Blog do Eliomar

Arquivos do autor Eliomar de Lima

UFC inscreve para concurso público de professor efetivo em Fortaleza e Sobral

A Universidade Federal do Ceará já inscreve para concurso público de professor efetivo do Centro de Tecnologia, Centro de Ciências, Instituto de Cultura e Arte (ICA), em Fortaleza, e para o Curso de Medicina no Campus da UFC em Sobral. As inscrições vão se estender até 29 de maio.

De acordo com o Edital nº 102/2018 (https://bit.ly/2K4R6gg), as vagas são para os cargos e setores de estudo abaixo:

Centro de Tecnologia – Departamento de Engenharia Elétrica (DEE). Setor de estudo: “Instalações Elétricas Residenciais, Prediais e Industriais” (1 vaga). Cargo: professor adjunto-A. Contato: Campus do Pici Prof. Prisco Bezerra – bloco 705 – CEP: 60455-760 – Fortaleza-CE. Fones: (85) 3366 9580 e 3366 9581 – e-mail: paulopp@dee.ufc.br e msergio@dee.ufc.br – site: www.dee.ufc.br.

Centro de Ciências – Departamento de Física. Setores de estudo: “Física Teórica – Propriedades Optoeletrônicas e de Transporte de Materiais Bidimensionais” e “Física do Petróleo” (1 vaga cada). Nos dois casos, o cargo é de professor adjunto-A. Contato: Av. Mister Hull, s/n – Campus do Pici – bloco 922 – 1º andar – CEP: 60440-900 – Fortaleza-CE. Fone: (85) 3366 9903 – e-mail: secretaria@fisica.ufc.br – site: www.fisica.ufc.br.

Instituto de Cultura e Arte – Curso de Publicidade e Propaganda. Setor de estudo: “Produção e Criação Audiovisual em Publicidade” (1 vaga). Cargo: professor assistente-A. Contato: Av. Mister Hull, s/n – Campus do Pici – bloco ao lado do Restaurante Universitário – CEP: 60440-554 – Fortaleza-CE. Fone: (85) 3366 9223 – e-mail: ica@ufc.br – site: www.ica.ufc.br.

Campus da UFC em Sobral – Curso de Medicina. Setor de estudo: “Endocrinologia / Semiologia Médica / Internato” (1 vaga). Cargo: professor auxiliar. Contato: Av. Comandante Maurocélio Rocha Ponte, 100, Bairro Derby – CEP: 62042-280 – Sobral-CE. Fones: (88) 3695 4701 e 3695 4703 – e-mail: famedsobral@ufc.br – site: www.medsobral.ufc.br.

Titulação, taxas, jornada e remuneração

De acordo com o Edital nº 102/2018, para o cargo de adjunto-A, no regime de 40 horas, com dedicação exclusiva, o candidato deve ter título de doutor. A taxa de inscrição é no valor de R$ 239,00 e a remuneração, de R$ 9.585,67.

Para assistente-A, o candidato deve ter título de mestre, e o aprovado cumprirá jornada de 40 horas semanais, com dedicação exclusiva. A taxa é R$ 165,00 e a remuneração será de R$ 6.627,43.

No caso do auxiliar, exige-se diploma de graduação, e o selecionado terá regime de trabalho de 20 horas semanais. A taxa de inscrição custa R$ 55,00 e a remuneração será de 2.236,30.

SERVIÇO

*Mais informações sobre o processo seletivo podem ser acessadas no site da Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas (https://bit.ly/2K4R6gg).

*Divisão de Concursos e Provimento da Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas – (85) 3366 7407.

(Foto – Evilázio Bezerra)

Pré-candidatos podem iniciar financiamento coletivo a partir do dia 15

A partir da terça-feira (15), os pré-candidatos das eleições de 2018 poderão iniciar a propaganda para financiamento coletivo de campanha, conhecido crowdfunding eleitoral. No entanto, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) estabeleceu que eles estão proibidos de pedir votos durante a divulgação dessa modalidade de arrecadação de recursos.

O tribunal decidiu a data após responder uma consulta feita pelo senador Paulo Paim (PT-RS). O parlamentar questionou o tribunal sobre como o financiamento coletivo poderia ser divulgado e a data a partir da qual seria permitida a propaganda.

De acordo com o TSE, a liberação e o repasse dos valores arrecadados aos pré-candidatos só poderão ocorrer se eles tiverem cumprido os requisitos definidos na norma: o requerimento do registro de candidatura, inscrição no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) e abertura de conta bancária específica para registro da movimentação financeira de campanha.

A possibilidade de os pré-candidatos iniciarem a campanha para o financiamento coletivo é uma das mudanças trazidas pela reforma eleitoral de 2015. Até a eleição de 2014, a legislação não admitia menção à futura candidatura antes do registro oficial da candidatura e do início da propaganda eleitoral, com previsão de penas.

Para a professora da FGV Direito Rio, Silvana Batini, a alteração na lei, que inclui a figura da pré-campanha, passou a regular um cenário que já ocorria nas campanhas eleitorais no país.

