Blog do Eliomar

Arquivos do autor Eliomar de Lima

Cid Gomes dará coletiva sobre denúncias feitas pela JBS

320 1

O ex-governador Cid Gomes (PDT) dará entrevista coletiva, às 12 horas desta segunda-feira, no Comitê de Imprensa da Assembleia Legislativa.

Segundo sua assessoria de imprensa, falará sobre a gravação em que um diretor da JBS diz que Cid pediu doação no valor de R$ 20 milhões para a campanha do governador Camilo Santana (PT). O grupo chegou a prometer a liberação desde que o Estado, época em que ele era governador, liberasse crédito de R$ 110 milhões da JBS.

A negociação teria sido feita com mediação de dois secretários estaduais: Antônio Balhamnn, hoje titular de Assuntos Internacionais, que, na época, era deputado federal, e Arialdo Pino, atualmente titular do Turismo, que, naquela ocasião, era o chefe da Casa Civil do Governo.

FHC avalia que Temer está sem apoio. O ex-presidente busca negociação com o PT

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso avaliou, a dois interlocutores, que o presidente Michel Temer não conseguirá se manter no Palácio do Planalto até o fim do mandato. Diante desse cenário, defendeu que tem de ser realizada uma sucessão controlada, em que haja um grande acordo entre todas as forças políticas para chegar a 2018. O tucano não ficou apenas nas palavras e, no sábado, ligou para o ex-ministro e ex-presidente do Supremo Tribunal Federal, Nelson Jobim, para dar início a essa articulação.

Fernando Henrique procurou Jobim, que comandou a Justiça no seu governo e a Defesa nos de Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, para fazer a ponte com o PT. A tese do ex-presidente é que em 2018 todos poderão se enfrentar na eleição, mas que agora o momento é de união.

Por outro lado, Fernando Henrique afirmou a pessoas próximas que o PSDB não pode “trair” Temer. O ex-presidente ligou para o peemedebista no sábado e, segundo integrantes do Palácio do Planalto, o aconselhou a “resistir” e a “ficar firme”, em meio à crise que se avoluma. Na quinta, o tucano havia publicado um texto em suas redes sociais argumentando que, caso as alegações da defesa dos implicados na delação da JBS não fossem convincentes, eles “terão o dever moral de facilitar a solução, ainda que com gestos de renúncia”.

O principal temor do ex-presidente é uma saída aventureira ou casuística que aprofunde a crise no país. Por isso, a ideia é começar a negociar desde já para, caso se confirme o prognóstico e Temer caia, a sucessão seja realizada de maneira “controlada”. Em consonância com essa estratégia, uma reunião da cúpula do PSDB com o comando do DEM, marcada para ontem à tarde em Brasília para discutir a crise política, foi cancelada. Segundo integrantes dos dois partidos, a informação de que o encontro determinaria se as legendas continuariam ou não a apoiar o governo levou ao recuo.

— A reunião foi cancelada porque vazou para a imprensa que esta seria uma reunião de decisão sobre a permanência do partido no governo ou não. Como a reunião não tinha esse propósito, foi melhor foi cancelá-la, pois não seria possível fazer qualquer tipo de anúncio de decisão, já que não era essa a finalidade — afirmou o líder do PSDB no Senado, Paulo Bauer (SC).

  • Do O Globo leia aqui.

 

Secretário Artur Bruno e o neto em clima de manifestações contra Temer

Do secretário estadual do Meio Ambiente, Artur Bruno, em seu Facebook, nesse domingo em que houve ato contra Temer em Fortaleza, na Praia de Iracema:

Meu netinho Iago Iago na sua primeira manifestação. Milhares de pessoas na Praia de Iracema e Beira Mar gritando Fora Temer e Diretas Já. Ato amplo com muitos sindicalistas, políticos e cidadãos de bairros de Fortaleza e do interior do Estado. Muita emoção e vontade de acabar com a corrupção e lutar por um Brasil melhor

Ala do Senado quer peitar Fachin e não afastar Aécio

O Senado pode desobedecer a decisão do ministro Edson Fachin, do STF (Supremo Tribunal Federal), que determinou em liminar que o mandato do senador Aécio Neves (PSDB-MG) seja suspenso.

A estratégia, já discutida por alguns senadores, prevê que a defesa de Aécio recorra à Mesa do Senado questionando a validade da medida. A Mesa responderia, então, que não há previsão constitucional para a suspensão, ainda mais por meio de liminar, e manteria Aécio.

