Blog do Eliomar

Centenário de Estrigas será lembrado com vasta programação

O centenário de Nilo de Brito Firmeza, o Estrigas, um dos principais nomes das artes cearenses, será celebrado pela Secretaria da Cultura do Ceará e o Minimuseu Firmeza com uma programação especial.

Segundo a assessoria de imprensa da Secult, a programação terá início no dia 19 de setembro e se estenderá até 18 de outubro, ocasião em que a vida e a obra de Estrigas serão lembradas a partir de atividades como debates, exposições e a entrega do Diploma Estrigas destinada a artistas e personalidades de destaque da cultura cearense.

Exposição

Em 19 de setembro de 1919 nascia o pintor, ilustrador, escritor e crítico de arte Nilo de Brito Firmeza, o Estrigas. Cem anos depois, na mesma data, é tempo de celebrar sua vida e obra com uma programação especial, a começar pela Exposição “100 Estrigas”, em cartaz no Mauc e com abertura às 18h30min. Contando com a curadoria de Gilmar de Carvalho, a exposição traz obras do artista e contará com a exibição do documentário “Estrigas”, uma produção Núcleo de Documentários da TV Assembleia do Ceará. A exposição segue em cartaz até dia 18 de outubro com, lançamento do livro “A Grande Arte de Estrigas – Memória Crítica”, de Gilmar de Carvalho.

“Estrigas assumiu vários papéis durante a vida longa que teve: pintou, desenhou, fez aquarelas, poesia, crítica de arte, biografias, e estimulou carreiras de jovens artistas. Defendia o Humanismo, tinha uma profunda consciência do papel social das artes e fugia de qualquer manifestação narcisista, optando pelo coletivo, vendo a História como processo e não se imiscuindo em questões mesquinhas. Pensava grande e nos deixou um legado como artista e como historiador da arte”, destaca o curador da exposição Gilmar de Carvalho.

Diploma Estrigas

Na ocasião de abertura da exposição “100 Estrigas” acontece também a entrega do Diploma Estrigas, uma homenagem da Secult e do Minimuseu ao próprio pintor e a artistas e personalidades da cultura cearense que se dedicam à preservação, à memória e à divulgação da cultura do Estado. São eles: a escritora Ângela Gutiérrez, o colecionador Schubert Machado, a pesquisadora Olga Paiva, o artista Bené Fonteles, o pesquisador Gilmar de Carvalho, o filósofo e professor Auto Filho e o Museu de Arte da Universidade Federal do Ceará – MAUC/UFC.

Minimuseu Firmeza

Para dar continuidade à programação comemorativa do centenário de Estrigas, o Minimuseu Firmeza – equipamento cultura que já foi a casa e ateliê do artista e de sua esposa Nice Firmeza – abre uma nova exposição no dia 20 de setembro do artista e professor de artes visuais Leo Lima, com trabalho produzido por idosos do Lar Francisco de Assis e Lar Torres de Melo. A exposição é resultado de um projeto de oficinas de pinturas, que foi contemplado por meio do XI edital de Incentivo às Artes Visuais da Secult. A mostra terá 96 trabalhos, entre pinturas em telas, como intervenções de pinturas em fotografias. Em cartaz até 20 de outubro, a exposição terá visitações abertas nos horários de funcionamento do espaço.

Já no dia 21 de setembro, às 10 horas, o Sobrado Dr. José Lourenço, equipamento da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult), fará um Café do Zé especial, em homenagem ao centenário de Estrigas. Também na ocasião acontece uma homenagem especial da Escola de Gastronomia Social Ivens Dias Branco, equipamento da Secult, que, por meio de seus alunos e professores, proporcionará um momento de degustação de uma receita da Nice Firmeza. Na programação, também a distribuição de cópias da Hemeroteca doada ao Sobrado Dr. José Lourenço. Estrigas analisou e documentou o cenário artístico cearense, publicando vários livros sobre o assunto ao longo de sua carreira. Parte dessa história também está registrada na hemeroteca que Estrigas doou ao Sobrado Dr. José Lourenço. São recortes de jornais, folders de exposições e catálogos de arte colecionados pelo artista e que datam dos anos 1950 aos 1990.

