Blog do Eliomar

Arquivos do autor Eliomar de Lima

Brasil pede explicações aos Estados Unidos sobre espionagem eletrônica

O governo do Brasil pediu explicações aos Estados Unidos (EUA) sobre a espionagem das comunicações de cidadãos brasileiros pela Agência Nacional de Segurança daquele país (NSA, na sigla em inglês). De acordo com o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, os esclarecimentos foram solicitados por meio da Embaixada do Brasil em Washington e, ainda, ao embaixador dos EUA no Brasil.

O ministro disse que o Itamaraty recebeu com “grave preocupação” a notícia de que contatos eletrônicos e telefônicos de seus cidadãos estariam sendo monitorados. Patriota deu as declarações em Paraty, no Rio de Janeiro, onde está sendo realizada a 11ª Festa Literária Internacional (Flip).

Segundo Antônio Patriota, o governo brasileiro lançará iniciativas na Organização das Nações Unidas (ONU) pelo estabelecimento de normas claras de comportamento para os países quanto à privacidade das comunicações dos cidadãos e a preservação da soberania dos demais Estados. O Itamaraty pretende ainda pedir à União Internacional de Telecomunicações (UIT), em Genebra, na Suíça, o aperfeiçoamento de regras multilaterais sobre segurança das telecomunicações.

O escândalo sobre o monitoramento das comunicações privadas de cidadãos e empresas de dentro e de fora do país pelo governo dos EUA veio à tona após o ex-técnico em segurança digital da CIA (agência de inteligência norte-americana), Edward Snowden, revelar a prática. Os dados eram vigiados por meio do Prism, programa de vigilância eletrônica altamente secreto mantido pela NSA. Uma reportagem do jornal O Globo deste domingo revelou que as comunicações do Brasil estavam entre os focos prioritários de monitoramento.

Depois das revelações, Snowden teve o passaporte cancelado pelo governo norte-americano. Ele pediu asilo político a 21 países. Até o momento, Bolívia, Venezuela e Nicarágua se ofereceram para receber o ex-agente.

(Agência Brasil)

Jornal O Globo destaca viagem de Cid para o Exterior durante onda de protestos

A viagem do governador Cid Gomes (PSB) desde o último dia 25 para países da Europa e da Ásia, em um momento de protestos por que passa o País, é destaque na imprensa nacional. Desde então, o Estado está sob o comando do presidente da Assembleia Legislativa, José Albuquerque (PSB), já que o vice-governador, Domingos filho, também viajou. O governador está fora do País justamente no momento em que manifestações ocorrem em várias cidades. Reportagem do jornal O Globo destaca que a viagem de Cid inclui ainda um cruzeiro no Mediterrâneo. E informa que ele teria viajado a convite de empresários coreanos do grupo Dongkuk, responsáveis pela construção da Companhia Siderúrgica do Pecém e interessados em parceria com a Petrobras para a construção da refinaria Premium II no Ceará.

Na última semana, o deputado estadual Heitor Férrer (PDT) afirmou que vai apresentar um requerimento, na Assembleia Legislativa, solicitando que o governador Cid Gomes apresente um relatório sobre a atual viagem que ele está fazendo pela Europa e pela Ásia. Além disso, Férrer informou que o político viajou sem autorização da Assembleia. Para Heitor Férrer, Cid abandonou o Ceará no momento em que o Brasil e o estado passam por uma crise, com as ruas ocupadas por manifestações pedindo melhoria nos serviços públicos. De acordo com Heitor, a ausência de Cid se dá no momento em que o Brasil e o Ceará passam por uma crise, a exemplo do protesto feito por médicos de Fortaleza, na tarde da última quinta-feira, 4.

”As boas línguas dizem que Cid passou por Roma, está numa ilha e depois viajaria junto com os coreanos para Seul. Mas só posso afirmar quando vierem as informações oficiais. Estou fazendo uma campanha no Facebook: ‘Onde estão o governador e o vice durante as manifestações ocorridas em Fortaleza?’ Ninguém sabe ao certo”, disse Ferrer à reportagem do O Globo. “Ele precisa de 20 dias para assinar contrato e ver equipamento?”, questiona o deputado. O pedetista foi um dos mais ferrenhos críticos no episódio em que o governador fez uma viagem, em 2007, com recursos públicos, na qual levou pessoas próximas, incluindo a esposa e a sogra.

