Blog do Eliomar

Arquivos do autor Eliomar de Lima

Prefeitura reforça segurança em obras de moradia durante o feriado

Durante o feriado prolongado, a Fundação de Desenvolvimento Habitacional de Fortaleza (Habitafor) reforça a segurança ostensiva nos residenciais da Prefeitura de Fortaleza que estão em obra. Estão envolvidos na ação o policiamento privado e equipes da Guarda Municipal.

Os habitacionais em obra que recebem a segurança reforçada são: Rosalina, Urubu, São Cristóvão/ Campo Estrela/ Lagoa das Pedras, Papicu e os residenciais São Domingos e São Bernardo, em construção através do programa Minha Casa, Minha Vida.

(Habitafor)

Fortaleza empata e decide em casa a vaga para a Série B

Time de melhor campanha na primeira fase da Série C do Campeonato Brasileiro, o Fortaleza empatou com o Oeste, em Itápolis (SP), em 1 a 1, na tarde deste sábado (3), no primeiro jogo do mata-mata das quartas-de-final da competição. Com o resultado, o tricolor cearense tem a vantagem de decidir a vaga para a Série B de 2013 no estádio Presidente Vargas, no próximo domingo (11), às 18 horas (horário local).

Wanderson abriu o placar para o Oeste, aos 19 minutos do primeiro tempo, e Geraldo empatou para o Fortaleza, aos 22 minutos do segundo tempo.

Estratégias de agricultores do Semiárido para resistir à seca serão mapeadas a partir de 2013

Estratégias inovadoras, adotadas por pequenos agricultores para enfrentar os impactos da estiagem e das inundações no semiárido brasileiro, serão mapeadas e catalogadas a partir do ano que vem. A ideia do projeto é entender como essas práticas sustentáveis têm impacto nos sistemas de produção e na qualidade de vida das populações locais para garantir que outras famílias possam se apropriar das técnicas usadas.

A iniciativa é uma parceria entre o Instituto Nacional do Semiárido (Insa), ligado ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), e a Articulação do Semiárido (ASA), rede formada por mil organizações da sociedade civil que atuam nos estados do Nordeste e em Minas Gerais.

De acordo com Antônio Barbosa, coordenador de programa da ASA e um dos responsáveis pelo projeto, serão observadas as práticas de 900 famílias em nove estados (Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Pernambuco, Sergipe, Bahia, Paraíba, Alagoas e Minas Gerais) durante a primeira fase do projeto, marcada para começar em março de 2013.

(Agência Brasil)

Estudo apresenta perfil universitário brasileiro

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulga na terça-feira (6),em Brasília, o Relatório de Pesquisa – Estudo comparado sobre a juventude brasileira e a chinesa – Primeiras análises dos dados brasileiros. O documento traz os primeiros resultados da parte brasileira da pesquisa e versa sobre valores, estilos de vida e aspirações de jovens universitários brasileiros, além de prognósticos sobre as futuras elites formadas nas universidades nos dois países.

Os temas abordados serão escolaridade dos pais dos jovens universitários brasileiros, satisfação com a graduação que o jovem brasileiro está cursando, utilização do tempo de estudos fora da sala de aula e a visão desses jovens sobre a China.

O estudo foi realizado a partir da aplicação de questionários para 4.800 jovens universitários entre 18 e 24 anos, sendo metade brasileiros e metade chineses. A pesquisa é resultado do acordo de cooperação técnica entre o Ipea, a Sociedade Brasileira de Sociologia (SBS), o China Youth and Children Research Center – CYCRC (Centro de Pesquisa em Infância e Juventude da China) e a China Youth and Children Research Association – CYCRA (Associação de Pesquisa em Infância e Juventude da China).

O seminário e lançamento do relatório marcam o fim da coleta de dados no Brasil e a abertura do período de análise das informações de forma comparada com os dados chineses.

(Ipea)

Festival de cinema em Maracanaú termina neste domingo

O longa documental “O Último Apito – A história da estrada de ferro no Ceará” encerra neste domingo (4), em Maracanaú, a terceira edição do FestCine Maracanaú-Festival de Cinema Digital e Novas Mídias, que teve no último dia 30.  O secretário de Cultura do Estado do Ceará, Francisco Pinheiro, e o cineasta cearense Rosemberg Cariry serão homenageados.