Parlamentares pretendem se reunir com o tucano nesta semana para estimulá-lo a tomar a iniciativa. Acreditam que seria melhor que ela partisse dele, em tese o maior interessado numa reversão da decisão de Fachin, do que a própria Mesa.

Secretários estaduais citados na delação da JBS permanecem no governo

 

Os dois secretários citados por Wesley Batista em delação premiada devem continuar no governo. Um dos donos da JBS, empresa investigada na Operação Lava Jato, Batista acusa os secretários de intermediar pagamento de propina de R$ 20 milhões para a campanha de Camilo ao governo do Estado em 2014.

O POVO apurou que a decisão foi tomada ontem, em reunião a portas fechadas entre Camilo e membros do Conselho por Resultados e Gestão Fiscal (Cogerf).

Antonio Balhman (Assuntos Internacionais) e Arialdo Pinho, que na época ocupavam os cargos de chefe da Casa Civil de Cid Gomes e deputado federal, respectivamente, teriam liberado pagamento de uma dívida de R$ 110 milhões do Estado com a JBS em troca de repasse.

Segundo uma fonte ligada ao governo, uma parte do secretariado de Camilo quer o afastamento imediato de ambos, enquanto outra alega que a atitude poderia funcionar como “condenação prévia”. O governador decidiu, então, manter os secretários em suas funções.

Marcado para a hora do almoço, o encontro não foi divulgado para a imprensa com antecedência, tendo sido confirmado horas depois. Participaram Nelson Martins (Casa Civil), Mauro Filho (Fazenda), Flávio Jucá (Controladoria e Ouvidoria Geral) e Juvêncio Vasconcelos (Procuradoria-Geral do Estado), além de Maia Júnior (Secretaria de Planejamento e Gestão), que articulou a reunião.

De acordo com o titular da Seplag, não é incomum encontros acontecerem aos fins de semana. Maia explicou ter agendado a conversa na quinta-feira, 18, dia em que o conteúdo das delações da JBS começou a vir à tona, para “avaliar as consequências econômicas do que está acontecendo”.

O governador, ele conta, estaria doente naquele dia e, no seguinte, teria viagem marcada para o Interior. A única data restante seria teria sido o domingo.

“Eu já participei de outras reuniões no fim de semana”, disse Maia., negando em seguida que a situação de Pinho e Balhmann tenha sido discutida no encontro. Sobre isso, ele preferiu não comentar. “Tem que falar com a área política, eu trato sobre a economia”, desconversou.

Procurado, Nelson Martins não atendeu as ligações da reportagem. A assessoria de imprensa do governador não confirmou a decisão de manter os secretários citados em delações.

O POVO tentou contato com Pinho e Balhmann, mas eles não foram localizados. A assessoria de Pinho afirmou que ele está viajando.

Por meio de nota enviada no último sábado, 20, a assessoria de Balhmann informou que “o apoio do Grupo JBS ao deputado justifica-se pelo trabalho sério desenvolvido pelo parlamentar em prol da consolidação do setor calçadista e da geração de emprego e renda para o Ceará”.

(O POVO)

Prefeito manda mensagem para Câmara mandando taxar aposentados, alerta Guilherme Sampaio

Da Coluna Vertical, do O POVO desta segunda-feira:

O vereador Guilherme Sampaio (PT) diz que a Prefeitura quer taxar aposentados do Instituto de Previdência do Município (IPM). Segundo o petista, o governo federal aprovou uma emenda constitucional, na época do Governo Lula, taxando aposentados do serviço público.

Com isso, os municípios ficaram obrigados a taxar seus aposentados. Nessa época, a então prefeita Luizianne Lins (PT) encontrou uma forma de não cobrar os valores, criando um abono (lei 9.099/2006) para compensar a taxação determinada pela nova regra constitucional.

Pois bem, agora, em plena crise, o prefeito Roberto Cláudio (PDT) mandou para a Câmara o projeto de lei no. 15/2017 – já tramitando, que revoga o abono. Com isso, a conta vai para os aposentados e pensionistas do IPM que, sobre o assunto, adota o silêncio.

(Foto – Evilázio Bezerra)

Temer reafirma que não renuncia e diz: “Se quiserem me derrubar, me derrubem!”

