Blog do Eliomar

Arquivos do autor Eliomar de Lima

Voto – Exercício da Cidadania

Com o título “Voto: Exercício da Cidadania”, eis artigo do advogado Irapuan Diniz de Aguiar. Chega num momento em que os partidos começam a definir sua participação no processo eleitoral. Confira:

Neste período que antecede as eleições cumpre alertar para a importância e significação do voto porquanto, como o instrumento mais democrático posto à disposição do cidadão, necessita ser bem utilizado. Votar não é um ato qualquer. Não é só comparecer a uma secção eleitoral e se sentir desobrigado deste dever da cidadania. É grave a responsabilidade de escolher alguém com ideias e programas viáveis, com competência e coragem de implementá-los e dos quais, como decorrência, reduzam a miséria do nosso povo e as desigualdades sociais. É, por conseguinte, o tipo de escolha que vai afetar toda uma coletividade, que vai definir seu destino num mundo cada vez mais globalizado, mais exigente e mais competitivo por isso que uma escolha errada guiada pelo equívoco ou pela insensatez, em vez de soluções, trará mais problemas e dificuldades.

Nesse sentido, cabe ao eleitor bem avaliar os valores reais dos candidatos, suas verdades e/ou suas mentiras, suas propostas, a partir dos debates públicos que serão travados, do contato pessoal, do conhecimento de suas histórias de vida e das razões que os animam à disputa eleitoral. Estas são apenas algumas referências para à formação de sua convicção e a definição propriamente dita do seu voto. Não se deixe seduzir pelas aparências. O cidadão responsável sabe que não há soluções fáceis para problemas complexos e nem mágica para mudanças.

A despeito da vigente legislação eleitoral já ter melhor disciplinado a utilização da propaganda com a proibição da poluição visual na paisagem de nossas ruas e avenidas, ainda persiste o abuso de algumas práticas na mesma direção. O eleitor deve observar e identificar, pelo volume e ostentação, quais os candidatos que abusam do poder econômico nas campanhas eleitorais prestes a se iniciar. Muitos deles colocam seus objetivos eleitoreiros acima da responsabilidade social. É, justamente aí, que os candidatos vão se desnudando e se mostrando ao eleitor como verdadeiramente são.

Quanto as suas propostas e planos de governo, procure o eleitor examinar se os temas abordados, especialmente em relação à segurança pública, a educação e a saúde, não são tratados superficialmente nos seus aspectos mais gerais e óbvios. Tem-se observado, nas campanhas passadas, que a discussão entre os candidatos não envolve itens relevantes e contemporâneos, como currículo escolar, a sedução das drogas e como lidar com elas, – e não, apenas, o redundante combate ao narcotráfico -, a situação do negro na sociedade, o avassalador apelo ao sexo nos programas de TV e tantos outros que interessam de perto à família.

Com o surgimento, nos últimos tempos, das ONGs, passa-se a falsa noção de que estes assuntos não mais integram a órbita de atuação do governo, inserindo-se na jurisdição destas entidades. Ou, ainda: que tais questões se circunscrevem ao foro íntimo de cada um ou, no máximo, ao âmbito familiar. O que se precisa, e com urgência, é a discussão sobre a infância (meninos na rua), mal criados, sem escola, sem teto e, o que é pior, sem perspectiva de futuro.

*Irapuan Diniz Aguiar,

Advogado e membro da Academia Fortalezense de Letras.

Juiz homologa acordo trabalhista fechado via WhatsApp

Por entender que aplicativos de celular podem auxiliar a Justiça do Trabalho na conciliação entre as partes, o juiz Raimundo Paulino Cavalcante Filho, da 3ª Vara do Trabalho de Boa Vista (RR), decidiu homologar um acordo trabalhista feito por meio do WhatsApp. O caso analisado tratava de um eletricista que, após sofrer acidente de trabalho, cobrou indenização por dano moral, dano estético e dano material, além de outros pagamentos.

