Blog do Eliomar

Arquivos do autor Eliomar de Lima

Vítimas da hipocrisia que nos rodeia

187 2

Da coluna Menu Político, no O POVO deste domingo (3), pelo jornalista Luiz Henrique Campos:

A tragédia que vitimou dezenas de pessoas no último domingo em Santa Maria, no Rio Grande Sul, comoveu o País e chamou a atenção para o grave problema da falta de planos de segurança nas casas de show espalhadas pelo Brasil. Não podia ser diferente. Jovens morrerem nas circunstâncias verificadas naquele episódio mostra o quanto a vida humana é vista em segundo plano quando está em jogo a ganância por ganhar mais e mais dinheiro. Como já revelado, o ambiente estava com a sua capacidade bem acima do normal, o que já caracterizaria, em princípio, o risco iminente. Mas da mesma forma que revolta a consequência do descaso dos donos da boate com seus frequentadores, também é digno de repulsa o festival de hipocrisia que tomou conta das autoridades públicas no tratamento da questão logo nos dias seguintes a este fato.

A exigência de maior rigor nas fiscalizações em boates, e até a determinação da interdição de todas elas em várias cidades, como se viu na última semana, revela para a sociedade o quanto o ser humano é menosprezado no seu dia a dia. Ora, quer dizer que, se não tivesse acontecido nada no último domingo, todos os frequentadores continuariam sob o perigo de serem alvos ou vítimas da falta de fiscalização? E se todas foram fechadas em alguns lugares, qual foi o papel do poder público em relação a essas casas até o último domingo? O nome disso é, portanto, manipulação da opinião pública. Podem alegar que antes tarde do que nunca, mas isso só prova que, nesses lugares, nunca, de fato, se pensou em ações preventivas antes.

Da mesma forma, porém, que o poder público não pode se isentar da hipocrisia nesse caso, não se pode isentar também o cidadão comum. Os mesmos que agora se mostram tão zelosos das suas vidas, não relutam em contrariar as normas mais básicas em ocasiões onde o risco é claro. Falo, por exemplo, do consumo de bebida ao dirigir ou de outras formas de utilização dos seus veículos em vias públicas. E porque não lembrar da negação ao cinto de segurança, ou da cadeirinha de criança no banco traseiro? Poderia mostrar várias situações em que o cidadão no dia a dia infringe leis criadas para a sua própria segurança, com o simples propósito de subverter a ordem. É a famosa praxe de levar vantagem em tudo, tão típica de uma sociedade que não se respeita.

Recentemente, tivemos uma polêmica em Fortaleza onde se discutia a possibilidade da ida das duas maiores torcidas do Estado ao estádio Presidente Vargas para o confronto entre Ceará e Fortaleza. Apesar da Polícia dizer que não garantia a segurança, diversas opiniões se voltaram contra, afirmando que ali representava, na verdade, a inoperância do aparato policial. Em nenhum momento se discutiu, de fato, o risco em si. O jogo aconteceu e tudo terminou bem. Mas, e se não tivesse? Ou seja, a palavra do órgão responsável pela segurança foi praticamente ignorada. De que adiantou? Outro exemplo emblemático na Capital é o barril de pólvora no qual está inserido o Centro da cidade. O Corpo de Bombeiros já fez o alerta, mas nenhuma providência tomada. Mas o problema não diz respeito apenas ao Centro da Capital. Há unidades comerciais na cidade, grandiosas, construídas muitas ao arrepio da lei, ou se utilizando das brechas nela existentes, funcionando sem as menores condições de segurança. São verdadeiras tragédias anunciadas, que ignoram o poder público, como se fossem imunes às regras existentes na legislação. Como cidadãos, aceitamos tudo e continuamos frequentando esses lugares, dando lucro e gerando a certeza da impunidade, até sermos vítimas de uma catástrofe, quase sempre creditada ao destino, jamais de nossa hipocrisia.