Em nota enviada ao O POVO, no último dia 5, o Governo do Estado divulgou o itinerário de Cid Gomes até chegar à Coreia do Sul. Segundo a assessoria de imprensa, devido à necessidade de parada na Europa ou Ásia, “o governador agendou no período a assinatura de financiamento no valor de US$ 40 milhões (mais US$ 40 milhões de contrapartida) para os 31 municípios cearenses com menor IDH, junto ao Fida (Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola), em Roma”. É informado ainda que Cid fez visita à empresa Ansaldo Breda, que fornece os trens para a Linha Sul do Metrô de Fortaleza, tendo em vista a criação de novas linhas, como Leste, Oeste e o VLT. O retorno do governador ao Ceará está previsto para o próximo dia 10. O Globo informa ainda que, em contato com a assessoria de Domingos Filho, ninguém soube informar se a viagem do vice-governador seria particular ou oficial. Domingos, segundo sua assessoria, foi para a Arábia Saudita e para Israel.

(O POVO Online)

Troca da bandeira atrai adultos e crianças à Praça dos Três Poderes

bandeira

Adultos e crianças curiosos para ver o desfile, os uniformes e a apresentação musical das Forças Armadas reuniram-se neste domingo (7), na Praça dos Três Poderes, para acompanhar a tradicional cerimônia da troca da Bandeira, realizada todo primeiro domingo do mês na capital federal. A cada mês, a solenidade é coordenada por uma das três forças militares e por um estado. Neste mês, os responsáveis pela substituição foram a Força Aérea Brasileira (FAB) e o governo do Distrito Federal.

Para pessoas como o servidor público Marcos Gonzaga Lima, de 42 anos, a cerimônia é importante por incutir noções de civismo nos mais jovens. Marcos levantou cedo para levar os sobrinhos Jamile, de 6 anos; Gabriele, de 12, Vitor, de 14, e Marcos, também de 14, para assistir à solenidade. “É o momento de deixar nascer esse espírito de patriotismo”, comentou.

O mastro com a bandeira nacional na Praça dos Três Poderes tem 100 metros de altura e é formado por 24 hastes dispostas em círculo que convergem no topo. Elas simbolizam a convergência dos poderes e de todas as unidades da Federação. A bandeira nacional hasteada no mastro deve medir 186 metros quadrados. Durante a cerimônia de substituição, é executado o Hino da Bandeira.

(Agência Brasil)

DETALHE – O secretário de Turismo de Fortaleza, Salmito Filho, está acertando com o Exército a troca periódica da Bandeira Nacional na Beira Mar. As solenidades devem ocorrer após a conclusão das obras de urbanização do espigão da Praia do Náutico.

Anoreg-CE elege Conselho Diretor e Fiscal

117 1

A Associação dos Notários e Registradores do Ceará (Anoreg/CE) elegeu na sexta-feira (5) os integrantes para o Conselho Diretor e Conselho Fiscal da entidade, para o mandato de julho de 2013 a junho de 2016.

Ao todo, 111 cartórios do Estado participaram da votação. O pleito contou com apenas uma chapa, que foi eleita e reconduz ao cargo de presidente da entidade o senhor Alexandre Magno Medeiros Alencar.