Foi criado um grupo no aplicativo para fazer as tratativas e acertos. Administrado pelo diretor de secretaria da 3ª Vara, Luiz Eduardo da Cruz, sob ordem do juiz titular da vara, o grupo era composto pelo advogado do reclamante, David da Silva Belido, e pelo advogado da empresa reclamada, Henrique Eduardo Ferreira de Figueiredo.

A conversa a distância levou à elaboração de um termo de acordo de R$ 850 mil, protocolado nos autos, e a posterior homologação. A prática de utilizar o aplicativo tem sido mais comum na 3ª Vara. Segundo o diretor da unidade, a ferramenta ajuda a Justiça do Trabalho a alcançar seu objetivo maior.

“Eu tenho tratado com muitos advogados pelo WhatsApp. A grande maioria nem vem mais ao balcão. Isso dá mais celeridade ao processo, e prioriza o princípio da conciliação. Se a ferramenta eletrônica existe, porque não utilizá-la a favor da conciliação no processo?”, diz Luiz Eduardo da Cruz. Com informações da Assessoria de Imprensa do TRT-11.

O general também é filho de Deus

212 1

Do senador José Pimentel (PT), ao ser indagado sobre a pré-candidatura do general Guilherme Theophilo ao Governo do Ceará pelo PSDB: “São todos filhos de Deus!”

A resposta veio antes do seu embarque para Brasília, nesta madrugada de terça-feira. Pimentel participará ativamente da Marcha dos Prefeitos que, até quinta-feira, pressiona por mais recursos junto ao governo federal.

(Agência Senado)

Árbitro cearense está no livro que comemora os 100 anos da arbitragem brasileira

O cearense Dacildo Mourão tem seu nome listado no livro “Segue o Jogo – 100 Anos de Arbitragem Brasileira”, que será lançado nesta noite de terça-feira, no Rio de Janeiro. O autor é Teodoro Castro Lino, ex-árbitro e pioneiro do quadro de árbitros-assistentes da FIFA. Ele também é autor de O Futebol Através dos Tempos e O Outro Lado do Futebol. Dacildo foi árbitro na década dos anos 1990 e era tido como rígido e gostava de distribuir cartões amarelos. Viveu muitas polêmicas, uma delas com o então atacante Edmundo.

Bem, teodoro Castro Lino é membro da Academia Goianiense de Letras. Craque com as palavras e exímio contador de histórias pitorescas, apresenta a trajetória e faz uma justa homenagem na publicação aos principais apitadores e assistentes brasileiros em todos os tempos.

Com prefácio assinado por Sergio Correa da Silva, Chefe do Departamento de Arbitragem da CBF, traz ainda depoimentos na contracapa de Arnaldo Cezar Coelho, Alex Escobar e Galvão Bueno.

(Foto – Paulo MOskA)

TCE promove seminário para orientar municípios sobre Previdência

Cerca de 60 dos 184 municípios cearenses pagam aposentadorias e pensões a seus servidores públicos titulares de cargo efetivo por meio de regimes próprios de previdência social (RPPS), aqueles independentes do Regime Geral administrado pelo INSS. Para orientar e discutir sobre a sustentabilidade, eficiência e equilíbrio financeiro e atuarial desses fundos específicos, o Tribunal de Contas do Estado do Ceará, Ministério Público do Estado do Ceará, Escola de Gestão Pública e Associação dos Municípios do Estado do Ceará promoverão seminário nesta sexta-feira (25), das 8 às 16h30min, na sede do TCE, informa a assessoria de imprensa da Instituição.

Além de agentes que atuam na área, o público-alvo inclui servidores e gestores públicos em geral e servidores e membros do próprio MPCE. Na programação estão previstos cinco temas, distribuídos em três paineis: responsabilização dos gestores; compensação previdenciária e a concessão de benefícios no RPPS; e desafios para a gestão e sustentabilidade.

Como palestrantes e debatedores constam nomes como Narlon Gutierre Nogueira (subsecretário dos Regimes Próprios de Previdência Social da Secretaria de Previdência do Ministério da Fazenda); Silderlândio Nascimento (promotor de Justiça); e Robson Fontoura (coordenador da Gestão Previdenciária do Estado – Cprev). Do TCE, participarão Raimir Holanda (secretário de Controle Externo); Ricardo Dias (gerente de Avaliação de Políticas Públicas); e Marcos Teixeira (analista de Controle Externo).