PT: crítica e autocrítica

154 3

Em artigo no O POVO deste domingo (3), o psicanalista Valton de Miranda Leitão avalia o resultado do PT nas últimas eleições. Confira:

O cenário político desenhado depois das últimas eleições mostra a urgência do debate crítico e autocrítico na esquerda e principalmente no PT. O resultado do processo eleitoral embora não desfavorecendo o PT num sentido global, principalmente com a vitória na prefeitura de São Paulo, demonstra por outro lado com a derrota em grandes capitais como Fortaleza, Belo Horizonte e Recife, que o eleitorado migrou para outros partidos, principalmente para o PSB.

A arquitetura do PT fracionado entre grupos e tendências foi paradoxalmente virtude e fraqueza do partido. A virtude era inicialmente o estímulo ao debate político que cessou quando o organismo partidário passou a privilegiar os acordos eleitorais e alianças pragmáticas para alcançar o poder. Nesse sentido, abandonou a política como fizeram todos os outros partidos, para ingressar no embate eleitoral guiado pelo comércio publicitário e pelos patrocínios milionários de empresários que necessariamente exigem “caixa dois”.

Cessado o ciclo virtuoso, começa o período vicioso, no qual o poder pelo poder estimula a emocionalidade, trazendo de volta a discussão que na Revolução Francesa de 1789 opunha razão e paixão. Nessa discussão razão versus paixão, a razão costumeiramente sai perdedora. Além disso, a engrenagem do partido favorece o desenvolvimento da guerra interna de tipo paranoico, na qual o inimigo é quase sempre vivido mais intramuros do que no combate social-objetivo.

Isso deixou o campo livre para que o julgamento político-midiático do chamado mensalão produzisse os efeitos desejados pela direita, manipulando habilmente a ética de superfície da classe média ao lado de uma jurisprudência autoritária, oscilando entre o cômico e o técnico. Nesse sentido, a igualdade de poderes aparentemente é alterada a favor do Judiciário, copiando o modelo norte-americano. Além disso, o uso abusivo da mitologia Lula acaba por levar à crença mágica no fetiche, combinado com acordos empobrecedores da práxis política.

O sintoma mais grave do empobrecimento da política é a fuga dos intelectuais, seja para a descrença niilista ou direitismo aberto. Não existe transformação política sem teoria, tanto no confronto entre posições ideológicas, quanto na luta interna. A esquerda e o PT desprezaram seus intelectuais orgânicos que não encontram abrigo no pragmatismo da combinatória mercado e partido. O caminho também frequente do pensamento sectário do esquematismo direita versus esquerda ou proletariado contra burguesia, não alcança a complexidade da cultura contemporânea manipulada pela mídia e sistema informacional eletrônico.

Tal dispositivo favorece o investimento do eleitorado em personalidades narcisistas e oligarquias que opõem habilmente a ética da competência à ética da fé do radicalismo de esquerda (Weber). O processo político cearense não foi essencialmente diferente do ocorrido no País, mas aqui as fraturas tanto no PT quanto na base aliada do governo Dilma ainda não foram superadas. A crise estrutural do capitalismo e a nova configuração política exigem o retorno ao debate.

Projeto proíbe propaganda eleitoral em vias públicas

193 1

O Projeto de Lei 4607/12, do deputado Danrlei de Deus Hinterholz (PSD-RS), estabelece requisitos para a realização de propaganda eleitoral com a finalidade de controlar a poluição visual e sonora e evitar a sujeira que se acumula nas cidades durante o período eleitoral. A proposta proíbe a pintura em muros, o uso de cavaletes, bonecos, cartazes e bandeiras ao longo das vias públicas.

“Existe um clamor nacional para se acabar com esta prática, que além de muito custosa aos candidatos, polui, enfeia e cria diversos riscos às cidades, visto que os mesmos, via de regra, atrapalham os motoristas em cruzamentos e ao longo das vias, servem de abrigo a meliantes que cometem delitos nas ruas, além de virarem toneladas de lixo após o período eleitoral”, afirma o autor.

