Blog do Eliomar

Arquivos do autor Eliomar de Lima

Oito cidades escolherão novos prefeitos neste domingo

Oito cidades de cinco estados terão que escolher novos prefeitos neste domingo (8). De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), 215,6 mil eleitores deverão retornar às urnas. O novo processo eleitoral foi motivado pela anulação dos resultados obtidos em outubro do ano passado, pois os candidatos que obtiveram mais de 50% dos votos válidos tiveram o registro de candidatura negado.

Em São Paulo, haverá novas eleições em Pedrinhas Paulista, Boa Esperança do Sul, Itaí e Osvaldo Cruz. Novos prefeitos também serão escolhidos em Marituba (PA), Pedro Canário (ES), Ponte Serrada (SC) e em Barra do Piraí (RJ).

Em Boa Esperança do Sul, o prefeito reeleito Jaime Fortino Benassi (PMDB) teve o registro cassado por ter oferecido show gratuito, cestas básicas e ônibus municipais gratuitos à população local. Geraldo Giannetta (PTB), de Pedrinhas Paulista, teve o registo negado por falsidade ideológica nas eleições de 2004. Ele acusou o adversário de compra de votos e não conseguiu provar.

Valter Luiz Martins (PSDB), de Osvaldo Cruz, foi barrado devido à Lei da Ficha Limpa. Em Itaí, o prefeito eleito Luiz Antônio Paschoal (PSDB) não pode ficar com o posto de prefeito por uso indevido de meios de comunicação durante sua campanha à reeleição.

Em Barra do Piraí (RJ), o prefeito Maércio Fernando Oliveira de Almeida (PMDB), e seu vice, Norival Garcia da Silva Júnior (PV), foram cassados por abuso de poder e uso indevido de meios de comunicação. O candidato eleito em Ponte Serrada (SC), Clodemar Christianetti Ferreira, foi afastado com base na Lei da Ficha Limpa.

Em Canário (ES), Antônio Wilson Fiorot (PSB) e Leone Márcio Santos (PT) foram afastados dos cargos porque no momento do registro, Fiorot estava inelegível. Ele vai concorrer novamente porque a decisão que prejudicava sua participação foi anulada. Em Marituba (PA) o prefeito eleito em 2012, Mário Filho (PSD), teve seu registro indeferido por falta de quitação eleitoral.

O TSE informa que foram feitas novas eleições em 42 municípios de 15 Estados desde o início do ano. Os valores gastos com os novos pleitos passaram a ser cobrados dos prefeitos cassados desde 2012. Até o momento, foram ajuizadas ações de cobrança em 51 cidades. A Advocacia-Geral da União pretende recuperar mais de R$ 2,7 milhões em 88 cidades de 20 estados.

(Agência Brasil)

Comissão de Educação realiza audiência pública sobre o Programa Pró-Infância

89 1

A Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE) realiza audiência pública na próxima quarta-feira (7), para discutir o Programa Nacional de Reestruturação e Aquisição de Equipamentos para a Rede Escolar Pública de Educação Infantil (Pró-Infância) que a partir de 2011 passou a fazer parte do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2) do governo federal.

De acordo com informações do site do PAC 2, o governo federal pretende construir com o Pró-Infância 6 mil escolas de educação infantil no país. Até o momento, foi aprovada a construção de 4.050 unidades de educação infantil e a previsão é que até 4.916 unidades sejam financiadas nos municípios das cinco regiões do país até 2014.

Em seu requerimento para a realização da audiência, o senador Cícero Lucena (PSDB-PB) observa que com o programa o governo deverá construir, pelo Regime Diferenciado de Contratações (RDC), creches premoldadas, contratadas por meio do pregão eletrônico, nas cinco capitais do país, as quais serão testadas pela Fundação Falcão Bauer e pelo Instituto Nacional de Metrologia (Inmetro).

(Agência Senado)

Fortaleza Digital, livre e empreendedora

130 1

Em artigo enviado ao Blog, o professor Ivan de Oliveira comenta da desativação do projeto Praças Conectadas da Prefeitura de Fortaleza. Confira:

Ontem (03/08), primeiro sábado de agosto, passei pelo Centro da cidade e, como de costume, o intenso trânsito de pessoas sempre me impressiona, sobretudo, nas praças próximas das lojas e feiras e seu entorno de comércio e convivência social.

Parei na Praça do Ferreira e observei o volume de pessoas, sentadas ou em pé, usando seus aparelhos celulares para acessar à internet.

Cheguei próximo em uma das bancas de revistas, em que tem uma senhora vendendo café, e escutei algumas reclamações sobre a velocidade da internet oferecida pelos serviços de 3G em Fortaleza. Propositadamente, instiguei as pessoas a relatarem suas experiências com os serviços de internet nas ruas e em casa para entender como seus acessos são realizados.