“A gente sabe que o processo de escolha de um candidato é também um processo de muito debate e exposição. É muito comum os partidos testarem determinadas figuras, expô-las ao debate público. Algumas delas crescem, outras já são queimadas logo de cara. Então, ignorar a realidade, que esse processo faz parte do processo eleitoral como um todo, era uma certa ingenuidade e até um tratamento meio hipócrita e mais do que isso, ele era ‘criminógeno’ porque como a lei proibia muito, e como esse processo era inevitável de acontecer, você tinha uma série de procedimentos que eram empurrados para a ilegalidade”, disse a professora.

Na avaliação de Silvana Batini, a legislação foi extremamente ampliada, porém não estipula o limites de gastos para a pré-campanha.

“O problema de fixar como critério único o pedido expresso de voto é que se deixa passar uma série de atividades de pré-campanha que custam caro e que não vão integrar a prestação de contas posterior do candidato e isso retira grande parte do poder de fiscalização”.

A professora alerta que os tribunais eleitorais devem impedir que pré-candidatos com mais recursos tenham vantagem em detrimento dos demais. “Estamos em um momento muito grave, de enxergar o quanto o financiamento espúrio de campanha compromete a democracia, então é preciso encontrar um ponto de equilíbrio em que nem se coíba a pré-candidatura – que é uma realidade e precisa acontecer – mas ao mesmo tempo restrinja determinados atos, como caravanas pelo país todo, comícios com discursos”.

REGRAS PARA AS PRÉ-CANDIDATURAS

Segundo a Lei Eleitoral nº 9504/97, é permitido aos pré-candidatos:

– Participação em entrevistas, programas, encontros ou debates no rádio, na televisão e na internet, inclusive com a exposição de plataformas e projetos políticos. As emissoras devem garantir tratamento isonômico;

– Realização de encontros, seminários ou congressos, em ambiente fechado e custeados pelos partidos políticos, para tratar da organização dos processos eleitorais, discussão de políticas públicas, planos de governo ou alianças partidárias;

– Divulgar atos de parlamentares e debates legislativos, desde que não se faça pedido de votos;

– Divulgar posicionamento pessoal sobre questões políticas, inclusive nas redes sociais;

– Realizar reuniões com a sociedade civil, veículo de comunicação ou do próprio partido, em qualquer localidade, para divulgar ideias, objetivos e propostas partidárias. As despesas devem ser arcadas pelo partido;

– Fazer campanha de arrecadação prévia de recursos na modalidade de financiamento coletivo (crownfunding eleitoral);

– Pedir apoio político e divulgar a pré-candidatura. A lei não se aplica aos profissionais de comunicação social no exercício da profissão.

VEDAÇÕES

A lei também estabelece proibições aos pré-candidatos. São elas:

– Veicular propaganda em desacordo com a legislação, passível de multa no valor de R$ 2 mil a R$ 8 mil;

– Fazer pedido explícito de voto;

– Fazer transmissão ao vivo por emissoras de rádio e de televisão das prévias partidárias;

– Presidente da República, os presidentes da Câmara dos Deputados, do Senado Federal e do Supremo Tribunal Federal estão impedidos de convocar redes de radiodifusão para divulgação de atos que denotem propaganda política ou ataques a partidos políticos e seus filiados ou instituições;

– Nos casos permitidos de convocação das redes de radiodifusão, é vedada a utilização de símbolos ou imagens.

– A partir de 30 de junho, é vedado às emissoras transmitir programa apresentado ou comentado por pré-candidato.

PROPAGANDA ELEITORAL

– Tempo de propaganda eleitoral foi encurtado para 45 dias;

– Propaganda de TV e rádio terá início 35 dias antes das eleições;

– Propaganda eleitoral começará no dia seguinte ao registro: 16 de agosto.

– Entre as mudanças da propaganda estão: o tamanho das placas foi reduzido para meio metro quadrado e os cavaletes e bonecos foram proibidos. Quanto aos veículos, não poderão ser envelopados, só serão admitidos perfurados no para-brisa traseiro e adesivos laterais de no máximo 50 cm x 40 cm. A participação de candidatos a vereador na propaganda de TV e rádio também ficou reduzida: não participarão dos programas em bloco e nas inserções utilizarão 40% do tempo.

PRAZOS ELEITORAIS

– As convenções partidárias, reuniões onde cada partido define os candidatos, devem ser realizadas no período de 20 de julho a 5 de agosto.

– Os candidatos devem se registrar na Justiça Eleitoral até o dia 15 de agosto.

– As eleições ocorrerão nos dias 7 de outubro (primeiro turno) e 28 de outubro (segundo turno).

(Agência Brasil)

Nova avenida liga os bairros Jardim das Oliveiras e Luciano Cavalcante

O prefeito Roberto Cláudio inaugurou, nesse sábado (12), a nova Avenida Léa Pompeu, totalmente urbanizada e requalificada. A via é um prolongamento da avenida Bolivar Pinto Bandeira, interligando os bairros Jardim das Oliveiras e Luciano Cavalcante. A obra faz parte da Operação Urbana Consorciada (OUC) Sítio Tunga, resultado de parceria público-privada firmada com a FCM Comercial Ltda, a WR Engenharia e Brookfield MB Empreendimentos Imobiliários.

