Blog do Eliomar

Arquivos do autor Eliomar de Lima

Lei de Acesso à Informação ainda com baixa adesão

57 2

A Lei de Acesso à Informação está em vigor desde 16 de maio do ano passado. Foi criada com o objetivo de obrigar os órgãos públicos federais, estaduais e municipais a prestar informações sobre suas atividades a qualquer cidadão brasileiro, para garantir a transparência.

Mas, um ano após entrar em vigor, um balanço divulgado pela Controladoria Geral da União mostra que o acesso à informação ainda não chegou a boa parte dos municípios brasileiros.

De acordo com o balanço, a lei não foi regulamentada em 92% dos municípios e 17 capitais.

Para a professora Rita Biason, coordenadora do Centro de Estudos sobre Corrupção da Unesp, a própria lei deixa claro que estados e municípios deverão regulamentar sua própria legislação local, o que será, na opinião dela, um processo lento. Além disso, a professora chama a atenção para dificuldades operacionais para a implantação da lei, além de impasses políticos e falta de interesse do cidadão.

(Agência Câmara de Notícias)

Cultura é o quê?

45 1

Em artigo enviado ao Blog, o professor Francisco Djacyr critica o estado de abandono do Dragão do Mar. Confira:

Impressiona-me hoje o abandono do Centro Cultural Dragão do Mar entregue às drogas, aos mal-educados e gente de todo tipo que muitas vezes não sabe onde está e não faz a mínima questão de conhecer os aspectos que aquele ícone da cultura cearense e seus personagens representam.

Por que não há uma biblioteca temática no Centro Cultural, versando sobre Patativa do Assaré, o próprio Dragão do Mar e outras personagens da cultura cearense? Por que não se protegem as estátuas de Patativa e do Dragão para evitar poses ridículas e até subida em cima das estátuas? Por que não se toma uma ação firme contra os consumidores de drogas que as usam abertamente no espaço do Centro Cultural? Estas perguntas deveriam ser feitas às autoridades relacionadas aos problemas, mas parece que não temos com quem contar neste momento.

A verdade é que em função da falta de segurança e de atrações reais o Centro Cultural está hoje definhando e entregue à própria sorte sem nenhum tipo de ação efetiva e real no sentido de mudar o quadro que hoje é desesperador. Não sei se as autoridades sabem, mas há artistas desistindo de fazer apresentações nos equipamentos culturais presentes e no entorno simplesmente pelo medo de assaltos, mortes ou agressões Não vemos a presença efetiva da Polícia Militar nem coibição ao uso de drogas, prostituição e outras ações geralmente feitas por menores, o que revela que nossas autoridades não têm realmente compromisso com a cultura da cidade.

A situação ali é simplesmente de caos quase que total, onde ao invés de se respirar cultura respiramos o cheiro dos dejetos depositados por pessoas excluídas e que ali vão e ali ficam como zumbis à espera sabe–se lá de quê.

Cultura é sim uma pasta desprezada quase sem orçamento, quase sem perspectivas e que também não faz parte do cardápio da sociedade que prefere a pornografia e a exibição de mortos ao invés de uma boa peça teatral, uma apresentação musical ou o conviver com estudo e conhecimento.

Na realidade poucos sabem da importância da cultura e estão deixando um equipamento notável, esplendoroso e que poderia ser algo a mais na construção de um corredor cultural num verdadeiro paraíso da exploração (estacionar), da violência e do abandono a um elemento que poderia sim mudar nossa sociedade.

Número de adolescentes infratores cresce 25% de 2010 a 2012

No Ceará, o número de adolescentes envolvidos em atos infracionais passou de 3.876, em 2010 para 4.857 em 2012, segundo dados do Centro de Apoio Operacional da Infância e Juventude (Caopij), do Ministério Público Estadual. O aumento equivale a 25,3%. A maior incidência de atos infracionais tem se dado aos 16 e 17 anos, na maioria dos casos praticados por meninos, que não estão estudando e têm envolvimento com drogas.

Mas a coordenadora do Caopij, promotora Antônia Lima, destaca que os casos mais graves são minoria entre os atos infracionais praticados por adolescentes. Em 2012, as infrações mais recorrentes foram roubo (1.524), tráfico de drogas (688), porte ilegal de arma de fogo (662). Foram registrados também 132 homicídios, oito homicídios qualificados, três estupros, 30 latrocínios. Os números, segundo ela, são baixos diante dos crimes cometidos por adultos.