A maioria usa internet compartilhada com seus vizinhos ou pagam os famosos R$ 0,50 (cinquenta centavos) para navegar nas redes.

Inesperadamente, a senhora pede a palavra e mostra duas caixas Herméticas (um “baú”, no entendimento dela) instaladas nos postes da praça, segundo ela, dava internet de graça para os usuários do local.

Continuou sua fala reclamando que já fazem mais de 6 (seis) meses que os serviços foram parados e os “baús” com suas antenas (referência aos pontos de acesso sem fio -AP) estão somente de enfeites para a Praça do Ferreira.

Antes dela completar seu raciocínio, seu filho, que a ajudava nas tarefas de seu negócio, interveio e comentou: “Mãe, a senhora está falando do projeto Praças Conectadas da Prefeitura de Fortaleza que nos disse no ano passado que iria disponibilizar internet gratuita para a população, estimulando o uso de novas tecnologias e o acesso à informação”.

Fiquei impressionado com a fala dele e comecei a conversar com ele sobre Tecnologia da Informação (TI).

Acabei descobrindo que ele é um aluno do curso de Informática da Escolas Estaduais de Educação Profissional no Ceará (EEEP) e tem uma consciência social, tecnológica e política apreciável. Falou dos seus sonhos e sobre sua vida entre os estudos e o trabalho (ajuda seus pais na captação de recursos para sobrevivência).

Este evento me fez refletir sobre dois pontos bastante batido por nossas falas dentro e fora das redes sociais. Primeiro, o tratamento da universalização do acesso à internet e às tecnologias como uma política pública pelos governos e, o segundo, as ações governamentais para concretização desta política.

Como pautado em outros artigos, Fortaleza foi pioneira em apresentar o conceito de PRAÇAS CONECTADAS com o objetivo de oferecer o serviço de internet gratuita e realizar intervenções culturais para promoção da inclusão sócio digital dos fortalezenses.

Até o primeiro bimestre de 2013, os serviços de acesso à internet, livre e gratuito, estavam disponíveis em seis praças: Praça do Ferreira, Passeio Público, Praça da Estação, Praça Coração de Jesus, Parque da Liberdade/Parque das Crianças e Praça José de Alencar. Infelizmente, por razões desconhecidos, a prefeitura não manteve o projeto e quem perde com indisponibilidade são os cidadãos que frequentam esses espaços públicos.

Na época do projeto, pode-se perceber que os serviços mais acessados eram os e-mails e as redes sociais, características predominantes dos internautas brasileiros, inclusive das crianças.

Na contramão da capital cearense, a prefeitura de São Paulo, pôs no Plano de Metas da cidade, dentre outras coisas, implantar internet pública de graça em 120 (cinto e vinte) locais. Ainda em fase de testes, o projeto Praças Digitais teve seu primeiro hotspot inaugurado na última quinta-feira (01/08/2013) na Praça Dom José Gaspar, no Centro da capital.

Na semana passada, escrevemos um outro artigo relatando a frustração do PPA (Plano Plurianual ) Digital e o desconhecimento da população sobre quais eixos de desenvolvimento, as diretrizes, os programas e as ações, e as metas e indicadores estão sendo proposta pela gestão municipal para o quadriênio 2014-2017.

Vale ressaltar que o PPA é o instrumento orçamentário destinado a estabelecer as diretrizes, objetivos e metas da administração pública. E o povo deve conhecer seu conteúdo intimamente para cobrar e acompanhar a materialização dos projetos e o recebimento dos produtos previstos nas ações do governo.

Não sendo injusto com ninguém, no outro artigo, esquecemos de elogiar o esforço da Secretaria de Participação Popular em promover a participação popular através de ações presenciais, por exemplo, com a realização dos Fóruns de Participação e Controle Social em diversas regionais.

Infelizmente, não encontramos os conteúdos dos eixos, das diretrizes, dos programas e das ações na internet para conhecer as intenções governamentais e propor iniciativas para enfrentar alguns problemas da cidade.

Particularmente, as pautas de Ciências, Tecnologia e Inovação (C&TI) e Gestão Estratégica de TIC (Tecnologia, Informação e Comunicação) nos despertam bastante interesse e gostaria veementemente de ajudar com proposições de ações fundamentais para promover, tais como: a inclusão sócio digital; a universalização do acesso à informação e à internet; a implantação de uma política de incentivo ao fortalecimento do setor produtivo na área tecnológica; a implantação de uma incubadora de empresas e startups de base tecnológica, Parques e Polos Tecnológicos; a criação das casas de cultura; o fortalecimento da capacitação e qualificação profissional na área de TICs; criação da política municipal de destinação dos resíduos tecnológicos, por exemplo, com a meta de implantação de um Centro de Recondicionamento de Computadores (CRC); a popularização da ciência, tecnologia e inovação e a melhoria da educação científica; a manutenção e expansão das praças conectadas; a construção de um museu da C&TI; a dinamização da matriz econômica do município ao incentivar o crescimento dos setores produtivos de base tecnológica; a criação das praças dos conhecimentos livres e abertos para a inclusão sócio digital através do acesso à Internet, livre e gratuito, a toda a população e da disponibilização de um acervo digital; dentre outras ações levantadas por pesquisas realizadas em conjunto com graduandos da área de Sistemas de Informação.

