Blog do Eliomar

Arquivos do autor Eliomar de Lima

Vem aí o VIII Encontro dos Profetas da Chuva

Vem aí o VIII Encontro dos Profetas da Chuva. Será em Quixadá, de 10 a 12 deste mês. Reunirá, segundo organizadores, estudiosos acadêmicos, políticos, estudantes e profetas da chuva do Sertão Central cearense que lançarão as previsões do inverno deste ano.

A programação começa na sexta-feira (10) com a sétima edição do festival Encanta Quixadá. A apresentação de violeiros e trovadores vem reunindo, desde o ano de 2007, cantadores da moda nordestina na praça da Fundação Cultural.

Na manhã do sábado (11), acontece a abertura oficial do evento, quando cerca de 30 profetas convidados vão expor suas previsões na Associação de Ouvinos e Caprinos do Estado do Ceará (ACOCECE).

Tribunais brasileiros julgam apenas metade das ações por improbidade e corrupção

O Judiciário brasileiro ficou longe de cumprir a Meta 18, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), relativa ao julgamento de ações sobre crimes contra a administração pública e de improbidade – na média geral, concluiu apenas 53,97% dos processos.

O alvo era o julgamento, até esta terça-feira, 31, no fim de 2013, de um acervo de 114.336 processos dessa natureza distribuídos ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), à Justiça Federal e aos Tribunais de Justiça dos Estados até 31 de dezembro de 2011.

Os dados oficiais, reunidos pelo CNJ – órgão de controle e fiscalização do Judiciário –, mostram que foram julgados 61.698 casos. O estoque em aberto é de 52.618 ações. As informações chegam ao conselho diariamente, enviadas pelos próprios tribunais. Algumas cortes são mais lentas na transmissão dos dados. Os números podem ser atualizados, mas isso não deverá repercutir na média porcentual do desempenho.

* Do Estadão aqui.

Eduardo Campos já trabalha para montar equipe da campanha presidencial

EDUARDO-CAMPOS-PREFEITOS-10

Essa é da Coluna Painel, editada por Vera Magalhães, na Folha de São Paulo.

O cara

O líder do PSB na Câmara, Beto Albuquerque (RS), é cotado para ser o coordenador político da campanha presidencial de Campos. A divisão de tarefas do QG do pernambucano será definida na reunião da cúpula da pré-campanha ainda este mês.

Bloco na rua

O programa de governo de Campos, que está aberto a colaboração no site criado após a aliança com a Rede, será debatido em um ciclo de encontros regionais que será lançado em Porto Alegre, em 22 de fevereiro.

Depois do Réveillon, banho de mar e o “show” da limpeza

148 1

A festa do Réveillon da Prefeitura de Fortaleza acabou, mas além da turma da ressaca, com direito a banho de mar, há um outro mar espalhado pela areia: o lixo deixado pelos que foram conferir atrações como Wesley Safadão e o tal “forró de plástico” denominado assim pelo cantor e compositor Chico César.

Nesta manhã, a Prefeitura mobiliza um grupo de artistas – de vassoura na mão, que promete iniciar a limpeza, que não vai ser fácil.

É muito lixo.

Repórter da Globo encerra o ano como vítima de assalto

brunoo
O repórter Bruno Laurence, da Rede Globo, foi assaltado e agredido em São Paulo no fim de 2013. Ele cobrir a corrida de São Silvestre quando foi atacado. Fez um B.O (boletim de ocorrência) e denunciou o caso no Twitter.
Bruno assim descreveu: “Levaram bens materiais [recuperaremos], me bateram e, ao me reconhecerem como o cara do Globo Esporte’, piorou”. Comemorou ter escapado: “Nenhuma fratura no rosto, graças a Deus. Um nariz inchado e a certeza de que meu anjo da guarda eh bom demais. Segue o jogo e bora ser feliz”.

Roberto, Cid e “governamentaveis” no aterro da Praia de Iracema

O governador Cid Gomes (PROS) passou o réveillon no aterro da Praia de Iracema, mas não subiu ao palco. Era um dos convidados do prefeito Roberto Cláudio (PROS), que evitou também ir ao palco, dentro daquela de não estar disposto a uma possível vaia. O clima foi de festa popular e fazer discurso numa hora dessas é querer demais.

Quem também circulou pelo aterro foi a turma de governamentáveis: o presidente da Assembleia Legislativa, Zezinho Albuquerque (PROS), o ex-ministro Leônidas Cristino (PROS), e o deputado estadual Mauro Filho (PROS). 

Desse grupo, não circulou por lá Eunício Oliveira (PMDB), porque está nos EUA, mas não faltou quem lembrasse seu nome para o Governo. Foi o caso do deputado federal Mário Feitoza. Até em entrevista à TV Diário, em meio à festa, ele aproveitou para fazer o comercial do peemedebista.