Iracema das Artes

O Porto Iracema das Artes, por sua vez, promove um ciclo de palestras, entre os dias 26 e 27 de setembro, sempre às 15h. No dia 26/9, a escritora Ângela Gutiérrez aborda o tema “Estrigas e Nice no território mítico do Mondubim e nas Artes do Ceará” e o pesquisador Gilmar de Carvalho fala sobre o “Estrigas Centenário”. No dia 27/9, acontecem as palestras “Estrigas, o crítico de arte”, com o professor Auto Filho; “Minimuseu Firmeza: formação e permanência de um acervo”, com a historiadora Paula Machado; e “O Minimuseu Firmeza como bem cultural”, com a pesquisadora Olga Paiva.

Por sua vez, como uma bela ação de culminância da semana e para relembrar a vida e obra do nosso querido estrigas em seu terreiro, temos o “O Baobá apresenta” – uma programação afetiva e celebrativa que acontece no dia 28 de setembro, de 9h às 13h, também no Minimuseu Firmeza. A atividade conta com rodas de bordado, artes plásticas, visitas guiadas e apresentações artísticas no antigo sítio e ateliê de Nice e Estrigas.

Quem foi Estrigas

Ao longo de sua trajetória de mais de 60 anos, Estrigas (1919-2014) participou ativamente do movimento artístico local e nacional, tendo suas obras alcançado espaço em grandes acervos. Estrigas retratou o mundo das artes plásticas cearense por meio pinturas e estudos sobre o tema, traduzidos em rica bibliografia. Pesquisador e crítico das artes cearenses, escreveu diversos livros, como: “Arte: Aspectos Pré-Históricos no Ceará” (1969); “Fase Renovadora na Arte Cearense” (1983); “A Saga do Pintor Francisco Domingos da Silva” e “Contribuição ao Reconhecimento de Raimundo Cela” (ambos em 1988); “Barrica: o Alquimista da Arte” (1993); “O Salão de Abril” (1943 a 2009); entre outros.

Foi um dos principais articuladores da Sociedade Cearense de Artes Plásticas (SCAP), ao lado de artistas como Mário Baratta e Raimundo Cela. Em 1953, assumiu a presidência da entidade que o formou e ajudou a captar apoio da gestão municipal para a realização do Salão de Abril. Sua relação com esta Mostra era sempre de afeto e delicadezas, participou dela como expositor por diversas vezes e publicou sobre ela o livro “Salão de Abril: História e Personagens”, em 1994, e “O Salão de Abril” (1943 a 2009), sendo também homenageado em sua 30ª edição, em 1980. Entre as décadas de 1950 e 1960, Estrigas chega a criar a Escola de Belas Artes do Ceará, projeto que é interrompido após dois anos de existência.

Nesse período, conhece a pintora cearense Nice Firmeza, com quem se casa. Desde então, o casal passou a realizar diversas exposições coletivas em circuito local e nacional. Os quadros do casal já foram expostos no 10º Salão Paulista de Arte Moderna, em São Paulo, na inauguração do Museu de Arte da Universidade Federal do Ceará (MAUC) e na exposição Centrèe Hospitalier Specialisè, na cidade francesa de Toulon.

Ao casar-se com Nice, em 1961, mudou-se para o sítio da família Firmeza, no Mondubim. O espaço, no qual viveram até morrer, foi transformado em casa-museu em 1969. Chamado inicialmente de FirmezArte e posteriormente batizado de Minimuseu Firmeza, o espaço conta com obras de autoria de Estrigas e Nice, além de obras dos principais artistas plásticos cearenses, como Raimundo Cela, Mário Baratta, Aldemir Martins, entre outros.

Estrigas morreu aos 95 anos de idade, em 2 de outubro de 2014.

DETALHE – A programação conta com o apoio da Universidade Federal do Ceará, por meio do Museu de Arte da UFC (Mauc), da Secultfor, do Sobrado Dr. José Lourenço, Museu do Ceará, Porto Iracema das Artes, Escola de Gastronomia Social Ivens Dias Branco, Galeria Multiarte, do Instituto de Estudos e Pesquisas sobre o Desenvolvimento do Estado do Ceará (INESP) e da TV Assembleia.

(Foto – Divulgação)