SERVIÇO

*As inscrições já estão abertas e podem ser feitas até a véspera do evento pela página do Sistema de Gestão Educacional (Siged), do Instituto Plácido Castelo (IPC).

TCU estuda submeter OAB a fiscalização de auditores

113 1

Sem alarde, o Tribunal de Contas da União decidiu reabrir um antigo debate sobre a necessidade de a Ordem dos Advogados do Brasil prestar contas dos recursos bilionários que recolhe da categoria.É o que informa a Coluna Painel, da Folha de S.Paulo desta terça-feira.

Na quarta (16), o TCU determinou que seus auditores elaborem um estudo técnico para subsidiar a discussão. A ideia é submeter a OAB às mesmas normas aplicadas a órgãos federais, estatais e outros conselhos de profissionais liberais fiscalizados pelo tribunal, já neste ano.

Os integrantes do TCU aprovaram por unanimidade a proposta que prevê o monitoramento das finanças da OAB e resolveram que a entidade será ouvida antes de qualquer decisão do tribunal. O relator do caso é o ministro Bruno Dantas.

Um grupo de advogados de quatro estados estimou recentemente que a Ordem tenha arrecadado R$ 1,3 bilhão no ano passado. Em São Paulo, cada advogado paga uma taxa anual de R$ 997,30. No Rio, a contribuição obrigatória é de R$ 994,45.

Ex-governador não “bateu continência” para o general

O ex-governador Lúcio Alcântara foi outra ausência notada no lançamento da pré-candidatura do general Theophilo ao Governo do Ceará pelo PSDB. O ato foi nessa segunda-feira, na Torre Empresarial Iguatemi.

Lúcio, neotucano, encontra-se em Portugal, de onde só deverá retornar no fim desta semana. Ali, visita familiares de sua mulher, dona Beatriz. Ele vai se engajar à campanha do general brevemente.

(Foto – Fernanda Moura)

Planejamento vai desbloquear R$ 2 bilhões para ministérios

O ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Esteves Colnago, confirmou hoje (22) que serão desbloqueados do Orçamento federal um total de R$ 2 bilhões nos próximos dias. Segundo o ministro, do total de recursos a serem disponibilizados, R$ 550 milhões serão destinados para obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), R$ 400 milhões para o Ministério da Educação e R$ 180 milhões para o Ministério do Desenvolvimento Social (MDS). O anúncio foi feito durante coletiva de imprensa para apresentar o Relatório de Receitas e Despesas do último bimestre (março e abril), em Brasília. Colnago não deu detalhes sobre para onde irá o restante das verbas

O descontingenciamento de recursos orçamentários foi possível diante da previsão de aumento da arrecadação com leilões do petróleo esse ano, cuja estimativa de aporte adicional é de R$ 14,4 bilhões, além de outros R$ 2 bilhões com o pagamento de royalties de exploração para a União.

Apesar de liberação de recursos, o governo manterá outros R$ 9,1 bilhões bloqueados. “[Esse] restante vai ser reservado, primeiro, por prudência, e muito por conta de riscos que remanescem, do risco fiscal”, admitiu o ministro Esteves Colnago, ressaltando eventuais impactos da renegociação das dívidas das microempresas, que ainda não foi calculado.

Teto dos gastos

Esse volume faz parte do total de R$ 123,7 bilhões em orçamento discricionário (despesas não-obrigatórias) previsto para o ano e já desconta a previsão de arrecadação de R$ 12,2 bilhões com a privatização da Eletrobras, que aparecia no relatório do bimestre anterior. O valor também exclui um total de R$ 5,7 bilhões, que representa a redução necessária nas despesas para que o governo atenda o limite previsto da Emenda Constitucional nº 95/2016, conhecida como emenda do teto dos gastos públicos, que vincula o aumento de despesas no orçamento ao limite da inflação média do ano anterior.