Para ela, quando o menino comete ato infracional, antes disso, houve violação de direitos, principalmente das políticas sociais básicas. De acordo com a promotora, o acesso a políticas básicas não acontecem no tempo certo e a maioria dos casos do Disque-100 ferramenta de (denúncia de violência contra crianças e adolescentes) são de negligência e maus-tratos. “Sem limite na família e na comunidade, esse menino chega na adolescência – quando é da natureza ousar – e ousa sem referência no mundo adulto e embarca na prática do ato infracional”, descreve.

Na opinião da coordenadora colegiada do Centro de Defesa da Criança e do Adolescente (Cedeca) do Ceará, os índices de reincidência. expressam que o Estado não implementou o que determina o ECA. Segundo ela, nem Prefeitura (responsável pelas medidas socioeducativas em meio aberto), nem Estado (responsável pelas medidas socioeducativas em meio fechado) têm as medidas socioeducativas como prioritárias. Mais da metade dos adolescentes é reincidente. Para ela, é fundamental pensar uma política que seja libertadora, em que o adolescente tenha possibilidade de reconstruir valores para uma convivência familiar e em sociedade.

(O POVO)

Privatização das praias

79 2

Da coluna Valdemar Menezes, no O POVO deste domingo (12):

Uma indignação toma conta de frequentadores da Praia do Futuro: algumas barracas estão proibindo que banhistas adquiram produtos de vendedores ambulantes, além de exigir consumo obrigatório de quem desfrutar do espaço ocupado pela barraca, inclusive, pelo uso de cadeiras. Querem privatizar as praias desconhecendo que, pela Constituição Federal, elas constituem um patrimônio público. Aliás, esse abuso não ocorre só na Praia do Futuro, mas em toda orla da Região Metropolitana, inclusive as que são refúgio das elites abastadas.

A alegação de que apenas defendem seus clientes de petiscos de proveniência duvidosa não cola. Para isso, basta colocar um alerta visível. A decisão de consumir ou não deve ficar por conta dos frequentadores. É até possível aceitar a existência de barracas no local, mas desde que sob severa restrição, não lhes permitindo privatizar o espaço, nem exceder os limites-padrão de tamanho (igual para todas).

Seria necessário promulgar uma legislação municipal rigorosa, abrangendo todos esses detalhes. Caso contrário, será melhor removê-las.

Construir ferrovias é mais importante que rodovias para o país, defende presidente da EPL

A construção de ferrovias é mais importante para o país do que a duplicação ou ampliação da malha rodoviária. A avaliação é do presidente da Empresa de Planejamento e Logística (EPL), Bernardo Figueiredo. Para ele, o país está invertendo a sua logística, pois faz o transporte de longa distância por meio das rodovias e utiliza as ferrovias apenas para curtas distâncias.

“E qualquer análise que se faça diz exatamente o contrário: a ferrovia é mais competitiva na longa distância e a rodovia é mais competitiva na curta distância. Nós temos um custo logístico muito alto em função dessa inversão, estamos transportando da forma errada, e a rodovia é estruturalmente mais cara do que as outras modalidades na longa distância”, avalia.

Segundo Figueiredo, um único trem é capaz de substituir até 300 caminhões no transporte de cargas. Para ele, é preciso providenciar urgentemente a substituição do transporte rodoviário pelo ferroviário, porque isso vai impactar positivamente nos portos, no descongestionamento das rodovias, na travessia dos centros urbanos e na redução do custo logístico. “Temos que construir urgentemente uma malha interior que permita tirar a pressão que tem no [sistema] rodoviário hoje e transferir a carga com menores custos para o ferroviário”.

O Programa de Investimentos em Logística, lançado em agosto do ano passado pelo governo federal, prevê a duplicação de 7,5 mil quilômetros de rodovias e a construção de 10 mil quilômetros de ferrovias, com concessão à iniciativa privada.

(Agência Brasil)

Pesquisa aponta causas dos transtornos mentais provocados pelo ambiente de trabalho

Um estudo da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP) mostrou de que forma os transtornos mentais podem estar ligados a pressões impostas no ambiente de trabalho. Esta é a terceira razão de afastamento de trabalhadores pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

O coordenador da pesquisa, o médico do trabalho João Silvestre da Silva-Júnior, trabalha como perito da Previdência Social há seis anos e, tendo observado a grande ocorrência de afastamentos por causas ligadas ao comportamento, decidiu investigar o que tem provocado distúrbios psicológicos.

