Blog do Eliomar

Arquivos do autor Eliomar de Lima

Descoberta da UFC ajuda no combate ao câncer de mama

“Para vencer o inimigo é preciso conhecê-lo, saber onde ele se esconde. E, em se tratando de câncer de mama, o mal pode estar restrito ao seio (é o que a medicina chama de crescimento local) ou se desenvolver também na axila (crescimento locorregional) e ir além, alojando-se em ossos, pulmões, fígado e até cérebro (metástase à distância). Pesquisa do Grupo de Educação e Estudos Oncológicos da Universidade Federal do Ceará (Geeon-UFC) segue os passos do câncer de mama e descobre um caminho que avança no diagnóstico. Em fase de testes com seres humanos, o estudo já contribui para o tratamento da doença que mata 35% dos pacientes com câncer de mama tratados no Hospital das Clínicas (HC).

A pesquisa do Geeon-UFC rastreia o linfonodo sentinela, espécie de gânglio linfático – imagine um canal de passagem para a primeira metástase. Para alcançá-lo a tempo de menos mutilações, antes que as células cancerígenas sigam para a axila, corantes e substâncias radioativas são comumente usados na identificação do linfonodo . Na contramão dessa investigação do gânglio podem acontecer reações alérgicas, “inclusive, fatais”, e se ter um custo “muito alto, em torno de R$ 800 (exame)”, pondera o médico Luiz Gonzaga Porto Pinheiro, presidente do Geeon-UFC.

Em par com o médico Paulo Henrique Diógenes Vasques, Porto coordena o estudo que descobriu um meio mais seguro e barato de investigar o linfonodo sentinela. Utilizando um derivado do sangue da própria paciente, os especialistas perceberam que o linfonodo sentinela é marcado da mesma maneira de quando se usam os corantes ou radioativos.

A conclusão veio com a repetição do método em 30 cadelas, durante 18 meses (entre 2010 e 2011). Foi o primeiro estágio da pesquisa, já reconhecido em publicações internacionais – a exemplo do site norte-americano Tree of Medicine (www.treeofmedicine.com).

Este ano, com financiamento do Banco do Nordeste e autorização do Comitê de Ética em Pesquisas com Seres Humanos, o Geeon iniciou os testes em mulheres. São oito pacientes, “até agora, com resultados satisfatórios”, informa Luiz Porto. O novo rastreador, derivado do sangue, vem se confirmando eficiente e ainda dá carona a outra boa notícia: “Além dele marcar colorido, também ativa o linfonodo para ser detectado por ressonância nuclear magnética. No futuro, não será mais necessário tirar o linfonodo (para biópsia); será detectado pelo exame de ressonância”, projeta Porto.

A pesquisa em seres humanos precisa de, pelo menos, três vezes mais pacientes para se validar. A previsão de Luiz Porto é que se alcancem os números entre seis meses a um ano. Em 2012, estima o médico, 200 novos casos de câncer de mama devem surgir para atendimento no HC: “Dá uma média de 15 casos novos por mês. Desses, pelo menos 2 casos se prestam para pesquisa. Então, esperamos que, em um ano, façam 24 casos”.

A investigação do linfonodo sentinela é significativa na fase inicial da doença. O teste vai dizer ao médico “se a axila está livre, ou não”, explica Luiz Porto. “Se a paciente não tem metástase axilar, a chance de cura é maior”, completa. E isso vai se refletir também em menores mutilações e menos consequências. O esvaziamento da axila pode provocar, por exemplo, surtos de erisipela (infecção da pele) ou inchaços no braço.

A pesquisa do Geeon-UFC une esforços para um tratamento menos doloroso do câncer de mama. Por se valer de um derivado do sangue da paciente, “o risco de haver uma reação é mínimo”, ratifica Luiz Porto. Mas lembre-se: para vencer o inimigo, é preciso conhecê-lo. “O objetivo principal da medicina é levar o diagnóstico para a fase inicial. Porque as mutilações serão menores, a curabilidade é muito mais alta e o sofrimento da paciente é muito menor”, reforça o médico, a importância do diagnóstico precoce.”

