Blog do Eliomar

Arquivos do autor Eliomar de Lima

Brasil conquista primeira medalha na Rio 2016

olimpíadas 2016 0807 medalhas

O Brasil conquistou nesse sábado (6) a primeira medalha na 31ª edição dos Jogos Olímpicos, no tiro esportivo. Felipe Wu levou a medalha de prata na categoria pistola de ar 10m, 96 anos depois do título olímpico de Guilherme Paraense, nos Jogos da Antuérpia, em 1920.

Sobre a quebra do tabu quase centenário e a volta do tiro esportivo ao quadro de medalhas, Wu celebrou: “Demorou, mas pelo menos a partir de agora as pessoas lembrarão da medalha de 2016, e não mais daquelas que conquistamos em 1920”. Embora sua especialidade seja a prova em que foi vice-campeão, Felipe Wu ainda compete na pistola 50m, com classificatória na quarta-feira (10), a partir das 9h. A final acontece no mesmo dia, às 12h.

(Agência Brasil)

Ivo Pitanguy morre aos 90 anos

ivo

Morreu neste sábado (6) no Rio o cirurgião plástico Ivo Pitanguy, aos 90 anos. Ele estava em casa e sofreu uma parada cardíaca, segundo informações de sua assessoria. O funeral está previsto para este domingo (7) no Memorial do Carmo.

Em junho, Pitanguy foi hospitalizado para tratar de uma infecção. Desde setembro do ano passado, quando apresentou um problema renal durante uma viagem a Paris, ele passou a se submeter a sessões de hemodiálise.

Nesta sexta (5), em uma cadeira de rodas, o médico empunhou a tocha olímpica na Gávea, Zona Sul do Rio, bairro onde está localizada sua clínica de cirurgia plástica.

Pitanguy deixou mulher, quatro filhos e cinco netos.

Mineiro, nascido em Belo Horizonte, Ivo Hélcio Jardim de Campos Pitanguy é reconhecido mundialmente como uma das maiores autoridades em cirurgia plástica. Além da carreira médica, se destacou também como escritor, vindo a se tornar membro da Academia Brasileira de Letras.

(Com Agências)

Heitor chama cearense para reflexão sobre interesse de Camilo

foto heitor facebook camilo

“Podemos perder em todos os municípios cearenses, só não podemos perder em Sobral”.

A declaração do governador Camilo Santana (PT), nessa sexta-feira (5), durante a convenção que homologou a candidatura de Ivo Gomes (PDT) à Prefeitura de Sobral, Região Norte do Estado, a 240 quilômetros de Fortaleza, provocou a indignação do deputado estadual Heitor Férrer (PSB), candidato à Prefeitura de Fortaleza.

Para Heitor, que se manifestou por meio de sua página no Facebook, o cearense deve ser chamado a uma reflexão dos interesses do governador.

Câmara Municipal debate convivência do motociclista com o trânsito de Fortaleza

foto acrísio motociclistas

Uma em cada duas mortes no trânsito de Fortaleza tem como vítima um motociclista ou o garupeiro. O dado é do Observatório Nacional de Segurança Viária (ONSV), que aponta a capital cearense como uma das duas metrópoles brasileiras com mais acidentes como motos.

Para uma melhor convivência dos motociclistas com o trânsito, a Câmara Municipal de Fortaleza realiza uma audiência pública, na quinta-feira (11), a partir das 19 horas. O requerimento é do vereador Acrísio Sena (PT).

Manifestantes criticam plano de saúde popular

A campanha de amamentação lançada neste sábado (6) pelo ministro da Saúde, Ricardo Barros, foi ofuscada por um protesto do movimento Ocupa SUS contra a proposta de criação de planos de saúde populares. As vaias e palavras de ordem, na Casa Brasil, não permitiram que a fala do ministro pudesse ser ouvida pela plateia que participou da ação que faz parte da 15ª semana mundial da amamentação. O grupo acusa o ministro de tentar privatizar o Sistema Único de Saúde.

Uma das manifestantes, a psicóloga e servidora pública Amanda Almeida, disse que a medida significa desinvestimento no SUS. “É a privatização por dentro do Estado. Lutamos pelo aumento e qualificação do SUS. Ele já falou que o PIB [Produto Interno Bruto] não cabe no SUS, que é importante enxugar o SUS, cada dia ele vem com uma pérola”.

