Blog do Eliomar

Arquivos do autor Eliomar de Lima

Camilo Santana – Partida prematura de Boechat foi grande perda para a comunicação brasileira

Do governador Camilo Santana (PT), em sua página no Facebook sobre a morte do jornalista Ricardo Boechat:

Recebi com muito pesar a notícia da morte do jornalista Ricardo Boechat, que atuava no Grupo Bandeirantes de Comunicação e Revista Isto É, além de ter passado por alguns dos principais veículos de comunicação do país.

A partida prematura de Boechat representa grande perda para a comunicação brasileira.

Aos familiares, amigos e fãs, minha solidariedade.

Fundadora da Dudalina falará sobre Empreendedorismo em Fortaleza

O Grupo Mulheres do Brasil, núcleo de Fortaleza, está retomando atividades neste mês.

O primeiro encontro está marcado para a próxima sexta-feira, 15, a partir das 18 horas, e ocorrerá no auditório da Federação das Indústrias do Ceará (Fiec).

Na programação, Sonia Hess, fundadora da marca Dudalina, que abordará o tema Empreendedorismo.

(Foto – Divulgação)

Ricardo Boechat – A saudade de um dos maiores jornalistas do País

Ricardo Boechat (66), que morreu em um acidente de helicóptero na Rodovia Anhanguera, nesta segunda-feira, era um dos jornalistas mais respeitados do país. Âncora do Jornal da Band, apresentador da BandNews FM e colunista da revista Istoé, passou também, ao longo de sua carreira de quase cinco décadas no jornalismo, por jornais impressos de grande circulação, como O Globo, O Estado de S.Paulo, Jornal do Brasil e O Dia. O piloto do avião, Ronaldo Quattrucci, também morreu.

Filho de um diplomata brasileiro, Boechat nasceu em Buenos Aires, Argentina, em 13 de julho de 1952. Mal saído da adolescência, trabalhava como assessor de imprensa, mas tentava dar início a uma carreira como repórter. Seu primeiro trabalho em uma redação surgiu na década de 1970, no extinto Diário de Notícias, como assistente de Ibrahim Sued.

Na década seguinte, assumiu a Coluna do Swann, do jornal O Globo, onde ficou até 1997, quando ganhou outra coluna no periódico, com seu próprio nome.

Por dois anos, entre 1986 e 1988, escreveu para o jornal O Estado de S. Paulo. Nesse meio tempo, em 1987, por alguns meses, atuou como secretário de Comunicação Social do governo de Moreira Franco, no Rio de Janeiro. Sua passagem pela política também incluiu, anteriormente, o trabalho como assessor de imprensa de Moreira Franco, quando este era prefeito de Niterói, e como coordenador de campanha do político para o governo do Rio em 1982.

Nos anos 1990, passou pela Rede Globo, como comentarista do Bom Dia Brasil. Também trabalhou no SBT antes de ingressar na Band como diretor de jornalismo da sucursal do Rio de Janeiro. Em 2006, tornou-se âncora do principal jornal da casa, o Jornal da Band, transmitido de São Paulo, quando precisou se mudar de cidade.

Lançou o livro Copacabana Palace – Um Hotel e sua História, sobre o famoso hotel carioca da praia de Copacabana, em 1998. Ganhou três Prêmios Esso e dezoito prêmios Comunique-se, tendo se tornado o maior ganhador da premiação.

No ano passado, foi um dos entrevistados do fórum Amarelas ao Vivo, organizado por VEJA. Falou sobre o jornalismo profissional e a importância dessa atividade em tempos de notícias falsas na internet. Tinha uma visão até otimista sobre o assunto. “A sociedade não está tão vulnerável à mentira. Nós esquecemos que a tecnologia que dá essa dimensão à mentira é a mesma que a desmascara”, afirmou. “Tratamos as fake news como se fossem um mal sem cura. Está na própria natureza da notícia falsa a tecnologia, que é o antídoto que a matará no menor tempo do que sempre se propagou.”

Em sua última coluna na Istoé, falou sobre a movimentação no Senado após a eleição de Davi Acolumbre como presidente, processos na Justiça Trabalhista e a tragédia em Brumadinho (MG), entre outros assuntos. Em seu último comentário, nesta segunda-feira, na BandNews FM, o jornalista falou sobre as tragédias da cidade mineira e do CT do Flamengo, que deixou dez adolescentes mortos, na semana passada.

Boechat era casado com Veruska Seibel e deixa seis filhos.

(Veja)

Segurança Pública – As facções, a queda nos homicídios e a negação; a história se repete

Com o título “Segurança Púbica – As facções, a queda nos homicídios e a negação; a história se repete”, eis o que diz o jornalista Thiago Paiva em sua coluna desta segunda-feira, no O POVO. Confira:

O Secretário da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), André Costa utilizou as redes sociais, na semana passada, para refutar qualquer influência da trégua declarada entre facções criminosas, durante o atual ciclo de atentados, sobre a redução dos homicídios no último mês de janeiro.