(O POVO)

Feriadão com 49 mortes no Ceará

“O fim de semana prolongado terminou com o registro de 49 mortes violentas no Ceará, aponta levantamento do jornal O POVO. Foram 45 vítimas fatais de assassinatos, afogamentos, acidentes de trânsito e outras fatalidades entre a noite da última sexta-feira, 27, e a tarde desta terça-feira, 1 de maio.

Segundo informações da Polícia Militar, foram 27 homicídios na Região Metropolitana de Fortaleza e seis no Interior. Houve 13 mortes no transito, um caso de afogamento em Messejana, uma vítima de choque elétrico e outra de desabamento de um muro no Conjunto São Miguel, Caucaia, na Região Metropolitana.

O acidente no muro, no domingo à noite, matou o garoto Marlon da Silva Ribeiro, 11 anos. Ele e outras duas crianças estavam brincando quando uma delas subiu no muro, que desabou sobre Marlon. Em Umirim, 110 km de Fortaleza, Carlos David Pinto da Silva morreu após receber uma descarga elétrica.

Duplo homicídio

A Polícia registrou dois duplos homicídios na Região Metropolitana de Fortaleza durante o fim de semana. As vítimas foram executadas com tiros de revólver. Um dos casos foi registrado em Caucaia, 16 km de Fortaleza.

Na manhã de domingo, 29, os corpos de Jonathan Silva Oliveira, 21, e de Leydiane da Silva Menezes, 18, foram encontrados dentro de sacos de ração crivados de bala. Jonathan respondia processos na Justiça. Os corpos estavam na comunidade Minguaú, às margens da BR-020.

O outro caso foi no bairro Maraponga, em Fortaleza. No sábado, 28, um jovem de 19 anos e um adolescente, 14, foram assassinados a tiros de revólver na rua Maria de Lourdes. Um policial e um comerciante foram mortos nesta terça-feira. Um homem vestindo palitó invadiu o comércio e matou os dois.

No Interior do Estado, os homicídios aconteceram nos municípios de Cascavel, Redenção, Acarape, Juazeiro do Norte, Barbalha e Tianguá.

Mortes no trânsito

Entre as 13 mortes no trânsito estão quatro casos envolvendo motos que aconteceram e entre a noite da última segunda-feira, 30, e a tarde desta terça-feira, 1. Entre as vítimas está o gráfico do O POVO Wallison Costa de Freitas. A moto na qual viajava foi colhida por um carro. Outra vítima foi um empresário dono de uma revenda de motos.”

(O POVO Online)

Brasil precisa de reformas para superar pobreza extrema

601 1

A redução da pobreza e da desigualdade social no país vem sendo sustentada pelo êxito de sua economia, disse à Agência Brasil o presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Marcio Pochmann. Ele lembrou que a chave desse sucesso decorreu da implementação de políticas de transferência de renda.

Ao participar de seminário Desenvolvimento Sustentável, preparatório para a Rio+20, no Palácio da Cidade, ele disse que, apesar dos êxitos obtidos, será muito difícil ao Brasil superar a pobreza extrema sem que sejam aprovadas  no Congresso Nacional as reformas necessárias à manutenção do desenvolvimento, entre elas a tributária e a agrária.

O economista lembrou que existem ainda hoje, no país, cerca de 16,2 milhões de pessoas que vivem em situação de extrema pobreza – o que significa que elas vivem com apenas R$ 72 por mês, ou o equivalente a R$ 2 por dia.

“A estrutura fundiária do Brasil é hoje pior do que em 1920. Atualmente, 40 mil proprietários rurais concentram 50% das áreas agricultáveis do país. Também é preciso acabar com essa lógica perversa que impera no país, em que os mais pobres são exatamente os que pagam mais impostos”, denunciou.

O economista do Ipea lembra que o governo tem no Brasil sem Miséria um importante aliado para obter êxito na redução da miséria extrema. “O programa é dividido em três pilares importantes: transferência de renda, adoção de programas de educação e a universalização dos serviços do estado (acesso à energia elétrica, água encanada, habitação e uma série de serviços que são fundamentais principalmente para a parcela mais pobre da população), disse.