Foram eleitos também:

Vice-Presidente: Luiz Cláudio Morais Correia Viana; Segundo Vice-Presidente: Francisco Cláudio Pinto Pinho; Primeiro Secretário: Francisco José Leite Pinheiro; Segundo Secretário: Francisco de Assis Bezerra; Primeiro Tesoureiro: Denis Anderson da Rocha Bezerra; Segundo Tesoureiro: Gerardo Rodrigues de Albuquerque Neto; Diretor de Notas da Capital: Péricles Castelo Branco Neto; Diretor de Notas do Interior: Robson de Braga Castelo Branco; Diretor de Registro de Imóveis da Capital: Germano Francisco de Almeida; Diretor de Registro de Imóveis do Interior: Expedito Willian Assunção Araújo; Diretor de Protesto de Títulos da Capital: Maria Gracília Teófilo de Queiroz ; Diretor de Protesto de Títulos do Interior: João Bosco Brasil Sampaio; Diretor de Reg de Tít e Doc e Civil de Pessoas Jur. da Cap: Evandro Melo Júnior; Diretor de Reg de Tít e Doc e Civil de Pessoas Jur. do Interior: Lilian Martins Girão ; Diretor de Registro Civil das Pessoas Naturais da Capital: Maria de Salete Jereissati de Araújo; Diretor de Registro Civil das Pessoas Naturais do Interior: Maria Irani Abreu Lúcio de Macêdo; Diretor de Distribuição da Capital: Ana Karina Lima Linhares Loiola; Diretor de Distribuição do Interior: Luciano Costa Lima; Diretora de Marqueting e Relações Públicas: Amélia de Sousa Frota; Diretora Jurídica: Helena Jácea Crispino Leite Borges; Diretor de Esportes: Teófilo Antônio Coelho Rodrigues; Conselho Fiscal – Titulares – Dionísio Paulo Rabelo Júnior, Edmar Albuquerque , Nascimento; Clóvis de Brito Firmeza; Conselho Fiscal – Suplentes; Max Eugênio Vasconcelos Coelho; Antônio Maurício Ribeiro de Carvalho; Eleonor Carvalho Lóssio; Coordenador de Estudos da Anoreg/CE: Paulo Airton Albuquerque Filho.

(Anoreg/CE)

Câmara deve votar nesta semana projeto que destina royalties do petróleo à saúde e educação

A Câmara dos Deputados deve votar nesta semana a proposta sobre os recursos da exploração do petróleo para a educação e saúde. O Senado adianta apenas que, no ano que vem, serão destinados aos dois setores R$ 4 bilhões vindos dos royalties pagos pela exploração do petróleo nos três campos em atividade no país, de acordo com o projeto de lei aprovado pela Casa. Já técnicos da Câmara dos Deputados calcularam que a proposta aprovada pelos senadores resultaria na redução de R$ 170,9 bilhões no repasse para as áreas, dos quase R$ 280 bilhões previstos pelo projeto aprovado nesta Casa do Legislativo.

O governo anunciou que vai negociar com os deputados para que seja aprovado o texto do Senado. Parlamentares se articulam e os deputados decidem se aprovam ou rejeitam o projeto na forma em que veio do Senado. Entidades civis estão se mobilizando para pressionar o Congresso por mais recursos na educação.

Segundo relatório da Consultoria de Recursos Minerais, Hídricos e Energéticos da Câmara dos Deputados, de autoria do consultor Paulo César Ribeiro Lima, de 2013 a 2022, pelo substitutivo do Senado, as receitas adicionais para saúde e educação com a exploração de petróleo chegariam a R$ 108,1 bilhões, enquanto, com a proposta da Câmara, somariam de R$ 261,4 bilhões a R$ 279 bilhões, “sem conservadorismo”, como especifica a nota técnica da Casa. Com as alterações, os recursos da educação serão reduzidos de R$ 209,3 bilhões para R$ 97,4 bilhões, e os recursos da saúde cairão de R$ 69,7 bilhões para R$ 10,7 bilhões – tomadas as previsões não conservadoras.

(Agência Brasil)

Construção do Acquário já soma gastos de R$ 52,6 milhões

Envolta em polêmicas e incertezas, a construção do Acquário Ceará já soma gastos de R$ 52,6 milhões aos cofres públicos do Estado. Por cima dos tapumes que isolam a obra, no entanto, o que se vê são avanços tímidos, pouco condizentes com o valor gasto. Apesar de ainda poder depender de plebiscito para ter conclusão garantida, a obra segue na praia de Iracema, com novos custos se acumulando a cada dia.