Para o ministro, lidar com o limite do teto de gastos “é um desafio” para o governo, que tem definir prioridades. “Se eu não tenho espaço para tudo, tenho que saber o que é mais importante. (…) É importante ter atingido o teto dos gastos, vai colocar de forma explícita e discutir o que é prioritário”, afirmou Esteves Colnago.

Crescimento

Ao comentar a redução da expectativa de crescimento do PIB em 2018, a secretária-executiva do Ministério da Fazenda, Ana Paula Vescovi, lembrou que a reação da economia é “indiscutível” em um país que saiu de queda de 3,6% do PIB em 2016. “Já iniciamos recuperação de 1% em 2017 e temos uma estimativa de 2,5% [esse ano]. A recuperação está em curso por fatores dinâmicos positivos, como a recuperação do investimento. Todo esse processo veio ensejado por uma mudança na direção da política econômica, com foco na situação fiscal, a consolidação fiscal ao longo do tempo, com a regra do teto [dos gastos], mudança TLP [Taxa de Longo Prazo], nova taxa de juros do BNDES em vigor, a reforma trabalhista”, defendeu.

(Agência Brasil)

No Brasil, os investimentos andam em declínio?

Com o título “A solução passa pela capacidade de investir”, eis artigo do secretário do Planejamento e Gestão do Ceará, Maia Júnior, que está no O POVO desta terça-feira. Ele aborda a necessidade de que o País precisa investir. e investir bem. Confira:

Uma campanha presidencial no continente americano foi vitoriosa batendo forte na tecla de que manter em níveis elevados o emprego e o consumo, uma economia aquecida, era o que realmente importava. Mas esse conceito vem sendo refinado. Agora pensa-se mais na capacidade de investimento como motor relevante para alcançar um desenvolvimento econômico sustentável.

E nesse quesito o Brasil não anda bem. A partir de estudo dos pesquisadores Rodrigo Orair e Sérgio Gobetti, ambos do Ipea, chega-se à conclusão que o investimento público brasileiro entrou em declínio.

Em 1947, o Brasil investia cerca de 3% da sua riqueza (PIB); três décadas depois, alcançou expressivos 10,6%; mas, em 2017, esse índice foi de apenas 1,8%.

Uma situação grave porque na análise do ex-presidente do Ipea, Manoel Pires, “o investimento é o item do gasto público com maior efeito multiplicador…sobre a produtividade da economia”. Preservar a capacidade estatal de investimento, portanto, é uma questão a ser bastante considerada.

Contudo, o mesmo estudo sugere que, por conta da elevada rigidez orçamentária, o investimento é o item do gasto público com menor proteção no País.

Ou seja, o orçamento nacional vincula receitas de custeio e dá menor atenção aos recursos para investimentos.

O Ceará está entre os estados que mantêm maior capacidade de investimento no Brasil em relação à Receita Corrente Líquida (RCL). Mas precisa estar atento.

Para avançar mais, importa não apenas manter, mas ampliar a capacidade de investir em setores que efetivamente elevem a renda, contribuam com diminuição das desigualdades sociais e, consequentemente, traduzam isso em melhor qualidade de vida para os cearenses.

*Maia Júnior

maia.junior@seplag.ce.gov.br

Secretário do Planejamento e Gestão do Ceará (Seplag).

Lava Jato repassa R$ 17 milhões para escolas do Rio

A Justiça Federal autorizou, nesta terça-feira (22), o uso de R$ 17,9 milhões recuperados pela Operação Lava-Jato para reforma de escolas no Rio de Janeiro. A informação é da Coluna Radar, da Veja Online.

O montante deverá ser utilizado para a execução de obras e melhoria de infraestrutura das escolas públicas estaduais.

Segundo dados do Ministério Público Estadual, 64% das 1.221 unidades escolares mapeadas no estado apresentam problemas estruturais.

PSB marcha para indicar o vice de Ciro Gomes, diz Odorico Monteiro

O PSB marcha para indicar o candidato a vice na chapa do presidenciável Ciro Gomes. Foi o que informou, nesta terça-feira, o presidente regional do partido, deputado federal Odorico Monteiro.