(Agência Brasil)

Senadora do PCdoB defende redução da jornada de trabalho

119 3

Ao relembrar as lutas históricas dos trabalhadores por seus direitos, a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) disse que ainda há muitos benefícios a serem assegurados, em especial a redução da jornada de trabalho – das atuais 44 horas para 40 horas semanais. A mudança, avaliou, ajudaria a combater o desemprego.

– Vejo a crise econômica vivida no mundo e no Brasil não só como uma janela para mudar alguns conceitos da política macroeconômica aplicada há algum tempo, mas também para mudar algumas questões estruturais. E uma delas, sem dúvida, seria a diminuição da jornada de trabalho – disse a senadora durante pronunciamento em homenagem ao Dia do Trabalho.

Segundo a senadora, estudo do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) mostra que com a redução da jornada seriam criadas cerca de 2,5 milhões de novas vagas de trabalho. A medida ainda poderia elevar a formalização nas relações de trabalho e diminuir o número de horas extras, algo que a seu ver é desgastante para a maioria que acaba se submetendo a tais condições por imposição dos patrões.

A adoção das 40 horas – que opõe sindicatos dos trabalhadores e patronais – também poderia contribuir para diminuir o volume de doenças laborais. Vanessa aproveitou para defender a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), “essencial para proteger o lado mais fraco da relação de trabalho”.

(Agência Senado)

Centrais sindicais marcam reunião com Dilma para discutir juros

O presidente da Força Sindical, deputado federal Paulo Pereira da Silva, informou hoje (1º) que dirigentes das centrais sindicais vão se reunir na próxima quinta-feira (3) com a presidenta Dilma Rousseff para discutir os juros bancários. Paulinho, como é conhecido, participou da comemoração do Dia do Trabalho organizada por cinco centrais sindicais, na Praça Campo de Bagatelle, zona norte de São Paulo.

Esta é a 15 ª edição da festa das centrais sindicais que, este ano, tem o lema “Desenvolvimento com menos juros, mais salários e empregos”. Entre as bandeiras do sindicalismo estão a defesa da indústria nacional e do emprego; aumento real de salários; redução da jornada para 40 horas semanais; trabalho decente; fim do fator previdenciário; aumento real dos benefícios dos aposentados que ganham acima de um salário mínimo; igualdade de salários para homens e mulheres que exercem as mesmas funções; qualificação profissional; e reforma agrária. Para atrair o público, a centrais sindicais contrataram músicos conhecidos e estão sorteando ao longo do dia 15 automóveis zero quilômetro.

O sindicalista ressaltou que uma das questões que incomodam os sindicalistas é a que chamou de “fábrica de sindicatos”, ou seja, a facilidade para que sejam criadas repreentações classistas no país. “Isso enfraquece o movimento e precisamos tratar disso com o novo ministro do Trabalho [Brizola Neto] assim que ele assumir. Queremos resolver isso com critério. Queremos criar algumas regras para impedir essa indústria de sindicatos”.

Racha no PDT

O presidente da Força Sindical disse também que é normal que haja algum racha no partido dele, o PDT, por causa da indicação de Bizola Neto para assumir o Ministério do Trabalho e Emprego. “Como havia três nomes [do partido na disputa pelo cargo] é normal que haja divergência na indicação de um deles. Qualquer um que fosse indicado teria problema, então, agora cabe a nós tentar consertar esse problema nos próximos dias”.

A nomeação de Brizola Neto, na avaliação de Paulo Pereira da Silva, mostra que a presidenta entendeu as reivindicações das centrais sindicais, que defendiam a escolha de um nome que tivesse boa relação com o movimento sindical.

(Agência Brasil)

Ex-tassista, Cirilo Pimenta disputará em Quixeramobim pelo PSD de Cid Gomes

167 1

Em entrevista à equipe de jornalismo do Sistema Maior de Comunicação, o deputado estadual Cirilo Pimenta (PSD), que assume vaga por 120 dias na Assembleia Legislativa, reiterou que é pré-candidato a prefeito de Quixeramobim.

“Sou pré candidato, mas a decisão de nossa candidatura será confirmada na convenção do Partido. A gente tem discutido com a comunidade, com os partidos aliados e com as lideranças comunitárias projetos que continuem sendo atrativos no município de Quixeramobim”, disse.