Em entrevista a Fabio Zanini, Daniela Lima e Marina Dias na Folha de S.Paulo desta segunda-feira, o presidente Michel Temer, rejeitado por 92% dos brasileiros, desafia a população e diz que não sai do cargo. “Agora, mantenho a serenidade, especialmente na medida em que eu disse: eu não vou renunciar. Se quiserem, me derrubem, porque, se eu renuncio, é uma declaração de culpa.”

Apesar do extenso noticiário sobre a operação Carne Fraca, em que Joesley Batista é citado, Temer disse que desconhecia que o empresário estivesse sendo investigado. Também diz que agiu com ingenuidade ao receber Joesley na residência oficial, tarde da noite, e sem registro público da agenda, como manda a lei. Temer foi gravado por Joesley avalizando o pagamento pelo silêncio de Eduardo Cunha.

“Ingenuidade. Fui ingênuo ao receber uma pessoa naquele momento”, diz o presidente na entrevista. Ele disse ainda que tem o PSDB como refém. Questionado sobre até quando dura o apoio dos tucanos, ele não titubeou: “Até 31/12 de 2018.”

Sobre Rodrigo Rocha Loures, flagrado recebendo uma mala de R$ 500 mil em nome dele, Temer avaliou que ele é de “boa índole”

“Ele é um homem, coitado, ele é de boa índole, de muito boa índole. Eu o conheci como deputado, depois foi para o meu gabinete na Vice-Presidência, depois me acompanhou na Presidência, mas um homem de muito boa índole,” acentuou.

(Com Folha de São Paulo e Basil 247/Foto – Folhapress)

Defesa de Temer e PGR pedem à PF esclarecimentos sobre 15 pontos do áudio da JBS

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, encaminhou nesse domingo (21) à Polícia Federal uma série de questionamentos sobre as gravações feitas pelo dono do grupo JBS, Joesley Batista, antes de firmar a delação premiada que serviu de base para a abertura de inquérito contra o presidente Michel Temer. A defesa de Temer também enviou os chamados “quesitos” ao Supremo Tribunal Federal (STF), contendo 15 pontos.

Desde que o conteúdo da conversa veio à tona, Temer tem feito críticas e desqualificado as acusações. Ele negou que tenha atendido a pedidos de Joesley e disse não acreditar no que chamou de “fanfarronices” do empresário, quando este disse que buscava obstruir a Justiça. Ao pedir a continuidade das investigações, a PGR garantiu que não há “mácula que comprometa a essência do diálogo”.

O ofício do Ministério Público Federal, endereçado ao delegado Josélio Azevedo de Souza, coordenador da Força Tarefa da Operação Lava Jato no STF, contém 16 perguntas a serem analisadas pela perícia técnica da PF. Entre outros pontos, elas questionam o formato do áudio, eventuais interrupções e evidência de que alguns trechos foram editados.

O pedido foi feito após o Supremo determinar no sábado (20) a verificação técnica do conteúdo gravado por Joesley. Atendendo solicitação da defesa de Temer, o STF enviou o conteúdo para perícia da PF, mas não suspendeu as investigações, deixando a decisão para o plenário da Corte.

(Agência Brasil)

Temer reúne ministros e base aliada e pede que Congresso trabalhe normalmente

Quatro dias após as primeiras informações da delação do empresário Joesley Batista, o presidente Michel Temer se reuniu na noite desse domingo (21), no Palácio Alvorada, com ministros e líderes do governo no Congresso Nacional. O objetivo da reunião, considerada informal por aliados, foi discutir a crise política deflagrada depois que o jornal O Globo revelou que o dono do grupo JBS gravou com o presidente uma conversa aceita pelo Ministério Público Federal no processo em que pediu a abertura de inquérito contra Temer.

De acordo com o líder do governo na Câmara, deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), Temer pediu que o Poder Legislativo continue trabalhando na sua “normalidade”. Segundo ele, o presidente novamente se mostrou indignado com as denúncias e manifestou confiança de que vai “superar o momento”.

Os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil), Moreira Franco (Secretaria-Geral da Presidência), Henrique Meirelles (Fazenda), Helder Barbalho (Integração Nacional), Ronaldo Nogueira (Trabalho) e Gilberto Kassab (Ciência e Tecnologia) participaram do encontro.

O presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB), chegou ao Palácio da Alvorada por volta de 20h, assim como o líder do governo no Congresso, André Moura (PSC-SE). Segundo Moura, o fato de o Planalto ter agendado inicialmente um jantar com lideranças partidárias não foi um recuo.