Além disso, o projeto proíbe o uso de alto-falantes ou amplificadores de sonorização móvel. A utilização é apenas permitida em comícios, no horário entre 8 e 24 horas.

Já a veiculação de propaganda eleitoral em bens particulares deve ser espontânea e gratuita. De acordo com o projeto, é permitida a fixação de faixas, cartazes, desde que não excedam a quatro metros quadrados.

Pelo descumprimento da lei o candidato estará sujeito à multa, que varia de R$ 2 mil a R$ 8 mil, sendo aplicada em dobro em caso de reincidência.

(Agência Câmara de Notícias)

Número de jovens mortos em incêndio em Santa Maria sobe para 237

O número de mortos no incêndio na Boate Kiss, Santa Maria (RS), subiu para 237. Internado no Hospital de Clínicas de Porto Alegre, Bruno Portella Fricks, 22 anos, teve a morte confirmada por volta das 22h desse sábado (2).

Bruno foi a terceira vítima do incêndio a morrer em hospitais do Rio Grande do Sul. O restante das vítimas morreu na hora do incêndio. De acordo com a Secretaria de Saúde do Rio Grande do Sul, 101 pacientes permanecem internados em cinco cidades gaúchas. A maior parte está em Porto Alegre, que concentra 50 pacientes, dos quais 30 em ventilação mecânica.

Há ainda 46 pacientes internados em Santa Maria (seis em ventilação mecânica), três em Canoas (dois em ventilação mecânica), um em Caxias do Sul e um em Ijuí, que estão sem ventilação.

De acordo com sobreviventes, o fogo foi provocado por artefatos pirotécnicos usados no palco da casa noturna durante apresentação da banda Gurizada Fandangueira. Em número de mortos, o incêndio na Boate Kiss foi o segundo pior da história do Brasil. Em 1961, um incêndio do Gran Circus Norte-Americano, em Niterói (RJ), resultou na morte de 500 pessoas.

(Agência Brasil)

Associação fez até festas com nome de candidato

352 10

Fundada pelo hoje vereador Eulógio Neto (PSC), a associação comunitária Grupo Solivida recebeu no ano passado R$ 218 mil da Prefeitura de Fortaleza para realizar duas festas. Além do valor destinado aos eventos, outro detalhe chama a atenção: ambas remetem ao nome do vereador que as articulou. Ao todo, R$ 153 mil dos cofres públicos financiaram o “8º Arraiá do Cumpade Eulógio” e R$ 65 mil o bloco de Pré-Carnaval “Elógico que eu vou”. Mesmo com o patrocínio, as festas ainda tiveram apoio de empresas, distribuição de bebidas alcoólicas e até venda de abadás.

Na última quinta-feira, 31, O POVO visitou a sede do Grupo Solivida, no Conjunto Ceará, atrás de mais informações sobre os convênios. O saguão de entrada, até então bastante movimentado, se esvaziou rapidamente após a chegada da reportagem.

A equipe aguardou por Estefânio Melo, irmão de Eulógio e atual presidente do Solivida, por cerca de vinte minutos, mas os funcionários afirmaram que “não conseguiram localizá-lo”. Nas paredes da associação, figuravam diversas fotos de Eulógio Neto em festas, eventos de distribuição de alimentos e palanques políticos.

Mais tarde, a reportagem procurou o vereador na própria Câmara Municipal. Eulógio Neto, que já estava ciente da visita ao Solivida, defendeu que a instituição é “cem por cento legalizada”, negando que o instituto tenha recebido verbas públicas.

“Se o jornal quiser ir lá, pode falar comigo que eu mesmo mostro os projetos que o Solivida toca. Mas não posso falar pela instituição, já que não sou mais o presidente há um bom tempo”, disse.

Antes de terminar a conversa, no entanto, Eulógio avisa: “esse tipo de reportagem, sobre associação, não é legal, não. E a legislatura tá começando agora, ainda tem quatro anos por aqui… Eu não estou ameaçando…”.