Um dos principais nomes cogitados nos bastidores políticos como pré candidato pelo lado da oposição é o do médico e ex-deputado estadual Rômulo Coelho, que integra o PSB, partido que tem o governador Cid Gomes como presidente no Estado.

Cirilo Pimenta, ex-presidente regional do PSDB, agora pertence ao PSD, legenda alternativa do esquema político do governador.

Tiririca é 100% presença na Câmara

“Tiririca participou de todas as 107 sessões no plenário da Câmara em 2011. É verdade que foi uma presença silenciosa, afinal, ele ainda não discursou como deputado.

Mas se a timidez impede Tiririca de discursar, pelo menos na frequência ele vem se mantendo no topo: em 31 sessões realizadas na Câmara nestes quatro primeiros meses do ano, Tiririca esteve em todas.”

(Veja Online)

Dono da revenda Suzuki morre em acidente de moto

O empresário Flávio de Paiva Melo, dono da RDM Motos, concessionária Suzuki, em Fortaleza, morreu na tarde desta terça-feira (1º) em um acidente de moto na CE 040, KM 72, em Beberibe, 83 km da capital.

O empresário voltava de um passeio de moto com um grupo de motociclistas quando saiu da pista em uma curva. O grupo voltava de Icapuí.

A concessionária Suzuki, na avenida Antônio Sales, foi inaugurada em 2010. Flávio era apaixonado por motos.

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) e a PRE registraram 29 acidentes nas estradas cearenses entre as 7 horas dessa segunda-feira (30) e as 15horas desta terça-feira. Os acidentes deixaram 14 pessoas feridas e três mortas.

(O POVO Online)

“Os Vingadores” – Maior estreia do ano nas telas do Brasil

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=xy9Wntkb7KU[/youtube] 

“Os Vingadores” teve a maior estreia do ano nos cinemas brasileiros. O filme bateu a marca de 1,5 milhão de espectadores entre sexta-feira e domingo segundo a Rentrak. Ficou na frente de American Pie, líder de bilheteria na semana passada, com público de 199 200 pessoas.

Outra estreia da semana, Sete Dias com Marilyn teve público baixo – apenas 28 400 espectadores em três dias.

(Radar – Lauro Jardim)

Hemoce ganha certificação ISO 9001

O Centro de Hematologia e Hemoterapia do Ceará (Hemoce) acaba de receber  a certificação ISO 9001, versão 2008, para o ciclo do sangue do hemocentro coordenador de Fortaleza, informa a assessoria de imprensa do órgão. A instituição certificadora reconheceu o nível de excelência dos processos de captação, triagem, coleta, processamento, sorologia, imunohematologia, armazenamento, transporte, ambulatório de transfusão e distribuição de sangue adotados pelo Hemoce.

Foram quatro anos de preparação, desde a contratação de consultoria, adoção de métodos e rotinas com foco na qualidade e capacitação de profissionais, até a auditoria realizada pela certificadora.

ISO 9001

A ISO 9001 é uma norma internacional que estabelece requisitos para o Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) de uma organização. A ISO 9000 designa um grupo de normas técnicas que estabelecem um modelo de gestão da qualidade para organizações em geral, qualquer que seja o seu tipo ou dimensão.

Presidente da Fiec está otimista com economia do País

Para o presidente da Federação das Indústrias do Ceará (Fiec), Roberto Macedo, a economia mundial começa a reagir.

Os EUA dão sinais de estabilização e a Europa começa a respirar recuperação. Com isso, ele avalia que o Brasil pode fechar 2012 com crescimento de 5%, até porque o governo federal vem adotando medidas preventivas.

Robeto Macedo comemora, por exemplo, a queda na taxa de juros. Mas, claro, torce para que essa redução não pare. Espera também que o programa “Brasil Maior”, lançado para incrementar a indústria, apresente resultados.

Categorias profissionais conseguem aumentos reais que superam níveis de 2011

Categorias profissionais com data-base para renovação de acordos e convenções coletivas nos primeiros quatro meses do ano estão conseguindo conquistar aumentos reais de salário que chegam a superar os níveis registrados em igual período de 2011. Isso, mesmo com a redução do ritmo de crescimento econômico.