“Tratou-se de uma reunião como as demais e que têm ocorrido desde quarta-feira. No momento certo, vamos convocar a base para uma reunião formal”, afirmou, sem informar a data.

Representantes do primeiro escalão do PSDB também estiveram no Palácio da Alvorada, apesar de algumas ameaças de que o partido deixaria a base do governo: Antonio Imbassahy (Secretaria de Governo), Aloysio Nunes (Itamaraty) e Bruno Araújo (Cidades). O senador Tasso Jereissati (CE), novo presidente nacional da legenda, também participou da reunião.

Embora o PSB tenha decidido romper com o governo e defender eleições diretas para a Presidência, o ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, que é filiado à legenda, esteve reunido com Temer e os demais colegas. De acordo com relato de parlamentares que participaram da conversa, o presidente nacional do DEM, senador José Agripino Maia (RN), também esteve no Alvorada.

(Agência Brasil)

Cearenses começam com vitória na Série D

Guarany de Sobral e Guarani de Juazeiro estrearam com vitória na Série D do Campeonato Brasileiro, neste domingo (21). Enquanto a equipe sobralense desbancou o favoritismo do Ríver, em pleno estádio Albertão, em Teresina, por 2 a 1, o time juazeirense derrotou o América de Pernambuco, no Romeirão, por 1 a 0.

No próximo domingo (28), as duas equipes voltam a campo, contra times do Rio Grande do Norte. O Guarany recebe o Potiguar, no estádio do Junco, e a equipe juazeirense jogará fora de casa, diante do Globo.

Salmito revela paixão por músicas de Luiz Gonzaga e surpreende ao cantar “Asa Branca”

Quem acompanha o dia a dia do presidente da Câmara Municipal de Fortaleza, Salmito Filho (PDT), diante de articulações políticas, reuniões e condução das proposições legislativas, não imagina que o também sociólogo é um grande fã da obra de Luiz Gonzaga.

Na noite desse sábado (20), em Paramoti, a 104 quilômetros de Fortaleza, Salmito surpreendeu convidados de um aniversário, em um clube da cidade, ao interpretar “Asa Branca”.

“Sou fã do Luiz Gonzaga, o maior clássico da música popular nordestina, que para estudiosos foi o Rei do Baião, ao se antecipar com a sua música a concepção de ‘nordestinidade’, cantando o sertão, as secas, os costumes, a flora e a fauna do Nordeste Setentrional”, comentou Salmito.

Comissão examina projeto que transfere feriados nacionais para as segundas-feiras

Em reunião prevista para a terça-feira (23), a Comissão de Educação (CE) deverá examinar, em caráter terminativo, o Projeto de Lei do Senado (PLS) 389/2016, que propõe a transferência de feriados nacionais para as segundas-feiras. O projeto estabelece que feriados que caírem na terça ou na sexta-feira serão antecipados ou adiados para a segunda-feira.

A proposta não afeta os feriados de datas simbólicas de 1º de janeiro, 1º de maio, 7 de setembro e 12 de outubro, nem Natal, Carnaval, Corpus Christi e Sexta-feira Santa. A medida também não valerá para os feriados que caírem aos sábados e domingos. O Brasil tem ao todo 12 feriados nacionais, e é o sétimo país com mais feriados no mundo, de acordo com a consultoria norte-americana Mercer. A proposta é de autoria do senador Dário Berger (PMDB-SC).

(Agência Senado)

Manifestação na Praia de Iracema pede a retomada da democracia no Brasil

232 1

Cerca de 15 mil pessoas, segundo a organização do evento, pediram na tarde deste domingo (21), na Praia de Iracema, a saída de Michel Temer da Presidência da República e o retorno da democracia no País.

Segundo o movimento Frente Brasil Popular, que realizou o encontro, somente a saída de Temer e a “retomada imediata da democracia”, “a partir do voto popular em eleições diretas para a Presidência da República”, proporcionarão uma saída para a crise a qual atravessa o Brasil.

(Fotos: Divulgação)

Aproveitadores políticos prestam “solidariedade” a feirantes da José Avelino, critica colunista

Da Coluna Bric à Brac, no O POVO deste domingo (21), pela jornalista Inês Aparecida:

Prefeitura deve se manter firme com relação à rua José Avelino. Ficar contra a retirada é atitude de alguns aproveitadores políticos, como uns dois ou três vereadores que apareceram no local em “solidariedade” aos ambulantes. Aliás, só assim, se soube que eles – de atuação apagada – tinham assento na Câmara Municipal. Neste pequeno espaço, desde a gestão de Luizianne Lins, não foram poucas as vezes que mostramos o quanto era danoso para o Centro a permanência da feira. A ex-prefeita até ensaiou fazer um ordenamento na área, mas não teve coragem, ou força, de levar adiante.