Na última quarta-feira (3), a Câmara Municipal de Fortaleza aprovou pedido de urgência para votação do Projeto de Decreto Legislativo 28/2012, do vereador João Alfredo (Psol). A matéria, que será votada em até cinco sessões da Casa, determina plebiscito para decidir sobre a construção do Acquário. Projeto no mesmo sentido também foi apresentado na Assembleia Legislativa do Estado por Heitor Férrer (PDT).

Os parlamentares questionam gastos excessivos na obra, justo em momento que o Estado passa por seca. Segundo João Alfredo, ainda é possível reverter a obra e renegociar contratos sem prejuízos. Heitor Férrer ainda alerta para possibilidade de o valor previsto para a obra aumentar.

A volta dos holofotes sobre o assunto segue declaração de Cid Gomes (PSB) do final do mês passado. Durante encontro com manifestantes, o governador admitiu a possibilidade de submeter à população o destino do Acquário. Apesar da promessa, gastos crescentes sugerem que o governo não trabalha com a perspectiva de um “não” das ruas. “Projetos e materiais de infraestrutura já estão comprados. Está tudo pronto para a obra funcionar”, diz a Secretaria de Turismo do Ceará (Setur). Por meio de sua assessoria de imprensa, o órgão afirma que foi adquirida toda a estrutura de concreto para o Acquário, bem como todos os projetos do oceanário da obra. Mesmo “preparada” para sua execução, a obra segue em estágio primário, sem sinais de avanço.

Em nota enviada pela assessoria da pasta, o secretário de Turismo, Bismarck Maia – atualmente de férias – não comenta a perspectiva de prejuízos caso a população rejeite a obra. Frisa, no entanto, que “aguarda com serenidade e respeito” a possibilidade de plebiscito. “O projeto do Acquário se insere como transformador, para melhor, das questões econômicas, sociais, culturais e ambientais da nossa cidade e Estado”, se limita a dizer.

Polêmicas

Segundo o portal da transparência do Governo do Ceará, os gastos já efetuados para o Acquário se dividem principalmente entre duas empresas, a CG Construções e a Americana ICM-Reynolds. A primeira, vencedora de concorrência pública, recebeu R$ 13,6 milhões para obras da estrutura de concreto. Já a americana, que contou com inexigibilidade de licitação, recebeu R$ 36,6 milhões para “construção do Acquário”.

A inexibilidade à ICM-Reynolds é motivo de contestação no Tribunal de Contas do Estado (TCE). Em abril, inspetoria da Corte negou necessidade da ação. O conselheiro responsável pela relatoria do caso, Edilberto Pontes, enviou o caso de volta para a inspetoria, alegando precisar de mais informação sobre a matéria.

(O POVO)

Pacto da imobilidade

83 1

Da coluna Valdemar Menezes, no O POVO deste domingo (7):

O vaivém das notícias relativas à proposta presidencial de realização de um plebiscito para dar direito ao povo de interferir na articulação de um modelo político e eleitoral mais transparente e menos vulnerável à corrupção denota as dificuldades imensas do Planalto para vencer um verdadeiro pacto da imobilidade que se armou para impedir que o povo tenha o direito de determinar os pontos principais da reforma política.

As forças dominantes no Congresso querem manter tudo como está. No entanto, duas questões ficaram claras nas manifestações: 1) o povo quer participar das decisões políticas; 2) não confia no Congresso Nacional para realizar a reforma política. Quem lhe tira a razão? Deputados e senadores conservadores há mais de duas décadas abortam qualquer projeto sério de reforma política. Como se beneficiam da atual situação, não querem mudá-la ou, quando muito, aceitam modificações apenas superficiais. Esse nó cego só pode ser desatado pelo próprio povo.

Verde, Amarelo, Azul e Preto

Esta história é oferecida ao João. Só há um probleminha… João não sabe ler.

Mas, tudo bem! Como João, somos milhões: analfabetos. Diretos ou indiretamente. Pelo menos João não se afoga na ideologia dos nossos jornais, nas verdades (?) do dia a dia. João é culto.

Para dirigir-se à sua fila, João não precisava de placas informativas. Dirigia-se sempre para a maior. Problema com banheiros públicos, quase não havia. Bastava seguir os homens certos.