Na Bahia, cerca de 35 mil operários da construção pesada, infraestrutura e montagem industrial convenceram as construtoras a conceder aumento real de 4,77%, depois de 17 dias de greve. Em São Paulo, 42 mil químicos do setor farmacêutico fecharam acordo com os laboratórios que prevê aumento real de 2,41%, um ponto porcentual acima do índice conquistado no ano passado.

Para economistas, o cenário continua favorável aos reajustes, independentemente do agravamento da crise na zona do euro e da desaceleração da economia brasileira neste início de ano. Entre os pontos que facilitam o trabalho dos sindicatos em 2012 estão os índices de preços bem comportados até agora.

Em março, a inflação acumulada em doze meses, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), usado como parâmetro nas negociações entre empregados e patrões, estava em 4,97%. Foi a menor variação de preços registrada para o período depois de março de 2007, quando ficou em 3,29%. “Quanto mais baixa a inflação, mais fácil é a obtenção de aumento real de salário”, diz José Silvestre, coordenador de relações sindicais do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

Na média, a inflação para as datas-base em 2012 vai girar em torno de 5%, abaixo do ano passado, quando foi superior a 5%, frisa Silvestre. A política de redução de juros adotada pelo Banco Central (BC) também é positiva, segundo o técnico.”

(Com Veja.com)

Festa pelo Dia do Trabalho com jeito de Quixadá

A Assembleia Legislativa vai comemorar nesta quinta-feira o Dia Mundial do Trabalho. A sessão solene ocorrerá no Plenário 13 de Maio, a partir das 15 horas, atendendo a requerimento da deputada Rachel Marques (PT).

Na ocasião, serão homenageados com placas comemorativas o presidente do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Quixadá, Marcelo Lucena, o vice-prefeito de Quixadá, Airton Buriti Lima, e o comerciante Aluísio Silva Rabelo.

DETALHE – Quiixadá é uma das bases eleitorais da deputada Rachel Marques.

Peemedebista prevê que fortalezense rejeitará nome apoiado por Cid e Luizianne

155 9

“Fortaleza vai marchar por um caminho que não será o da prefeita Luizianne Lins (PT) nem o do governador Cid Gomes (PSB)”, previu, nesta terça-feira, o deputado federal Danilo Forte (PMDB). Ele se baseia no fato de que o eleitorado fortalezense é surpreendente e de oposição por natureza e não está satisfeito com o modelo adotado pela prefeita.

Segundo Danilo, o modleo da atual gestão é apoiado pelo fisiologismo. “Está pior do que a época dos coroneis. É puro fisiologismo. a Prefeitura tem 28 mil servidores e quase 30 mil terceirizados. Estamos regredindo com Luizianne. O que se apostava de novo, ela fez o contrário, lamenta o peemedebista, que briga dentro de sua legenda por uma candidatura própria a prefeito.

Danilo Forte afirma que, por onde tem circulado, ouve a população se queixando da atual gestão e cobrando do PMDB participação no processos sucessório. “A populaçao cobra do PMDB uma candidatura e as bases do partido também”, acentua.

Para ele, só quem não quer ver isso é o presidente regional do partido, senador Eunício Oliveira, por achar que pode fazer política sem ouvir as pessoas. “Tem que ouvir os clamores das ruas, as bases e os formadores de opínião. Ele (Eunício) fica só ouvindo uma parte do PMDB comprometida com a Prefeitura e não sai do canto”, lamenta o parlamentar.

Superintendência Regional do Trabalho de molho

147 3

O advogado Júlio Brizzi, ligado ao líder do PDT n Câmara, André Figueiredo, acompanha de longe a movimentação em torno do seu cargo. Isso, depois que a presidente Dilma nomeou o deputado Brizola Neto contra a vontade do presidente nacional pedetista, Carlos Lupi, e contra o desejo do próprio líder da bancada.

A nomeação de Brizzi até chegou a ser questionada por alguns setores políticos em razão da sua falta de experiência administrativa. Era mais conhecido como assessor de Figueiredo e pelo passado de militante do movimento estudantil.