O longa de Aderbal Nogueira será exibido a partir das 18h30min, na Escola Estadual de Educação Profissional Maria Carmem Vieira Moreira, em Pajuçara.

Comissão de Transportes aprova licença de um ano para circulação de veículos pesados

A Comissão de Viação e Transportes aprovou o Projeto de Lei 6278/09, do deputado Marçal Filho (PMDB-MS), que permite a concessão de licença para circular, válida por um ano, a automotores destinados a transportar maquinaria de qualquer natureza, ou a executar trabalhos agrícolas, de construção ou de pavimentação.

Atualmente, o Código de Trânsito Brasileiro (Lei 9.503/97) permite a concessão dessa licença de um ano apenas a guindastes autopropelidos ou para caminhões. Demais veículos pesados, que excedam as dimensões previstas pelo Conselho Nacional de Trânsito (Contran), devem solicitar a autorização a cada vez que forem circular sobre vias públicas.

Para o relator, deputado Lázaro Botelho (PP-TO), a situação atual prejudica, tanto produtores rurais quanto empreiteiros de obras de engenharia, obrigados a cumprir a burocracia e arcar com os custos de solicitar, a cada viagem, a autorização especial de trânsito.

O relator ressalta ainda, que a autorização não é automática. “Ela poderá ser condicionada ao atendimento de medidas de segurança, como a limitação de horário, por exemplo”, afirma.

(Agência Câmara de Notícias)

Retranca e gratificação são os segredos do Oeste

Há quase um mês sem levar um gol, o Oeste, adversário do Fortaleza nas quartas-de-final da Série C do Campeonato Brasileiro, possui outro segredo, além da retranca. A diretoria do clube costuma pagar boas gratificações aos jogadores, antes da partida. O dinheiro é mostrado no vestiário, quando os atletas se preparam para entrar em campo.

Time de Itápolis, a 360 quilômetros de São Paulo, o município vive da laranja, sendo o segundo maior produtor do país.

O jogo contra o Fortaleza, neste sábado (3), a partir das 17 horas (horário de Brasília), no estádio dos Amaros (capacidade para 15 mil pessoas), é considerado o mais importante dos 91 anos do clube, desde o acesso à elite do futebol paulista em 2008.

O belo exemplo do Afroreggae

Em artigo no O POVO deste sábado (3), o editor adjunto do Núcleo de Conjuntura do O POVO, Luiz Henrique Campos, destaca os projetos de reinserção social em favelas cariocas. Confira:

Sugiro aos governantes e empreendedores que se permitam ir além da busca exclusiva pelo lucro, a leitura da matéria “Conexões entre o morro e o asfalto”, publicada ontem no O POVO, assinada pela jornalista Paula Lima, que está em São Paulo acompanhando a São Paulo Fashion Week. No texto, ela relata a parceria entre a grife carioca Reserva e o grupo Afroreggae. Para quem não sabe, o Afroreggae desenvolve projetos de reinserção social em favelas cariocas até bem pouco dominadas pelo tráfico de drogas.

Por meio da parceria foi criado o selo AR, marca para licenciamento de produtos, visando gerar fundos para projetos de reinserção social. Hoje o Afroreggae gera mais de 300 empregos com carteira assinada e gasta cerca de R$ 22 milhões por ano em centros de tecnologia social, bloco de Carnaval, escola de samba e trupe de circo e teatro, com egressos do sistema penitenciário. O interessante da parceria é que surgiu quando um dos líderes do tráfico do Complexo do Alemão foi preso e usava da cabeça aos pés produtos da Reserva. Isso foi o bastante para que se procurasse inverter a lógica em favor de algo positivo. Segundo o texto de Paula Lima, o ex-líder, agora, está longe do tráfico e é modelo da marca AR, trabalhando com o Afroreggae.

