Blog do Eliomar

Arquivos do autor Eliomar de Lima

Perderam a esportiva?

Em artigo enviado ao Blog, o psicanalista e advogado Luís Olímpio Ferraz Melo critica a ação de algumas torcidas organizadas, que, após as partidas, continuam no “frenético embalo” por meio da violência. Confira:

Parece que alguns torcedores perderam a esportiva em relação às partidas de futebol, pois agora é preciso que haja forte esquema policial para garantir a segurança nos clássicos, como se verificou no último domingo (12) no jogo entre os times: Ceará e Fortaleza. Algumas torcidas organizadas parecem querer um “terceiro tempo”, além dos dois regulamentados e continuam o frenético embalo, mesmo após o término das partidas, porém, quase sempre recorrendo à violência verbal e física contra os antigos torcedores adversários — hoje parecem mais inimigos declarados.

O futebol é paixão nacional e deve ser incentivado desde a infância, pois auxilia o sujeito a conviver com a emoção de ganhar e de perder na vida, além de trabalhar positivamente a saúde física. A impressão que se tem, estando de fora, é que ir ao estádio de futebol em dias de clássicos e não ser alcançado pela violência futebolística é quase ganhar na loteria esportiva; fato este que tem afastado outros que outrora frequentavam esses locais de diversão e lazer.

O futebol é uma manifestação cultural popular secular e os torcedores não podem banalizar a violência desnecessária nos estádios durante esses jogos esportivos, sob pena desses eventos perderem o tradicional glamour. Quando Charles Miller, em 1894, desembarcou na cidade de Santos, em São Paulo, com duas bolas de futebol na bagagem, não tinha a menor noção que inseriria na cultura brasileira um dos mais geniais e populares esportes e que revelaria talentos como o rei Pelé e outros tantos gigantes da bola nem que projetaria gloriosamente o nosso país como um dos maiores celeiros de bons jogadores do planeta.

Ter esportiva é a característica de quem respeita as regras do esporte e sabe ganhar ou perder com elegância, tem espírito esportivo; e os que descumprirem essa regra de ouro, devem ser identificados e afastados dos jogos nos estádios para que a bola continue rolando.

Movimento sair do Capitalismo envia letra das marchinhas

92 1

Olá, Companheir@s, blogueir@s e internautas

Para curtir, participar e divulgar

O Movimento sair do Capitalismo (Fortaleza-Ce) entrará na avenida com o Bloco DE SAIDA neste domingo (19). A concentração será a partir das 17h na Barão de Aratanha com Domingos Olímpio. Duas novas músicas de criação coletiva foram gravadas: o Samba DE SAIDA e o Frevo do Novo Dia.

Confira as letras e melodias das Músicas e a gravação em http://www.youtube.com/watch?v=s9hLPYkKTn0&feature=youtu.be ou no facebook http://www.facebook.com/pages/Critica-Radical/131443853593002

Grande abraço,

Rosa Fonseca

Governo determina medidas de segurança para evitar apagões no carnaval

Todos os anos, durante eventos que envolvem grandes concentrações de pessoas, como o carnaval, o governo federal adota medidas especiais para evitar o desabastecimento de energia nas regiões que recebem muitos turistas. “Existe uma resolução do Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico determinando ao Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) que tome as medidas para aumentar a segurança no suprimento de energia elétrica neste período”, disse à Agência Brasil o secretário de Energia Elétrica do Ministério de Minas e Energia, Ildo Grüdtner.

As principais orientações são a diminuição das intervenções nos sistemas de transmissão e de distribuição de energia, a redução do intercâmbio de energia entre as regiões e o reforço na sincronização de equipamentos nas usinas hidrelétricas. As distribuidoras também deverão reforçar os plantões e colocar pessoal de sobreaviso. A ação é adotada em todo o país, com um reforço maior em regiões metropolitanas e no litoral de estados turísticos.