Barros chamou o protesto de partidarista e ideológico. “Os planos já existem. A decisão de entrar e sair de um plano é individual. Não vejo essa preocupação com esse plano. O que existe na verdade, neste momento, é uma vontade de contestar tudo, achando que desgastando o governo, haverá possibilidade de reversão no Senado”, disse ele, ao se referir ao processo de impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff, que tramita no Senado.

Para o ministro, que criou na quinta-feira (4) uma equipe de trabalho para estudar o formato de planos de saúde mais baratos, a iniciativa pode ajudar a economizar recursos para a área. “O governo federal tem déficit de R$ 170 bilhões este ano e um de R$ 140 bilhões para o ano que vem. Não é no Tesouro que conseguiremos recursos. Precisamos buscar outras fontes que possam melhorar a qualidade do atendimento”, disse ele. “Os planos mais baratos darão acesso a pessoas para consultas e internações que não buscarão no SUS”.

(Agência Brasil)

Senadora do PMDB acredita que julgamento de Dilma será aceito por pelo menos 55 senadores

A senadora Simone Tebet (PMDB-MS) avalia que o pedido de julgamento da presidente afastada Dilma Rousseff terá 55 votos favoráveis, mesmo placar da votação de admissibilidade da denúncia no Senado.

Segundo a senadora, são muitos os crimes atribuídos à presidente. Para a parlamentar, o maior foi de responsabilidade fiscal, que jogou para a fila do desemprego o dobro que havia de desempregados.

Para a senadora, Dilma teve ampla defesa. “Agora, é um julgamento político dentro de uma democracia”, atentou Tebet, ao afirmar que golpe seria não reconhecer a decisão do Senado, contra ou a favor de Dilma.

(com Agência Senado e com a Rádio Senado)

Vaias a Temer foram isoladas e não prejudicam imagem do Brasil, diz ministro

As vaias ao presidente em exercício Michel Temer, na cerimônia de abertura da Olimpíada do Rio de Janeiro, foram isoladas e não vão prejudicar a imagem do Brasil no exterior, segundo o ministro do esporte, Leonardo Picciani: “Houve vaias e aplausos, a participação do presidente não durou 30 segundos em uma cerimônia de quatro horas e não houve clima de hostilidade”.

O ministro também elogiou a cerimônia de abertura. “A abertura ontem foi extraordinária, à altura das melhores já realizadas em todas as edições dos Jogos Olímpicos, mostrando a capacidade do Brasil de, desde o começo do evento, cumprir bem com suas tarefas”, disse ele neste sábado (6) ao participar de uma campanha de divulgação do jiu-jítsu, na Casa Brasil, na zona portuária da cidade.

Picciani fez um balanço positivo do evento até o momento e também elogiou a abertura da prova de ciclismo de estrada, que presenciou na zona oeste do Rio de Janeiro. “O ciclismo de estrada hoje pela manhã começou no horário, tudo transcorreu com perfeição, as pessoas curtindo por toda a cidade. Creio que começamos com o pé direito e iremos assim até o final”, declarou.

(Agência Brasil)

Inauguração de posto põe fim a conflitos entre comunidades

518 1

foto posto saúde pq jerusalém

Após quase 10 anos do início das obras, finalmente o posto de saúde Regina Maria da Silva Severino, no Parque Jerusalém, foi entregue à comunidade, nessa sexta-feira (5), por meio da primeira-dama Carol Bezerra e da secretária Municipal de Saúde, Socorro Martins.

Tão importante quanto o atendimento de cerca de 20 mil pessoas, na Regional V, o posto de saúde põe fim a um histórico de conflitos entre as comunidades do Parque Jerusalém e do Canindezinho.

Sem atendimento na comunidade, moradores do Parque Jerusalém eram obrigados a se deslocar até o posto de saúde Abner Cavalcante Brasil, no Canindezinho. O problema é que as duas comunidades apresentam ocorrências de rivalidade e, inclusive, violência.