Mega-Sena da Virada vai pagar R$ 224,6 milhões

A Mega-Sena da Virada vai pagar o maior prêmio de 2013 para os acertadores das seis dezenas que serão sorteadas logo mais às 20h25min (horário de Brasília), em São Paulo. Serão distribuídos R$ 224,677 milhões em prêmios, informou a Caixa Econômica Federal, depois do balanço de apostas, encerradas na tarde desta terça-feira (31).

As apostas para a Mega da Virada, iniciadas dia 11 de novembro, arrecadaram o total de R$ 758,218 milhões com a venda de 104.165.456 bilhetes. O prêmio fica acima da estimativa inicial de R$ 200 milhões, mas abaixo da Mega da Virada anterior, que pagou R$ 244 bilhões a três apostadores.

O prêmio da Mega da Virada não acumula. Caso não haja ganhador com as seis dezenas sorteadas, o valor será somado ao rateio dos acertadores da quina, e assim sucessivamente. O valor do prêmio da faixa principal, se aplicado na poupança, renderia cerca de R$ 1,3 milhão por mês, aproximadamente R$ 44 mil por dia, de acordo com cálculos da Caixa.

O sorteio, em estúdio de TV, a partir das 20 horas (horário de Brasília), terá transmissão ao vivo pelos principais canais da TV aberta.

(Agência Brasil)

Dilma deseja um 2014 de muito progresso e justiça social para o Brasil

190 1

A presidente Dilma Rousseff desejou que 2014 seja um ano próspero, com progresso e justiça social para o país. Em sua conta no microblog Twitter, a presidente aproveitou para destacar as qualidades do Brasil, que, segundo ela, será do tamanho que os brasileiros imaginarem.

“Desejo um Ano-Novo cheio de felicidade e prosperidade para você e de muito progresso e justiça social para o Brasil. O Brasil será do tamanho dos nossos sonhos. Se imaginarmos um país justo e lutarmos por isso, é o que conquistaremos”, disse.

Ao comentar que o Brasil e a vida dos brasileiros melhoraram, Dilma declarou que o país ainda pode melhorar e que “tem passado, tem presente e tem muito futuro”, relatou. “Existem poucos lugares no mundo onde o povo tenha melhores condições de crescer, melhorar de vida e ser mais feliz”, escreveu.

O teor das mensagens é praticamente idêntico às palavras da presidente quando do pronunciamento que fez à Nação no último domingo (29). Na ocasião, Dilma disse também que o governo se preocupa em cumprir o compromisso de lutar contra a inflação e de manter o equilíbrio das contas públicas.

(Agência Brasil)

Produtos piratas aprendidos chegam a 50 milhões

Cerca de 50 milhões de produtos piratas foram apreendidos este ano, nas regiões Norte e Nordeste, segundo avaliação da Associação de Proteção de Marcas e Patentes.

Em ação conjunta com a Polícia, a entidade apreendeu somente no primeiro semestre no Ceará cerca de duas toneladas de matéria prima, 60 mil peças irregulares, 40 máquinas industriais e 50 mil itens utilizados na fabricação de roupas.

A última operação do ano envolvendo a Polícia Civil do Ceará ocorreu em setembro, em Manaus, em ação conjunta com a Polícia do Amazonas.

Prazo para resgate de prêmios de loteria pode ser ampliado

Projeto que tramita no Senado (PLS 536/2013) procura ampliar para um ano o prazo de prescrição dos prêmios de loteria. Atualmente, o prazo para que o ganhador entregue o bilhete e receba o valor do prêmio é de 90 dias a partir da data do sorteio. O período é considerado curto pelo autor do projeto, senador Eunício Oliveira (PMDB-CE).

Em 2013, ganhou repercussão nacional o caso de um apostador da cidade de Ponta Grossa (PR) que não foi buscar o prêmio de R$ 23 milhões da Mega-Sena. O sorteio havia sido realizado em julho e o prazo para que o bilhete fosse apresentado terminava em outubro. A identidade do ganhador nunca foi revelada e o prêmio, não resgatado, foi para o Fundo de Financiamento aos Estudantes do Ensino Superior (Fies).

Apesar de considerar meritória essa destinação dos prêmios não retirados para o Fies, Eunício Oliveira disse considerar o período de noventa dias uma imposição “injusta e injustificável”, levando em conta o interesse do apostador. Para ele, é um erro tentar atingir um objetivo bom por um meio questionável. “É oportuno lembrar que o Estado dispõe de prazos amplamente dilatados, com direito a instâncias recursais quando se trata de subtrair recursos do cidadão”, argumentou o senador na justificativa do projeto.