Outra medida adotada para garantir a segurança energética nas cidades que recebem muitos turistas durante o feriado de carnaval é o acionamento de usinas termelétricas nos locais com grandes aglomerações. “Nós temos a prerrogativa de dar uma segurança maior nas áreas que têm grande aglomeração de pessoas, como Recife, Rio de Janeiro, Salvador e a parte do litoral, principalmente. A gente dá uma segurança adicional com térmica local, sempre fazemos isso”, explicou o diretor-geral do ONS, Hermes Chipp.

(Agência Brasil)

Anistia: Ato político

61 5

A iniciativa do Ministério Público estadual de abrir inquérito para investigar possíveis crimes decorrentes da paralisação da PM e dos Bombeiros, em janeiro último, deve ser entendida como decorrente da imposição do automatismo constitucional imperativo. Não haveria como fugir dessa obrigação. No acordo que pôs fim à greve, em cuja comissão de negociação estava um representante do Ministério Público – a ex-procuradora Geral de Justiça Socorro França (foto) – ficou acertado que não haveria punição para quem apenas cruzou os braços, no movimento paredista.

Evidentemente, se tiver havido atos criminosos, quem os praticou está fora da anistia. Esta se aplica aos aspectos administrativos e disciplinares. E não está vinculada a decisões de natureza jurídica. A anistia é um ato político, cabendo, em última instância, ao poder Executivo concedê-la. Pelo que se sabe, a posição do governo federal só é contra a anistia de atos criminosos, não pela simples participação na greve. Ater-se apenas ao aspecto formal-jurídico, como querem alguns setores intransigentes, é dar uma demonstração de cegueira política e de autoritarismo. Correlata com a anistia deve vir a extinção da militarização da Polícia.

(O POVO / Coluna Concidadania / Valdemar Menezes)

Aprovada pelo STF, Lei da Ficha Limpa é tema de bloco de rua de Brasília

Criado há 34 anos por um grupo de jornalistas depois do lançamento de um pacote de medidas que alterava as regras das eleições, o bloco de rua de Brasília Pacotão aproveita temas da política nacional para fazer sátiras e brincar o carnaval com bom humor.

Este ano, o tema principal será a Lei da Ficha Limpa, que foi aprovada pelo Supremo Tribunal Federal na última semana. “Foi uma coincidência, a marchinha faz um apanhado dos temas políticos e foi muito feliz”, diz um dos organizadores do Pacotão, José Antônio Filho, o Joanfi.

A marchinha deste ano do Pacotão é a Lavanderia Ficha Limpa, do compositor Paulão de Varadero. A música cita políticos do Brasil, com o refrão “Esculhambou geral, tem lavanderia no Supremo Tribunal”.

O desfile do Pacotão ocorre neste domingo (19) e na próxima terça-feira (21), a partir do meio-dia, com concentração nas quadras 302/303 Norte.

(Agência Brasil)

DNIT não tem condições de executar PAC, diz diretor

Nomeado vice-chefe do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), o auditor da Controladoria-Geral da União (CGU) Tarcísio Gomes de Freitas, se diz à frente de uma autarquia falida, sem condições de executar suas principais funções. Espécie de interventor do órgão, no cargo há pouco mais de cinco meses, ele desabafa: “O Dnit não tem condições de tocar o PAC (Programa de Aceleração do Crescimento). O que fazem com ele é covardia.”

Como diretor executivo do Dnit, o auditor concluiu em dezembro estudo que evidencia a impossibilidade de atingir as pretensões de eficiência do programa na área de Transportes. O Dnit tem hoje 2.695 servidores de carreira – menos funcionários, segundo o diretor, que o Departamento de Estradas de Rodagem de São Paulo (DER-SP), com 3,8 mil. Mais da metade do pessoal passou dos 51 anos de idade e um terço já tem ou terá, até 2016, condições de se aposentar. Para levar adiante 1.196 contratos, a maior parte integrante do PAC, seriam necessários 6,8 mil funcionários.