Os supracitados fóruns ajudam a aproximar a população do planejamento municipal, mas também seria interessante realizar fóruns temáticos das políticas públicas municipais

(e.g. C&TI e TIC) que contariam com a participação da sociedade civil, membros dos conselhos municipais de políticas públicas, representantes dos segmentos sociais de cada área temática e representantes das Secretarias Municipais.

Talvez esta ação supriria a ausência de uma ferramenta de participação direta e digital.

O objetivo central dos nossos apontamentos não é julgar ou condenar ninguém e nenhum órgão público municipal. É apenas mostrar que o povo e suas organizações espontâneas também querem participar das construções das soluções e ações dos governos.

Para encerar nossa conversa sobre tecnologia e os governos, voltamos ao diálogo com o jovem estudante de informática e o convidava para participar do I Workshop Ciência para a Cidade, promovido pela Coordenadoria de Ciência, Tecnologia e Inovação (CITINOVA), nos dias 17 a 19 de setembro. É uma oportunidade ímpar para externar/apresentar nossos projetos para a cidade!

Como a própria chamada do evento diz, a prefeitura convoca a comunidade acadêmica (grifo pessoal: e toda sociedade) a tomar a cidade como objeto de pesquisa.

A ação é acertadíssima, pois abre um espaço de participação direta de pesquisadores a apresentarem projetos com aplicabilidade no desenvolvimento da cidade ou na solução de seus problemas. Um destaque especial ao slogan “A ciência em prol de uma cidade melhor de se viver!”.

Consideremos estas ferramentas essenciais para a efetivação da política municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação.

A única ressalva está no período de realização, fora do prazo de finalização do PPA, pois as contribuições da academia, da sociedade civil organização e da população em geral através dos projetos apresentados poderiam se transformar em programas e ações.

Enfim, se perguntássemos o pensamos ser necessário em C&TI e TIC para o município, então responderia com a proposta de criação de um programa no PPA chamado FORTALEZA DIGITAL, LIVRE E EMPREENDEDORA para alojar todas as ações destas temáticas para o quadriênio 2014-2017.

Qualquer forma, estamos esperançosos pelo lançamento de algum documento com estas informações e a abertura de canais virtuais para participação do povo nesta reta final de elaboração do PPA de Fortaleza.

Ivan de Oliveira, professor

Número de turistas estrangeiros pode ter queda na Copa e nas Olimpíadas, dizem especialistas

O sucesso turístico da Jornada Mundial da Juventude (JMJ), que atraiu 2 milhões de visitantes e injetou R$ 1,2 bilhão na economia do Rio de Janeiro, dificilmente deverá se repetir nos dois próximos grandes eventos que ocorrerão no país, segundo especialistas ouvidos pela Agência Brasil. O número de visitantes estrangeiros nas principais cidades turísticas do país deve registrar queda, na Copa do Mundo de 2014 e nas Olimpíadas de 2016, em relação a anos normais. A retração é esperada porque os megaeventos esportivos atraem público específico. O visitante normal, defendem eles, desiste de viajar para evitar preços altos e escapar da movimentação.

“Os grandes eventos são marcados pela interação de dois efeitos opostos. Por um lado, atraem um tipo determinado de turista. Só que simultaneamente afastam o turista regular, que quer fugir da confusão, da alta generalizada de preços e da piora na qualidade dos serviços”, diz o vice-presidente de Assuntos Internacionais da Associação Brasileira de Agências de Viagens (Abav), Leonel Rossi.

Ele lembra que essa situação ocorreu nas Olimpíadas de Londres, no ano passado. De acordo com a prefeitura da capital britânica, 900 mil turistas passaram pela cidade durante os jogos, dos quais 300 mil estrangeiros e 600 mil britânicos. Considerando apenas os visitantes internacionais, a queda chega a 75% em relação a 2010, quando 1,2 milhão de turistas de outros países visitaram a cidade por mês.

O vice-presidente da Abav acredita que o cenário deve se repetir na Copa do Mundo de 2014 e nas Olimpíadas de 2016. Ele, no entanto, acredita que a queda no volume de turistas estrangeiros no país será menor e variará de 20% a 30% em relação a um ano normal. “A queda deve ser menor porque muitos turistas latino-americanos vão aproveitar a distância menor para visitar o Brasil durante esses eventos. Já temos informações de que haverá uma grande quantidade de mexicanos no Brasil durante a Copa”, ressalta.