Outras associações

Situações inusitadas envolvendo associações não se limitam ao caso do Solivida. No Parque Presidente Vargas, o “Centro de Apoio ao Cidadão”, do vereador Antônio Henrique (PTN), virou referência até para o trânsito da região. Ligado à associação dos moradores do Parque Presidente Vargas, a entidade é amplamente conhecida na região e oferece desde aplicação de flúor até cortes de cabelo.

O vereador, no entanto, nega ter qualquer relação com a entidade, apesar de ter apresentado R$ 280 mil em emendas para ela – como informa a Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2012 – e de publicar dezenas fotos do local em sua página de Internet. “Convivemos com o trabalho e achamos que é positivo. O dinheiro é público e a emenda é do vereador”, diz.

Com sede no Conjunto José Walter, o instituto Ação Pela Vida também é popularmente associado ao vereador Gelson Ferraz (PRB). A associação, que traz diversas fotos do parlamentar em sua página de Internet como seu “idealizador”, recebeu indicações de mais de R$ 455 mil em emendas e firmou convênios no valor de cerca de R$ 453 mil.

(O POVO)

Associação de esposa de ex-vereador recebeu R$ 1,1 milhão

A associação de Santo Antônio – Casa da Vovó Marieta, ligada ao ex-vereador Machadinho Neto (DEM), recebeu mais de R$ 1,1 milhão da Prefeitura de Fortaleza em 2012.

A maioria dos pagamentos foi referente à realização de cirurgias de média complexidade em idosos, através do Sistema Único de Saúde (SUS).

A entidade, que se declara sem fins lucrativos, se dedica a tratar de idosos carentes e é presidida por Ruthmar Xavier, esposa de Machadinho Neto. Na última eleição, Ruthmar tentou se eleger vereadora pelo PMN, sem sucesso.

(O POVO)

“A Casa de leis não valoriza as próprias leis que fez”

128 1

chico alencar deputado Psol

Candidato do Psol à presidência da Câmara, o deputado Chico Alencar (Psol-RJ) defende que o Congresso aplique internamente as próprias leis que aprovou. Na linha de entidades que pedem a aplicação da Lei da Ficha Limpa para a escolha do presidente das duas Casas, Chico entende que os parlamentares precisam valorizar e colocar em prática as propostas aprovadas.

“É um paradoxo, a Casa de leis não valoriza as próprias que fez, nem os preceitos constitucionais”, afirmou. Ele citou, além da Ficha Limpa, também a lei que criminalizou a compra de votos. Ambas surgiram como propostas de iniciativa popular. Após ampla mobilização da sociedade, elas foram aprovadas por deputados e senadores.

“Precisamos aprovar a reforma política. A independência do Legislativo para, primeiro, não ficar mais legislando nas medidas provisórias, mas estabelecer prioridade para projetos da própria Casa. A Lei Orçamentária Anual precisa ser mais realista, para os parlamentares não ficarem barganhando emendas pessoais. Na transparência, precisamos colocar cada centavo que a Casa e os deputados gastam na internet todo mês”, comentou o deputado.

(Congresso em Foco)

Cid Gomes forma turma de 923 policiais militares

163 6

O governador Cid Gomes participa nesta terça-feira (5), a partir das 9 horas, no Centro de Eventos do Ceará (CEC), da formatura de 923 policiais militares que reforçarão a segurança no interior do Estado.

Os novos policiais fazem parte da primeira turma do concurso de 2011, que ainda contará com mais duas formações. A segunda turma está prevista para 2013 e a última turma para 2014.

Em seguida, o governador se reúne, durante almoço no Palácio da Abolição, com deputados estaduais.  Já o secretário estadual do Planejamento e Gestão do Ceará, Eduardo Diogo, vai à Assembleia Legislativa fazer a leitura, no lugar de Cid, da mensagem governamental.