Um dia não havia ninguém para João seguir. Esperou, e nada. Ficando impossível de segurar a situação, João foi obrigado a optar por uma daquelas portinhas. Ele ou ela? Eis a questão.

Minuto depois o silêncio fora quebrado por um fino e alarmante grito:

– Tarado!

Tarado?! Um flamenguista que paga a todos os jogos que assiste, que nunca “passeara” de camburão – a não ser por diversos enganos – e que nunca perdera o emprego (por justa causa)… tarado?!

Pobre João, correu feito desesperado, com se fosse o culpado por não ter aprendido a ler. E ainda pensou que poderia escapar, mesmo porque os policiais seguiram a sua trilha até a favela.

E era somente na favela, após o retorno de um injusto mundo, que João se sentia brasileiro. E são apenas nas milhares de favelas brasileiras, onde encontramos “joões”.

Este país é oferecido ao João. Só há um probleminha… João é preto.

(Nicolau Araújo, jornalista)

OEA vai discutir bloqueio aéreo de países europeus a avião de Evo Morales

No próximo dia 9, integrantes do Conselho Permanente da Organização dos Estados Americanos (OEA) vão se reunir para discutir o bloqueio aéreo feito por quatro países europeus à aeronave do presidente da Bolívia, Evo Morales.

Na última semana, autoridades da França, da Itália, da Espanha e de Portugal não autorizaram que a aeronave, que vinha de Moscou, cruzasse o espaço aéreo alegando suspeitas de que o ex-funcionário da CIA (agência de inteligência dos Estados Unidos), Edward Snowden, estaria a bordo. O avião foi forçado a fazer um pouso de emergência na Áustria onde, segundo fontes de La Paz, foi revistado.

Snowden, que denunciou o monitoramento feito por autoridades norte-americanas de e-mails e ligações telefônicas de cidadãos dentro e fora dos Estados Unidos, está, há quase um mês, em uma área de trânsito do Aeroporto de Moscou, considerada como “território neutro”.

Nesse sábado (6) o presidente da Bolívia ofereceu “asilo humanitário” ao americano. No discurso feito em uma cidade no Sudeste do país, Morales deixou claro que a decisão é um protesto contra os países que impediram que a aeronave decolasse.

A reunião da OEA, marcada para a próxima terça-feira, ocorrerá na sede da organização internacional em Washington e será transmitida ao vivo no site da OEA. Há três dias, o secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), José Miguel Insulza, cobrou explicações dos governos europeus. Em comunicado, Insulza se disse “profundamente incomodado” e ressaltou que “nada justifica uma ação de tanto desrespeito”.

(Agência Brasil)

Dilma nega reforma ministerial

A presidente Dilma Rousseff negou nesse sábado (6) a intenção de fazer uma reforma ministerial. Em nota oficial, a presidente reafirmou que espera dos ministros empenho nos cinco pactos firmados com governadores e prefeitos.

“O que espero de meus ministros é empenho nos cinco pactos firmados com os governadores e prefeitos de capital: responsabilidade fiscal para garantir a estabilidade da economia e o controle da inflação; reforma política com plebiscito; melhoria profunda nos serviços públicos de saúde; pacto nacional da mobilidade urbana que permita um salto de qualidade no transporte público; e destinação dos royalties do petróleo para educação.

Dilma destaca ainda que dos ministros quer “determinação para manter o Brasil no caminho do crescimento, da inclusão social, da geração de emprego e renda e da estabilidade econômica”.

A presidente se reuniu com os ministros Aloizio Mercadante (Educação), José Eduardo Cardozo (Justiça), Fernando Pimentel (Indústria e Comércio) e Gleisi Hoffmann (Casa Civil) no Palácio da Alvorada. O assunto da reunião não foi divulgado.