A situação ganhou um novo capítulo em 2011, quando o posto de saúde no Canindezinho permaneceu fechado por sete meses, diante da necessidade de reforma na estrutura do prédio. Sem atendimento, a comunidade entendeu a necessidade dos moradores do Parque Jerusalém e os conflitos diminuíram, de acordo com os registros de ocorrências no 32º Distrito, no Parque Santa Cecília, após a reabertura do Abner Cavalcante Brasil, em fevereiro de 2012.

Papa envia carta a time de refugiados da Rio 2016

foto papa francisco

O papa Francisco escreveu uma carta de apoio ao primeiro time de refugiados a disputar uma edição dos Jogos Olímpicos sob a bandeira do Comitê Olímpico Internacional (COI).

A carta, datada de 26 de julho, foi publicada somente neste sábado (6), pela Rádio Vaticano, um dia depois da cerimônia oficial de abertura dos Jogos, no estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro.

“Caros irmãos, quero enviar o meu desejo de sucesso a vocês nesta Olimpíada. Que a coragem e a força que cada um carrega dentro de si possam expressar, através dos Jogos Olímpicos, o grito de fraternidade e de paz”, disse Francisco. “Que, através de todos vocês, a humanidade compreenda que a paz é possível e que, com a paz, pode-se ganhar tudo. Enquanto, com a guerra, tudo se pode perder.”,

Por fim, o papa disse esperar que a “fraternidade” do time de refugiados “faça bem a todos”. A equipe de atletas independentes de refugiados é composta por 10 pessoas – seis homens e quatro mulheres. Há dois nadadores sírios, duas judocas congolesas e seis corredores da Etiópia e do Sudão do Sul. Todos foram vítimas de perseguições e tiveram que deixar seus países.

Desde que assumiu a liderança da Igreja Católica, em março de 2013, o papa Francisco se preocupa com a crise de refugiados que atinge o continente europeu e é considerada a pior desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945). Em sua primeira viagem como papa, Francisco visitou a Ilha de Lampedusa, no Mar Mediterrâneo, no Sul da Itália, onde diariamente desembarcam dezenas de imigrantes e refugiados em travessias ilegais.

(Agência Brasil)

Ministério da Saúde promove campanha de prevenção ao HIV e aids

Mensagens de prevenção ao HIV e aids e de não discriminação nos Jogos Olímpicos Rio 2016 fazem parte da campanha #EuAbraço, que será lançada neste sábado (6), a partir das 15 horas, no auditório da Casa Brasil, no Rio de Janeiro. Realizada durante os Jogos Olímpicos nas cidades do Rio de Janeiro e Salvador, até o dia 18 de setembro, a campanha é uma estratégia de comunicação em saúde que propõe o debate sobre prevenção, diagnóstico e tratamento do HIV/aids e discriminação, com o objetivo de promover da tolerância, respeito e paz.

“A campanha #EuAbraço foi inspirada pelo emblema dos Jogos Olímpicos do Rio 2016. Iremos promover, nesses tempos de intolerância ao redor do mundo, por meio da referência simbólica e física do abraço, atitudes de empatia, afeto, união, amizade, altruísmo, conquistas, apoio, hospitalidade e brasilidade. Além disso, aproveitamos para passar mensagens de prevenção ao HIV, aids e às infecções sexualmente transmissíveis”, explica a diretora do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais, Adele Benzaken.

Serão realizadas ações presenciais, com mobilização nos live sites (áreas nas quais os jogos serão transmitidos para o público). Nesses espaços, serão montados os “pontos de abraço”, nos quais haverá espaço para fotos e selfies. Durante as atividades, cerca de 50 voluntários da ONG Pela Vida (RJ) e AHF Brasil estarão em pontos estratégicos do Rio de Janeiro (Parque Madureira, Praça XV e Praça Mauá) e em Salvador/BA, para a realização de distribuição de preservativos, materiais informativos, realização de flashmobs de abraço (“abraçadores” à paisana). Nesses locais, também haverá ações de mobilização com o “Homem Camisinha”, que fará ativação e distribuição de preservativos, com previsão de 500 mil preservativos masculinos e 10 mil femininos, durante todo o período dos jogos.

A campanha prevê ainda a participação de drag quens nos pontos de abraço, promovendo atividades da campanha com o público e a realização de testagem para HIV por fluido oral, realizada em pontos específicos do capital fluminense (Parque Madureira e Zona Portuária).