Nos primeiros 31 dias do ano, 192 pessoas foram mortas no Ceará. Houve queda de 60% nas ocorrências, em comparação ao igual período de 2018, quando 482 assassinatos foram registrados. Costa comemorou a diminuição e atribuiu o resultado – exclusivamente – às “ações enérgicas do Estado, dentro e fora dos presídios”. Mas não parou por aí.

O secretário chamou de “falsos especialistas” aqueles que atribuem uma parcela desse resultado ao cessar fogo temporário entre facções, que interromperam a disputa por territórios para o tráfico de drogas, priorizando a “Guerra ao Estado”, numa reação à repressão nos presídios. Para Costa, essa análise é “irresponsável”, “desmerece e desonra” o trabalho dos profissionais da Segurança Pública.

A negação do secretário, no entanto, chega a ser curiosa. Em 2017, o ano pós-pacificação entre facções no Ceará, para analisar o recrudescimento dos homicídios, o titular da SSPDS criou a Comissão de Estudo do Perfil das Vítimas de Crimes Violentos Letais e Intencionais. À época, buscava descobrir a motivação média dos assassinatos no Estado. Ele queria entender o que havia levado ao aumento do número de mortes – 5.134 somente naquele ano.

E para a surpresa de Costa, e somente dele, a conclusão do grupo foi que houve uma intensificação da guerra entre as organizações criminosas. Ora, o estudo confirmou aquilo que os moradores das comunidades dominadas por traficantes há muito já sabiam: a guerra entre facções, interrompida em 2016, havia sido retomada numa escala ainda maior.

A elevação dos homicídios, portanto, era somente um dos nefastos resultados dos acertos que haviam chegado ao fim. Vale lembrar que, enquanto vigente, a pacificação culminou ainda no surgimento de uma facção “doméstica”, a Guardiões do Estado (GDE). Juntamente com ela, vieram os crimes bárbaros, como as decapitações e carbonizações, que se tornaram comuns na periferia de Fortaleza.

Isso significa, portanto, que na avaliação do secretário, quando em guerra, as facções influenciam nos homicídios. E em período de trégua, não. A postura é confusa, mas não inédita. Ainda em 2016, quando comprovadamente as facções haviam instaurado a paz às avessas no Ceará, o governador Camilo Santana (PT) também negou a existência dos acertos e a influência na queda dos homicídios. “Quer dizer, então, que o trabalho da Polícia não vale de nada?”, questionava.

O discurso era endossado pelo então secretário da Segurança Delci Teixeira, que durante o 6º ciclo de atentados no Estado, enfrentado em abril daquele ano, reclamou da “glamourização” dos criminosos responsáveis pelos ataques. Para ele, não passavam “pirangueiros” pintados de “Al Capones”.

Até que naquele mesmo mês, durante a operação Vera Pax (Verdadeira Paz), o Ministério Público do Ceará (MPCE) prendeu dez membros de organizações criminosas que estariam por trás dos arranjos de pacificação. A realidade estava escancarada. Com a divulgação, não havia mais como negar os acertos – ou não, dada a postura de Costa.

No texto publicado, o secretário fez ainda uma provocação: “Não precisa ser especialista para responder à seguinte pergunta: você faria acordo com quem matou sua esposa, seu pai, sua irmã ou seu filho? A resposta é óbvia demais”. Nem tanto. Depende de para quem a pergunta é dirigida. No caso dos criminosos, membros de facções, há interesses outros, hierarquia e obediência. Tanto que, durante cerca de um ano, a resposta para essa pergunta foi um sonoro “sim”.

Costa, contudo, não deixa de ter razão. Obviamente, não se deve atribuir a queda dos homicídios em janeiro somente à trégua entre as facções. E isso nunca foi cogitado, pelo menos nas reportagens publicadas pelo O POVO.

O esforço das forças da Segurança Pública – e aqui estão inclusas as tropas do Ceará, estados parceiros e Governo Federal – deve ser reconhecido, é claro! Muito embora o aumento da ostensividade tenha um impacto maior na redução dos crimes contra o patrimônio e na elevação da sensação de segurança, a atuação desses agentes, inegavelmente, resultou na queda dos crimes contra a vida, sendo os envolvidos dignos
de agradecimentos.

Porém, negar de todas as maneiras a influência da trégua nesse resultado, diante do patamar da consolidação das facções no Ceará, e do já demonstrado poder de articulação desses criminosos, vide a duração do atual ciclo de atentados, soa desnecessário. Neste caso, sim, há desrespeito e ofensa à inteligência dos próprios policiais,
especialistas que são.

(Foto – Evilázio Bezerra)

Derrotada nas urnas, Rachel Marques volta à condição de servidora estadual da Saúde

Raquel Marques, ex-deputada estadual petista, que tentou vaga na Câmara e não conseguiu, voltou ao batente.