“Como é que eu vou ter um bom ambiente de controle num órgão que gere R$ 15 bilhões e tem uma auditoria interna com 7 auditores?”, questiona o diretor executivo. Nas palavras do estudo, o Dnit leva “incríveis 300 dias” para pagar a uma empreiteira pela medição de um serviço.

(Agência Estado)

Sete homicídios e três acidentes com mortes

59 1

A Polícia já registra 10 mortes violentas na Grande Fortaleza, nas primeiras horas do Carnaval. Foram sete homicídios e três casos de acidente no trânsito. Os dados foram coletados entre a noite de sexta-feira (17) e a manhã deste sábado (18).

Os assassinatos ocorreram na Barra do Ceará (dois casos), Maracanaú, Messejana e nos bairros Passaré, Vicente Pinzon e Bonsucesso. Dentre as vítimas, está um adolescente de 17 anos, morto a tiros em Messejana. Jackson Silva chegou com vida ao Frotinha de Messejana, mas não resistiu.

No bairro Vicente Pinzon, Francisco Jair de Souza, de 21 anos, foi assassinado a balas, quando chegava em casa. Outro rapaz, José Diego Rodrigues Jacaúna, de 18 anos, foi morto também a balas, próximo à residência dele, na Barra do Ceará. A mãe, Maria Gorete Jacaúna, não soube informar a causa da morte do filho. Uma das vítimas de homicídio foi morta a faca no bairro Bonsucesso. Raimundo Nonato Cosmo Dantas foi atingido no lado esquerdo do peito.

Trânsito

Os acidentes de trânsito que resultaram em morte ocorreram na BR-222, em Caucaia, BR-116 (Chorozinho) e na avenida Perimetral, no Mondubim.

As vítimas foram atropeladas. Dentre elas, está um homem de identidade ainda desconhecida, colhido por um caminhão na avenida Perimetral.

(O POVO)

Pequeno traficante não vai mais para prisão

74 2

Uma resolução do Senado publicada nesta semana abriu brecha para que pequenos traficantes possam cumprir penas alternativas, em vez de ficar na prisão. O ato suspendeu um trecho da legislação de entorpecentes que proibia a conversão do cumprimento de pena na cadeia nos casos de tráfico de drogas em punições mais leves, como a prestação de serviços comunitários. A decisão foi tomada a pedido do Supremo Tribunal Federal (STF), que decidiu que essa proibição da troca de penas era inconstitucional.

Aprovada em 2006 pelo Congresso e envolta em polêmicas discussões, a lei de entorpecentes ficou famosa por endurecer as punições a traficantes – a pena mínima para o tráfico subiu de 3 para 5 anos, por exemplo – enquanto abrandava as penas voltadas aos usuários de drogas.

O objetivo era combater o tráfico e, ao mesmo tempo, focar na recuperação do usuário. A nova resolução, porém, relativiza essas diferenças, permitindo que pequenos traficantes que sejam réus primários com bons antecedentes e não tenham vínculos comprovados com organizações criminosas também possam prestar serviços comunitários, de acordo com o julgamento de cada caso.

O STF já havia decidido em alguns casos que penas alternativas poderiam ser aplicadas aos traficantes – o entendimento é de que a Convenção Contra o Tráfico Ilícito de Entorpecentes e de Substâncias Psicotrópicas, ratificada pelo Brasil em 1991, é de hierarquia superior à lei e permite a adoção de sanções mais brandas. Agora que a resolução do Senado foi editada, todos os juízes estão obrigados a seguir esse entendimento – o que causou polêmica entre juristas, advogados e magistrados. “Isso é um desserviço ao combate ao tráfico. Estamos vivendo uma situação muito difícil, porque as penas restritivas de direitos são extremamente benevolentes”, afirma o desembargador do Tribunal de Justiça de São Paulo José Damião Cogan.