A campanha é uma iniciativa do Ministério da Saúde e do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre o HIV/Aids – UNAIDS Unaids, e conta com a parceria do Fundo de População das Nações Unidas (Unfpa), da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) e da União Europeia.

(Agência Saúde)

Jogos em casa – Leão tem segunda pior campanha entre os oito times na zona de classificação

foto fortaleza série c

Líder do Grupo A da Série C do Campeonato Brasileiro, o Fortaleza possui a segunda pior campanha em jogos disputados na capital cearense. Com três vitórias, dois empates e uma derrota, o Leão supera apenas o quarto colocado do Grupo B o Juventude/RS, que possui um ponto a menos nos seis jogos que disputou em Caxias do Sul.

A melhor campanha no mando de campo é do Botafogo/PB, com 100% de aproveitamento, ao somar cinco vitórias. Em seguida aparece o Guarani/SP, líder do Grupo B, com cinco vitórias em seis jogos no estádio Brinco de Ouro da Princesa, em Campinas. Cabe ao Guarani, ainda, a melhor campanha em partidas fora de casa, ao lado do Fortaleza, ambos com duas vitórias, dois empates e uma derrota.

Neste domingo (7), o Fortaleza disputa a sua sétima partida em casa, quando enfrenta o América/RN. Depois restarão mais duas na Arena Castelão e outros quatro jogos fora de casa. Em sites esportivos de apostas, o Fortaleza aparece com 49,1% de chances de vitória, contra 35,4% de empate e apenas 15,4% de derrota.

Topo da campanha pende à direita

111 1

Da Coluna Política, no O POVO deste sábado (6), pelo jornalista Érico Firmo:

Ao se lançar candidato, o Capitão Wagner (PR) enfatizou não ser “nem esquerda nem direita radical”. Procura dialogar com eleitores de ambos os campos e, sobretudo, com a maioria, que não fica de lado nenhum. Uma curiosidade sobre a vida política de Wagner: quando ele decidiu se lançar candidato pela primeira vez, para a eleição de 2010, ele não tinha vínculos políticos ou preferências. Com respaldo da base da Polícia Militar, queria se eleger deputado estadual. Ele já travava embates com o governo Cid Gomes. Então, procurou opções na oposição. E a primeira legenda que buscou foi o Psol, segundo conta. Nunca obteve resposta. Então, procurou outra sigla de oposição. Acabou no PR, onde está até hoje.

São legendas drasticamente opostas. O Psol é da esquerda radical, da qual Wagner nega ser parte. O PR é o sucessor do antigo Partido Liberal, o PL, que por muito tempo foi controlado pela Igreja Universal. Tem raiz de direita e essência conservadora. Está aliado a PSDB e PMDB, espinha dorsal do governo Michel Temer.

Caso Wagner tivesse se filiado ao Psol para a eleição de 2010, teria dado ao partido votos suficientes para eleger João Alfredo deputado estadual. Hoje adversário de Wagner na disputa pela Prefeitura, João teve 33,6 mil votos. Wagner teve 28,8 mil. Nenhum deles foi eleito naquela ocasião. Mas isso é outra história.

Na outra das maiores coligações, Roberto Cláudio (PDT) pertence a grupo que se reivindica de centro-esquerda. É assim visto no âmbito nacional, embora seja rejeitado pela esquerda tradicional no Ceará. Na administração, o prefeito teve embates com os setores considerados mais progressistas – o mais contundente deles sobre os viadutos do Cocó. Mas adotou série de medidas, sobretudo na área de mobilidade, que representam acenos para esses segmentos. As mais perceptíveis são ações voltadas para bicicletas e corredores de ônibus.

Entre aliados de Roberto Cláudio, alguns defendiam que ele escolhesse vice que representasse aceno à esquerda. O deputado federal Chico Lopes, do PCdoB, seria a alternativa nesse caso. Chico, inclusive, tomou cuidados nas últimas semanas, na comunicação de seu mandato, para não ficar inelegível. Mas, para a função, a opção do prefeito acabou sendo por perfil oposto. Moroni é de partido de direita, o DEM. Tem no histórico ideais conservadores. Votou pelo impeachment de Dilma Rousseff (PT). A antítese de tudo que o grupo Ferreira Gomes tem defendido no plano nacional.