Ele diz que dois nomes despontam na cotação: o ex-prefeito de Belo Horizonte, Márcio França, e o deputado federal Luciano Ducci, do Paraná. “As coisas estão marchando no sentido de que o PSB vire parceiro do Ciro”, afirma Odorico.

Novas reuniões que envolvem o PDT e o PSB, com participação do ex-governador Cid Gomes, devem acontecer nos próximos dias, conforme o parlamentar cearense.

Temer defende o fortalecimento do Pacto Federativo e dos municípios

Ao discursar, hoje (22), na 21° Marcha dos Prefeitos, o presidente Michel Temer defendeu o fortalecimento dos municípios e do pacto federativo brasileiro. “No início do meu governo disse: temos que recuperar a federação brasileira e para isso temos que partir do seu ponto inicial que é o município brasileiro”, afirmou o presidente no encontro anual que reúne em Brasília prefeitos, vice-prefeitos e gestores municipais.

O presidente disse ainda que vai buscar uma solução para a recorrente reivindicação dos prefeitos que é a necessidade de modificar a Lei 8.666, a chamada Lei de Licitações.“Aqui no Brasil você leva anos e anos falando no assunto e não executa”, disse. “Se a todo momento que ele [o prefeito] for fazer licitação para coisa que vale R$ 15 mil, fica mais caro fazer a licitação que realmente executar”.

O presidente Michel Temer participa, da Sessão Solene de Abertura XXI Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios.
O presidente Michel Temer durante abertura 21ª Marcha em Defesa dos Municípios – Marcos Corrêa/PR

Temer informou também que vai formar um comitê com participação da Casa Civil e Receita Federal para dar também uma rápida solução ao problema do chamado “encontro de contas”que trata do abatimento de dívidas previdenciárias.

Apoio

O presidente da Confederação Nacional dos Municípios, Paulo Ziulkoski, também defendeu o fortalecimento do pacto federativo. Ele elogiou a abertura do governo Temer para o diálogo e fez uma queixa sobre o impedimento para a votação de Propostas de Emendas Constitucionais (PECs), de interesse dos municípios devido à intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro.

Ziulkoski citou a PEC que garante um acréscimo no Fundo de Participação nos Municípios (FPM) em todo mês de setembro.

A 21ª Marcha em Defesa dos Municípios ocorre todos os anos em Brasília, entre os dias 21 e 24 de maio. Neste período prefeitos, vice-prefeitos e integrantes da administração municipal se reúnem com autoridades públicas federais em grandes mesas de debates.

Neste ano, entre os temas prioritários estão as proposições que tratam do aumento do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) em 1% no mês de setembro, da atualização dos programas federais, da Lei Kandir, dos consórcios, dos regimes próprios de previdência social e do reajuste do piso do magistério e dos precatórios.

Durante a marcha, Temer assinou um decreto sobre readequação da rede física do Sistema Único de Saúde (SUS) oriunda de investimentos realizados pelos entes federativos com recursos repassados pelo Fundo Nacional de Saúde.

(Agência Brasil)

MP do Ceará deflagra terceira fase da Operação Cascalho do Mar

A Procuradoria dos Crimes contra a Administração Pública (PROCAP), do Ministério Público do Ceará, e a Polícia Civil cumpriram nesta terça-feira mandados de prisão preventiva e de busca e apreensão em Fortaleza e Pacajus (RMF),. Isso, dentro da terceira fase da Operação Cascalho do Mar, que investiga fraudes em licitações. Foram presos na ação os empresários Francisco Dager Mourão de Albuquerque e Wendel Felício de Albuquerque, que são, respectivamente, pai e filho.

Segundo a assessoria de imprensa do MPCE, os dois são investigados por atuarem como líderes de organização criminosa que fraudava procedimentos licitatórios para prestação de serviços diversos em prefeituras cearenses. Além das prisões, foram cumpridos mandados de busca e apreensão em residências e empresas situadas nos Municípios de Fortaleza e Pacajus. Nas diligências, foram apreendidos aparelhos de celular, computadores, veículos e documentos, dentre outros objetos.