(Agência Senado)

Salário mínimo de R$ 724 entra em vigor nesta quarta-feira

208 1

O novo salário mínimo de R$ 724 passa a vigorar nesta quarta-feira (1°). O valor é 6,78% superior aos R$ 678 atuais. O percentual está acima da inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo que, segundo a projeção mais recente do boletim Focus, divulgada no início da semana passada pelo Banco Central, deve fechar o ano em 5,72%.

O aumento do salário mínimo está previsto na Lei Orçamentária Anual de 2014, e foi aprovado pelo Congresso na semana anterior à do Natal. No dia 23 de dezembro, a presidenta Dilma Rousseff assinou o decreto com o reajuste e confirmou o novo valor em sua conta no Twitter.

Segundo informações do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos, o mínimo injetará R$ 28,4 bilhões na economia em 2014. De acordo com cálculos da entidade, o novo valor permite a compra de 2,23 cestas básicas. Trata-se da maior relação de poder de compra desde 1979.

O salário mínimo passou a vigorar no Brasil em 1º de maio de 1940, durante o governo Getúlio Vargas. A Constituição Federal estabelece que o valor deveria ser suficiente para suprir as necessidades básicas do trabalhador e de sua família: alimentação, moradia, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene, transporte e Previdência Social.

(Agência Brasil)

Secretária de Saúde encerra ano com almoço a médicos estrangeiros

A secretária de Saúde de Fortaleza (SMS) Socorro Martins participou de almoço na tarde desta terça-feira (31), em um restaurante na Beira Mar, com médicos estrangeiros do programa Mais Médicos.

Apesar do clima de confraternização e agradecimento ao empenho desses profissionais, o evento soou como uma espécie de desculpas oficiais da Prefeitura de Fortaleza às vaias que recepcionaram os estrangeiros em Fortaleza, em outubro último.

O que passa chega

Em artigo no O POVO desta terça-feira (31), a jornalista do O POVO Adísia Sá retrata um triste cotidiano contra a mulher. Confira:

“Tudo passa, tudo flui” – não mais do que por isto Heráclito é chamado de “o filósofo choroso”. Eu acrescentaria: o que passa, chega. Não é assim o tempo? Na fluidez do vir-a-ser, o presente não existe. Como, não existe? Você dirá: “estou lendo, agora, logo, é no presente que me encontro.” Ledo engano: no átimo do segundo em que se diz essas palavras, o hoje já é ontem, também, amanhã. Coisa de Heráclito, sem dúvida um dos filósofos que mais me impressionaram e marcaram quando estudante de Filosofia. O decorrer da vida me mostrou que, realmente, nada é: foi e está sendo.

Disto me lembrei neste final de ano, quando presenciei uma cena que marcou a minha madrugada de terça-feira. Estava no bom sono da manhã que viria, quando ouvi gritos vindos da pracinha Francisco Matos. Levantei-me assustada e, olhando pela janela, vi uma cena que me cortou o coração, como se diria “outroramente falando”. Era uma jovem procurando libertar-se do companheiro, que a esmurrava impiedosamente. Gritei:”deixe a mulher”. Tolice: ele estava insandecido. Fiquei pensando: o que teria havido entre os dois, culminando nestes lamentáveis acontecimentos? Nisto parou uma bicicleta e dela desceu um homem com roupas de cooper: aproximou-se do casal e, sem que eu pudesse escutar, pelo menos sussurros, percebi entretanto que ele falava…. falava. E o casal o ouvia atentamente.

A cena demorou minutos e minutos, tempo suficiente para o jovem agressor esquecer o que estivera fazendo e ouvir o homem. O que teria dito? Quem era aquele homem? De onde viera? O que o levara a sair de seu exercício e debruçar-se sobre o casal sentado no banco da pracinha do meu bairro? Tive vontade de descer e acompanhar aquela cena insólita: me contive e fiquei na janela atenta àquele homem dizendo algo ao infeliz agressor. A moça, de cabeça baixa, enxugava as lágrimas no seu minúsculo short.

O homem saiu- acompanhei a sua trajetória – retornou à caminhada. O casal ficou alguns minutos sentado, levantou-se e saiu em direção à favela que circunda o meu bairro. Pois é: o que passa a nosso redor, nos chega por inteiro à nossa imaginação. Eu imaginei : não mais ódio, raiva, vingança, bebedeira: a vida continuará para os dois… e para o seu anjo protetor e para mim, que era mera espectadora de um desencontro amoroso.

É o que eu digo: o que passa, chega.