Segundo ele, a possibilidade de reduzir a pena de traficantes não é necessariamente ruim, mas deve ser usada com “parcimônia”. “Conheço dois ou três juízes que aplicam penas mínimas sempre, não só em casos excepcionais. Vedar as penas restritivas foi longe demais. Acho que, do jeito que as coisas estão crescendo no Brasil, com droga a gente não pode brincar.”

Liberais. Advogados e juristas que defendem a diminuição das prisões por causa de crimes mais leves, por outro lado, são favoráveis à mudança. “Defendo plenamente a conversão da pena em casos específicos. Quando são pequenas quantidades de drogas e não se trata de um traficante conhecido ou que tenha tido condenações reiteradas, a pena alternativa de prestar serviços à comunidade acaba sendo mais útil tanto ao próprio condenado quanto à sociedade”, rebate o advogado criminalista Antônio Cláudio Mariz de Oliveira.

Para ele, a pena de prisão deve ser exclusiva para quem causa graves riscos à sociedade. “A prisão pode ser uma escola do crime para pequenos traficantes sem antecedentes.”

(Estadão)

Ao comentar assassinato de jornalistas brasileiros, ministra cobra federalização de crimes de extermínio

A ministra Maria do Rosário, da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, se referiu às mortes de dois jornalistas brasileiros, em menos de uma semana, como crimes de extermínio e cobrou do Congresso Nacional a aprovação da proposta que transfere à esfera federal a investigação e o julgamento dos crimes cometidos por milícias ou grupos de extermínio.

A federalização da apuração destes crimes é objeto da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 107/11 e do Projeto de Lei 370/07, que tramitam no Congresso Nacional. A primeira, de autoria da deputada Manuela D’Ávila (PCdoB-RS), inclui os crimes de extermínio entre os de responsabilidade federal

Já o projeto de lei do deputado Luiz Couto (PT-PB), além de tipificar o crime de extermínio e estabelecer que esses delitos sejam investigados e julgados pelas autoridades federais, aumenta as penas de homicídio (simples e qualificado) se o crime for praticado por milícia privada, sob o pretexto de prestação de serviço de segurança, ou por grupo de extermínio. Também prevê pena de reclusão de quatro anos a oito anos para quem participar de milícia privada.

“O governo federal está trabalhando para que o Congresso Nacional aprove o projeto de lei que institui e pune com maior rigor os crimes de extermínio, praticados por organizações criminosas. Ele está parado no Congresso Nacional e precisa ser aprovado”, comentou a ministra ao visitar hoje (18) as instalações do Disque 100, em Brasília. “Precisamos por um ponto final a este tipo de crime.”

Especificamente sobre as mortes dos jornalistas Paulo Rocaro e Mario Randolfo Marques Lopes, a ministra disse que são crimes graves, “uma situação grave que ofende e ataca a democracia brasileira, já que estavam cumprindo seu papel de enfrentar grupos criminosos e fazer denúncias relevantes para suas regiões”.

Rocaro foi alvo de um atentado na noite do último dia 12, em Ponta Porã (MS), na fronteira com o Paraguai. Além de fundador do site Mercosulnews, ele era editor-chefe do Jornal da Praça, onde trabalhava há quase 30 anos. Conforme a Agência Brasil noticiou, documentos da Vara do Trabalho de Ponta Porã indicam que, até recentemente, um dos donos do jornal era Fahd Jamil, o Rei da Fronteira. Jamil foi condenado em 2005 a 20 anos de prisão por tráfico internacional de drogas. Rocaro também publicou três livros, entre eles um com denúncias sobre a atuação de grupos de extermínio na fronteira Brasil-Paraguai.