Ela informou em seu Instagram que retomou atividades agora como psicóloga hospitalar, pois é servidora da Secretaria da Saúde do Estado.

Não disse, no entanto, se abandonou mesmo a política partidária. Ela é casada com o prefeito de Quixadá e ex-presidente estadual do PT, Ilário Marques.

Ceará lidera ranking da energia solar distribuída

528 2

O Ceará liderou no País o ranking de geração distribuída de energia solar – aquela onde a geração de energia é feita pelo consumidor – com total de 31.239Kw no ano. A informação é do Observatório da Indústria, organismo ligado à Federação das Indústrias do Ceará (Fiec).

No ranking nacional geral da energia solar, o Estado ficou na sexta colocação.

Neste ano, o segmento solar do país espera crescer 44% e, de olho nesse mercado, a Sou Energy, empresa cearense, participa do Fórum de Distribuição de Energia, em Minas Gerais.

De acordo com Adriana Viturino, Gerente Comercial da Sou Energy, a expectativa de crescimento da empresa para 2019 pode chegar a 300%.

(Foto – Arquivo)

Livro de cearenses quer mostrar radiografia do sistema prisional brasileiro

Nos bastidores do sistema prisional brasileiro.

Os agentes penitenciários cearenses Manoel Serafim e Adailson d Silva, também psicólogo, filósofo, teólogo e escritor de 10 livros, estão finalizando o livro “Encarceramento em massa no Brasil: um raio x do sistema prisional brasileiro.” Serafim conta que é agente há mais 11 anos e que foi candidato a presidente do Sindasp por três vezes, com formação em Letras pela UFC.

Ele diz que o livro é dedicado a todos os agentes penitenciários do Brasil, mas enfrenta dificuldade para concretizá-lo, em razão do custo: cerca de RS 9.000,00. “Este valor se refere a diagramação, registo catalográfico, editora, arte gráfica etc. Já investimos uma quantia e, embora a obra já esteja pronta, não chegamos a este montante para materializá-la” explica Serafim.

Os dois autores pedem o apoio da sociedade para concretizar a obra. “Qualquer valor será prestimoso para finalização do projeto. Aquele que porventura queira e possa doar RS 50,00 ou mais, no ato do lançamento, receberá o livro sem qualquer ônus”, acentua.

SERVIÇO

Doações

Manoel Serafim da Silva – Bradesco
AG. 693
C/C 16739-8.

(Foto – Mauri Melo)

Prefeita de Granja inicia obras de recuperação de estradas, pontes e bueiros atingidos pelas chuvas

Tarcísio Souza (Granja) – A Prefeitura de Granja (Zona Norte) iniciou o conserto dos danos provocados pelas últimas chuvas no município. Mesmo assim, não haverá condições para normalização da infraestrutura, no que o Carnaval está mesmo cancelado, de acordo com a prefeita Amanda Aldigueri.

Há obras de reparo nas estradas do município, nas passagens molhadas, pontes e em bueiros que foram danificados pelas chuvas.

“A gestão municipal está intensificando todos os esforços necessários para reparação de todo o patrimônio público. A Defesa Civil está mapeando e de prontidãom caso haja necessidade durante a estação invernosa para realizar remoção de famílias, deslocamentos e pagamentos de alugueis sociais”, assegura a prefeita Amanda Aldigueri.

(Foto – Divulgação)

UFC inscreve para seleção de professor em Fortaleza e Sobral

A Universidade Federal do Ceará lançou o Edital nº 21/2019 (http://www.progep.ufc.br/edital-21-2019/) para seleção de professor substituto. São ofertadas três vagas, distribuídas entre o Departamento de Psicologia, em Fortaleza, e os cursos de Música e de Medicina, em Sobral. As inscrições começam na quarta-feira, dia 13, informa a assessoria de imprensa da Instituição.

Em Fortaleza, a vaga é para o setor de estudo Análise do Comportamento. O regime de trabalho é de 40 horas semanais e é exigido título de doutor. As inscrições ocorrerão presencialmente ou por procuração até o dia 15 de fevereiro, das 9 às 12 horas e das 14 às 17 horas, no Departamento de Psicologia, localizado na área 2 do Centro de Humanidades da UFC (Avenida da Universidade, 2762, Benfica). A inscrição poderá ser reaberta com titulação menor em caso de inexistência de candidatos doutores.

Em Sobral, a vaga para o Curso de Música é no setor de estudo Regência, Linguagem e Estruturação Musical. O regime de trabalho é de 40 horas semanais e é exigido diploma de graduação. Os interessados podem se inscrever até o dia 19 de fevereiro, na coordenação do curso (Rua Coronel Estanislau Frota, 563, Centro), no horário das 14 às 20 horas.