(Agência Brasil)

Transporte público ruim afeta a saúde, educação e cultura da população, dizem especialistas

mobilidade urbana

Os efeitos negativos de um transporte público caro e de má qualidade não estão restritos à questão da mobilidade urbana. Prejudicam também outras áreas vitais para a vida do cidadão, como saúde, educação, finanças e cultura. Especialistas e integrantes do Movimento Passe Livre (MPL) consultados pela Agência Brasil avaliam que a mobilidade urbana está diretamente relacionada à qualidade de vida, além de ser um dos maiores causadores de estresse da vida das pessoas.

“É um trauma para todo mundo. Principalmente para quem fica em pé, duas horas, crucificado, com alguém tentando pegar bolsa, apalpar. Não é à toa que as pessoas estão preferindo usar motocicletas, mesmo que isso represente risco a própria integridade física por causa dos acidentes, e não é à toa que essas manifestações conseguiram tantas adesões”, disse à Agência Brasil o doutor em Políticas de Transporte pela Universidade Dortmund, na Alemanha e professor do Departamento de Engenharia Civil e Ambiental da Universidade de Brasília (UnB), Joaquim Aragão.

As manifestações citadas pelo especialista foram iniciadas pelo MPL em São Paulo. O movimento tem, como um de seus interlocutores, o professor de História Lucas Monteiro. “Defendemos Tarifa Zero porque, além de ser a única forma de as pessoas terem acesso à cidade, o transporte público beneficia áreas vitais como saúde e educação. Por isso já imaginávamos que nossa luta se espalharia pelo país, mas não que iria alcançar a dimensão que alcançou”, disse à Agência Brasil.

De acordo com o representante do MPL, o incentivo ao uso de transportes individuais causa também problemas como aumento da poluição e do número de atropelamentos, o que resulta em mais gastos e problemas para a saúde pública. Dados do Ministério da Saúde mostram que, em 2010, 42.844 pessoas morreram nas estradas e ruas do país. Deste total, 10.820 acidentes envolveram motos. No mesmo ano, o gasto total do Sistema Único de Saúde (SUS) com acidentes de trânsito foi R$ 187 milhões. Só com internação de motociclistas foram gastos R$ 85,5 milhões.

Além disso, acrescenta Monteiro, diversos tratamentos de saúde deixam de ser feitos porque os pacientes não têm condições de pagar pelo deslocamento. E o problema relacionado à falta de condições para custear os transportes também afeta o direto e a qualidade da educação.

“Frequentei muitas escolas públicas. É comum alunos faltarem aulas por não terem dinheiro para ir à escola. Além do mais, direito à educação não está restrito a apenas ir à escola ou ao banco escolar. Os estudantes precisam ter acesso à cultura, a visitar museus. E, sem circular, não há como ter acesso a isso. A grande maioria não vai ao centro da cidade, museus, centros culturais para complementar sua formação”, disse Monteiro.

Segundo Aragão, dificuldades para mobilidade urbana afetam diretamente o rendimento escolar de jovens e crianças, que ficam cansados e com o sono sacrificado. “É um fator a mais a prejudicar o rendimento, além da qualidade de instalações do ensino público. Da mesma forma, afeta também a evasão escolar, a formação de profissionais e a produtividade do país”, disse o especialista.

“A mobilidade bloqueia inclusive a vida social do cidadão de baixa renda, que fica sem acesso a entretenimento, cultura e lazer. Estes são privilégios das pessoas motorizadas. Uma família de quatro pessoas que queira se deslocar da periferia até um parque no centro da cidade gastará R$24, caso a passagem unitária custe R$3. Para quem recebe salário mínimo, isso é impossível”, disse.

Arquiteto, urbanista e especialista em transporte público, Jaime Lerner diz que por trás das manifestações iniciadas pelo MPL está o descrédito nas políticas públicas e a falta de respostas à sociedade, sobre os diversos serviços públicos prestados a ela. “E tudo fica mais fácil em todas as áreas quando se tem um bom transporte público”, disse o ex-prefeito de Curitiba (PR).

Muitas das mobilidades anunciadas sequer estudaram a própria cidade, avalia Lerner. Segundo ele, é importante entender a cidade como um sistema de estrutura de vida, trabalho, movimento e mobilidade. No fundo, acrescenta, falta decisão política, e, em geral, essas decisões são voltadas para soluções mais caras.