O exemplo mostra como muito pode ser feito com criatividade para o enfrentamento da chaga que assola o país, que é a violência entre os jovens oriunda do tráfico de droga. Fico imaginando, por exemplo, o que nossos clubes de futebol não poderiam estar fazendo para tirar do caminho torto das drogas e da violência os componentes de torcidas organizadas que mais assustam do que animam as partidas de futebol. A grande maioria deles, jovens, mas já sem perspectiva, poderia muito bem ser inserida em ações voltadas para o fortalecimento da marca de seus clubes. As torcidas são apenas um foco. Como esses grupos, vários estão jogados à sorte por falta de oportunidade para canalizar o potencial de rebeldia.

Bons tempos quando o Ferroviário era notícia

Ontem à tarde, pelejaram amistosamente, no Estádio Presidente Vargas, os quadros principais de Gentilândia e do Ferroviário. A partida não foi das piores e decorreu com alguma movimentação. A primeira fase terminou com a vitória do Gentilândia, por 1×0, tento consignado por Liminha. No segundo tempo, Nirlô e Macaúba golearam para o Ferroviário, enquanto Sofia marcou mais um ponto para o seu bando.

Eis como jogaram as duas equipes: Gentilândia – Valter; Geça e Sebastião; Otávio, Aírton e Zezão; Chiclets (Índio), Luciano, Zeraimundo, Sofia e Liminha. Ferroviário – Jujú; Manuelzinho e Nozinho; Vicente, Macaúba e Serejo; Nirlô, Índio, Augusto, Fernando e Piol.

DETALHE – Em 1952, o Ferrão foi campeão estadual, campeão do Quadrangular Estadual, campeão do Torneio Municipal e campeão da Taça Castelo Branco.

(O POVO / Há 60 anos)

Bons tempos em que notícia policial era o furto de manteiga

Atilado gatuno fez, à noite de hontem para hoje, uma visita ao armazém da firma Ventura & Cia., localizada à rua Major Facundo, 41, forçando uma das portas, penetrando no estabelecimento e conduzindo três caixas de manteiga marca “Japú”.

Os sr. Ventura & Cia. comunicaram o ocorrido à 2ª Delegacia, que poz os seus agentes em atividade, procurando a manteiga e o gatuno.

(O POVO / Há 80 anos)

Provas do Enem começam neste sábado para 5,7 milhões de candidatos

Pelo menos 5,7 milhões de pessoas acordaram neste sábado (3) com um objetivo em mente: conseguir o melhor resultado no primeiro dia de provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), marcada para as 13h (horário de Brasília). Ao todo, a avaliação será aplicada em 1,6 mil municípios brasileiros. A maratona de provas segue neste domingo (4).

A prova deste sábado inclui 90 questões objetivas divididas entre as provas de ciências humanas e ciências da natureza. No domingo, serão aplicadas mais 90 questões objetivas das provas de linguagens e códigos e matemática, além da prova de redação que representa 50% da nota total do exame.

Os gabaritos das provas objetivas serão divulgados no dia 7 de novembro e podem ser consultados no site do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Os participantes podem acessar os resultados individuais inserindo, em campos específicos, o número de inscrição e a senha ou o CPF e a senha.

(Agência Brasil)

Ivo diz no Facebook que Lúcio Alcântara é pé-frio

134 25

O deputado estadual Ivo Gomes (PSB) comentou em seu Facebook que o ex-governador Lúcio Alcântara (PR) é pé-frio, em se tratando de disputas eleitorais. O ex-governador virou adversário político dos Ferreira Gomes, desde as disputas da eleição de 2006, quando Cid Gomes chegou ao Governo.

A declaração de Ivo Gomes põe mais lenha na fogueira para as disputas de 2014, que está com o quadro antecipado no Ceará.

Ideb 2012: falta educação de qualidade no Brasil

71 1

Em artigo no O POVO deste sábado (3), a psicóloga, mestre em educação e professora da UFC, Vivina Rios Balbino, comenta sobre o pouco avanço nos índices da educação no país. Confira:

O Brasil é hoje a sexta potência mundial, mas na educação e qualidade de vida somos medianos. Dados do último Indicador do Analfabetismo Funcional mostram que apenas 26% da população são considerados plenamente alfabetizados e os analfabetos funcionais representam 27%. Segundo a Unesco, que avalia o cumprimento de metas educacionais, o Brasil ocupa a 88ª posição entre os 127 países avaliados. Dados de 2012 do Ideb mostram que o Brasil superou pouco as metas na educação propostas pelo MEC em 2011 nos dois ciclos do ensino fundamental e, apenas igualou a meta projetada para o ensino médio. Criado em 2007 o Ideb é um indicador geral da educação nas redes privada e pública e leva em conta dois fatores: rendimento escolar com taxas de aprovação, reprovação e abandono e médias de desempenho na Prova Brasil. 39% dos municípios e 44,2% das escolas estão abaixo da meta.