Em sua decisão, a desembargadora Lígia Andrade de Alencar Magalhães deferiu também o pedido de prisão preventiva formulado pelo MPCE de José Darlan Pereira Barreto, que se encontra preso em decorrência da Operação Malabares, desencadeada no dia 28 de março deste ano, e que foi um desdobramento da Operação Cascalho do Mar.

Alvos

Os presos Francisco Dager Mourão de Albuquerque e Wendel Felício de Albuquerque já foram alvos da Operação Linha Amarela, desencadeada em 2015, pelo Ministério Público Federal e pela Polícia Federal por suposta prática de fraudes em licitações para contratação e execução de serviços de transporte escolar e locação de veículos.

A terceira fase da Operação Cascalho do Mar teve a participação de 10 equipes, contando com o apoio do Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (GAECO), de promotores de Justiça de Fortaleza e do interior.

Denatran diz que suspensão de portaria não impedirá parcelamento

O Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) informou que a suspensão da norma que regulamentava o pagamento de multas com cartões de débito ou crédito não impedirá o parcelamento das dívidas.

Em nota, o Denatran afirma que o parcelamento das multas é uma prática respaldada por resolução do Conselho Nacional do Trânsito (Contran) que tem força de lei. Assim, órgãos e entidades que integram o Sistema Nacional de Trânsito e que já implementaram o sistema informatizado necessário à cobrança parcelada dos débitos veiculares seguirão aceitando cartões eletrônicos. Caso do Distrito Federal, onde os donos de veículos continuarão podendo optar pelo parcelamento das multas.

De acordo com o Denatran, a suspensão da Portaria nº 53, de 23 de março, suspende apenas os procedimentos técnicos que os órgãos fiscalizadores deveriam adotar para se adequar à prática do parcelamento. O departamento também garante que a suspensão da portaria não causará impacto para os processos já iniciados por condutores que optaram pelo parcelamento das multas de trânsito.

(Agência Brasil)

Pedro Parente: Governo não tem intenção de mudar política de reajuste dos combustíveis

O governo nunca considerou mudar a política da Petrobras de reajuste de preços dos combustíveis, afirmou hoje (22) o presidente da Petrobras, Pedro Parente, ao sair de reunião com os ministros da Fazenda, Eduardo Guardia, e de Minas Energia, Moreira Franco, hoje (22), em Brasília, no Ministério da Fazenda.

“Fui convidado para a reunião. Na abertura da reunião, foi logo esclarecido que de maneira nenhuma o objetivo seria o governo pedir qualquer mudança na política de preços da Petrobras”, disse, esclarecendo que os reajustes estão relacionados aos preços internacionais e ao câmbio.

Segundo Parente, a reunião teve o objetivo de dar informações sobre a dinâmica de mercado. Perguntado se a redução dos preços da gasolina e do diesel, anunciada hoje pela empresa, foi feita por pressão política, Parente explicou que a decisão foi tomada em função da queda do dólar ontem (21).

“A redução de hoje é simples de entender: houve uma redução importante de câmbio. É a prova de que essa política tanto funciona na direção de subir os preços quanto de cair os preços. O Banco Central interveio com mais intensidade no mercado ontem, houve uma redução de câmbio e isso foi refletido no preço de hoje”, disse.

Com reforço da intervenção do Banco Central no mercado, o dólar comercial encerrou o pregão de ontem em queda de 1,35%, cotado a R$ 3,689. O resultado ocorre após seis altas consecutivas da moeda norte-americana frente ao real. Ao longo da semana passada, o dólar se valorizou 3,85% e chegou a valer mais de R$ 3,74 na sexta-feira (18).

Parente evitou falar sobre eventuais medidas que o governo possa adotar para reduzir os preços dos combustíveis, como mudanças na tributação. “O governo está preocupado com os preços e está procurando ver o que, no nível deles, pode ser feito”, disse. Ele acrescentou que o assunto é de responsabilidade do governo. “Sobre esses temas da alçada do governo, só as autoridades do governo têm que falar”, afirmou, ao deixar o Ministério da Fazenda.