Como o dinheiro público ajuda a eleger vereadores

319 8

ricardo rocha MPCE

Promotor Ricardo Rocha

Atendimento de saúde, distribuição de alimentos, eventos esportivos, festas e até translado para hospitais – tudo grátis e perto de quem mais precisa. O cenário é rotina em qualquer uma das dezenas de associações comunitárias espalhadas por Fortaleza. Em alguns casos, o suposto gesto de caridade é, na verdade, estratégia que se consolidou como trampolim para a política local. Na linha cada vez mais tênue entre o público e o privado, o antigo vereador de bairro se reinventa: agora é, também, dono de associação.

O assistencialismo bancado por políticos não configura, por si só, irregularidade. “O problema é que a maioria dessas associações é mantida quase que exclusivamente por dinheiro público, e com o objetivo de promover politicamente o parlamentar que exerce controle sobre ela. Aí sim é uma complicação”, explica o promotor de Justiça Ricardo Rocha, do Ministério Público Estadual.

E são diversos os caminhos percorridos pelas associações para abocanhar fatias do dinheiro do contribuinte. Na maioria dos casos, as entidades recebem emendas apresentadas pelos próprios vereadores, liberadas pela Prefeitura. Outra forma de financiamento público é em convênios entre o Município e as associações – muitas vezes quitados com notas fiscais falsas, segundo investigações do Ministério Público.

Reação

Na última semana, o MP moveu ação contra o vereador Leonelzinho Alencar (PTdoB), acusado de enriquecimento ilícito por repasses de recursos municipais para o instituto Jader Alencar. A entidade, ligada à família do vereador e presidida pelo seu tio, Solinésio Alencar, recebeu – apenas em 2011 – cerca de R$ 270 mil em convênios com a Prefeitura. Em toda a Grande Messejana, a imagem do instituto é diretamente relacionada ao parlamentar.

O caso de Leonelzinho está longe de ser isolado. Ao longo da última semana, O POVO investigou associações comunitárias que firmaram convênios com a Prefeitura de Fortaleza ou que foram agraciadas por emendas parlamentares de vereadores do Município. Atuando no vácuo gerado pela ausência do governo, as associações forçam vínculos com a população carente, através da prestação de serviços que deveriam ser garantidos pelo Estado.

São muitas as situações inusitadas: micaretas, arraiás e até cursos de costura e culinária. Em pelo menos oito dessas associações, são expressivas ainda as evidências de uso das entidades para a promoção política de candidatos à Câmara Municipal. No final das contas, toda a fatura acaba indo parar direto no bolso do fortalezense.

(O POVO)

Prioridade duvidosa

195 4

acquário

Da coluna Concidadania, no O POVO deste domingo (3), pelo jornalista Valdemar Menezes:

Já está mais do que evidente que a construção do Acquário divide a opinião pública. Como o dinheiro e a iniciativa são do governo estadual, seria prudente e democrático que os cearenses como um todo (e não apenas os fortalezenses) opinassem sobre a questão, através de um referendo para saber, exatamente, se consideram a obra uma prioridade para o Ceará, neste momento.

Antes, será necessário conhecer com detalhes se o retorno será realmente compensatório, depois de avaliados igualmente os presumíveis altos custos da manutenção (só para alimentar peixes de grande porte – vai ter até tubarão -, estima-se que os custos não serão desprezíveis).

Os cidadãos precisam saber com segurança quanto tempo se levará para que os recursos financeiros empregados na obra sejam recuperados. Nada mais democrático e racional, pois qualquer erro recairá nos ombros das próximas gerações.

Acusados de estupro coletivo na Índia se declaram inocentes

Cinco homens acusados pelo estupro coletivo e o espancamento de uma jovem na Índia se declararam inocentes. O crime, cometido dentro de um ônibus na capital indiana Nova Delhi, causou revolta e protestos no país.

A jovem foi lançada para fora do veículo em movimento depois de ter sido violentada e espancada com barras de ferro e acabou morrendo em consequência dos ferimentos.

