Blog do Eliomar

Uma hora a pirâmide cai…

Com o título “Uma hora a pirâmide cai”, eis artigo de Beatriz Cavalcante, jornalista do O POVO. Ela alerta sobre a busca pelo dinheiro fácil agora povoando as redes sociais Confira:

Ninguém está imune a fraudes. A possibilidade de dinheiro fácil é a isca. Seja qual for o motivo, ou por estarem em momento frágil da vida, ou apenas pela ganância, as quedas parecem ciclos. Elas se repetem de maneira bem parecida.

E uma estratégia que promete ganhos rápidos, mas acaba em perda de dinheiro é o esquema de pirâmide, muitas vezes disfarçado pelo nome marketing multinível. Os espertalhões, que entram primeiro no modelo, ou seja, estão no topo, ganham tudo de quem entra depois.

Porém essa pirâmide é frágil. Ela depende da entrada de mais enganados. A base aumenta, fornece dinheiro para quem está no topo e uma hora ela desmorona. O investimento fica na mão de poucos. Os outros ficam a não ver nem mesmo navios.

Quase caí neste conto. Um vizinho me chamou para investir em aposta de jogos de futebol. Teria que comprar cotas para entrar no esquema e ganhar com o resultado dos jogos. A cada pessoa nova que ele convocasse, brindes e mais lucro eram prometidos.

Estranhei primeiro o fato de haver três tipos de cotas, mas a única que valia investir era a de R$ 6 mil. O restante nem adiantava. Depois o fato de que a aplicação se transformaria em bitcoins, moeda virtual muito utilizada em fraudes.

E o principal foi o estímulo quase que obrigatório ao investidor para conseguir outras pessoas. Quanto mais “jogadores” no time de futebol, cresceriam proporcionalmente os ganhos e a potência dos brindes. De iPhones a carros e cruzeiros.

Ao pesquisar a empresa, vi que ela já tinha vários processos de falha no resgate do dinheiro, para quem quisesse resgatar o lucro que obteve, virtualmente, na aposta de jogos e na venda dos tais bitcoins, que pareciam ser reais. Os donos da pirâmide já haviam criado outras empresas do mesmo modelo e apelidavam de marketing multinível.

Com as informações em mãos, avisei aos vizinhos. Tão ludibriados estavam com a palestra da empresa e a promessa de ganho fácil, agradeceram o alerta, mas continuaram a apostar seus investimentos no esquema. Compraram cerca de R$ 30 mil em cotas. Marido, mulher, irmão, pai e mãe foram chamados para participar do time. Meses depois a pirâmide desmoronou.

*Beatriz Cavalcante

beatrizcavalcante@opovo.com.br

Jornalista do O POVO.