O cientista notou que a violência no trabalho ocorre pela humilhação, perseguição, além de agressões físicas e verbais e listou quatro razões principais que prejudicam a saúde mental no ambiente corporativo.

A primeira delas é a alta demanda de trabalho. “As pessoas têm baixo controle sob o seu ritmo de trabalho; elas são solicitadas a várias e complexas tarefas”, disse o pesquisador. O outro aspecto são os relacionamentos interpessoais ruins, tanto verticais (com os chefes), quanto horizontais (entre os próprios colegas).

A terceira razão é o desequilíbrio entre esforço e recompensa. “Você se dedica ao trabalho, mas não tem uma recompensa adequada à dedicação. A gente não fala só de dinheiro. Às vezes, um reconhecimento, um elogio ao que você está desempenhando”, explica Silvestre. O último aspecto citado pelo pesquisador é a dedicação excessiva ao trabalho, que também pode afetar a saúde mental.

A pesquisa coletou dados na unidade de maior volume de atendimentos do INSS da capital paulista, a Glicério. Foram ouvidas 160 pessoas com algum tipo de transtorno mental. Silvestre informa que, entre as pessoas que pediram o auxílio doença nos últimos quatro anos, uma média de 10% apresentava algum tipo de transtorno.

Segundo o Anuário Estatístico da Previdência Social de 2011, mais de 211 mil pessoas foram afastadas em razão de transtornos mentais, gerando um gasto de R$ 213 milhões em pagamentos de benefícios. “Quando você entende o que gera os afastamentos, você pode estabelecer medidas para evitar os gastos”, disse. As doenças mentais só perderam, naquele ano, para afastamentos por sequelas de causas externas, como acidentes, e por doenças ortopédicas.

A pesquisa apontou que o perfil predominante entre os afastamentos foi o feminino e alta escolaridade (mais de 11 anos de estudo). Mas Silvestre alerta para uma distorção, porque as mulheres têm maior cuidado com a saúde, o que aumenta a presença feminina nas estatísticas.

“O sexo feminino apresentar uma maior possibilidade de transtorno mental está relacionado às mulheres terem facilidade em relatar queixas. Reconhece-se que as mulheres procuram os médicos com mais facilidade, elas têm uma maior preocupação com a saúde do que os homens”, contou. De acordo com o cientista, os homens demoram a ir ao médico e, quando vão, encontram-se em situação mais grave.

O fator escolaridade, segundo o estudo, pode afetar a percepção da existência das doenças. A maioria dos afastamentos ocorre com indivíduos de alta escolaridade, pois eles são mais esclarecidos. “As pessoas conseguem ter uma maior percepção de que o ambiente de trabalho está sendo opressor. Quando ela percebe que ali é um local ruim de trabalhar, ela vem a adoecer, a ter o distúrbio psicológico e termina se afastando”, disse.

Para melhorar o clima no trabalho e prevenir doenças, Silvestre recomenda que os profissionais ligados à saúde e segurança do trabalho das empresas tenham consciência sobre onde estão os fatores de risco. Ele sugere também uma melhora da fiscalização por parte dos Ministérios do Trabalho e da Saúde.

(Agência Brasil)

MP dos Portos perde validade na quarta-feira

43 1

A pauta de votações no Plenário está trancada pelo Projeto de Lei de Conversão (PLV) 6/2013, oriundo da MP 593/2012, que alterou as regras do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec). Entre as mudanças, está a permissão para que as instituições privadas de ensino superior, profissional e tecnológico participem do programa. Antes, apenas as escolas públicas e os serviços nacionais de aprendizagem podiam receber recursos do programa. A MP perderá a validade na quarta-feira (15).

Os senadores também podem examinar, na próxima semana, a polêmica MP dos Portos (MP 595/2012). A votação, no entanto, depende da conclusão da tramitação da matéria na Câmara, o que pode ocorrer em sessão extraordinária marcada para esta segunda-feira (13), às 18h. Na última quarta-feira, a votação foi cancelada depois de um desentendimento entre os deputados Anthony Garotinho (PR-RJ) e Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

O governo tem pressa para aprovar a MP, que define um novo marco regulatório para o setor, porque ela perde a validade na próxima quinta-feira (16). O problema é que o texto é polêmico: os deputados já apresentaram 28 destaques com o objetivo de mudar a MP no Plenário.

O presidente do Senado, Renan Calheiros, afirmou que fará todos os esforços para que a Casa vote a MP tempo.