Dados divulgados na quinta-feira (1º) pelo Ministério do Turismo mostram que a imagem da cidade do Rio de Janeiro melhorou para turistas brasileiros e estrangeiros depois da JMJ. O resultado é que a maioria dos visitantes de fora (92,1%) e turistas brasileiros (96,1%) pretende retornar à capital fluminense. No total, 3,1 mil brasileiros e 1.350 estrangeiros de 175 países contaram suas impressões sobre a infraestrutura turística da cidade do Rio.

“Os resultados da pesquisa mostram que o evento foi positivo. As avaliações apontam que o Rio de Janeiro foi aprovado como local para realização de megaeventos, especialmente na rua. Essas considerações também são muito importante para o desenho do futuro religioso do país”, explica o diretor do Departamento de Estudos e Pesquisas do Ministério do Turismo, José Francisco Lopes.

(Agência Brasil)

Cegueira histórica

117 2

Da coluna Valdemar Menezes, no O POVO deste domingo (4):

A cobrança por democracia direta cai sobre o Congresso Nacional na hora em que uma pesquisa do Ibope o coloca no penúltimo lugar, entre as instituições, em termos de credibilidade.

O alerta deveria ser levado em conta também pela Câmara Municipal de Fortaleza e a Assembleia Legislativa diante da passividade demonstrada frente a questões de grande repercussão popular como o Parque do Cocó, o modelo de planejamento urbano, viaduto, ponte estaiada, Acquário, etc.

O cidadão não mais se conforma apenas em deglutir decisões de cima para baixo. Quer também opinar e decidir sobre elas. No entanto, as forças do status quo resistem à mudança. Talvez, só com o povo nas ruas – concluem estudiosos – será possível tirar a sociedade da posição de refém dessas forças e arrancar a regulamentação dos mecanismos participativos.

É certo que o sistema é muito poderoso e vai procurar de todas as maneiras demonizar essa iniciativa das ruas, pois não aceita uma democracia verdadeira que combine instituições representativas com mecanismos de intervenção direta dos cidadãos. Felizmente, nem mesmo impérios e ditaduras onipotentes conseguem resistir à pressão da vontade popular quando esta se unifica e percebe a própria força.

Números do Pnud comprovam diferença de desenvolvimento entre Sul, Norte e Nordeste

A diferença de desenvolvimento entre os estados do Centro-Sul, Norte e Nordeste do Brasil ficou evidente com a divulgação do Atlas do Desenvolvimento Humano Brasil 2013, lançado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud). O ranking estadual pode ser dividido em duas partes. As unidades federativas localizadas na metade de baixo do mapa ocupam as primeiras 11 posições. O primeiro representante do Norte do país é o Amapá, em 12º lugar. O Rio Grande do Norte, melhor estado nordestino, só aparece na 16ª posição.

O estado de Alagoas é o último colocado. O Maranhão aparece em 26º lugar e o Pará, em 25º. Apenas a capital Maceió tem o Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) considerado alto entre as cidades do estado e, mesmo assim, aparece atrás de 1,2 mil municípios na lista. Os índices de renda dos 5.565 municípios avaliados mostram 14 cidades do Maranhão entre as 20 últimas colocadas. O IDHM é o resultado da análise de mais de 180 indicadores socioeconômicos dos censos do IBGE de 1991, 2000 e 2010.

Para o professor de ciência política da Universidade Federal de Alagoas, Ranulfo Paranhos, o quadro apresentado no estudo se deve a problemas históricos de gestão. “O indivíduo responsável pela política pública não está tomando a decisão correta. E não são só os governadores. Existem as assembleias legislativas e prefeitos, pessoas que devem propor soluções para os problemas de economia, educação, emprego e renda”. Segundo ele, esses problemas se relacionam, uma vez que não seria possível estimular o mercado de trabalho e propor melhores salário em localidades onde a escolaridade é muito baixa e não há qualificação profissional.

Paranhos ainda destaca diferenças entre as formas de fazer política no Sul e no Norte do país. Segundo ele, as características influenciam diretamente os números apresentados pelo Pnud. “Em geral, estados do Norte e Nordeste têm uma elite política que não circula, não abre espaço para inovação. Essas elites, normalmente familiares, se perpetuam muito mais que as do Sul e Sudeste e não têm uma oposição forte. E se essas elites não apresentaram solução para os problemas de suas regiões nos últimos cinco, dez anos; não vão fazê-lo nos próximos 20 anos.”