A intervenção proporciona alternativas de tráfego, facilitando acesso a diversos bairros das Regionais II e VI. No local, foram realizados vários serviços: abertura de via, aplicação de asfalto, sinalização de trânsito vertical e horizontal, ciclofaixa bidirecional, canteiro central, nova iluminação, passeio, paisagismo e drenagem. “Esta avenida que estamos inaugurando representa a primeira etapa da Operação Urbana Consorciada que terá um investimento total de R$ 6 milhões”, informou o prefeito.

A abertura da nova via cria um canal alternativo à Av. Washington Soares. Para complementar o acesso e a circulação naquela área, o Roberto Cláudio anunciou que até o fim do ano, a Prefeitura implantará o binário entre a Av. José Leon e a Rua Vereador Pedro Paulo, no Jardim das Oliveiras. “Haverá toda requalificação do polo gastronômico localizado na Av. Edilson Brasil Soares”.

A segunda fase da Operação Urbana Consorciada compreende a construção de uma praça-parque com 42 mil metros quadrados de área. “Já iniciaremos a obra de imediato. Será o primeiro Parque da Longevidade da cidade de Fortaleza”, destaca o Gestor. O espaço será adaptado para servir a população da terceira idade, com serviços específicos, tais como equipamentos de ginástica, piso acessível, dentre outros benefícios.

A previsão do prefeito Roberto Claudio é que o espaço seja entregue no primeiro semestre do próximo ano. “Essa obra é importante porque contempla o meio ambiente, a mobilidade e, principalmente, as necessidades da comunidade. Será um parque para as crianças e toda família”, reforçou o Prefeito. O projeto contemplará também a instalação de um Ecoponto.

Dentro do convênio da OUC, as empresas têm a responsabilidade, além de construir a via, de implantar, na cidade, habitações de caráter social; de viabilizar um parque público municipal, gerando um ganho de área verde para Fortaleza e de incrementar a ocupação ordenada do espaço urbano local, integrante da Zona de Ocupação Moderada (ZOM 1), por meio da construção de empreendimento imobiliário.

Já a Prefeitura é responsável por adequar o parâmetro urbanístico do local, permitindo a construção de um empreendimento que contará com unidades familiares, comerciais e de serviços. “Fortaleza é a cidade que possui mais operação urbana consorciada no Brasil. Trata-se de instrumento onde o poder público faz a cidade junto com as pessoas, junto com a iniciativa privada, com seus os moradores”, ressaltou Águeda Muniz, titular da Secretaria de Urbanismo e Meio Ambiente (Seuma).

Fortaleza já conta com OUCs importantes e que estão consolidadas, a exemplo da criação do Parque Otacílio Teixeira Lima Neto (Parque do Riacho Maceió), uma área de mais de 22 mil metros quadrados que foi completamente recuperada; e do entorno da Lagoa do Papicu, onde foram realizadas obras de mobilidade urbana, requalificação do recurso hídrico, drenagem e a implantação da praça Estrigas e Nice.

(Prefeitura de Fortaleza)

Presidenciável Flávio Rocha visita o Ceará neste mês de maio

O empresário e ex-deputado federal Flávio Rocha, presidenciável do PRB, agenda visita ao Ceará para os dias 17 e 18 deste mês. A informação é do presidente regional do partido, o deputado federal Ronaldo Martins.

No dia 17 de maio, Rocha cumprirá agenda em Fortaleza, devendo ter encontros com filiados e com lideranças empresariais. Já no dia 18 de maio, voará para Juazeiro do Norte, onde terá reuniões com militantes e empresários.

DETALHE – Não se sabe ainda se ele vai ao horto do Padim Ciço, até porque o PRB é uma legenda ligada à Igreja Universal do Reino de Deus.

DETALHE 2 – Flávio Rocha quer incluir a palavra “Riachuelo” em seu nome durante a disputa. Popularizar mais é a meta. Ele é o CEO dessa rede de lojas.

(Foto – Divulgação)

General Theophilo emprega discurso da segurança pública em homenagem às mães

Para o pré-candidato do PSDB ao Governo do Ceará, General Theophilo, a campanha já está nas ruas. Melhor, já está nos lares. Com o discurso da segurança pública, o pré-candidato tucano desejou neste domingo (13), por meio de sua página no Facebook, “o melhor presente que cada mãe cearense merece ganhar é a certeza e a tranquilidade de que seus filhos e sua família não correm perigo quando saem de casa”.

“Temos que cuidar pra que isso aconteça logo. A vida das pessoas não pode esperar, cuidar disso é mais que urgente”, completou o tucano.

DETALHE – Neste domingo, a partir das 22 horas, na TV União, o programa Contexto Geral entrevista o General Theophilo.

Bolsonaro desbanca Lula no Rio de Janeiro

Com ou sem Luiz Inácio Lula da Silva na disputa, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL-RJ) lidera todos os cenários de intenção de votos no Rio de Janeiro para as eleições 2018, segundo pesquisa do instituto Paraná Pesquisas. A sondagem ouviu 1850 eleitores de 44 municípios do estado do Rio de Janeiro entre os dias 4 e 9 de maio. O grau de confiança é de 95% e a margem de erro, de 2,5% para mais ou para menos.