A vaga de Brizzi estaria na mira de setores do PT. Resta aguardar o desenrolar desse jogo político dentro da base aliada.

Pagamento da cota única do IPTU cresce 7%

O Imposto sobre Propriedade Territorial e Urbana (IPTU) de Fortaleza, em termos de cota única, cresceu 7%. A informação é do secretário de Finanças, Alexandre Cialdini, que respira aliviado.

Ele diz que esse número é pouco melhor do que o registrado em 2011. Sobre o balanço total do arrecadado, só mesmo no fim do ano, pois o IPTU é pago em parcelas.

Cialdini adiantou que a arrecadação vem correspondendo no geral a cada mês. Resultado do aprimoramento e no investimento da máquina. Além de parcerias com outros órgãos arrecadadores para troca de informações.

No 1º de Maio, analista faz reflexão sobre um “sistema sindical fossilizado”

168 2

Com o título “O Sindicalismo do atraso”, eis artigo do analista e consultor sindical patronal Fernando Alves de Oliveira. Uma abordagem do 1 º de Maio sob a visão de quem está gerando o emprego. Confira:

Ao redor de mais um 1º de Maio, trava-se disputa entre as duas mais importantes centrais. Antes, de bastidores. Agora, de domínio público. A CUT procurando defender a substituição da atual contribuição obrigatória pela “negocial”.  Em verdade, troca não de seis por meia dúzia, mas por dúzia inteira, face ao valor muito mais elevado. Aliás, prova muito mais consistente do que essa marqueteira “renúncia financeira”  -de propósito não outro senão o de deixá-la propositalmente se esboroar ao vento- seria a devolução dos milhões recebidos desde 2008 da partilha com o Ministério do Trabalho, que por sua vez divide com as centrais a metade do que lhe cabe do rateio do bolo sindical. E sem nenhuma fiscalização do TCU, como impôs o paizão Lula, que, além da generosa concessão, fez questão de vetar o artigo da lei dessa destinação. Este sim seria um significativo exemplo de abjuração…

Já a Força Sindical, defende obstinadamente a preservação da atual contribuição obrigatória, sob a alegação de que ela mantém o sindicalismo “forte”.

Quanto ao patronato, basta cotejar o discurso de ontem com o mutismo de hoje. Há menos de uma década, a Confederação Nacional da Indústria divulgava animador trabalho sob o titulo “”Associativismo em Foco; ações e resultados””, que já em seu prólogo enfatizava com todas as letras “que a reforma da organização sindical, mesmo que postergada, virá e exigirá movimento de antecipação e preparação”. Pena que tenha ficado só no papel. Nos dias atuais, resta apenas prudente silêncio sobre o tema. Aliás, Idêntico do que ocorre com demais entidades patronais. Todas não escondem sua preferência pela continuidade infinda da contribuição. Ainda que veladamente.

Ora, verdadeiramente vigoroso e potencialmente institucional é o sindicalismo pluralista, sujeito à concorrência. Que exige extremado labor, competência, ética e transparência, invertendo o atual sistema e indo de encontro às reais necessidades do sindicalizado. Simplesmente fulmina a atual e nefasta “reserva de mercado”, acabando com as contribuições compulsórias, pois ao torná-las espontâneas, obriga as entidades  a trabalharem mais e melhor no trabalho de angariação de maior número de associados e, por conseguinte, obtenção de maiores receitas. Como ocorre nas entidades civis. De forma idêntica à antiga fase sindical, em que somente após dado estágio é que as entidades obtinham do Estado concessão da chamada “carta sindical” que lhes permitia a percepção de contribuições compulsórias.

Não é por outra razão que se constata no carcomido sistema a existência de milhares de entidades (de trabalhadores e de patrões) cuja direção está aferrada ao poder há décadas. Algumas, conhecidas como insofismáveis capitanias hereditárias…

Este é o retrato da legislação varguista, empedernida no atraso. Os tempos são outros, mas o modelo perempto é o mesmo. Que equipara os sindicatos a meras agências governamentais. Com sinal verde para muitos se servirem sem nenhum pejo, sugando suas obesas e generosas mamas, das quais escoam infindáveis vícios e mazelas, genitores do rentável meio de vida e de múltiplas concorridíssimas sinecuras. Ingrata e inglória a tarefa da chamada vanguarda sindical. A banda nada sadia lhe é infinitamente maior. Em tamanho e poder. Bem comparável a “cosa nostra”.