O doutor em história social e professor da Universidade Federal do Pará (Ufpa), Agenor Sarraf, também vê prejuízos na cultura política da região. “Vai chegar ao poder, muitas vezes, uma pessoa que já está comprometida com seu grupo, com uma certa elite. E aí o governo não é para todos, é para poucos”. Ele critica a falta de diálogo dos gestores com as características específicas de determinadas regiões do país.

“No município de Melgaço, por exemplo, 78% dos 24 mil habitantes estão em um grande espaço rural, não moram [de forma] concentrada. Se não houver uma oportunidade de melhoria de vida, essas famílias não sairão dessas localidades. Esse modelo de política pública nacional é europeu, urbanocêntrico e não leva em conta a diversidade, a especificidade cultural”, acrescentou.

(Agência Brasil)

Relator e especialista destacam avanços da Lei Anticorrupção

125 1

Aprovada pela Câmara em abril, a proposta de Lei Anticorrupção, do Executivo, foi sancionada com vetos pela presidente Dilma Rousseff. O texto, que virou a Lei 12.846/13, pune empresas que pratiquem atos contra a administração pública nacional ou estrangeira e torna mais fácil o ressarcimento do prejuízo causado aos cofres públicos por atos de corrupção.

A grande inovação da legislação é estabelecer penalidades diretamente para as empresas – até então só era possível punir os funcionários que participaram do ato de corrupção e os servidores públicos corruptos. Entre as sanções, estão o estabelecimento de multas – o que facilitará o ressarcimento ao erário mesmo quando os recursos forem de difícil rastreamento –, a suspensão ou interdição parcial das atividades da companhia e a proibição de participar de licitações.

Relator da proposta na Câmara, o deputado Carlos Zarattini (PT-SP) sustentou a lei fará com que as empresas treinem e selecionem melhor seus funcionários, de forma a evitar que haja corrupção.

O secretário-geral da ONG Contas Abertas, Gil Castelo Branco, destacou que, além de possibilitar a punição administrativa e civil das empresas, a nova norma abrange atos pelos quais as corporações deviam ser apenadas, mas não era possível pela legislação brasileira. Ele citou como os casos mais comuns a fraude em licitações, artifícios para prorrogar irregularmente contratos e o aumento dos preços de serviços de forma irregular.

“Precisávamos de uma lei assim, que já existem em outros países. Agora, conseguiremos reaver o que foi roubado dos cofres públicos e as empresas sentirão no bolso por esses desvios”, afirmou Castelo Branco.

(Agência Câmara Notícias)

Estatuto da Juventude será sancionado nesta segunda-feira

A lei que institui o Estatuto da Juventude será sancionada pela presidente Dilma Rousseff, na segunda-feira (5), em evento no Palácio do Planalto, com participação do senador Renan Calheiros, segundo informou a assessoria de imprensa da Presidência do Senado.

O texto é uma declaração de direitos da população jovem, que hoje alcança cerca de 51 milhões de pessoas com idade entre 15 e 29 anos, o maior número de jovens registrado na história do Brasil. O estatuto faz com que direitos já previstos em lei – como educação, trabalho, saúde e cultura – sejam aprofundados para atender às necessidades específicas dos jovens.

A nova lei faz com que novos direitos sejam assegurados, como as garantias à participação social, ao território, à livre orientação sexual e à sustentabilidade. Também define os princípios e diretrizes para o fortalecimento e a organização das políticas de juventude, em âmbito federal, estadual e municipal.

Isso significa que essas políticas se tornam prerrogativas do Estado, e não só de governos.  A partir de agora, será obrigatória a criação de espaços para ouvir a juventude, estimulando sua participação nos processos decisórios, com a implantação dos conselhos estaduais e municipais de juventude.

(Agência Senado)

Artesão tem a cidadania como sua principal arte

123 1

foto eliomar 130731 cidadania lixo praia

Todas as manhãs, o artesão José Arquinaldo Souza, 46, caminha pelas areias da Praia de Iracema com um saco plástico nas mãos. Ao final de duas horas, o artesão recolheu garrafas pets, canudos, latinhas de refrigerantes, cocos, panfletos rasgados, restos de comidas e demais objetos que não deveriam estar nas areias da praia.

O ritual, segundo o artesão, não é para matéria-prima à sua oficina, mas a sua contribuição diária para um mundo melhor.

“Nasci e cresci na Praia de Iracema e luto para que o local esteja sempre limpo. Gostaria muito que os meus netos pudessem brincar na Praia de Iracema sem poluição”, comentou o artesão, que trabalha somente com fibras.

SERVIÇO: O contato do artesão José Arquinaldo Souza é (85) 8642 4648.

