Telegraph terá a charge da bisa Elizabeth reclamando de tanto menino correndo pelo palácio? Com todo o respeito, mas “valha, Kate, de novo? Respeitou nem o resguardo?” — como dizem em Londres ou na Itapipoca. Entre a Copa do 7 a 1 e esta dos rolamentos de Neymar, Buckingham aumentaria em quatro novas crias reais. Eita!

Os ingleses são loucos por futebol. Inventaram as regras do 11 contra 11, bola de couro, duas traves e gols por fazer. Hoje eles têm uma liga espetacular, bem cara, bem jogada. Passaram daquele tempo que eram só chutões pra frente, pro alto, até algum galalau alcançar o ponto mais alto do cruzamento com uma cabeçada. David Beckham batia bem na bola, chutava como poucos, era ótimo para essa estratégia, além de jogar bonito para o marketing.

Os clubes do pebol inglês juntaram bom dinheiro, atraíram investidores russos e coreanos e chineses, venderam bem o produto e as grandes contratações aportaram. Os melhores jogadores do futebol da Inglaterra não são nem da Inglaterra. Os treinadores mais caros também vieram. Os compatriotas de Beckham foram entendendo novos esquemas táticos, dribles e o jogo deles melhorou. Mas nem tanto, my lord. Triangulações, linhas aproximadas de marcação, tudo muito parecido, como a Copa da Rússia tem mostrado.

Porém, todo esse debate sobre o esporte bretão, se está melhorado, perde relevância entre os súditos se for verdadeira a notícia de que a família real ganha novo nome na sucessão. O que importa classificar por pênaltis para as quartas de final do Mundial?

Já tá 3 a 0 para William e Kate. O prenúncio de mais um gol na prole do reinado talvez deva ser nova fofoca, barrigada (ops!) do jornal americano. Harry e Meghan, recém-casados, olham tudo do banco de reservas. Que Deus salve a rainha pra tanto bisneto. A propósito, Inglaterra e Brasil podem se encontrar na final.

*Cláudio Ribeiro

Jornalista do O POVO.