A outra vaga do Campus da UFC em Sobral, para o Curso de Medicina, é no setor de estudo Endocrinologia/Semiologia Médica/Internato, com jornada de trabalho de 20 horas semanais. São aceitas inscrições de candidatos com título de mestre ou diploma de graduação. As inscrições ocorrem até o dia 19 de fevereiro, das 9 às 12 horas e das 14 às 17 horas, na coordenação do curso (Av. Comandante Maurocélio Rocha Pontes, 100, Derby).

SERVIÇO

*Informações sobre inscrição, remuneração e programas de estudos estão detalhadas no Edital nº 21/2019 (http://www.progep.ufc.br/edital-21-2019/).

*Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas – (85) 3366 7407.

Jornalista Richardo Boechat morre em acidente de helicóptero

103 1

Resultado de imagem para ricardo boechat

O jornalista, apresentador e radialista Ricardo Boechat morreu no início da tarde desta segunda-feira (11), aos 66 anos, em São Paulo.

O jornalista estava em helicóptero que caiu na Rodovia Anhanguera, em São Paulo, e bateu na parte dianteira de um caminhão que transitava pela via.

Boechat era apresentador do Jornal da Band e da rádio BandNews FM e colunista da revista IstoÉ. Ele também trabalhou nos jornais “O Globo”, “O Dia”, “O Estado de S. Paulo” e “Jornal do Brasil” e foi comentarista no Bom Dia Brasil, da TV Globo.

Ele ganhou três vezes o Prêmio Esso, um dos principais do jornalismo brasileiro e atuou em alguns dos principais veículos e canais do país.

Boechat estava dando uma palestra em Campinas, no interior do estado, e retornava a São Paulo nesta segunda, de acordo com jornalistas da TV Band.

Ao longo de uma carreira iniciada na década de 1970, esteve jornais como “O Globo”, “O Estado de S. Paulo”, “Jornal do Brasil” e “O Dia”. Na década de 1990, teve uma coluna diária no “Bom Dia Brasil”, na TV Globo.O jornalista, apresentador e radialista Ricardo Boechat morreu no início da tarde desta segunda-feira (11), aos 66 anos, em São Paulo.

O jornalista estava em helicóptero que caiu na Rodovia Anhanguera, em São Paulo, e bateu na parte dianteira de um caminhão que transitava pela via.

Boechat era apresentador do Jornal da Band e da rádio BandNews FM e colunista da revista IstoÉ. Ele também trabalhou nos jornais “O Globo”, “O Dia”, “O Estado de S. Paulo” e “Jornal do Brasil” e foi comentarista no Bom Dia Brasil, da TV Globo.

Ele ganhou três vezes o Prêmio Esso, um dos principais do jornalismo brasileiro e atuou em alguns dos principais veículos e canais do país.

Boechat estava dando uma palestra em Campinas, no interior do estado, e retornava a São Paulo nesta segunda, de acordo com jornalistas da TV Band.

Ao longo de uma carreira iniciada na década de 1970, esteve jornais como “O Globo”, “O Estado de S. Paulo”, “Jornal do Brasil” e “O Dia”. Na década de 1990, teve uma coluna diária no “Bom Dia Brasil”, na TV Globo.

(Fonte: G1)

Guilherme Sampaio reage a artigo do prefeito Roberto Cláudio

202 2

Com o título “Como um código se torna da Cidade”, eis artigo do vereador Guilherme Sampaio (PT), em resposta ao artigo que veiculados há pouco, neste Blog, e que traz a assinatura do prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio (PDT), abordando o Código da Cidade. Confira:

O artigo aqui publicado no O POVO desta segunda-feira (11/02), de autoria do prefeito Roberto Cláudio, levou-me a refletir sobre a função política dessa lei, anteriormente conhecida como Código de Obras e Posturas.

Para chamar-se efetivamente o Código de Obras e Posturas de “Código da Cidade”, como propõe o Executivo, há de se compreender a dimensão política dessa mudança. Uma legislação a que se pretende batizar com este título deve representar o pacto político dos que habitam o território urbano quanto às formas de intervir sobre ele: transformá-lo, nutri-lo, preservá-lo, enfim, garantir sua função social. Isso vai muito além da elaboração de um “manual “ como o apresentado no artigo do prefeito.

Para que a iniciativa seja revestida, de fato, da intenção de traduzir um pacto é preciso, em primeiro lugar, que seja fruto de um acordo coletivo. Isso pressupõe diálogo, contrapesos que suprimam desequilíbrios econômicos e políticos entre os atores e, por fim, a celebração de consensos construídos pelo conjunto da sociedade. Onde se vê isso em Fortaleza atualmente? A gestão de Roberto Cláudio deixou morrer o Orçamento Participativo, instituído de forma ousada na gestão do Partido dos Trabalhadores. Os conselhos de políticas públicas foram esvaziados em seu prestígio e capacidade de interlocução política, perdendo seu protagonismo no debate, avaliação e proposição. A Lei de Uso e Ocupação do Solo foi recentemente aprovada, incluindo absurdos como a redução de áreas de interesse ambiental e a anistia irrestrita a infrações urbanísticas em pleno século XXI.