Câmara volta aos trabalhos com discussão sobre royalties do petróleo

A conclusão da votação do projeto de lei que destina os recursos dos royalties do petróleo para a educação e saúde é o principal assunto da semana na Câmara. O texto principal já foi aprovado, mas falta ainda a concluir a votação dos destaques que visam a alterar a proposta. No primeiro semestre, o projeto foi aprovado pelos deputados, mas na apreciação no Senado ele foi modificado e teve que retornar à Câmara para nova deliberação. Concluída a votação, o projeto será encaminhado à sanção presidencial.

Também está na pauta de votação – com urgência constitucional vencida – o projeto de lei que trata do regime de aproveitamento das substâncias minerais de autoria do deputado Weliton Prado (PT-MG). Ao texto foi acrescentado o projeto do governo que dispõe sobre o Marco Regulatório da Mineração, cria o Conselho Nacional de Política Mineral e a Agência Nacional de Mineração.

Como não há acordo para a apreciação da matéria em plenário, por se tratar de um assunto complexo e de grande relevância, a expectativa dos parlamentares é que os líderes peçam a retirada da urgência constitucional para que o texto possa ser amplamente debatido em comissão especial.  Na quarta-feira (7) às 10h, o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, vai participar de audiência pública na Comissão de Minas e Energia para debater os principais pontos da proposta.

O projeto que altera a Lei dos Crimes Hediondos para a inclusão dos delitos de peculato (usar o cargo em benefício próprio ou de terceiros), concussão (cobrar vantagem indevida em razão da função), excesso de exação (tipo de propina), corrupção passiva e ativa, além de homicídio simples e suas formas qualificadas, é outra matéria que deve ser votada na próxima semana.

(Agência Brasil)

Complicando a justiça

Em artigo no O POVO deste sábado (3), o médico, antropólogo e professor universitário Antônio Mourão Cavalcante avalia a lentidão da Justiça. Confira:

Há três anos (25/7/2010), Fortaleza ficou estarrecida com um crime estúpido. Um policial mandou que uma moto parasse. Embora não houvesse blitz e sem ouvir a indicação, passaram direto. Numa moto, pai e filho, dirigiam-se ao trabalho. Foi o suficiente para o policial sacar de sua arma e atirar. Acertou na nuca do rapaz da garupa. Fulminado, ficou a poça de sangue no asfalto.

Clamor geral… Só que até hoje a Justiça não conseguiu concluir o processo. Há sempre mais uma filigrana. Uma assinatura. Um carimbo. Uma diligência.

Nos Estados Unidos, na cidade de Cleveland (Ohio), a polícia descobriu que um cara mantinha em cativeiro três jovens mulheres foram libertadas no dia 6 de maio deste ano. Enquanto prisioneiras, as três jovens sofreram constantes abusos como espancamento e estupro, que resultou inclusive no nascimento de uma menina e múltiplos abortos. As mulheres viveram muito tempo na casa sem ver a luz do sol e amarradas por cordas e correntes em determinadas ocasiões.

A repercussão foi intensa… O dono da casa, Ariel Castro, de 52 anos, foi preso pouco depois da libertação e levado à corte sob as acusações de rapto e estupro. Em 1º de agosto, Castro foi condenado à prisão perpétua e mais mil anos de cadeia, sem direito a liberdade condicional.

Isto é, em menos de três meses estava tudo resolvido. O crime devidamente julgado.

A Justiça aplicada. Por que no Brasil é diferente? Por que tanto arrodeio? Por que tanto formalismo?

No caso Bruce, o processo estaria – ainda! – na fase de instrução criminal. Querem até ouvir o ex-secretário da Segurança, Roberto Monteiro, que hoje mora em Curitiba. Mas deverá ser feito através da Justiça do Paraná. Aqui, para nós, precisa mesmo de tudo isso? Por que estes procedimentos são tão complicados?

Nos Estados Unidos, de onde tudo copiamos, o suspeito está condenado. Ficará até o fim de seus dias. Fez-se a justiça dos homens. Rápida. Eficiente. Conclusiva. Por que não buscamos aprender o que funciona? A morosidade da Justiça é um fator cúmplice do crime.

Quando a Saúde Pública protegia até o sono do brasileiro…

Da coluna O POVO Há 80 Anos, no O POVO deste sábado (3):

A’s 16 horas de hontem, o carro do foi chamado á rua da Assunção n. 149, onde se fazia necessaria a assistencia de um medico. Naquele predio ocorrera um acidente, pois d. Maria Alice, ali residente, caira desastradamente de uma rêde, contundindo o quadril, o que lhe fazia sofrer dores insuportaveis. Depois de medicada, aquela senhora foi transportada para a Santa Casa.

Vamos nós – Atualmente, nem se o cidadão cair do alto da antena de uma rede de televisão terá um atendimento rápido e humanizado.