– Torço para que a MP seja aprovada e trabalhamos nessa direção. Se a Câmara aprovar segunda-feira, nós a apreciaremos no Senado, mas precisamos do reconhecimento dessa excepcionalidade pelos líderes. Como é uma matéria de interesse do Brasil, sobretudo nesse momento de crise internacional, em que nós precisamos incrementar nossas exportações, acho que isso ajuda no sentido do convencimento – disse.

(Agência Senado)

Audiência pública debaterá discriminação contra portadores de HIV

A discriminação sofrida pelos portadores do vírus HIV será debatida nesta segunda-feira (13) na Comissão de Direitos Humanos e Participação Legislativa (CDH). A audiência pública foi requerida pelo senador Paulo Paim (PT-RS).

Foram convidados para a reunião a deputada federal e coordenadora da Frente Parlamentar Mista de Enfrentamento às DST/HIV/Aids, Erika Kokay (PT-DF); o diretor adjunto do Departamento DST/AIDS e Hepatites Virais do Ministério da Saúde, Eduardo Luiz Barbosa; e o conselheiro Nacional de Saúde do Ministério da Saúde, Jasiel da Silva Pontes, entre outros.

(Agência Senado)

Marina Silva reforça Rede Sustentabilidade em Fortaleza

41 1

A ex-senadora Marina Silva estará nesta segunda-feira (13), no Hotel Luzeiros, na Beira Mar, em Fortaleza, onde a partir das 16 horas reforçará a Rede Sustentabilidade para a criação de um novo partido.

Em seguida, a ex-senadora e também candidata à Presidência da República, em 2010, fará uma palestra no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE), no bairro Benfica.

Grandes do PMN não comparecem e discussão sobre fusão com PPS não ganha quórum

75 2

Segue em clima de insatisfação a proposta de fusão do Partido da Mobilização Nacional (PMN) com o Partido Popular Socialista (PPS). Neste sábado (11), os chamados grandes do PMN não compareceram à discussão com as duas presidências regionais, no Amuarama Hotel, no bairro de Fátima, entre eles o deputado Mário Hélio.

Em entrevista recente ao Blog, o presidente estadual do PMN, Reginaldo Moreira, informou que, na proposta da fusão, o PPS ficaria com a presidência, com a tesouraria e ainda com a fundação, cabendo ao PMN a secretaria-geral.

O PT e o petismo

72 3

PT e petismo Iana Soares

Flagrante da repórter-fotográfica Iana Soares, do O POVO, mostra os dois momentos do PT no Ceará. Um lado defende a política do governador Cid Gomes, enquanto o outro revive o velho e guerreiro petismo.

O flagrante ocorreu na Assembleia Legislativa, durante pronunciamento do deputado federal Eudes Xavier do caso referente à espionagem.

"PT continua o partido mais forte de Fortaleza"

52 1

Da coluna Política, no O POVO deste sábado (11), pelo jornalista Érico Firmo:

Ao longo da semana, a coluna tratou do momento político do PT no Ceará. Na quinta-feira, abordou a diluição do considerável capital político que havia demonstrado mesmo na derrota na última eleição em Fortaleza.

A respeito disso se manifestou o presidente municipal do partido, Raimundo Ângelo. Ele destacou a bancada de vereadores coesa e que, segundo ele, “faz oposição qualificada, não raivosa”. Destacou ainda a realização frequente de reuniões, debates, plenárias. Sinal, segundo ele, de partido vivo e dinâmico, que reúne filiados e discute estratégia.

“O PT continua o partido mais forte da cidade. Mesmo não estando governando”, afirma. E é enfático ao destacar que o partido tem quadros para a eleição municipal de 2016 e mesmo para o Governo em 2014. Cita a ex-prefeita Luizianne Lins, o candidato na eleição passada, Elmano de Freitas, e os deputados estaduais e federais. “Temos condições políticas reais para 2016”, diz, sobre a esperança de retomar o poder.

Também concordo que o PT tem condições de ser competitivo daqui a três anos e meio. O que enfatizei em relação à Capital é apenas que a sigla está hoje menor do que estava logo depois da derrota eleitoral. O patrimônio político que Elmano de Freitas expôs em outubro passado se dissolveu.