Poucos dias antes de Rocaro ser morto, um outro jornalista, Mario Randolfo Marques Lopes, havia sido assassinado. Lopes, de 50 anos, e sua companheira, Maria Aparecida, foram executados na madrugada do último dia 9, após serem levados da casa dela, no município de Barra do Piraí, no Rio de Janeiro, por homens armados. Os corpos foram encontrados horas depois. Editor do site Vassouras Na Net, o jornalista se tornou conhecido por criticar e denunciar supostas irregularidades que atribuía a servidores públicos da região. Segundo o Sindicato dos Jornalistas do Rio de Janeiro ele já havia sofrido um primeiro ataque em julho de 2011.

(Agência Brasil)

Empresa ligada a Marcos Valério tem contrato com Turismo

Um contrato de R$ 14,9 milhões do Ministério do Turismo com a ID2 Tecnologia e Consultoria foi superfaturado em R$ 11 milhões, de acordo com análise da Controladoria-Geral da União (CGU) concluída em dezembro do ano passado. Seria mais um caso de má gestão de recursos públicos constatado pelo órgão de controle federal, não fosse por um detalhe: a ID2 é uma empresa de informática de Brasília que passou a abocanhar contratos com o governo logo depois de contratar os serviços da T&M Consultoria Ltda, empresa onde despacha o lobista que é pivô do maior escândalo do governo Lula e do PT: Marcos Valério Fernandes de Souza.

Conforme mostrou O Globo em novembro do ano passado, Valério continua atuante na empresa de seu antigo sócio Rogério Lanza Tolentino, a ponto de citá-la como seu endereço comercial nas ações a que responde na Justiça. Em 2007, a ID2 pagou R$ 200 mil pelos serviços da empresa de consultoria mineira. Pouco mais de um ano depois, foi habilitada e venceu licitação do Ministério do Turismo, durante a gestão do ministro Luiz Barreto Filho, para fornecer software e estrutura de apoio à administração, contrato que foi fiscalizado agora pela CGU e está recheado de irregularidades, no entender dos técnicos federais.

A licitação ocorreu pelo Sistema de Registro de Preços, que permite a outros órgãos públicos contratarem a ID2 para realizar os serviços previstos no contrato sem a necessidade de uma nova licitação. Pelo menos oito órgãos solicitaram adesão à ata de registro e, caso confirmassem a contratação integral dos serviços, o prejuízo potencial seria de R$ 88,6 milhões, segundo a CGU. Até a última semana, sete contratos da ID2 somavam R$ 67,2 milhões, mas apenas o do Turismo foi analisado pelo órgão de controle.

Contratos idênticos, de R$ 14,99 milhões, foram assinados com o Ministério dos Esportes e a Valec. Contratos em valores menores foram assinados com o governo do Distrito Federal (R$ 13,7 milhões), Ministério da Saúde (R$ 5,7 milhões) e o Ministério de Minas e Energia (R$ 1,6 milhão). Alguns itens foram comprados também pelo Ministério Público do Trabalho (R$ 641 mil) e Tribunal de Justiça do DF (R$ 595 mil).

(O Globo)

Penna do PV avalia que Lula transfere votos para Haddad

O presidente nacional do PV, José Luiz de França Penna, reconheceu na noite deste sábado (18) que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pode transferir votos para o pré-candidato do PT à prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad. O dirigente verde, que assiste ao desfile das escolas de samba paulistas no camarote da Prefeitura de São Paulo considerou que o ex-presidente petista é um “ícone da política nacional” e lembrou que o PT tem um volume de votos relevante na cidade de São Paulo. “É claro que ele transfere, pois é um ícone da política nacional”, disse.

O dirigente do PV defendeu que o partido tenha um nome próprio para a disputa eleitoral em São Paulo e disse que é entusiasta da candidatura do secretário municipal do Verde e do Meio Ambiente Eduardo Jorge. Ele afirmou ainda que a eventual entrada do ex-governador de São Paulo, José Serra, na disputa eleitoral qualifica as eleições municipais e pode produzir efeitos em outras candidaturas, sem especificar quais seriam eles.