Se no ensino fundamental houve uma estagnação, no ensino médio foi pior, nove Estados tiveram redução das notas em áreas regionais distintas.

As metas até 2022 fazem parte do Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE), para alunos dos anos iniciais do ensino fundamental é chegar a 6 pontos; para alunos dos anos finais do ensino fundamental é de 5,5 pontos e para o ensino médio é de 5,2 pontos. A escala vai de 0 a 10. O mérito fica para algumas excelentes escolas: Colégio de Aplicação – Universidade Federal de Pernambuco, que conquistou pela terceira vez nota 8,1 nos anos finais do ensino fundamental; a Escola Ciep Glauber Rocha do RJ, em bairro violento, nota 8,5 e a Escola Bom Princípio, no interior do Piauí, teve nota 7,7. Minas Gerais é campeão nacional nas séries iniciais do ensino fundamental, nota 5,9 e o Ceará teve boa média geral, 4,9 superando muito a meta. Como educam essas excelentes escolas? Necessário um diagnóstico profundo dessas excelências escolares e traçar programas competentes com acompanhamento técnico do MEC. Alfabetização plena e educação de qualidade em todo o nosso Brasil.

A ONG Todos pela Educação lista itens importantes para o sucesso escolar: critérios técnicos para diretoria, qualificação e premiação de professores talentos e currículo único.

Trabalho doméstico no cálculo do PIB acaba com invisibilidade de certas atividades, dizem pesquisadores

Lavar, passar, fazer comida, cuidar da casa, levar as crianças para escola e todos os detalhes diários da manutenção de uma estrutura familiar valem, em média, R$ 1,5 mil por mês, segundo três pesquisadores da Universidade Federal Fluminense (UFF). Eles concluem também que, em média, as mulheres ocupam em afazeres domésticos o dobro do tempo que os homens gastam com as mesmas tarefas.

Com base no estudo de 2001 a 2010, os professores defendem que essas atividades classificadas de “trabalho não remunerado e de invisibilidade” sejam incluídas no cálculo do Produto Interno Bruto (PIB) de cada país. O PIB é a soma de todos os bens e serviços produzidos na economia de uma nação.

A proposta dos professores do Departamento de Economia da UFF Hildete Pereira de Melo, Claudio Monteiro Considera e Alberto Di Sabbato esbarra, porém, em resistências da Organização das Nações Unidas (ONU). Segundo os pesquisadores, se os afazeres forem contabilizados, revelarão o tamanho dos serviços criados pela mão de obra não remunerada. Para chegar ao valor de R$ 1,5 mil, os professores consideraram o gasto médio com a remuneração da empregada doméstica.

A conclusão dos pesquisadores, que fazem o estudo desde 2001, é que no Brasil os afazeres domésticos correspondem a cerca de 12,76% do PIB. Em 2004, por exemplo, representaram R$ 225,4 bilhões. Desse total, 82% (cerca de R$ 185 bilhões) foram gerados pelas atividades desempenhadas por mulheres.

Os pesquisadores destacam também que, em vários países, inclusive o Brasil, mulheres optam por ficar em casa e não trabalhar devido à baixa remuneração oferecida no mercado de trabalho. Os professores acrescentam que, nos países desenvolvidos, o valor pago para afazeres domésticos é elevado e nem sempre acessível.

(Agência Brasil)

CPI do Tráfico de Pessoas recebe apoio do CNJ sobre caso de adoções irregulares

Deputados da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga o Tráfico de Pessoas no Brasil foram recebidos pelo presidente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ministro Carlos Ayres, que também preside o Supremo Tribunal Federal (STF). Além dos parlamentares, participou da reunião o juiz da Vara Criminal do Fórum da Comarca de Monte Santo (BA), Luiz Roberto Cappio Guedes Pereira.