Sociedade em crise

37 1

Em artigo no O POVO deste sábado (11), o médico, antropólogo e professor universitário, Antônio Mourão, avalia a linguagem da violência explícita. Confira:

Para quem deseja entender a realidade, um recente episódio da crônica policial é profundamente didático. O acusado saía do Fórum. Foi prestar um depoimento. Respondia acusações de crime ou coisa assim.

Na calçada do Fórum, ele é surpreendido por uma saraivada de balas que o jogaram por terra, sem vida. Ali mesmo, em frente à Casa da Lei. Mais um defunto no chão. Não julgado, justiçado?

Estamos diante de um desafio e um desespero: por que a pena de morte, assim tão sumária? Quem a determina? Qual a motivação mais profunda? Esta violência explicita uma linguagem muito clara. Coloca em xeque o sistema que a sociedade criou para arbitrar conflitos. Rompe a lógica do pacto social e instaura uma nova ordem. Na cara de quem quiser ver… Estamos desafiados. Todos aqueles que acreditam num Estado de Direito devem estar muito preocupados. Sentimo-nos desmoralizados. Parece que ninguém acredita mais. Nem alimenta esperanças. Os exemplos são múltiplos. Crescentes. Plural.

Uma polícia investigativa sem condições e sem pessoal, um Judiciário amarrado pela burocracia e um formalismo arcaico, geram uma sociedade com medo. Atônita. Daí vem a tentação de resolver os impasses com as próprias mãos. Sentença e execução imediatas.

E isso se espalha como um rastilho de pólvora. Vem igualmente o descrédito nos outros poderes constituídos. A ideia difundida de que é tudo corrupto. É tudo safado. Todas as instâncias são igualmente imprestáveis. Há uma crise nas instituições criadas pela própria sociedade.

Aliás, o mesmo ocorre em outros setores… Não se coloca o filho na escola pública, porque não funciona. Não se vai ao posto de saúde ou hospital público, porque não atende. Não tem médico, não tem remédio. Cria-se um sistema paralelo de segurança, com portões e muros altos. Vigilantes armados. Carros blindados. Praças vazias. Estamos sitiados.

O que se revela, para um crítico mais agudo dessa sociedade, é que ela está precisando de reformas mais profundas. O Estado brasileiro precisa dar um salto. Romper com estas estruturas caducas e que não mais funcionam. Um Estado Moderno. Realmente democrático e republicano.

Quem se propõe a levantar esta bandeira?

Tasso critica política de segurança de Cid e muda tom sobre candidatura

86 7

tasso psdb

A decisão de sair da política para “cuidar dos netos” já não parece fazer mais parte dos planos do ex-senador Tasso Jereissati (PSDB). Nessa sexta-feira (10), durante a convenção que homologou os novos presidentes do partido, o tucano elevou o tom contra a política de segurança do governo Cid Gomes, prometeu engajamento na agenda da sigla rumo a 2014 e não descartou completamente hipótese de voltar a disputar eleições.

Perguntado se poderá ser candidato em 2014, Tasso disse que “neste ano, não” – em tom bem diferente do utilizado logo após a derrota para o Senado em 2010, quando ele anunciou que abandonaria a vida pública. “Não é meu objetivo, nesse momento, ser candidato”, afirmou.

O discurso do tucano-mor do Ceará, no entanto, deixa dúvidas sobre possíveis pretensões políticas. Ao fazer uma avaliação da reta final do governo Cid – com quem ele rompeu relações em 2010 –, o ex-senador disse que o Estado atingiu um ponto “insustentável na insegurança” pública e que Cid está “no caminho contrário” na fórmula de combate ao problema. “Primeiro é preciso um treinamento intensivo das polícias, montar um sistema de inteligência e, só depois, comprar equipamentos. Não adianta ter muitos carros rodando sem policiais treinados, sem uma avaliação de inteligência”, avaliou.

No palanque, ao criticar o tratamento dado pelo Governo Federal ao Ceará e questionar a “surpresa” do Palácio do Planalto com a seca do Nordeste, Tasso voltou a alfinetar o ex-aliado. “Para reconstruir o Ceará não é coisa que se faça em cima de palanque. (…) Cadê o nosso governador? Cadê ele?”, provocou.

Tasso chegou a fazer uma autocrítica e reconheceu “omissão”, ao reclamar da falta de oposição no Estado. “Estamos nesse nível, e eu me incluo nisso, por covardia. Estamos vivendo um momento de paralisia, e eu me incluo, pela acomodação acovardada”, afirmou.