Roberto Cláudio acredita que o fator local será preponderante e a crise em Brasília terá pouco efeito na eleição, em comparação com fatores locais. É bem provável. Seja como for, em ambas as alianças, há fortes relações com o governo Temer e a defesa do impeachment de Dilma.

CFM diz que planos de saúde populares só beneficiariam empresas

O Conselho Federal de Medicina criticou nessa sexta-feira (5) a proposta do Ministério da Saúde de criar planos de saúde populares. Para a entidade médica, os serviços só beneficiariam os empresários da saúde suplementar.

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, tem defendido a criação de planos de saúde mais baratos como forma de desafogar a rede pública, já que mais pessoas iriam para o atendimento privado.

O ministério criou um grupo de trabalho para discutir o formato destes planos populares, mas a ideia inicial é que tenham cobertura menor do que a estabelecida atualmente como obrigatória pela Agência Nacional de Saúde.

Para o CFM, a proposta não é a solução para os problemas do Sistema Único de Saúde, pois os planos populares seriam limitados a consultas ambulatoriais e a exames subsidiários de menor complexidade. “Portanto, não evitarão a procura pela rede pública ou impacto prejudicial ao financiamento do SUS”, disse a entidade em nota.

O conselho argumenta que o fortalecimento da rede pública passa pelo aumento de verbas, aperfeiçoamento de mecanismos de gestão, criação de políticas públicas de valorização profissional e pelo combate à corrupção.

O Conselho Nacional de Saúde e a Associação Brasileira de Saúde Coletiva também se manifestaram contra a proposta do ministro. Segunda as entidades, os planos de saúde econômicos enfraqueceriam o SUS, que precisa de mais financiamento.

(Agência Brasil)

“Lula nem veio na minha campanha”, reclama Camilo Santana

foto camilo e lula

No primeiro ato ao lado de Roberto Cláudio após convenções, o governador Camilo Santana (PT) comentou com ressentimento o encontro com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na última segunda-feira, 1º, por ocasião da convenção de lançamento da candidatura de Luizianne Lins (PT). Camilo disse que faltou “bom senso” na decisão de lançar Luizianne e que era “bom lembrar” que Lula, “inclusive, nem veio” para sua campanha para o governo do Estado, em 2014.

Segundo Camilo, a reunião aconteceu por desejo do próprio Lula, que “pediu pra ter uma conversa” com o governador. “Tenho o maior respeito pelo ex-presidente. Mas ele, inclusive, nem veio na minha campanha pra governador. É bom lembrar disso”, disse, em referência à vinda de Lula a Fortaleza para apoiar a campanha de Luizianne Lins.

Num tom de ressentimento incomum em seus discursos, Camilo Santana lembrou que, na época de sua campanha, foi “o único candidato do PT que não teve nem uma gravação do ex-presidente Lula” e que, pelo fraqueza no apoio, “parte do PT também não votou na candidatura do Camilo”.

Junto do prefeito Roberto Cláudio (PDT) na visita à obra do IJF2 nesta sexta-feira , 5, o petista contou que outro assunto na conversa com o ex-presidente Lula foi a reafirmação de que, ao contrário de seu partido, Camilo está ao lado do prefeito na campanha pela reeleição.

“Mais uma vez, digo que acho que o mais sensato para Fortaleza era unir os partidos – até porque o PDT tem sido um grande aliado, a nível federal e estadual. Mas, infelizmente, o bom senso não prevaleceu”, lamentou.

Elmano de Freitas, presidente do diretório municipal do PT, acredita que “o governador deveria se colocar no lugar de Lula”. Na avaliação do vice de Luizianne, na época da campanha de Camilo “havia dois candidatos que eram da base do ex-presidente” – Eunício Oliveira (PMDB) sendo o segundo.

“Nem eu, em 2012, quando disputei eleições pela Prefeitura de Fortaleza, tive participação da presidente Dilma. E eu entendo que foi por decisão política, especialmente pelo cargo que ela ocupava, já que os Gomes também eram da base”, rebateu o deputado estadual.

(O POVO)

Começam hoje proibições de propaganda eleitoral no rádio e na TV

As emissoras de rádio e TV estão proibidas, a partir deste sábado (6), de veicular imagens de realização de pesquisa ou de qualquer outro tipo de consulta popular de cunho eleitoral, em que seja possível identificar o entrevistado ou que haja manipulação de dados.