Os protestos e a popularidade de Dilma

Em artigo no O POVO deste sábado (3), o editor-adjunto do Núcleo de Conjuntura do O POVO, Luiz Henrique Campos, avalia a popularidade da presidente Dilma nas eleições do próximo ano. Confira:

Tenho ouvido várias pessoas se dizendo surpresas com a queda de popularidade da presidente Dilma Rousseff após as recentes manifestações de rua que tomaram conta do País. Para além da sensação de surpresa, mostram-se temerosas com a possibilidade de o País vir a ser governado por alguém que não seja ligado à cartilha do ex-presidente Lula, ou com perfil de partido de esquerda, por acharem que o País está no caminho certo.

É interessante observar que muitas dessas pessoas que agora se revelam receosas do futuro apoiaram os protestos e até participaram diretamente deles, achando que não fosse atingir diretamente o governo Dilma e as lideranças que representam o atual projeto de poder em vigor.

Entendiam essas pessoas que os protestos teriam sido direcionados aos gestores públicos de maneira geral, e que foram até mais contundentes em relação ao parlamento, do que mesmo ao executivo. Esquecem, todavia, que no parlamento o sentido de preservação pesa bem mais do que as convicções individuais. Tanto isso é verdade que as principais lideranças do Congresso não perderam tempo criando rapidamente pacotes de bondade, ao primeiro sinal de que o barco poderia afundar. Nem poderia ser diferente. Matreiros na arte da política sabem que ninguém se reelege indo contra a maré.

No caso do executivo, ao contrário, não se pode pensar somente na agenda positiva. Tem-se que lidar com a velha máxima de que gerir a coisa pública é administrar recursos limitados para atender demandas ilimitadas. Dessa forma, se no parlamento tudo é possível, no executivo o que vale é a responsabilidade, caso o gestor não queira terminar em maus lençóis.

É nesse sentido que não deveria ser motivo de surpresa a brusca queda de popularidade da presidente Dilma. Basta ver o teor das reivindicações e sentir a quem atinge. Não à toa, se todas as principais instituições perderam boa parte da confiança dos brasileiros, nenhuma perdeu mais do que a presidente da República, três vezes mais do que o resto, segundo revelou a pesquisa nacional do Ibope, chamada Índice de Confiança Social, divulgada quinta-feira. Na política, é bom lembrar, o mais ingênuo dá nó em pingo de água.

Suspeito de assalto “mergulha” cinco metros ao chão

foto eliomar 130803 condomínio assalto

Um homem se atirou de uma guarita de segurança, na manhã deste sábado (3), em um condomínio no bairro Monte Castelo. Segundo a Polícia, ele é suspeito de invasão e tentativa de assalto contra o condomínio. Perseguidos pelos moradores, após supostamente ter atacado duas mulheres no estacionamento do prédio, o homem foi acuado em cima da guarita.

Ao ser informado que a Polícia já havia sido acionada, o homem “mergulhou” de uma altura de cinco metros. Ele passou cerca de 15 desacordado. Somente com a chegada do Samu é que o homem foi reanimado para atendimento na ambulância.

“Ele não pulou, mergulhou mesmo! Caiu de peito no chão”, contou para o Blog um morador do condomínio.

Após receber atendimento, o homem foi conduzido pela Polícia para o 7º Distrito, no bairro Pirambu.

Defesa diz que "mundo do crime ganhou" com condenação de PMs no julgamento do Carandiru

59 1

A advogada Ieda Ribeiro de Souza, responsável pela defesa dos policiais militares condenados a 624 anos de prisão pela morte de 52 detentos na antiga Casa de Detenção do Carandiru, criticou a decisão dos jurados, anunciada na madrugada deste sábado (3). Em entrevista após a leitura da sentença, a advogada disse que a “sociedade perdeu e o mundo do crime ganhou” com a condenação. “Quando se condenam policiais que trabalharam honestamente, corretamente e que não tiveram nenhuma participação nesse número de mortes, há a desvalorização de quem nos protege.”

Os 52 detentos mortos ocupavam o terceiro pavimento do Pavilhão 9 da casa de detenção. A advogada informou que vai recorrer da sentença. Os réus poderão apelar em liberdade. Eles também foram condenados à perda de cargo público, mas isso só ocorrerá, segundo promotores e a advogada, após a sentença ter transitado em julgado, ou seja, até serem esgotados os recursos e as instâncias.

Para a advogada, o resultado da segunda etapa do julgamento do Massacre do Carandiru, embora tenha sido uma decisão de sete jurados da sociedade civil, não reflete a opinião da sociedade como um todo. “Vão à internet e vão ver os comentários que se tem lá dentro. Aquilo reflete a sociedade.”

A advogada disse que, para os próximos dois julgamentos do Massacre do Carandiru, pretende insistir na tese de que não é possível individualizar a conduta dos policiais, indicando quem matou determinado preso. A mesma tese foi usada na primeira etapa de julgamento, em abril, quando 26 policiais foram condenados por 13 mortes.