A pesquisa, divulgada nesse fim de semana, pela revista Exame, questionou os eleitores sobre três cenários possíveis. No primeiro, o nome do ex-presidente Lula, preso há um mês mas ainda pré-candidato à Presidência pelo PT, foi omitido.

Nesse cenário, Bolsonaro chega a 27,4% das intenções de voto e Marina Silva tem 13%. Fernando Haddad (PT), um dos possíveis substitutos de Lula, tem apenas 1,6% dos apoios. Já Ciro Gomes (PDT), um dos principais beneficiados pela saída do ex-presidente da disputa, pontua 9,9%. Veja:

Cenário 1

Candidato Intenção de votos

Jair Bolsonaro 27,4%
Marina Silva 13,0%
Joaquim Barbosa 10,8%
Ciro Gomes 9,9%
Alvaro Dias 4,1%
Geraldo Alckmin 3,5%
Michel Temer 2,2%
Rodrigo Maia 2,1%
Fernando Haddad 1,6%
Manuela D’Ávila 1,5%
João Amoedo 1,1%
Flávio Rocha 0,6%
Paulo Rabello de Castro 0,1%
Não sabe 5,2%
Nenhum 17,1%

No segundo cenário, o nome de Lula foi apresentado aos eleitores. O resultado é que Bolsonaro perde cerca de 2 pontos percentuais (ainda dentro da margem de erro) e o petista fica com 21,5% das intenções de voto. Marina cai para 9,7% e Ciro Gomes para 7%.

Cenário 2

Candidato Intenção de votos

Jair Bolsonaro 25,1%
Lula 21,5%
Marina Silva 9,7%
Joaquim Barbosa 9,4%
Ciro Gomes 7,0%
Alvaro Dias 3,8%
Geraldo Alckmin 3,1%
Rodrigo Maia 1,4%
Michel Temer 1,2%
Manuela D’Ávila 1,1%
João Amoedo 1%
Flávio Rocha 0,5%
Paulo Rabello de Castro 0,1%
Não sabe 3,7%
Nenhum 11,3%

No terceiro cenário, o instituto não apresentou nenhum representante do PT, mas incluiu o ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles na pesquisa. A mudança não altera muito o desempenho dos demais candidatos: Bolsonaro continua na casa dos 27%, Marina, na dos 13% e Ciro Gomes chega a 10%

Cenário 3

Candidato Intenção de votos

Jair Bolsonaro 27,7%
Marina Silva 13,4%
Joaquim Barbosa 10,8%
Ciro Gomes 10,3%
Alvaro Dias 4,1%
Geraldo Alckmin 3,7%
Rodrigo Maia 2,1%
Henrique Meirelles 1,6%
Manuela D’Ávila 1,6%
João Amoedo 1,2%
Flávio Rocha 0,7%
Paulo Rabello de Castro 0,1%
Não sabe 5%
Nenhum 17,9%

A pesquisa foi realizada antes de o ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa anunciar que não iria concorrer ao Planalto. Os dados mostram que, no estado do Rio, ele abocanharia cerca de 10% das intenções de voto independentemente de seus rivais.

Já o presidente Michel Temer (MDB), que pode tentar a reeleição, chegaria no máximo a 2% das intenções. Meirelles, um possível herdeiro do atual governo, ficaria com 1,6%. A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral sob o n.º BR-04838/2018 para o cargo de Presidente.

Bases amorosas

Em artigo no O POVO deste domingo (13), a psicóloga, sexóloga e pedagoga Zenilce Vieira Bruno aponta que a cultura costuma delegar a tarefa do cuidado amoroso dos filhos sempre às mães, mas os filhos precisam igualmente do amor paterno. Confira:

O bebê humano é um ser tão frágil e dependente, que se não for cuidado amorosamente sucumbe, adoece e pode até morrer, pois não é capaz de gerir minimamente sua subsistência. Precisa de um suprimento ambiental satisfatório em sua tarefa de desenvolver-se.

Precisa de braços que o acolham, de seios que o alimente e sobretudo de olhares que o reconheçam como alguém que é “bem-vindo” à vida. Em meio a tanta fragilidade, um potencial imenso aí está, como semente, dependendo de condições favoráveis para tornar-se um grande ser humano. Essas não quer dizer, riqueza, abundância, luxo ou beleza física. Isso pode favorecer ou fragilizar a estrutura da pessoa. Falo de condições de receptividade, compreensão e afetividade, sobretudo por parte dos pais ou daqueles com quem convive. Do reconhecimento, lei necessária ao desenvolvimento da autoestima. Das formas de lidar com os filhos, da importância da escuta atenta, do elogio atencioso, do abraço afetuoso e do limite preciso que devem permear as relações pais e filhos.

A cultura costuma delegar a tarefa do cuidado amoroso dos filhos sempre às mães. No entanto, sabemos que isso é simbólico, e que os filhos precisam igualmente do amor materno e paterno. Os fatos têm mostrado que não basta o amor de mãe e que todo ser humano quer ser amado também por um pai. Temos nos deparado com fatos muito dolorosos no terreno familiar, que nos fazem pensar sobre os papéis parentais. O social, como um grande espelho, tem refletido desacertos que nos fazem questionar sobre as falhas que temos cometido no processo educativo. O que fez que os resultados que temos tido, sejam tão diferentes de nossas expectativas? Já não dá mais para acreditar que os desmandos familiares, passados ou contemporâneos, devem-se apenas a ausência da mãe que se tornou também profissional. De fato, isso apenas deu visibilidade ao lugar vazio do pai.

