A eterna reforma do Calçadão da Beira Mar

Do coordenador dos Amigos da Beira Mar, Tadashi Enomoto, recebemos a seguinte cborança: 

Prezado Jornalista Eliomar de Lima,
 
Apesar de ter sido prorrogado por três vezes o PRAZO DE ENTREGA DA OBRA, verificamos que as trocas de cerâmicas do calçadão da Beira Mar não foram encerradas. Faltam rejuntamento e a colocação de meias cerâmicas e bancos de concreto em alguns trechos.

Aproveitando o Blog, solicitamos o reinicio os serviços de pintura das grades de madeira do espigão, que estão paralisados.

Atenciosamente,
 
Tadashi Enomoto
Coordenador dos Amigos da Beira Mar.

Eliomar de Lima

Sobre Eliomar de Lima

Jornalista, radialista, professor e escritor de histórias infantis, mas, acima de tudo, um viciado em informação, não dispensa cantarolar de vez em quando. Pra não dizer que fugimos do mundo da intelectualidade, temos Especialização em Gestão da Comunicação. Email:eliomarmar@uol.com.br / eliomardelima@gmail.com

4 comentários sobre “A eterna reforma do Calçadão da Beira Mar

  1. Caro Eliomar

    Não custa repetir: atualmente, sinto vergonha de ser Fortalezense, de receber amigos de outros Estados e perceber o quanto ficarm decepcionados com a má conservação de nossa cidade, com o descaso, com a sujeira, com os camelódromos do centro. Falando nisso: já deu uma passadinha na Rua Barão do Rio Branco, alí perto das Lojas Americanas? Pois é, tem gente matando porco na coxia, vendendo peixe….mercado persa é elogio!
    Essa Prefeitura que aí está é um desastre total: amadora, inoperante, omissa e preguiçosa. É a “Prefeitura” dos mil e um Projetos Virtuais e nunca executados. Pobre Fortaleza !

  2. Por mais que me esforce, não consigo compreender. O calçadão nunca chega ao ponto exato. Está sempre por fazer, sujo, quebrado e alquebrado. Os coopistas driblam as falhas do piso e as bicicletas, além dos trombadinhas. São verdadeiros heróis, aparentemente inquebráveis e que não desistem. Se ocorrem acidentes, ninguém fica sabendo… Os furtos caíram na vala comum e são anunciados quando afetam figurões. Não dá para se caminhar distraidamente, sob o risco de retornamos para casa com cara de decepção.

  3. Os coopistas da noite, pedem o apoio dos Amigos da Beira Mar, na pessoa do seu dinâmico Coordenador, o coopista diurno Dr. Tadashi, para duas irregularidades que afloram toda noite:
    1 – O barulho irritante e afugentador emitido por uma sequência de carros, mini-trio e bicicletas-do-som anunciando show de humor. A SEMAM, através do esforçado Dr. Deodato, e a SER-II já prometeram soluções mas a coisa tem é piorado;
    2 – O vai-e-vem dos carrinhos “de geladeira” e seus condutores maleducados, que levam produtos para as barracas da feirinha (já podemos chamar de feirona feiona), trombando em pedestres, turistas e coopistas e ficando estacionadas no final do calçadão, poluindo ainda mais a antes bucólica paisagem do mar. Lembro que uma época foi disciplinado um horário de entrada e de saída, mas agora a coisa tá totalmente descontrolada. “Ó o mei ! Oia o peso! Oia a barroada!” é o que mais se houve. Isso quando não vem acompanhada de interjeições chulas, tipo: BAI…, Pô…, Fela, e outros. Socorro, ABM!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

doze + um =