Os réus assinaram declarações nas quais se disseram inocentes, depois de formalmente acusados em um julgamento de rito sumário. O tribunal ouvirá depoimentos de testemunhas a partir de terça-feira (5). A promotoria disse que convocará três testemunhas. Um sexto suspeito, que é menor de idade, será julgado por um tribunal juvenil.

Na sexta-feira (1º), o governo da Índia aprovou a maior parte das recomendações de uma comissão formada para revisar casos de crimes sexuais, formada após o caso do estupro coletivo no ônibus.

(Agência Brasil)

Fiscalização e segurança

Em artigo no O POVO deste sábado (2), o presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes no Ceará (Abrasel-CE), Ivan Assunção, critica a falta de fiscalização do poder público e o excesso da burocracia. Confira:

Estamos em um país no qual alguns vereadores, deputados e senadores, despreparados, tentam mostrar serviço criando leis com impacto econômico e social negativo. Muitas vezes, os eleitos pelo povo legislam em causa própria. Mas de nada adiantam as leis se não houver quem fiscalize. A partir do momento em que não existe essa fiscalização, cria-se margem para o jeitinho brasileiro entrar em ação.

Em nosso segmento, de bares e restaurantes, a fiscalização existe, mas a velocidade e o rigor nunca são dosados da forma correta. Chega-se ao extremo de casas terem que aguardar a liberação de alvarás por mais de um ano, e acabam iniciando suas atividades sem todas as licenças necessárias. Em outros casos o rigor insuficiente beneficia os infratores, e o exagerado pune os que têm interesse de trabalhar dentro da legalidade.

Tive oportunidade de conversar com empresários do setor que acabaram de receber fiscalizações severas motivadas pela tragédia, em Santa Maria, que abateu o País. Saíram reclamando que o estabelecimento tinha uma jardineira na calçada. E os que tentam resolver suas pendências esbarram numa máquina administrativa despreparada.

A fiscalização em todo segmento de alimentação e entretenimento para garantir a segurança dos frequentadores deveria ser feita de forma contínua e eficiente (de preferência por uma equipe única e polivalente) que abrangesse todos os registros, licenças e alvarás necessários. Dessa forma ganharíamos velocidade na abertura de novos negócios e a população usufruiria de ambientes mais seguros.

A Abrasel levanta como principal bandeira a formalização de todo o setor, e o seu crescimento através ações sustentáveis. Orienta a todos os estabelecimentos que estejam em dia com suas obrigações e lutem por nossos direitos, mas a cada dia que passa isso fica mais difícil num país no qual os órgãos públicos estão desestruturados, desconectados entre si, e pautados, muitas vezes, em leis antigas e mal formuladas que não correspondem à realidade.

54 denúncias indicam o caminho do lixo em Fortaleza

199 4

Os contrastes de Fortaleza se dissolvem quando o assunto é lixo. Pontos de resíduos e entulhos nas vias da capital cearense foram as ocorrências com a maior frequência de denúncias na última semana. Os relatos foram feitos pelos internautas do O POVO Online no mapa colaborativo “Lixo em Fortaleza: aqui tem aos montes.”

Com 7.196 visualizações e 54 denúncias, o caminho do lixo foi traçado em locais como a Barra do Ceará, Parque Araxá, Cidade 2000, Praia de Iracema, Praia do Futuro, Aldeota, Papicu, Bom Jardim e Serrinha. O mapa colaborativo faz parte da série de reportagens publicadas entre segunda-feira, 28, e sexta-feira, 1º, no Portal, com o tema “Lixo em Fortaleza.”

Uma dos relatos foi feito pela internauta identificada por Deba. Segundo ela, na Cidade dos Funcionários, próximo à avenida Oliveira Paiva, moradores depositam lixo residencial, entulhos e outros tipos de dejetos sólidos. “Não há espaço para calçada de pedestre, obrigando as pessoas a andarem na rua.”