Torna-se crucial, uma atenção maior ao vazio de carinho e de sentido que pode rondar a alma de nossos filhos. Esse vazio tem consequências imprevisíveis, porque não se engana facilmente, não se preenche com qualquer coisa. É vazio que gera outros vazios e produz uma busca perturbada de equivocados preenchimentos como: devaneios, bebedeiras, drogas, sexo irresponsável, altas velocidades, violência, enfim, coisas que nos fazem tremer ante a imprevisibilidade das condutas inconsequentes a que assistimos.

Todo filho necessita dos braços e abraços de seus pais, para sentir-se capaz de enfrentar o mundo, para que não congele no peito a capacidade de amar os filhos que terá amanhã. Sabemos que filhos que crescem sem contato e afeto tornam-se adultos violentos. Quando adultos, a autoestima depende também do olhar social, que aprova e reconhece nosso valor, nossa construção pessoal, nossas produções, até que nós mesmos possamos construir um olhar próprio, um reconhecimento sobre o que fizemos a nós mesmos.

Assaltantes capotam carro em avenida de Fortaleza após colisão com outro veículo

Um acidente grave na avenida Raul Barbosa deixou dois feridos por volta das 6 horas da manhã deste domingo, 13. Segundo a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), o carro que causou a colisão, de modelo Honda Fit e cor prata, era dirigido por assaltantes que haviam realizado roubo a uma residência no bairro São João do Tauape, em Fortaleza. O veículo capotou e bateu com outro carro, de modelo Ford Fiesta azul. Os criminosos fugiram a pé e deixaram os bens roubados no local.

O acidente ocorreu próximo à a descida do viaduto da avenida, após o condutor do Honda Fit perder o controle do veículo na descida, sentido Aerolândia, vindo do bairro Dionísio Torres. O carro invadiu o meio-fio, capotou, e bateu no Ford Fiesta, que seguia no sentido contrário, na outra faixa da avenida.

As duas vítimas, que estavam no Ford Fiesta, foram socorridas por uma ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). Uma delas ficou em estado grave por ficar presa nas ferragens e ter ingerido muito sangue enquanto aguardava socorro. Nenhum dos suspeitos pelo ocorrido foi preso até o momento.

(O POVO Online)

Fiéis enfrentam forte calor nas homenagens à Nossa Senhora de Fátima

As comemorações à Nossa Senhora de Fátima, em Fortaleza, ainda contarão neste domingo (13) com mais cinco missas, uma procissão e mais uma missa campal, que serão celebradas na Igreja de Fátima, na avenida 13 de Maio. Desde as 5 horas ocorreram outras missas. Os confessionários estão disponíveis aos fiéis por toda a programação, com atendimento de cinco padres.

As missas que ainda serão realizadas acontecem nos seguintes horários: 12 horas, 14 horas, 15h30min, 17 horas, 18h30min e 20 horas, quando essa última será campal, presidida pelo Pe. Ivan de Souza- com a chegada da procissão que sai da Igreja do Carmo às 18 horas.

O fiéis estão enfrentando o calor de um domingo de sol forte. Para amenizar a temperatura de 32°C, a Clínica SiM distribui leques com a imagens de Nossa Senhora de Fátima.

(Foto: Leitor do Blog)

Fortaleza vacina 52% do público alvo contra influenza

No Dia D de imunização contra a influenza (H1N1), nesse sábado (12), Fortaleza atingiu o índice de 52% de vacinação do público alvo. A informação é do prefeito Roberto Cláudio, que percorreu parte dos 110 postos de saúde e mini postos da Capital. No Posto de Saúde Irmã Hercília Aragão, no bairro São do Tauape, o médico Roberto Cláudio se envolveu na campanha e aplicou algumas vacinas.

Para o prefeito, o índice foi alcançado por conta da parceria entre a Prefeitura de Fortaleza e o Governo do Estado, com apoio do Ministério da Saúde.

“Iniciamos a campanha de vacinação três semanas antes do dia “D” nacional. Somos uma das cidades do Brasil com o maior nível de vacinação”, comentou Roberto Cláudio.

A campanha segue imunizando os grupos prioritários: Pessoas com 60 anos ou mais; Crianças na faixa etária de seis meses a menores de cinco anos de idade (4 anos, 11 meses e 29 dias); Gestantes; Puérperas (até 45 dias após o parto); Trabalhadores da Área de Saúde que atuam no enfrentamento às influenzas; Professores das escolas públicas e privadas (mediante comprovação profissional); Grupos portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais (estes deverão apresentar uma receita, recente, de medicação que comprove a situação clínica, ou receita médica).

(Com informações da Prefeitura de Fortaleza)

Selic deve ter última redução deste ciclo nesta semana

Com a inflação baixa, o mercado financeiro espera pelo último corte na taxa básica de juros (Selic) no atual ciclo de redução, na quarta-feira (16). A terceira reunião do ano do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC), começa na terça-feira (15) e segue até o dia seguinte, quando será anunciada a taxa Selic.