“O Brasil é rápido em fazer coisa errada e demora em fazer a coisa certa”, disse. “Sustentabilidade é equação entre o que você poupa e o que você desperdiça. Portanto, se tiver de se deslocar por distâncias cada vez maiores, é óbvio que a coisa não vai funcionar”.

(Agência Brasil)

Bueiro é cimentado para evitar furto de ferro

93 1

foto eliomar buraco 24 maio c pedro pereira 130705

O esgoto aberto, no cruzamento das ruas 24 de Maio com Pedro Pereira, no Centro, foi fechado com vigas de ferro e cimento.

Segundo os comerciantes e moradores da área, o esgoto ficou aberto depois que pessoas furtaram as vigas de ferro durante a madrugada.

O risco de acidente foi denunciado pelo Blog, no último dia 17.

Matrículas para o Sisu terminam na terça-feira

Termina na próxima terça-feira (9) o prazo de matrícula para os estudantes que foram selecionados na segunda chamada do Sistema de Seleção Unificada (Sisu). Os estudantes devem ficar atentos ao local e horário marcado pelas instituições que fizeram a convocação. Se perder esse prazo, os alunos que foram selecionados pela nota que obtiveram no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), perdem também a vaga.

As informações sobre a seleção da segunda chamada foram divulgadas no último dia 1º e podem ser conferidas no site do programa. Essa é a segunda edição do ano do Sisu. Mais de 788 mil pessoas se inscreveram para disputar vagas em uma das 54 instituições públicas de ensino superior integradas ao sistema.

Foram oferecidas 39,7 mil vagas em 1.179 cursos. As matrículas de candidatos selecionados na primeira chamada terminou no dia 25 de julho. Os estudantes puderam fazer até duas opções de curso, por isso, o número de inscrições superou 1,5 milhão. Mais de 653 mil inscrições foram feitas no Nordeste, o que corresponde a 42,7% do total. A segunda região com o maior volume de inscrições foi o Sudeste, com 628,7 mil registros (41,2%).

Os estudantes que não forem convocados em nenhuma das chamadas podem entrar na lista de espera até o dia 12 de julho. O candidato deve acessar o site do Sisu e, no boletim, clicar no botão que confirma o interesse em participar da lista de espera. As convocações da lista de espera começam no dia 17, caso haja vaga não preenchida.

(Agência Brasil)

CNJ anula sorteio do TRT

Da coluna Vertical, no O POVO deste sábado (6):

O Conselho Nacional de Justiça intimou a OAB/CE, MPT/CE e TRT-7 informando decisão na qual entendeu que a realização do sorteio para escolha da categoria que ocupará a vaga do quinto constitucional não é critério adequado e seguro, devendo a sessão do TRT-7 que fez o sorteio ser anulada. O sorteio não consta em nenhum regramento.

A vaga do quinto constitucional, no caso concreto, deverá ser preenchida pelo Ministério Público, sendo depois, por alternância, sucedida pela OAB/CE que, coincidentemente, ocupará a última vaga do tribunal requerido em decorrência da morte do desembargador Arízio de Castro.

A lista da OAB/CE já está com o TRT-7 e é formada pelos advogados Gladson Mota, Sylvia Vilar, Harley Ximenes, Raimundo Feitosa, Eliete Sampaio e Franzé Gomes.

Cara lisa

107 1

Em artigo no O POVO deste sábado (6), o médico, antropólogo e professor universitário Antônio Mourão comenta o uso de avião da FAB, por parte do presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves, que juntou a família para assistir a final da Copa das Confederações. Confira:

Em plena crise, com povo na rua, manifestações populares estourando por todos os cantos, o Brasil vive momentos de perplexidade. Há uma espécie de catarse social: ninguém aguenta mais! Chega de corrupção e apropriação da coisa pública.

Estes episódios deveriam causar alguma consequência. São recados diretos para a instância política. Entretanto, em plena efervescência, o presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), achou de mobilizar um avião da FAB para, com sua patota familiar, assistir à decisão da Copa das Confederações no Rio de Janeiro.