Com equívocos dessa natureza, não se pode falar de pacto! Pode-se até contemplar avanços na técnica, mas se não fundamentados na evolução da construção política, seus efeitos e aplicação acabam tornando-se reféns dos interesses menores dominantes de sempre, desde o Brasil colônia.

A apreciação do código da cidade pela Câmara Municipal pode ser uma oportunidade de exercitarmos práticas e métodos que superem esses equívocos. Como vereador, trabalharei por isso. Só assim, o código poderá ser, como disse o prefeito, um manual de cidadania.

*Guilherme Sampaio

Vereador do PT e Fortaleza.

(Foto – Camila de Almeida)

Tragédia no Flamengo – Atleta cearense ganha alta médica

O cearense Cauan Emanuel (14) recebeu alta médica e vai para casa. A informação foi divulgada neste começo de tarde de segunda-feira pelo Flamengo. O jogador de 14 anos deixa nas próximas horas o Hospital Vitória, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio de Janeiro, onde está internado desde sexta-feira. Ele será o primeiro dos três feridos no incêndio no Ninho do Urubu a voltar para o lar, informa o Portal G1.

No último domingo, o jovem já havia deixado o CTI e sido transferido para o quarto, devido sua evolução. Após visitar o filho na manhã desta segunda, o pai de Cauan, Jhon Emanuel, já demonstrava otimismo com a alta médica:

– Está com a respiração boa, fala normal, se alimentando bem. Está feliz por estar no quarto. O coração de pai está feliz por estar fora total de perigo. Agora é esperar as decisões médicas. Esperamos que seja avaliação positiva e ele saia em breve.

Os outros dois feridos seguem internados. Francisco Dyogo, de 15 anos, está no mesmo hospital que Cauan, mas continua no CTI. O estado mais grave é de Jonatha, 15 anos, que teve 35% do corpo queimado e está no Hospital Pedro II, em Santa Cruz, também na Zona Oeste do Rio.

(Foto – Re´produção)

Código da Cidade. O Manual de Uso do Cidadão

97 1

Com o título “Código da Cidade. O Manual de Uso do Cidadão.”, eis artigo do prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio (PDT). Essa matéria é definida como a principal da Câmara Municipal para este semestre. Confira:

Dentre as várias atribuições do Poder Público no fazer cidade, está a tarefa de regulamentar o convívio entre o cidadão e sua cidade. Muitas vezes denominado de Código de Obras e Posturas, este manual de boas práticas para com a cidade, dispõe sobre a execução de obra, aspectos comportamentais relacionados à ordem pública e funcionamento de equipamentos e atividades.

Aqui em Fortaleza, o nosso “manual do usuário”, ou melhor, o nosso “manual do cidadão” está, há muito, desatualizado. O Código de Obras e Posturas data de 1981. Com práticas contemporâneas inéditas, o novo Código, ora encaminhado à Câmara Municipal de Fortaleza, será o Código da Cidade. E Fortaleza ousou. Dividido em quatro temas, Ambiente Natural, Ambiente Construído, Posturas Municipais e Ética na Relação entre Poder Público e a Sociedade, o Código se propõe a estabelecer um novo momento entre cidadão, cidade e Administração Pública. Um momento de integração e de compartilhar o fazer cidade.

Como principais regras para o ambiente natural, o Código da Cidade regulamenta os padrões de qualidade ambiental; institui a certificação ambiental para construção, produtos e atividades econômicas sustentáveis; implementa ações de enfrentamento às mudanças climáticas; estabelece a política de bem-estar e proteção animal, além de regulamentar a educação ambiental como instrumento de gestão.

Para o ambiente construído, o Código insere os conceitos e práticas de sustentabilidade no processo construtivo e no canteiro de obras; implementa o armazenamento e reuso de águas pluviais e águas cinzas; regulamenta o retrofit de edificações em processo de desvalorização.

Em relação às posturas municipais, fomenta as atividades vinculadas à nova economia como os escritórios virtuais; regulamenta as calçadas, assim como os procedimentos de licenciamento eletrônico, promovendo a busca pelo bom ambiente regulatório da cidade.

Da ética na relação entre Poder Público e a sociedade, o novo Código ousa na orientação para transparência na informação e a participação social nos projetos da cidade e estabelece a aplicação das penalidades quando da infração as regras urbanas e ambientais de nossa cidade.

Enfim, é no Código da Cidade que nossos direitos e deveres enquanto cidadãos estão pré-estabelecidos! É só seguir e nossa cidade agradecerá!

*Roberto Cláudio

Prefeito de Fortaleza.