Os parlamentares levaram ao presidente do CNJ questões relativas ao caso das adoções de cinco crianças de uma mesma família do interior baiano por famílias paulista, em um processo de apenas 48 horas que gerou reportagens e consequente indignação nacional. Além disso, levantaram-se suspeitas de irregularidades sobre o trâmite processual que, por exemplo, não ouviu os avós ou os pais das crianças.

O caso começou a ser investigado pela CPI, que realizou nesta semana audiência pública, onde várias autoridades envolvidas foram ouvidas. Convidado para a audiência, o juiz Vitor Manoel Xavier Bizerra, que à época era titular da comarca que autorizou as adoções, não compareceu, nem justificou sua ausência.

Informado sobre o andamento das investigações da CPI, o ministro Carlos Ayres determinou ao corregedor-geral do órgão, ministro Francisco Falcão, que avoque o processo e solicite à Polícia Federal que garanta a segurança do juiz Luiz Roberto Guedes Pereira no seu retorno a Bahia.

Para o presidente da CPI, deputado Arnaldo Jordy (PPS-PA), a necessidade de intervenção do CNJ no caso é imprescindível, “dado que as investigações apontam para a existência de uma quadrilha de tráfico de crianças, camuflada por adoções irregulares, e que pode estar atuando há mais de 10 anos, envolvendo autoridades das esferas legislativa, executiva e judiciária daquele Estado.” Para o parlamentar, o caso dos cinco irmãos seria apenas a “ponta do iceberg”.

(Agência Câmara de Notícias)

Conflituosa, mas necessária

52 1

Da coluna Política, no O POVO deste sábado (3), pelo jornalista Érico Firmo:

Quando há alternância de poder, a transição é sempre conflituosa mesmo. Ainda mais quando a candidatura governista sai derrotada, denuncia fraude e anuncia que questionará o resultado na Justiça. Transição, aliás, só é necessária nesses casos. Se o vencedor fosse Elmano de Freitas, seria mera formalidade.

Nas passagens de Juraci Magalhães para Luizianne Lins e de Lúcio Alcântara para Cid Gomes, o rito de transferência de poder foi bem complicado, como agora será. Naquelas ocasiões, durante o processo, a reclamação era sobre falta de acesso a informações. Depois, queixa contra a situação precária encontrada da parte de quem assumia. E quem saía apontava manipulação política dos dados pela nova gestão.

Até janeiro próximo, são grandes as chances de ser reprisado o mesmo filme. A equipe indicada por Roberto Cláudio provavelmente irá se queixar de que não obteve acesso aos detalhes sobre o funcionamento da máquina. Ao tomar posse, o novo prefeito tende a denunciar a situação encontrada. E a prefeita Luizianne Lins irá defender seu legado. Isso é do jogo e será muito difícil saber quem tem razão. Talvez um pouco de cada.

O fundamental é que a transição ocorra da forma mais transparente possível e dê subsídios para que a futura gestão comece a funcionar, de fato, o quanto antes. Os atritos serão inevitáveis, mas os dois lados não estarão lá para casar, mas para trabalhar em prol da cidade. E quanto menos tempo o futuro prefeito passar se queixando da anterior, melhor será para Fortaleza e menos enfadonha será a discussão política.

Cid diz que “Lula não foi correto” e fala sobre futuro político na Época

67 7

O governador Cid Gomes é o entrevistado na edição desta semana na revista Época e fala sobre sucessão em Fortaleza, a presença de Lula no palanque de Elmano de Freitas e do seu futuro político. Confira alguns trechos:

“Defendo o apoio à reeleição da presidente Dilma Rousseff em 2014. Apoiamos a Dilma em 2010, tivemos um papel importante na eleição dela, participamos de seu governo, e ela vem fazendo uma boa gestão. É natural que apoiemos sua reeleição. Nosso projeto de Presidência deve vir depois” (sobre a sucessão presidencial em 2014).