(Agência Brasil/Foto – CBN)

O Brasil de hoje e Tim Maia

Com o título “Aos 30”, eis artigo de Ricardo Alcântara, publicitário e escritor, que pode ser lido no O POVO desta terça-feira. “A sociedade brasileira não desenvolveu suficiente afeição por sua democracia”, diz o articulista num dos trechos do seu texto. Confira:

Ao contrário da musa de Balzac, a democracia brasileira não se mostra, aos 30 anos, pródiga em atributos. Ela subsiste no balão de oxigênio da tolerância – já rarefeita, diga-se. Nação e Estado estão dormindo em camas separadas.

O modelo conspira contra uma representatividade efetiva e, assim, a vontade popular não prevalece minimamente frente às mazelas históricas. Não há dimensão da vida nacional isenta de adulteração. A nação se dilacera enquanto o crime avança, permeando o tecido do Estado com sua química corrosiva.

A sociedade brasileira não desenvolveu suficiente afeição por sua democracia. Os fatos amparam, infelizmente, a constatação: a cada eleição, aumenta o percentual de abstenção e votos nulos e as pesquisas eleitorais mais recentes revelam largas faixas da população seduzidas pelo discurso autoritário. Estamos em queda livre, a salvo ainda do impacto dilacerador por uma conjuntura internacional favorável às economias em desenvolvimento que, como a nossa, são fornecedoras de recursos primários.

Não estou otimista. A sucessão presidencial contará com, pelo menos, dez candidatos. Deles, uns seis representam, de fato, segmentos políticos estruturados. É uma ironia, haver tantos candidatos e tão pouca representatividade. Nenhum deles se encontra à altura do desafio que os aguarda. Não cumprem a combinação dos atributos necessários para liderar a travessia. Não há, entre eles, um só que, não estando contaminado pelos desvios que nos abatem, tenha, também, liderança pessoal e apoio popular suficientes para iniciar um processo de ruptura nos limites da ordem constitucional.

Ao tentar expressar nossa inaptidão para cumprir o que nos cabe, o irreverente Tim Maia definia o Brasil como o País onde “traficante se vicia e prostituta se apaixona”. Quando o disse, foi um escândalo. Hoje, penso que o compositor se expressou com boa dose de generosidade. É bem pior.

*Ricardo Alcântara

fortaleza.ricardo@gmail.com

Escritor e publicitário

Anvisa aprova novo genérico para tratamento da hepatite C

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) publicou esta semana o registro do Sofosbuvir, medicamento genérico destinado ao tratamento de infecções causadas por hepatite C crônica. O remédio, que será utilizado como um componente da combinação do regime de tratamento antiviral, atua como inibidor da polimerase NS5B, enzima essencial para a replicação do vírus que provoca a doença.

Ainda de acordo com a Anvisa, a aprovação do Sofosbuvir deve reduzir os custos do tratamento para hepatite C, uma vez que medicamentos genéricos entram no mercado com valor no mínimo 35% menor que o do produto de referência.

Hepatite C

Segundo o Ministério da Saúde, a hepatite C é causada pelo vírus C (HCV), presente no sangue de pessoas infectadas. Entre as causas de transmissão estão a transfusão de sangue e o compartilhamento de material para uso de drogas (seringas, agulhas e cachimbos), para higiene pessoal (lâminas de barbear, escovas de dente e alicates de unha) ou para confecção de tatuagem e colocação de piercings.

A transmissão também pode acontecer da mãe infectada para o filho, durante a gravidez, e por sexo sem camisinha com uma pessoa infectada. Ainda de acordo com a pasta, quando a infecção persiste por mais de seis meses, o que é comum em até 80% dos casos, caracteriza-se a evolução para a forma crônica da hepatite C. Cerca de 20% dos infectados cronicamente pelo vírus podem evoluir para cirrose hepática e cerca de 1% a 5%, para câncer de fígado.

(Agência Brasil)