(Foto – Aurélio Alves)

Tasso defende que PSDB se afaste de “visões de extrema-direita”

No ano passado, o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) liderou um movimento para que o seu partido desembarcasse da gestão de Michel Temer. Agora, em meio à aproximação entre o governador de São Paulo, João Doria (PSDB-SP), e o presidente Jair Bolsonaro, o tucano volta a defender que o partido deva se afastar “de visões de extrema-direita” presentes no Palácio do Planalto.

Para Jereissati, a única afinidade entre tucanos e bolsonaristas é na política econômica, em prol da reforma da Previdência. “Eu não enxergo o PSDB totalmente integrado ao governo, até pelas diferenças que nós temos. A grande afinidade que nós temos é em relação à política econômica”, afirmou Jereissati em entrevista ao Estadão/Broadcast.

Neste ponto, o senador disse que “nunca houve um momento tão propício” no Senado para a aprovação da reforma e que entre os senadores tucanos existe “a convicção” sobre uma reforma “imediata” e “de certa profundidade”.

AGÊNCIA ESTADO – O que o sr. achou da eleição para a Mesa do Senado? Houve desgaste de imagem da Casa?

TASSO JEREISSATI – Foi o ápice do desgaste, mas o ponto mais alto da crise do Senado foi necessária para a ruptura com o passado. Com certeza, foi um espetáculo degradante, que desnudou alguns personagens para o Brasil, mas foi um momento em que foi rompido o predomínio de um grupo depois de quase 30 anos. Acho que consolidou o fim do monopólio desse grupo no Senado durante esses anos.

AE – Preocupa o fato de o novo presidente do Senado, Davi Alcolumbre, ter o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, como padrinho?

TJ – Ele, com certeza, teve o apoio do ministro Onyx, mas a teia de compromissos que ele firmou aqui dentro do Senado vai dar a independência que ele necessita e, com certeza, quer.

AE – O governo tem condições de aprovar uma reforma da Previdência no Senado?

TJ – O governo sozinho não tem essa maioria no Senado. O governo, inclusive, é muito heterogêneo, tem alas diferentes e visões diferentes. É difícil você quantificar. Agora, nunca houve um momento tão propício dentro do Senado para fazer essas reformas. Não podemos desperdiçar essa oportunidade.

AE – Na gestão Temer, o PSDB ficou dividido sobre proposta de reforma da Previdência. E agora?

TJ – É uma boa vontade unânime aqui dentro do PSDB do Senado. Evidentemente que tem pontos aqui e ali, ninguém é unânime em todos os pontos. Mas a convicção de que tem de haver uma reforma da Previdência, de certa profundidade e imediata, isso é unânime dentro do partido aqui no Senado.

AE – Qual será a posição do PSDB em relação ao governo? No ano passado, o sr. defendeu desembarcar da gestão Temer e, este ano, Doria tem se movimentado em direção ao governo…

TJ – Não enxergo o PSDB integrado totalmente no governo, até pelas diferenças que nós temos, que eu já fiz referência. A grande afinidade que nós temos é em relação à política econômica. Mas, com certeza, estamos bastante afastados de visões de extrema-direita que estão sendo externadas aí por alguns grupos.

AE – Como o sr. avalia o primeiro mês de gestão do governo Bolsonaro?

TJ – É muito cedo, temos um pouco mais de um mês com um presidente afastado por uma cirurgia, internado num hospital. Evidentemente, há uma falta de organização no governo ainda. Não dá para identificar para onde o governo vai, porque tem muito bate-cabeça entre as próprias lideranças que dão apoio ao governo. Há grupos diferentes dentro do governo: um grupo ligado a fulano, um grupo ligado a sicrano. Há impressão de que esses grupos não se entendem. Mas acho que naturalmente, com o tempo e a consolidação do governo, essas coisas vão tendo maior organicidade. Eu não digo (que o governo precisa) acelerar, mas ter uma coordenação, ter uma organicidade desses diferentes grupos.

AE – Na Câmara, por exemplo, o líder do governo está sendo muito questionado. Aqui no Senado, ainda não definiram isso…

TJ – Faz parte dessa aparente desorganização do governo hoje.

AE – Como o sr. avalia a política externa do governo nesse período?

TJ – Algumas declarações do ministro (Ernesto Araújo) não só me preocupam, me cheiram a delírio, altamente fora do mundo terrestre. Evidente que estamos (o PSDB) completamente afastados da linha que ele diz, do que ele pensa. O problema não é só a imagem externa arranhada. O País está sendo levado ao ridículo. É uma visão inclusive diferente da visão do (ministro da Economia) Paulo Guedes, que é totalmente globalista. O ministro das Relações Exteriores é oposto de tudo isso. Vejo com o mesmo rigor e espanto as declarações da ministra (da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves). Algumas, eu não quero nem comentar.

AE – Qual será a posição do sr. na eleição do PSDB?