Já o promotor Fernando Pereira Filho disse estar satisfeito com a decisão dos jurados. “Os jurados, mais uma vez, reconheceram não apenas que esses policiais praticaram os crimes pelos quais foram condenados, mas reafirmaram a percepção que tiveram outros tribunais populares acerca da efetiva ocorrência de um massacre”, disse ele. “A voz da sociedade, dentro do julgamento, é dada dentro do tribunal de júri”, acrescentou. Segundo ele, a decisão dos jurados demonstrou que “a sociedade não vai compactuar com o desrespeito à vida e o desrespeito ao ser humano”.

(Agência Brasil)

A difícil arte de conviver com o diferente

Da coluna Política, no O POVO deste sábado (3), pelo jornalista Érico Firmo:

(…) Ninguém é obrigado a ouvir desaforo calado, mas há fronteiras a se preservar. E o que se vê é que certas autoridades têm conseguido ser incomparavelmente mais agressivas e grosseiras que os manifestantes, de quem não se pode cobrar a mesma obrigação funcional de ouvir a crítica e dialogar com a coletividade. Nas redes sociais, então, o espetáculo varia entre o lamentável, o cômico e o simplesmente patético.

Outro dia foi Ivo Gomes (PSB), secretário municipal da – veja só – Educação, chamando um rapaz de “bandidim”, “criminoso”, “picareta”, “pilantra”. Mais recentemente, foi o vice-prefeito Gaudêncio Lucena (PMDB) que divulgou texto com ataques aos “ecodesocupados” ou “ecochatos”. Em entrevista, Ciro Gomes – autoridade extraoficial, mandatário sem cargo – investiu contra “maconheiros” e “burgueses”. Nesta semana, o secretário da Infraestrutura chamou o protesto contra o viaduto no Cocó de “idiotice” e qualificou a atitude dos manifestantes de “ridícula”. A postura não condiz com a posição que ocupam.

Dialogar não é favor, é obrigação de quem governa. E passa a ser cada vez mais. É muito fácil conversar só com quem pensa parecido, segundo as regras determinadas pelo poder de plantão. Mas o desafio do bom administrador é, justamente, lidar com aqueles cujas posições são diametralmente opostas, mas ainda assim compõem a cidade e precisam ser considerados. O que não significa acatar necessariamente tais ideias. Como já pregava o ex-vice-presidente dos Estados Unidos, Hubert Humphrey, “na democracia, o direito de ser ouvido não inclui automaticamente o direito de ser levado a sério”. Mas pelo menos o respeito é obrigação da parte de quem tem como trabalho servir ao povo.

Agravamento da seca: seres humanos "não descartáveis"

Os cearenses acabam de se deparar com o levantamento realizado pela Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh) e pelo Departamento Nacional de Obras contra as Secas (Dnocs) segundo o qual mais da metade (51,3%) dos açudes públicos do Ceará está com volume de água inferior a 30%. A constatação chega no momento em que o Estado está prestes a iniciar o período normal e mais agudo de escassez de chuvas.

Foi levada em conta para o cálculo a situação dos 144 açudes construídos pelos governos Estadual e Federal e monitorados diariamente pela Cogerh e pelo Dnocs. Pela checagem realizada, as bacias hidrográficas do Banabuiú e do Alto Jaguaribe são as mais afetadas. O déficit fica visível quando se compara o período de maior pluviosidade com o ocorrido no ano passado: a redução das precipitações foi de 36%.

O fato de Fortaleza não correr o risco de ter o abastecimento afetado, graças ao fornecimento de água pelo Castanhão (embora este esteja apenas com metade do armazenamento, cuja capacidade total é de três bilhões de metros cúbicos), não deveria produzir a tranquilidade que se observa na maioria dos representantes do povo cearense. A perspectiva é aterradora para as populações das áreas menos providas de recursos hídricos, que já vivem uma situação de quase desespero, muito antes do ingresso nos meses mais cáusticos, que vêm pela frente.

Diante disso, urge a mobilização de providências logísticas para enfrentar a quadra dificílima que se aproxima. Antes que cidades inteiras fiquem totalmente desprovidas de abastecimento – como já se prenuncia claramente – a palavra de ordem deveria ser a convocação de todos os recursos possíveis para tornar essa travessia o menos trágica possível.

A construção de adutoras (além de poços artesianos), por exemplo, para alguns desses centros urbanos que têm possibilidade de ter acesso a esse tipo de equipamento, torna-se imperativa, visto que a demanda de água não conseguirá ser realizada de forma mínima por meio de carros-pipa. Ou seja: esta deveria ser a prioridade das prioridades do governo do Estado, neste momento, pois se trata da vida de seres humanos “não descartáveis”, como diria o papa Francisco.

(O POVO / Editorial)