Denunciado, ele apenas considerou um “equívoco” e decidiu reembolsar o Tesouro com R$ 9,7 mil. Indenizando, fica tudo ajustado. Foi só uma questão de vacilo. Não vendo, pode. Princípio básico do que configura, em psiquiatria, o que chamamos de psicopata. “Pas vu, pas pris!”

Dessa forma, ele pensa ter encerrado o assunto. Para ele, essas manifestações não têm nada a ver com a sua conduta. Ele sempre pode. Por que não poderia agora? Maria Antonieta no arvorecer da Revolução Francesa comentou com sua camareira: mas por que esse povo grita tanto? Ao que a assistente explica: “Querem pão, majestade. Pão! Porque não tem pão”. Diz solene a rainha: “Se não tem pão, por que eles não comem brioches?” (espécie de biscoito)

Há uma postura de desdém, de apropriação. De que o cargo – no mais das vezes comprado – é dele. Não se trata de uma representação. Não precisa dar explicações, justificativas. A voz rouca das ruas está gritando o contrário. Querendo que se volte à essência da democracia.

Nesta quinta (4/7), o jornal Folha de S. Paulo noticiou que o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), usou avião da FAB para viajar de Maceió a Porto Seguro no dia 15 de junho. Renan, segundo o jornal, foi participar do casamento da filha do senador Eduardo Braga (PMDB-AM). Renan, com toda a empáfia: “Deixa eu explicar. O avião da FAB, usado por mim, é um avião de representação. E eu o utilizei como tenho utilizado sempre, na representação como presidente do Senado”.

E fim de papo.

O inferno astral e a fragilidade do Governo Dilma

99 4

Em artigo no O POVO deste sábado (6), o editor-adjunto do Núcleo de Conjuntura, Luiz Henrique Campos, avalia a queda da popularidade da presidente Dilma. Confira:

Após passar os dois primeiros anos surfando na calmaria de uma gestão com recordes de popularidade, os meses que restam ao Governo Dilma não deverão ser nada fáceis. Se 2013 já fazia antever a existência de nuvens negras em vista do cenário econômico, pressionado pelos índices de inflação e pela ameaça da queda dos indicadores na economia, eis que de repente a presidente terá que lidar com variável que em nada lhe apetece, que é a política.

Até agora, nesse campo, mesmo que não tivesse dedicado o tempo necessário para obter o apoio dos partidos da base aliada, o governo dilmista havia passado incólume às turbulências que marcam o entorno da queda de braço entre os partidos.

O trâmite da política institucional, todavia, não obedece aos parâmetros rígidos da lógica, muito menos desperdiça as oportunidades que os fatos lhe oferecem. Nesse sentido, os recentes movimentos de rua no País podem até ter aberto a possibilidade da gestação de uma nova cultura no trato com a coisa pública. Mas não deixarão ao relento os políticos passados “na casca do alho”, como se diz na gíria. E esses, que não são poucos, já sentiram como deverão traçar seus caminhos a partir do que propõem as vozes da rua. Renan e Eduardo Alves, por exemplo, têm levado a cabo no Senado e na Câmara, votações que há anos eram aguardadas. Pauta positiva para enganar o matuto, como diria um jornalista acolá.

Enquanto isso, parece faltar ao Palácio do Planalto o tino para enfrentar o pesado jogo que marca as relações na política institucional. Prova é que, nos últimos dias, iniciativas como constituinte exclusiva e plebiscito, surgidas das cabeças iluminadas do governo, após extensas reuniões internas, caminham para a lata do lixo, não resistindo a duas semanas de críticas de juristas e lideranças partidárias. Os fatos reforçam a impressão que começa a ganhar corpo na opinião pública, de que o governo Dilma carece de pessoas próximas à presidente, que pensem o governo para além do dia a dia, o que dirá em meio a crises mais brabas?

O complicador para Dilma nesse momento é que, como resta pouco mais de um ano para a eleição presidencial, a tensão política tende a se exacerbar, expondo cada vez mais a fragilidade da gestão.

Isso, sem falar no que pode vir da economia.