(O POVO)

Sistema reduzirá tempo de espera de navios no porto

O ministro dos Portos, Leônidas Cristino, anunciou nessa sexta-feira (10), o lançamento da licitação do Sistema de Gerenciamento de Tráfego de Embarcações para o Porto de Santos, que permitirá o aprimoramento operacional das atividades de acesso marítimo aos portos, possibilitando ganhos expressivos de capacidade e redução dos congestionamentos e, consequentemente, do tempo de espera dos navios com uma gestão mais eficiente do tráfego das embarcações.

O Vessel Traffic Management Information System (VTMIS) possibilitará o monitoramento e gerenciamento, em tempo real, do fluxo de embarcações no canal de navegação e nas áreas de fundeio do Porto e contribuirá, significativamente, para a segurança da navegação no estuário. O Edital foi publicado na edição de hoje do Diário Oficial da União (DOU).

O sistema será composto de quatro pontos de monitoramento, que coletarão dados sobre a localização e movimentação de embarcações e abastecerão o Centro de Controle do VTMIS. Esta central de processamento e supervisão de dados também abrigará a central de comunicação com as embarcações, executada por meio de sistema de rádio VHF marítimo.

A instalação onde será implantado o Centro de Controle localiza-se na antiga Ponte de Inspeção Naval, na Ponta da Praia. Os pontos de monitoramento deverão ser instalados na Ilha da Moela, na Ponta de Itaipu, na região de Conceiçãozinha e na Ilha Barnabé.

(SEP)

Farmácia Popular no terminal da Parangaba sem funcionamento

farmácia popular 130507

Usuários da Farmácia Popular no terminal da Parangaba foram surpreendidos esta semana pelo fechamento da unidade no bairro. Um aviso na porta do estabelecimento justificava a suspensão dos serviços por uma “pane no sistema”.

A copeira Cilene Amaral, 52, moradora no Planalto Ayrton Senna, lamenta que seja obrigada a procurar medicamento de controle à hipertensão nas farmácias comuns.

“No ano passado, o posto de saúde deixou de me fornecer o medicamento e passei a comprar o remédio na Farmácia Popular. Agora sou obrigada a comprar em qualquer farmácia, por mais que o dobro do preço”, reclamou.

E bote boneco nisso!

47 1

Em artigo no O POVO deste sábado (11), o editor-adjunto do Núcleo de Conjuntura do O POVO, Luiz Henrique Campos,  comenta os transtornos no acesso e saída do show de McCartney. Confira:

Tipicamente cearense, a expressão “botar boneco” tem o sentido de designar algo ou alguém passível de situação fora do comum, além do convencional, extrapolando limites ou subvertendo regras. Ao sugerir o termo na abertura de seu show, Paul McCartney não poderia ter sido mais feliz e gentil para com os que estavam na Arena Castelão em busca de assistir àquele espetáculo.

Ao fim da apresentação, impossível conter a emoção, bem definida como histórica, do ex-beatle em Fortaleza. O termo “botar boneco”, todavia, tanto pode caracterizar momentos lúdicos como indicar cenários de um completo caos. E aí, caro leitor, se a apresentação em si vai ficar na memória, para, além disso, em termos de organização e infraestrutura, pense em um boneco grande.

Sufoco na hora da troca dos ingressos, quilométricos engarrafamentos, transtorno das longas filas de entrada à arena. Sem contar os problemas gerados para quem mora nas redondezas ou precisou passar por ali, revelam que ainda estamos anos luz atrasados em relação ao mínimo de respeito que se deve ter pelo cidadão.

Até é compreensível que eventos do gênero gerem transtornos e interfiram no dia a dia das pessoas. Mas o que se viu na última quinta-feira extrapola as raias da sensatez. E quem não tinha nada com o show, como foi o caso de pessoas que precisaram se deslocar ao aeroporto, por exemplo, ou de escolas que cancelaram aulas no dia já prevendo as dificuldades de acesso?

Sinceramente, não me enquadro na categoria dos que acham que Fortaleza não merece receber eventos de grande porte. Muito ao contrário, defendo, principalmente pelo aspecto econômico, que a capital cearense é vocacionada para tal. Por isso mesmo, que se tire lições definitivas sobre o que aconteceu em consequência do show de Paul McCartney.

Não somente em relação à Arena Castelão, mas no que diz respeito a vários outros equipamentos da cidade, que não proporcionam a menor condição de oferecer dignidade aos que os procuram. Somos alegres, criativos, moleques, mas isso não dá o direito de sermos tratados como marionetes.