TJ – Eu defendo renovação. Tem de vir um nome ajustado a essa renovação. E que tenha liberdade, independência para liderar essa visão de futuro que o partido vai ter. Volto a defender uma autocrítica. O partido tem de rever, assumir os erros do passado e assumir o compromisso com a sociedade de não aceitar conviver com esses erros.

AE – O Doria é essa nova cara?

TJ – O governador João Doria é uma das caras do partido. Tivemos também a eleição do Anastasia (como vice-presidente do Senado), que é um nome relativamente novo, vem de uma outra geração, já é muito respeitado no Senado e no Brasil. E outros também: o Eduardo Leite, no Rio Grande do Sul, é uma esperança que a gente tem, uma cara nova, ideias novas.

(Agência Estado/Foto – Agência Senado)

Tribunal do Júri condena ex-policiais que integravam grupo de extermínio

A 5ª Vara do Tribunal de Justiça do Ceará, por meio do seu Conselho de Sentença, condenou dois policiais – Daimler da Silva Santiago e Glaydston Gama Lopes, à pena de 15 anos de reclusão pela morte de Rogério Candeias da Silva. O fato se registrou na noite de 21 de setembro de 2007, em Fortaleza, informa a assessoria de imprensa do Ministério Público do Estado.

De acordo com as investigações, os réus condenados integravam um grupo de extermínio composto por oito policiais militares, entre os quais o policial Pedro Cláudio Duarte Pena (Cabo Pena); e um civil, Sílvio Pereira do Vale Silva, conhecido como Pé de Pato. A sessão de julgamento se iniciou no início da tarde da quarta-feira (6/02) e somente se encerrou às 2h30min da madrugada do dia seguinte (7/2).

Daimler da Silva Santiago e Glaydston Gama Lopes foram pronunciados pelo Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE), como incurso nos crimes previstos nos artigos 121, §2º, I e IV (homicídio consumado e tentado), do Código Penal, contra as vítimas Rogério Candeias da Silva e Roger Alves da Silva. Submetidos a julgamento, o Conselho de Sentença reconheceu na 1ª série de quesitos em relação ao réu Daimler, por maioria de votos, a materialidade e autoria delitiva. Reconheceu que o referido réu agiu com recurso que dificultou ou impossibilitou a defesa da vítima.

Na 2ª série de quesitos reconheceu, por maioria de votos, a materialidade e autoria delitiva. Reconheceu a tese da Defesa ao responder afirmativamente ao 4º quesito da série. Nas 1ª e 2ª séries de quesitos em relação ao réu Glaydston, o Conselho de Sentença reconheceu a tese da Defesa de que o réu agiu acobertado pela causa supralegal de inexigibilidade de conduta diversa. Considerando a decisão, o Conselho de Sentença condenou o réu Daimler da Silva Santiago como incurso nas sanções do artigo 121, §2º, IV, do Código Penal.

A juíza presidente do Tribunal do Júri, Valência Maria Alves de Sousa Aquino, observando-se as diretrizes dos artigos 59 e 68, do Código Penal, fixou a pena ao réu Daimler da Silva Santiago. O policial militar à época, em concurso de pessoas, “premeditou o crime, efetuou vários disparos de arma de fogo contra a vítima, que estava confinada e algemada dentro do porta-malas do veículo Clio, evidenciando acentuado grau de reprovabilidade na conduta do agente a ser valorado negativamente a culpabilidade e as circunstâncias.”

Tragédia no Flamengo – Corpos de cinco atletas serão enterrados nesta segunda-feira

Os corpos de mais cinco dos atletas de base que morreram em consequência do incêndio no alojamento do Centro de Treinamento do Flamengo, na última sexta-feira (8), serão sepultados hoje (11).

Dos cinco, apenas um será enterrado no Rio, Samuel Thomas de Souza Rosa, de 15 anos, no período da tarde, no Cemitério de Vila Rosali, em São João de Meriti, na Baixada Fluminense.

O corpo de Jorge Eduardo Santos, 15 anos, será levado para Além Paraíba, na Zona da Mata Mineira (MG); o corpo de Áthila Souza Paixão, de 14 anos, vai ser sepultado em Lagarto, em Sergipe; e os de Rykelmo de Souza Viana, de 16 anos, e de Gedson dos Santos, 14 anos, serão enterrados no interior de São Paulo. O primeiro em Limeira, e o segundo em Itararé.

O incêndio, que ocorreu nas primeiras horas da última sexta-feira, teria começado no ar-condicionado do quarto de número seis do Centro de Treinamento do Flamengo, em Vargem Grande, na zona oeste da cidade, e causou a morte de dez atletas da categoria de base do rubro-negro, deixando três feridos, um em estado grave.