Em março, o Copom reduziu a Selic pela décima segunda vez seguida, de 6,75% ao ano para 6,5% ao ano, o menor nível desde o início da série histórica do Banco Central, em 1986. A taxa básica de juros é usada nas negociações de títulos públicos no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic) e serve de referência para as demais taxas de juros da economia. Ao reduzir os juros básicos, a tendência é diminuir os custos do crédito e incentivar a produção e o consumo. Para cortar a Selic, a autoridade monetária precisa estar segura de que os preços estão sob controle e não correm risco de subir.

Na última reunião do Copom, o BC sinalizou que faria mais uma redução da Selic em maio e encerraria os cortes na taxa. O economista sênior da Tendências Consultoria, Silvio Campos Neto, acredita que a taxa Selic terá mais um corte de 0,25 ponto percentual, nesta reunião, como indicado pelo BC em março. “Continuamos com a expectativa de mais uma queda de 0,25 ponto percentual, que vai ser a última, nesse nosso cenário. A situação ainda é confortável do ponto de vista da inflação”, disse Campos.

Campos citou que o índice de inflação está em patamar baixo, com recuos disseminados entre os setores e “desaceleração forte” no segmento de serviços. “Além disso, as expectativas continuam bem ancoradas, inclusive abaixo das metas, tanto para este ano, como para 2019. Isso dá condições para que o Banco Central confirme a sinalização que tinha dado na reunião passada de que promoveria mais um corte na reunião de maio”, acrescentou.

Ao definir a taxa Selic, o BC está mirando na meta de inflação, que é de 4,5% neste ano, com limite inferior de 3% e superior de 6%. Para 2019, a meta é 4,25%, com intervalo de tolerância entre 2,75% e 5,75%. De acordo com pesquisa do BC a instituições financeiras, a inflação deve fechar 2018 em 3,49% e 2019 em 4,03%.

Na última quinta-feira (10), o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) chegou a 0,92% no resultado acumulado de janeiro a abril, a menor taxa para o período desde a implantação do Plano Real, em 1994.

(Agência Brasil)

Mega-Sena volta a acumular e prêmio da quarta-feira é de R$ 60 milhões

Nenhum apostador acertou os seis números da Mega-Sena, sorteados na noite desse sábado (12), em Maravilha/SC. De acordo com a Caixa Econômica Federal, o prêmio da quarta-feira (16) deverá ser de R$ 60 milhões.

Os números do concurso 2.040 foram: 0609415456 e 58.

Ninguém também acertou os cinco números da Quina e o prêmio desta segunda-feira (14) deverá chegar a R$ 5 milhões, segundo ainda a previsão da Caixa Econômica. Os números sorteados nesse sábado foram: 25 – 42 – 45 – 54 e 79.

Senhores da vida e da morte

Da Coluna Valdemar Menezes, no O POVO deste domingo (13):

A semana terminou de forma traumática para uma grande parte da opinião pública brasileira (ainda desinformada sobre o que se passou durante a ditadura), ao tomar conhecimento da liberação de um documento da CIA, revelando uma reunião ocorrida, em 1974, logo após a posse do ditador Ernesto Geisel.

Nela estavam presentes, além do próprio, os chefes do Centro de Informações do Exército (CIE), general Milton Tavares, e do Serviço Nacional de Informações (SNI), general João Baptista Figueiredo.

Foi quando o primeiro repassou a Geisel os dados da política de execução de opositores do regime. O balanço do governo Médici tinha sido de 104 pessoas executadas pelo CIE. Milton Tavares indagou se deveria prosseguir com a mesma política. Geisel pediu para refletir. Dias depois, comunicou sua aprovação. Apenas exigiu que ninguém fosse eliminado sem o prévio consentimento de Figueiredo.

O resultado dessa decisão de Geisel é que daí até o fim da ditadura mais 89 pessoas foram mortas, segundo registros da Comissão Nacional da Verdade (CNV). O balanço geral de mortos e “desaparecidos” chegaria a mais do dobro dos números aqui registrados. Todas essas revelações reforçam a necessidade imperativa de se rever o posicionamento passivo do que resta das instâncias democráticas em relação à caixa-preta do regime ditatorial militar.

Por não se ter feito isso, voltam as ameaças ilegítimas de segmentos militares contra a ordem democrática. A Comissão da Verdade não pôde fazer um trabalho de maior profundidade, inclusive expondo os segmentos civis responsáveis pelo golpe de 1964. Nem nenhum desses atores, sobretudo, o Judiciário, reconheceu publicamente que errou ao não proclamar, até hoje, a ilegitimidade do golpe.

E eis que os golpistas voltaram com tudo, e desgraçam de novo o País.