Passar a imagem de “fraco, oprimido e perseguido” é ideal para atrair defensores. Mas, afora os que agem de má fé, se sabe que a história não é bem assim. Um número significativo dos que ali comercializam ou usam “laranjas” para o trabalho de vendas, vivem confortavelmente em bairros de classe média ou alta e se deslocam em veículos de luxo.

Tomara na semana que começa não se repitam as cenas de vandalismo protagonizadas por aproveitadores. Não creio que foram os “pobres feirantes pais de família” que jogaram bombas, pedras e incendiaram ônibus. Vamos torcer, também, para que a Prefeitura transforme o trecho, agora maltratado, em espaço bonito de se ver e aproveitar.

Recadinho aos patrulheiros de plantão: a Prefeitura não me deve, nem eu devo nada a ela.

Trump oferece aliança a líderes muçulmanos e pede que lutem contra extremismo

O presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, fez neste domingo (21) um discurso para 55 líderes de países muçulmanos, aos quais pediu que expulsem extremistas das seus territórios e se unam ao governo americano para conquistar um futuro melhor” para todos.

“Não estamos aqui para ensinar nem para lhes dizer como viver, o que fazer ou como praticar a sua fé. Em vez disso, oferecemos uma aliança baseada em valores e interesses comuns, com o fim de conseguir um futuro melhor”, disse Trump em Riad, na Arábia Saudita, onde faz visita oficial.

Em reunião de cúpula na capital saudita, o presidente americano também pediu aos aliados que expulsem extremistas dos “seus lugares de oração, das suas comunidades e da terra santa”.

“Os EUA estão preparados para lutar junto com eles em busca da segurança e dos interesses comuns”, declarou Trump aos participantes, entre eles de países de África, Ásia e do Oriente Médio.

O anfitrião, o rei saudita Salman bin Abdulaziz, e Trump anunciaram ainda a criação de um centro, com sede em Riad, para combater o financiamento do terrorismo, do qual participarão também os países do Conselho de Cooperação do Golfo.

Trump acusou um inimigo comum, o Irã, de desestabilizar o Oriente Médio e responsabilizou o país por “tudo o que está acontecendo na Síria “e de apoiar os indescritíveis crimes” do presidente do país árabe, Bashar Al Assad.

No discurso, o presidente norte-americano lamentou a situação no Oriente Médio, que era antes “um lugar de paz e de tolerância” no qual as religiões conviviam.

Ele lembrou que 65% da população da região têm menos de 30 anos e que, com isso, existe “um grande futuro para ser construído”, caso não sofra com conflitos e o derramamento de sangue.

Trump chegou ontem (20) a Riad para uma visita de dois dias. É sua primeira viagem ao exterior desde que chegou à Casa Branca e inclui escalas em Israel, na Palestina, no Vaticano, na Bélgica e Itália.

(Agência Brasil)

Governo reduz equipe da Lava Jato e corta verba da PF

Sob o governo do presidente Michel Temer (PMDB) e suspeitas de interferência política, a Polícia Federal reduziu a equipe destacada para a força-tarefa da Operação Lava, em Curitiba, e contingenciou 44% do orçamento de custeio previsto 2017.

É o primeiro corte expressivo no efetivo de investigadores, nos três anos do escândalo Petrobrás, que revelou um mega esquema de cartel e corrupção, que abasteceu nos últimos 13 anos os cofres dos partidos da base e da oposição dos governos Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff.

Deflagrada em março de 2014, a Lava Jato é a maior e mais longeva operação de combate à corrupção da PF, realizada em conjunto com o Ministério Público Federal e a Receita Federal.

Suas descobertas levaram para a cadeia empresários como Marcelo Odebrecht, Eike Batista, o banqueiro André Esteves, ex-ministros como José Dirceu e Antonio Palocci, o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e colocou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, pela primeira vez, no banco dos réus. O escândalo ainda criou as condições para o impeachment da presidente Dilma Rousseff – cassada em agosto de 2016 –  e, agora, ameaça o mandato de Temer.