Todas as vítimas eram jogadores da categoria de base do time e tinham entre 14 e 16 anos. O fogo destruiu parte dos alojamentos do centro técnico. Dos dez atletas, cinco foram enterrados, em meio a muita comoção, no domingo: Arthur Vinícius de Barros Silva Freitas, 14 anos, Bernardo Pisetta, 14 anos, Christian Esmério, 15 anos, Pablo Henrique da Silva Matos, 14 anos, e Vitor Isaías, 15 anos.

O incêndio deixou três atletas feridos: Jonathan Ventura, de 15 anos, que segue internado em estado grave no Hospital Pedro II, em Santa Cruz, na Zona Oeste do Rio; e Cauan Emanuel e Francisco Dyogo, que continuam internados no Hospital Vitória, na Barra da Tijuca, e apresentam em estado de saúde estável.

(Agência Brasil)

Uma segunda-feira de poucas chuvas no Ceará

Choveu em 16 municípios cearenses nesta segunda-feira, de acordo com boletim divulgado pela Funceme. Mas para esta treçap-feira, o órgão prevê nebulosidade variável com eventos de chuva no Centro-Norte.

Nas demais regiões, céu parcialmente nublado.

Confira as 10 maiores chuvas

Morada Nova (Posto: Fazenda Lacraia) : 61.3 mm

Limoeiro Do Norte (Posto: Limoeiro Do Norte) : 47.0 mm

Limoeiro Do Norte (Posto: Sitio Malhada) : 46.7 mm

Jaguaruana (Posto: Borges) : 38.3 mm

Morada Nova (Posto: Roldao) : 34.0 mm

Russas (Posto: Peixe) : 22.2 mm

Russas (Posto: Sitio Timbauba Macore) : 20.3 mm

Ocara (Posto: Açude Batente) : 20.0 mm

Aracoiaba (Posto: Furnas) : 17.0 mm

Camocim (Posto: Camocim) : 16.0 mm

Heitor vai cobrar de Camilo o reajuste dos servidores

O deputado estadual Heitor Férrer (SD) vai insistir, nesta semana, da tribuna da Assembleia, por reajuste salarial para os servidores públicos estaduais. Isso, principalmente depois da divulgação da boa condição fiscal do Ceará, o que foi divulgado em coletiva, semana passada, pelo governador Camilo Santana.

Heitor avalia que o governo pode conceda não somente o reajuste da inflação, mas também um aumento efetivo que compense as perdas salariais dos últimos ano, que chegam a 17%.

Heitor Férrer lembrou que já estamos em fevereiro e a mensagem do governo ainda não foi encaminhada para os deputados. “Nós estamos em fevereiro e cadê o aumento dos servidores públicos? A data base é em janeiro”, lembra o parlamentar.

(Foto – ALCE)

Obra Lumen lança campanha para construção de Complexo de Ressocialização

A Obra Lumen, fundada em 1989,vai construir um Complexo de Ressocialização no Condomínio Espiritual Uirapuru (CEU), que fica no bairro Castelão, e, Fortaleza. O projeto será voltado para o atendimento a ex-moradores de rua. A entidade, para arrecadar recursos, lança a campanha “Cadastro Ser Feliz”, cuja renda será revertida para o empreendimento.

O Complexo de Ressocialização terá o objetivo de atender homens, mulheres e mães com crianças que perseveraram e terminaram o seu período de recuperação nas oito casas de acolhimento da Obra Lumen e de outras comunidades. “Esses irmãos precisam de uma oportunidade de reintegração na sociedade e no mercado de trabalho”, afirma Edwin Costa, consagrado da Obra Lumen.

“Eles foram para as drogas e para as ruas por conta de dores e traumas profundos. A partir do momento que são verdadeiramente amados e fazem uma experiência sincera com Deus, resgatam a sua real identidade e descobrem que também podem ser felizes fazendo o outro feliz. Eles só precisam ser amados, evangelizados e socorridos. Somos testemunhas vivas dos resultados e frutos desse trabalho” complementa Edwin Costa.

A construção contará com casas de acolhimento, salas de profissionalização e ambientes para formação, espiritualidade, esporte, cultura e lazer. O atendimento será 100% gratuito.

Obra Lumen

A Obra Lumen também realiza projetos sociais preventivos com atendimento a mais de 2.000 crianças, adolescentes e jovens em vulnerabilidade social de 20 comunidades carentes de Fortaleza incluindo Praia do Futuro, Jangurussu e Brasília. São oferecidas gratuitamente atividades educativas, esportivas, culturais, profissionalizantes e de evangelização.

Trata-se de um trabalho realizado por mais de 1.000 voluntários, jovens e famílias que descobriram que a felicidade está, no sair de si mesmo para ir ao encontro do outro, especialmente daquele que é menos amado e mais sofre.

As atividades da Obra Lumen são gratuitas e não fazem convênios fixos. A sua fonte principal de providência para todas as obras de misericórdia e projetos sociais, está na participação da sociedade.

SERVIÇO

*Para ajudar a campanha, faça seu cadastro: www.lumenserfeliz.com