Somente sob o férreo respaldo do clamor popular é que o sindicalismo brasileiro será salvo, já que o Estado -através de seus governantes ávidos por preservação e perenidade de poder- habilmente se finge de morto. Afinal, (e com a escusa da inevitável repetição) é incontestável que nesta terra reforma sindical não dá voto (expediente que mais importa aos donos do Poder). Tira. E muito!

E em razão de claras peculiaridades de conduta política em relação ao seu antecessor, pelo menos no que diz respeito aos estritos termos de reforma da estrutura sindical, não esperem absolutamente nada da sucessora do governo do PT. Muito menos do Legislativo, exceto alguns trôpegos rompantes e casuísmos, os quais, se ocorrerem, quando muito, não passarão de enxertos e remendos meramente cosméticos. Do tipo “é preciso fazer alguma coisa para que tudo permaneça como está…”

A própria denominação da contribuição obrigatória já mudou de rótulo, sem alterar o conteúdo. Até novembro de 1966, era cognominada de “imposto”, virando a partir daí “contribuição”. Mudança meramente semântica, pois não perdeu a personalidade jurídica de tributo, e como tal, obrigatório, por amparado no artigo 149 da Constituição.

Rendamo-nos, pois, à inquestionável evidência. Somos mesmo um país campeão na invenção de nomenclaturas que, geralmente, mudam somente a casca. Pródigo em governantes e legisladores com profunda avidez pela maquiagem semanticista. Pois não é que de uns tempos a esta parte, corrupção, falcatruas e desvios de conduta, sempre saqueando o erário e praticadas por salteadores da República, passaram a ser evocadas pelo ameno adjetivo de “malfeito”?

Ora, apenas os parvos, mal-esclarecidos ou os sempre mal-intencionados, deixarão de reconhecer que a septuagésima legislação prevalecente, cevada por Getúlio Vargas nos resquícios corporativistas e fascistas do regime italiano de seu colega Benito Mussolini e numa época longínqua em que o Brasil não passava de uma colônia agrícola, está –e de forma inequívoca- em posição diametralmente oposta às óbvias necessidades das relações do Trabalho exigidas pelo hodierno. Especialmente as de uma nação que se gaba de ocupar a sexta economia no ranking do mundo globalizado.

É justamente aí é que reside grave e inegável contradição: o Brasil economicamente gigantesco e que nos enche de orgulho, é o mesmo que nos envergonha pelo atraso de um sistema sindical fossilizado e de portas escancaradas ao sistema sindical corrupto e corruptor.

Urge, sim, a adoção do associativismo, em sua mais profunda acepção. Imperativo, sim é a ratificação da Convenção 87 da OIT, assinada pelo Estado brasileiro em 1948 (há 54 anos) e até hoje permanece amarelecida na gaveta.

Grotesca e estapafúrdia é a contradição dos nossos governantes. Acaba de travar-se uma briga de foice pelo cumprimento de um tratado de Estado (Lei Geral da Copa) assinado pelo ex-presidente com a FIFA. Todavia, sequer foi, é ou continuará a ser lembrado (e cobrado com a responsabilidade exigida) obrigatório cumprimento institucional do Brasil como signatário há mais de meio século de  tratado firmado com a OIT- Organização Mundial do Trabalho… Coisa muito mais séria do que sediar uma Copa do Mundo de futebol, de efêmeros 30 dias. Mas esta, além de votos é claro, rende também outros muitos manjadíssimos rendimentos à classe política dominante… E como rendem!

Enfim, o que espera o sindicalismo brasileiro que em 2013 completará formais 70 anos? Já não passou da hora de dar-lhe um salutar e benfazejo “bem-feito”, mudando o caduco, pecaminoso e vergonhoso modelo por de conteúdo digno, ansiado e exigido pelos mais comezinhos princípios republicanos do Brasil da atualidade?

* Fernando Alves de Oliveira,

Analista e Consultor Sindical Patronal, autônomo e independente.