Origem das apurações de desvios na Petrobrás, a equipe da Lava Jato, em Curitiba, era composta por nove delegados federais até o início de 2017, que atuavam exclusivamente no caso. Hoje, quatro delegados cuidam dos cerca de 180 inquéritos em andamento e há a intenção de se acabar com a atuação exclusiva deles para a força-tarefa.

“Será o fim da Lava Jato”, afirmou um membro da força-tarefa, em Curitiba, sob a condição de não ter o nome revelado.

No início do ano, o efetivo total chegou a ser de quase 60 policiais – entre delegados, agentes e peritos. Hoje, não passa de 40 e sem atuação exclusiva.

Um reflexo desse esvaziamento na equipe da PF é a redução de deflagração de operações ostensivas. Com 40 fases de buscas e prisões desencadeadas nesses três anos de escândalo, as últimas operações foram realizadas por iniciativa do Ministério Público Federal – antes, elas eram intercaladas.

“O investimento já é quase zero. O custeio é para movimentar a máquina. Vai paralisar as atividades. Em um orçamento que já é pequeno, cortar 44%, vai parar”, afirma o presidente da Associação dos Delegados da Polícia Federal (ADPF), o delegado Carlos Eduardo Sobral.

A notícia de cortes no orçamento da PF colocou em alerta procuradores da Lava Jato, em Curitiba, Brasília e Rio. Em reservado, eles avaliam que as medidas caracterizam interferência direta do governo Temer para tentar frear os avanços das investigações.

(Estadão)

Associação critica falta de perícia prévia em áudio entregue por dono da JBS

A Associação Nacional dos Peritos Criminais Federais divulgou nota questionando o fato de a Procuradoria-Geral da República (PGR) não ter periciado o áudio da conversa que o empresário Joesley Batista, dono da JBS, gravou com o presidente Michel Temer, antes de anexá-la ao pedido de abertura de inquérito contra o presidente e a assinatura do acordo de delação premiada que beneficiou Joesley, seu irmão, Wesley Batista, e executivos da holding J&F, à qual pertence a JBS.

As conversas foram gravadas em março deste ano, sem o conhecimento de Temer, durante um encontro à noite, no Palácio do Jaburu. No áudio, o dono da JBS afirma que tinha ligação com um procurador da Justiça e dois juízes que lhe passavam informações confidenciais sobre a Operação Greenfield (que apura suspeita de desvio de recursos em fundos de pensão públicos). O teor da conversa motivou a abertura de inquérito contra o presidente, no Supremo Tribunal Federal (STF), a pedido da PGR. No entanto, Temer pediu a suspensão do inquérito, alegando que não cometeu qualquer crime e que o áudio que embasa o inquérito teve pontos editados e não foi periciado previamente.

Para a associação dos peritos criminais, a homologação de delações premiadas sem a devida análise pericial prévia é temerária. “É inaceitável que, tendo à disposição a Perícia Oficial da União, que tem os melhores especialistas forenses em evidências multimídia do país, não se tenha solicitado a necessária análise técnica no material divulgado, permitindo que um evento de grande importância criminal para o país venha a ser apresentado sem a qualificada comprovação científica”.

Segundo a entidade, a mera audição da reprodução, pela imprensa, do áudio entregue por Joesley Batista permite notar “a presença de eventos acústicos que precisam passar por análise técnica, especializada e aprofundada”. No entanto, não é possível emitir qualquer conclusão sobre a autenticidade da gravação sem que o áudio e o equipamento usado para gravar a conversa sejam periciados pelo Instituto Nacional de Criminalística, da Polícia Federal.

Nesse sábado (20), o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, atendeu ao pedido da defesa do presidente Temer e determinou o envio do áudio para que seja periciado pela Polícia Federal.

(Agência Brasil)

DEM desmarca reunião com Tasso e sinaliza disposição em permanecer no governo Temer

Enquanto o presidente Michel Temer convoca para a noite deste domingo (21) uma reunião com líderes dos partidos aliados, o DEM sinaliza a disposição em permanecer do governo, diante do cancelamento de uma reunião que teria com o presidente em exercício do PSDB, senador Tasso Jereissati (CE).

O presidente nacional do DEM, senador José Agripino Maia (RN), alegou que o encontro que iria avaliar a atual situação política no País, poderia gerar especulação que os dois partidos estariam discutindo desembarcar juntos do governo Temer.

Tasso não comentou o cancelamento da reunião.

(com agências)