Crítica ao racismo é um dever social

Em artigo no O POVO, a jornalista Regina Ribeiro e o historiador Humberto Pinheiro apontam que o discurso de que no País não há racismo e que negros e brancos convivem cordialmente, na prática, isso não existe. Confira:

Aconteceu num sábado quase na hora do almoço. Enquanto meu marido pagava o estacionamento da livraria, fui me encaminhando para o carro a fim de acomodar um pacote com livros. De lá, vi quando uma mulher numa Cherokee se dirigia a meu marido chamando-o com uma das mãos. Ele se aproximou do carro dela, trocaram algumas palavras e se afastou. Vi que ela manteve o braço do lado de fora da porta do motorista. Quem era? Uma amiga? “Não, ela queria que eu colocasse o ticket na máquina para que ela pudesse sair do estacionamento”.

Senti as palavras borbulhando na cabeça e se enfileirando na minha boca feito soldados prontos para a batalha. Por que você não a chamou de racista? Por que não perguntou àquela moça se ela acha mesmo que todo homem negro que ela encontra tem de ser um serviçal? Por que não perguntou se ela pensa que um negro não pode estar, num sábado, numa livraria, no bairro nobre da cidade, comprando seus próprios livros? “Troquei tudo isso” – me falou com a maior calma – “dizendo a ela que não era funcionário do estacionamento e deixando-a com o braço estendido com o ticket na mão”.

A experiência de ser negro no Brasil só sabe que o é. Mesmo que nossa existência seja atravessada pelo discurso de que no País não há racismo e que negros e brancos convivem cordialmente, na prática, isso não existe.

Nunca existiu. O que havia era o silêncio. Hoje, quando se completam 130 anos da abolição da escravatura no Brasil, devemos nos lembrar que o tema da escravidão foi escamoteado de todas as formas neste País e só muito recentemente é que passamos a encará-lo como um período cujo legado nos define mais do que qualquer outro, como afirma o sociólogo Jessé de Souza, autor de A tolice da inteligência brasileira.

Falar de si como negro também é algo que ainda está encontrando seu lugar. É o que a escritora Conceição Evaristo chama de “escrivivência”. É também o que a filósofa Djamila Ribeiro defende como “lugar de fala”, ou seja, dar-se a si mesmo e a sua raça o poder de explicar o mundo em sua volta. Por outro lado, se estou dividindo este artigo sobre o tema com o historiador Humberto Pinheiro, é porque acredito que a crítica ao racismo é um dever social.

Sim, Regina, é uma responsabilidade, sobretudo de quem não tem a pele negra, como é o meu caso. Pois quem não é negro no Brasil nunca saberá (ou poderá) testemunhá-lo. Concordo com você. Mas, se não um “lugar de fala”, pelo menos o que chamo de lugar de (auto)crítica. No Brasil, foram quase 400 anos de escravidão, e nenhuma sociedade encerra isso com um decreto.

Esses séculos estão inscritos em tudo que fazemos e deixamos de fazer, do gesto supostamente mais espontâneo à complacência mais cínica, do constrangimento mal disfarçado à violência mais escancarada.

Com a escravização dos negros, o Brasil participou diretamente da produção do maior genocídio da história, do maior holocausto, fazendo o seu nazismo, e sendo feito por ele. Não precisamos olhar para a Europa para localizar esses nomes, para encontrar vítimas. Aliás, essa é outra forma de racismo: só reconhecer a barbárie quando ela acontece contra europeus brancos. Somos senhores de engenho até quando decidimos sofrer.

Fortaleza goleia Goiás e reassume a liderança na Série B

318 3

Na despedida do atacante Osvaldo, na noite desse sábado (12), no Castelão, o Fortaleza goleou o Goiás, por 3 a 0, e reassumiu a liderança da Série B do Campeonato Brasileiro. O atacante, que irá jogar no futebol da Tailândia, deixou chorando o campo. após a torcida pedir em coro “fica, Osvaldo”.

Os gols da partida somente ocorreram no segundo tempo. Aos 14 minutos, o zagueiro Ligger abriu o placar, Gustavo ampliou aos 18 minutos e Dodô marcou o terceiro.

Para assegurar a liderança, o Fortaleza terá que torcer que o Vila Nova não vença a Ponte Preta, neste domingo (13), no Serra Dourada. O Leão volta a campo, na sexta-feira (18), em Florianópolis, diante do Figueirense.

Pela Série D, o Ferroviário empatou com o Interporto/TO, em 1 a 1, no estádio Presidente Vargas, e desperdiçou a chance de abrir vantagem na liderança do Grupo 4.

(Fotos: Reprodução)

Com foro restrito, STF baixa de instância ao menos 65 processos

Dez dias depois que o plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu restringir o alcance do foro privilegiado de deputados e senadores, ao menos 65 processos foram baixados para instâncias inferiores, dos quais, no mínimo, cinco estão relacionados à Lava Jato e seus desdobramentos.

Com isso, começa a ser drasticamente reduzido o número de inquéritos e ações penais contra pessoas com foro especial que tramitam no Supremo. Antes da restrição, o total chegava a 540 processos, sendo cerca de 100 relacionados à Lava Jato.

Segundo o novo entendimento do STF, só devem permanecer na Corte processos contra parlamentares que apurem fatos ocorridos durante e em razão do mandato.

O primeiro ministro a remeter processos para a primeira instância após o julgamento foi Dias Toffoli, que assinou despachos declinando ações e inquéritos ainda no mesmo dia da decisão em plenário.