Roberto Cláudio – ano I

191 2

Da coluna Política, no O POVO desta terça-feira (31), pelo jornalista Érico Firmo:

Leitores pediram uma análise sobre o primeiro ano da administração Roberto Cláudio (Pros). A primeira consideração que faço é de que foi período atipicamente movimentado. Atribulado em não raros momentos. Acompanhei como repórter o primeiro ano de Luizianne Lins (PT) e nem de longe houve tantos episódios tão marcantes. Naqueles primeiros meses de 2005, a maior movimentação foi mesmo administrativa, com cinco mudanças de secretariado antes de dezembro. Ao final do primeiro ano da ex-prefeita, ainda não se vislumbrava com muita clareza o que seria a gestão. Agora, parece haver indicações mais nítidas.

A diferença tem certa relação com, pela primeira vez em décadas, o prefeito da Capital chegar ao cargo com o respaldo do governador – este no fim de um ciclo de oito anos. Por um lado, Cid Gomes transfere a popularidade que possui. Por outro, envelhece a gestão, que não desfrutou da trégua normalmente conferida a quem está no início de mandato. O prefeito já herdou, também, parte do desgaste natural a um governador no poder há sete anos. Rejeição maior justo em Fortaleza.

Roberto Cláudio contribui para isso ao adotar grande similaridade de ações e mesmo de modelo administrativo. Muitas vezes, deixa de ser visto como gestor no primeiro ano de mandato e é cobrado como parte de um ciclo já há bastante tempo no poder. Isso é jogo jogado. Mas há também de se levar em conta que ele terá quatro anos de mandato. Entendo que não pode deixar todos os resultados para entregar em 2016. A travessia importa mais que a linha de chegada. Por outro lado, alguns dos resultados mais estruturantes só podem ser cobrados, mesmo, ao final do ciclo.

Desconfiança, atraso nas concessões e dificuldades na indústria comprometem PIB em 2013

Classificado pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, como o ano da virada, 2013 foi marcado pelo início da recuperação da economia. O crescimento, no entanto, veio menor que o esperado. Apesar de se expandir em ritmo maior que em 2012, quando cresceu 1%, o Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país, foi revisado diversas vezes para baixo este ano.

Inicialmente, o Orçamento da União para este ano previa crescimento de 4,5% do PIB. A estimativa oficial foi reduzida sucessivamente até chegar a 2,5%. O mercado projeta expansão ainda menor. Segundo o boletim Focus, levantamento semanal com instituições financeiras divulgado pelo Banco Central (BC), os analistas preveem crescimento de 2,3%.

Segundo especialistas ouvidos pela Agência Brasil, o Brasil continuou a sentir os efeitos da crise econômica internacional em 2013. No entanto, eles avaliam que o crescimento da economia este ano foi comprometido mais por fatores internos do que externos.

Economista chefe da consultoria Austin Rating, Alex Agostini diz que a desaceleração do consumo e o baixo investimento têm impedido o país de voltar a crescer com vigor. Para o analista, esse cenário se deve à perda de credibilidade da equipe econômica, que, segundo ele, ampliou as incertezas na economia ao fazer manobras nas contas públicas e permitir a alta da inflação no primeiro semestre.

“Não há dúvida. A credibilidade do governo foi perdida. A sociedade brasileira sabe fazer conta e sabe que não pode assumir o risco de investir nem de consumir em uma economia com grande risco de instabilidade”, disse. De acordo com Agostini, esse foi o principal motivo pelo qual as desonerações para estimular o consumo não surtiram o efeito esperado.

Especialista em política fiscal e setor público, o professor Francisco Lopreato, da Universidade de Campinas (Unicamp), também considera que o baixo crescimento do PIB está relacionado principalmente a fatores internos. Ele, no entanto, aponta outras causas. Para o economista, o atraso no programa de concessões e o fraco desempenho da indústria explicam o comportamento do PIB este ano.

“O consumo deu uma arrefecida, mas não capotou. A agricultura foi bem neste ano. O problema da economia foram os investimentos em infraestrutura e a indústria. O governo e o mercado passaram boa parte do ano em uma queda de braço para acertar a rentabilidade dos projetos, o que atrasou os leilões e comprometeu os investimentos em 2013”, explicou.

Para 2014, o Orçamento Geral da União prevê crescimento de 3,8% para o PIB. O ministro da Fazenda, Guido Mantega, no entanto, prefere não apostar em nenhum número. Segundo ele, é necessário esperar a evolução da economia internacional, que responde por 30% do PIB brasileiro, para fazer projeções. A estimativa oficial para o próximo ano, ressaltou ele, só será divulgada com o decreto que define os limites de gastos oficiais, o que tradicionalmente ocorre em fevereiro.

(Agência Brasil)