Além disso, segundo a Lei das Eleições, estão vedadas a veiculação de propaganda política e a difusão de opinião de candidato, partido ou coligação que concorrerão às eleições municipais de outubro, quando serão escolhidos prefeitos, vice-prefeiros e vereadores.

Estão proibidas ainda a transmissão e divulgação de novelas, filmes ou qualquer outro programa que faça crítica ou alusão a candidatos e partidos. A exceção se refere a programas jornalísticos e debates políticos.

A legislação também veda a divulgação de nome de programa que se refira a candidato escolhido em convenção. “Sendo o nome do programa o mesmo que o do candidato, fica proibida a sua divulgação, sob pena de cancelamento do respectivo registro”, destaca a lei.

As regras previstas valem tanto para a programação diária normal quanto para noticiários veiculados em rádio e televisão.

(Agência Brasil)

Roberto Cláudio fecha aliança com 18 partidos

rcccccbb

As últimas convenções realizadas nessa sexta-feira (5), em Fortaleza, garantiu a aliança à reeleição do prefeito Roberto Cláudio com um total de 18 partidos. O PCdoB, que havia manifestado insatisfação com a vice de Moroni Torgan (DEM), diante do voto do deputado federal ao processo de impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff, definiu pelo apoio a Roberto Cláudio.

O PCdoB estará coligado com o próprio DEM na eleição à Câmara Municipal de Fortaleza, juntamente com o PSD e o PMB. Ainda na eleição proporcional, o PDT, partido do prefeito Roberto Cláudio, estará coligado com o PTB, PROS e PP. PSDC, PV e PSC formam o terceiro arco de aliança para o Legislativo Municipal, enquanto PSL, PTC, PTN, PEN, PRTB, PPL e PPS disputarão vagas à Câmara Municipal sem aliança proporcional.

Um dos últimos partidos a fechar aliança foi o PSD, que tem à frente o deputado federal Domingos Neto, após acertar que o PDT abrirá mão da disputa em alguns municípios, como Mombaça. Além disso, o PSD teria a indicação de uma vaga ao Senado, em 2018, na aliança com o grupo político dos Ferreira Gomes.

Senado decide na terça se Dilma Rousseff vai a julgamento

O Plenário decide na terça-feira (9), a partir das 9h, se a presidente afastada Dilma Rousseff vai a julgamento por crimes de responsabilidade. A votação encerra a fase de pronúncia, segunda etapa do processo de impeachment. Caso a maioria simples dos senadores aceite o parecer da Comissão Especial do Impeachment, Dilma será julgada e pode perder definitivamente o mandato.

A expectativa é que a sessão tome todo o dia, avance pela madrugada e termine apenas na manhã seguinte, podendo chegar a 30 horas de duração. Ela será comandada pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Ricardo Lewandowski. É necessária a presença de pelo menos 41 senadores em Plenário para que aconteça a votação. A decisão final, pela realização do julgamento ou pelo arquivamento do processo, será de acordo com o voto da maioria dos presentes.

Os procedimentos da sessão foram acertados na última quinta-feira (4) em reunião entre Lewandowski, o presidente do Senado, Renan Calheiros, líderes partidários e membros da Comissão do Impeachment. O primeiro a falar será o relator do processo, senador Antonio Anastasia (PSDB-MG), que terá 30 minutos para apresentar o relatório que foi referendado pela comissão.

Depois disso, os demais 80 senadores terão direito a falar por até 10 minutos cada um. A acusação e a defesa falarão por último, sendo reservados 30 minutos para cada parte. A votação acontece na sequência. Como a denúncia é composta por quatro fatos (três decretos de créditos suplementares e as “pedaladas fiscais”), os senadores poderão apresentar requerimentos para votar quaisquer deles separadamente.

A decisão que os senadores deverão tomar é se as provas apresentadas contra a presidente afastada são relevantes e substanciais e, portanto, se a denúncia é pertinente e se Dilma Rousseff deve ir a julgamento — nesta fase do impeachment ainda não se delibera sobre o mérito das acusações. A votação será nominal e aberta, registrada no painel eletrônico.

(Agência Senado)