De quem é a culpa?
O diretor do Sindicato das Empresas de Reciclagem de Resíduos Sólidos Domésticos e Industriais do Ceará, Marcos Augusto Nogueira, considera que a geração de resíduos é de responsabilidade do gerador. “As ruas, com grande quantidade de resíduos; a população está desorientada. Não existem condições adequadas para a coleta e triagem dos resíduos recicláveis. Os catadores, as associações e as cooperativas continuam desassistidos e, por fim, os nossos aterros ainda carecem de instalações adequadas.”

Em contrapartida, o superintendente da Ecofor Ambiental, empresa que coleta lixo em Fortaleza, João Júlio Sombra, explica que a Prefeitura dispõe de ferramentas para que os resíduos sejam recolhidos das vias. Ele dá os exemplos de caminhões, lixeiras e servidores que fazem a varrição e limpeza. “A Prefeitura mantem todos estes dispositivos, mas as pessoas não usam.”

(O POVO)

Tremor de 6,9 graus na escala Richter atinge ilha no Japão

Um violento tremor de terra, de magnitude 6,9 graus na escala Richter, atingiu neste sábado (2) a ilha setentrional japonesa de Hokkaido. Até o momento, não há indicações sobre vítimas e estragos materiais, informou o Centro Geológico Norte-Americano (USGS), em Washington.

De acordo com o USGS, o tremor ocorreu às 23h17 – hora local, a uma profundidade de 103 quilômetros.

O epicentro ocorreu a 15 quilômetros a noroeste de Obihiro e a 22 quilômetros a sudoeste de Orofuke. Não foi emitido qualquer alerta de tsunami.

(Agência Brasil)

Orçamento de 2013 deve ser votado no dia 5

O relator do Orçamento da União de 2013, senador Romero Jucá (PMDB-RR), anunciou a votação da matéria para a noite da próxima terça-feira (5).

Jucá disse que a votação da proposta orçamentária é resultado de um acordo entre todos os partidos, inclusive a oposição, feito em dezembro de 2012, quando a votação foi adiada após o embate político no Congresso em torno da análise de vetos presidenciais.

(Agência Senado)

No Brasil, dor nas costas é uma das principais causas de aposentadoria por invalidez

Dados do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) mostram que a dor nas costas está entre as principais causas de aposentadoria por invalidez no Brasil. Entre janeiro e novembro de 2012, mais de 116 mil pessoas receberam auxílio-doença por esse motivo. O presidente da Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna (ABRC), Helder Montenegro, diz que o problema vem afetando cada vez mais mais cedo a população.

“Alguns estudos mostram que [o problema] é a geração computador, jovens que trocaram a prática esportiva pelo computador, assim como as profissões, em sua maioria, facilitam que a pessoa fique mais tempo sentada; essa não é uma posição boa, há uma sobrecarga muito grande na coluna, principalmente quando não se senta corretamente”, disse o especialista. Ele cita o sedentarismo, a má postura, a obesidade e o fumo como fatores que podem causar dor nas costas.

De acordo com Montenegro, a famosa caminhada não é suficiente para fortalecer os músculos da coluna e evitar as dores. “Existem músculos que precisam de determinadas técnicas para serem trabalhados, isso se faz com o pilates e a musculação, desde que haja profissionais capacitados”.

Com o objetivo de prevenir o problema, a Abrc e o Instituto de Tratamento da Coluna Vertebral (ITC) estão lançando hoje (2) , no Parque da Cidade, em Brasília, a Campanha Nacional Alerta para Prevenção de Dores nas Costas. A programação inclui a distribuição de cartilhas com exercícios que mostram hábitos posturais que fazem mal à coluna, além de consultas gratuitas de pressão arterial, demonstração de exercícios e orientações de fisioterapeutas.

Segundo Montenegro, o maior objetivo da campanha é divulgar os exercícios específicos para a coluna. “Nós estamos tentando massificar esses exercícios, divulgá-los para o Brasil inteiro”.

(Agência Brasil)