O ministro Luís Roberto Barroso, que já havia enviado três processos ainda antes do julgamento, confirmou a remessa desses e de ao menos outros sete. Ações penais e inquéritos foram remetidos para a primeira instância também pelos ministros Edson Fachin, Alexandre de Moraes, Luiz Fux, Marco Aurélio Mello, Celso de Mello e Cármen Lúcia, presidente do STF.

No caso de Marco Aurélio, por exemplo, foi feito um verdadeiro pente-fino no gabinete, sendo remetidos para a primeira instância 45% de todos os processos contra parlamentares que estavam sob sua relatoria.

Entre os inquéritos declinados estão investigações como a que apura a participação do senador Aécio Neves (PSDB) em desvios de cerca de R$ 5 milhões nas obras da Cidade Administrativa de Minas Gerais, entre 2007 e 2009, quando foi governador.

O caso foi enviado pelo ministro Alexandre de Moraes para a Justiça mineira. A defesa disse que a declinação do processo já era esperada e negou qualquer envolvimento do parlamentar em irregularidades.

AÇÕES PENAIS

Senador Ivo Cassol (PP-RO) – Justiça Eleitoral de Rondônia

Deputado Hidekazu Takayama (PSC-PR) – Justiça estadual do Paraná

Deputado Alberto Fraga (DEM-DF) – Justiça do Distrito Federal

Senador Dário Berger (PMDB-SC) – Justiça estadual de Santa Catarina

Deputado Marcos Reátegui (PSD-AP) [duas ações penais] – Justiça Federal do Amapá e Justiça estadual do Amapá

Deputado Subtenente Gonzaga (PDT-MG) – Tribunal Regional Federal da 1ª Região

Deputado Cícero Almeida (PHS-AL) – Justiça estadual de Alagoas

Senador Cidinho Santos (PR-MT/licenciado) – Justiça estadual do Mato Grosso

Deputado Ronaldo Lessa (PDT-AL) – Não divulgado

Deputado Helder Ignácio Salomão (PT-ES) – Justiça estadual do Espírito Santo

Deputado Roberto Góes (PDT-AP) – Justiça Estadual do Amapá [5 ações penais]

INQUÉRITOS

Deputado Maurício Quintella Lessa (PR-AL) – Justiça Federal de Alagoas

Senador Jader Barbalho (MDB-PA) – Justiça Federal do Pará

Deputado Wladimir Costa – não divulgado

Deputado Roberto Marinho – Justiça Federal do Rio Grande do Norte

Deputado Marco Tebaldi (PSDB-SC) – não divulgado

Deputado Alceu Moreira (MDB-RS) – Justiça estadual do Rio Grande do Sul

(Agência Brasil)

MPT notifica Globo por falta de negros em novela e recomenda mudanças

280 1

O Ministério Público do Trabalho recomendou à TV Globo 14 medidas para promover a participação de pessoas negras em produções audiovisuais e no jornalismo. A medida foi motivada pela ausência de personagens pretos e pardos* na novela Segundo Sol, ambientada em Salvador, na Bahia, e que estreia na segunda-feira (14). A recomendação é de sexta-feira (11) à noite, antevéspera dos 130 anos da abolição no Brasil, regime que durou três seculos.

Além de cobrar mudanças na novela, a recomendação prevê um conjunto de ações para promover a igualdade racial “em todo ambiente de trabalho da empresa”. Entre elas, a mais importante é a elaboração de um plano de ação prevendo formas de incluir, remunerar e garantir a igualdade de oportunidades aos negros. Outra recomendação é a realização de um levantamento de negros e negras em todas as produções da emissora, incluindo o jornalismo.

A TV Globo tem sido criticada por escalar poucos artistas negros para a novela Segundo Sol, apesar de o enredo se passar na Bahia, estado com uma das maiores populações negras no país, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Até uma campanha foi lançada com cartazes de artistas negros que já passaram pela emissora, mas ignorados pela produção.

“Decidimos expedir essa nota com o fim de mostrar a importância de a empresa respeitar a diversidade racial”, declarou a coordenadora Nacional de Combate à Discriminação no Trabalho do MPT, procuradora Valdirene Silva. Ela disse que, apesar de a novela ser uma obra artística e aberta, “tem a obrigação de incluir atores negros em proporção suficiente para uma real representação da sociedade”.

“Estamos diante de uma situação que é vista como discriminatória”, com base em leis internacionais e no Estatuto da Igualdade Racial.

A TV Globo tem 10 dias para comprovar as mudanças no roteiro e na produção da novela Segundo Sol e 45 dias para apresentar um cronograma de cumprimento das demais recomendações. Caso não sejam atendidas, o MPT pode propor ação judicial como último recurso.

Nas redes sociais, o diretor de cinema e pesquisador pós-doutor Joel Zito Araújo, desabafou na sexta-feira (11) sobre a situação. “Nunca pensei que meu filme A negação do Brasil, lançado em 2001, permaneceria atual por tanto tempo (infelizmente)”. O documentário fala sobre papéis que atores negros representaram nas novelas brasileiras, em posições subalternas, apenas. Ele alertava para a influência na perpetuação do racismo e na limitação do mercado de trabalho.

(Agência Brasil)