“É verdade que Eduardo (Campos) é um grande quadro, bem preparado e o governador mais popular do Brasil. Também é claro que o PSB foi o partido que mais saiu fortalecido das urnas. É o que mais tem prefeitos de capitais, e capital é muito importante. Governa quase metade da população do Estado. Agora, eleição municipal é uma questão local. Não enxergo seus efeitos no plano estadual, muito menos no nacional. O PSB deve apoiar a reeleição de Dilma e, em 2015, devolver os cargos que tem no governo federal. Sem isso, será difícil mostrar a diferença entre nossa forma de governar e a deles. Não faz sentido e não é correto participar do governo de outro partido e, depois, lançar candidatura contra esse mesmo partido” (ainda sobre a sucessão presidencial em 2014).

“Foi uma agressão e uma agressão injusta. Quem esteve com Lula nas horas decisivas fomos nós. Na eleição de 2002, (a prefeita de Fortaleza) Luizianne (Lins) e (o candidato petista) Elmano de Freitas vaiaram Lula em praça pública, porque ele escolheu o José Alencar para vice. No segundo turno daquela eleição, Ciro (que disputou o primeiro turno) não pestanejou e declarou apoio a Lula. Em 2005, no mensalão, parte do PT se escondeu. Outra falou em pós-Lula. Nós fomos à linha de frente defendê-lo. Os votos responsáveis pela reeleição dele vieram daqui. Fomos para a linha de frente na eleição de Dilma. Lula não foi correto conosco” (sobre a presença de Lula no palanque de Elmano).

“Não disputarei eleição em 2014. Depois, passarei mais tempo com minha família. Vou trabalhar no Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), em Washington. Pedi ao presidente Luis Alberto Moreno: “Meu desejo é trabalhar com o senhor”. Ele respondeu: “Não se preocupe, meu filho”. Então, eu vou.Quando voltar ao Brasil, avaliarei se disputarei outra eleição. O melhor dos mundos é sair da política sem ser expulso. Sair como saiu o Pelé: por cima” (sobre futuro político).

Jornalismo, jornalistas e eleições

Em artigo no O POVO deste sábado (3), o professor do Instituto de Cultura e Arte da UFC, Jamil Marques, avalia o papel dos profissionais da imprensa em períodos eleitorais. Confira:

Campanha eleitoral não é fácil. A concorrência acirrada pelos cargos de representação torna a rotina dos candidatos e de seus assessores algo quase insuportável. Os eleitores também não têm descanso: os apelos por atenção invadem das calçadas ao ambiente doméstico.

Se o fim da campanha permite que candidatos, assessores e cidadãos constatem que a vida vai além da disputa pelo voto, ressalte-se o alívio que a volta ao caos cotidiano traz para quem trabalha na área do Jornalismo – por mais paradoxal que isso pareça.

Em poucas ocasiões, os métodos de trabalho dos profissionais da imprensa são tão problematizados quanto no período eleitoral. Queixas e reclamações sobre os enquadramentos adotados ou acerca da alegada rispidez das perguntas endereçadas a um candidato já viraram regra.

A seriedade do trabalho jornalístico é colocada em dúvida mesmo quando há cuidados a exemplo do tempo idêntico que se dedica a cada postulante durante entrevistas ou debates. É óbvio que espaços iguais (forma, grosso modo) não garantem tratamento equânime na cobertura (conteúdo). Mas negar que houve progressos no Jornalismo Político brasileiro ao longo dos últimos anos seria teimosia.

Não obstante admitir que favorecimentos deliberados ainda podem ter lugar (afinal, a complexidade do Jornalismo envolve profissionais e empresas com distintos objetivos e graus de independência), deve-se destacar que novas exigências passaram a ser feitas àqueles que têm a função de processar e de distribuir as informações de interesse público.

A cruzada empreendida por parte da imprensa nacional ao demandar de governos e instituições do Estado mais transparência e oportunidades de participação nos processos decisórios, acabou ensinando ao público que, o próprio Jornalismo também precisa aprender a aceitar críticas.

Isto é, a mesma imprensa que, de maneira acertada, reivindica plena liberdade de expressão para constranger com base legítima os representantes políticos é, agora, pressionada a prestar contas se quiser manter sua credibilidade. Representar o interesse público, enfim, pressupõe responsabilização.