O ex-governador Serra tem, nos últimos dias, avaliado se vai ou não disputar a sucessão à Prefeitura de São Paulo pelo PSDB. A movimentação política produziu um racha no partido em São Paulo, uma vez que parte da militância tucana teme que a disputa por prévias, marcada para março, seja suspensa em virtude da candidatura do cacique tucano.

(Agência Estado)

Orçamento de 2012 terá reforço de R$ 85,5 bilhões de anos anteriores

O volume de recursos de anos anteriores que poderão reforçar o Orçamento da União, em 2012, corresponde a R$ 85,54 bilhões. Esse é o total de restos a pagar autorizados para este ano. O montante foi divulgado no decreto que detalhou o corte de R$ 55 bilhões no Orçamento Geral da União, publicado na última sexta-feira (17) em edição extraordinária do Diário Oficial da União.

O volume de restos a pagar não significa que todo esse dinheiro será de fato gasto. Isso porque, dos mais de R$ 80 bilhões, apenas R$ 7,55 bilhões são classificados como processados, ou seja, passaram da fase da liquidação, quando o governo constata que pode liberar o pagamento porque o serviço contratado foi feito ou a compra foi executada. Os R$ 77,98 bilhões restantes ainda estão na fase de empenho, quando o governo apenas emite a autorização para o gasto.

A execução do Orçamento segue três fases: o empenho, a liquidação e o pagamento efetivo. Os restos a pagar correspondem ao volume de recursos empenhados ou liquidados em um ano, mas cujo pagamento fica para o ano seguinte.

Nas últimas décadas, os restos a pagar têm sustentado os investimentos federais. Em 2011, dos R$ 47,5 bilhões investidos, R$ 28,59 bilhões (60,2%) vieram de recursos de anos anteriores. No acumulado do ano, segundo os dados do Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal (Siafi), os restos a pagar representaram a 98,8% dos R$ 2,81 bilhões investidos de 1º de janeiro até ontem.

Por se tratar de recursos do ano passado, em tese, os restos a pagar não estão submetidos ao corte de R$ 55 bilhões anunciado esta semana. No entanto, o governo também limita o gasto de recursos de anos anteriores, ao cancelar os restos a pagar ou transferi-los para 2013. Originalmente, o valor empenhado ou liquidado pelos ministérios havia sido R$ 140,9 bilhões. Na prática, o corte nos restos a pagar chegou a 39,2%.

No ano passado, os ministérios haviam empenhado ou liquidado R$ 128,68 bilhões para 2011. Desse total, R$ 74,05 bilhões foram efetivamente gastos, valor próximo do limite de R$ 77,14 bilhões autorizado na época.

(Agência Brasil)

Maioria das pessoas com asma não segue tratamento

Subestimada pelos próprios pacientes, que consideram a doença pouco grave, a asma mata por ano no Brasil cerca de 2.500 pessoas, ou seja, sete por dia.

Em 2009, foram 2.544, de acordo com dados do Ministério da Saúde. Grande parte dessas mortes (37%) foi de pessoas com 75 anos ou mais.

Estima-se que 10% da população tenha a doença, mas apenas de 20% a 30% dos pacientes com asma seguem o tratamento corretamente.

Segundo especialistas, essa é a principal causa para as mortes por asma. Os remédios para controle da doença devem ser usados todos os dias, com ou sem crise, mas poucos seguem as recomendações médicas.

De acordo com João Negreiros Tebyriçá, presidente da Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia, as mortes por asma, como as que vieram a público nesta semana, ainda causam espanto.

Marcelo Dino, 13, filho do presidente da Embratur, Flávio Dino, morreu em Brasília na última terça-feira (14). Na quinta-feira (16), o correspondente do “New York Times” na Síria, Anthony Shadid, 43, também morreu após crise de asma.

“Há 30 anos, dizia-se que a asma maltrata, mas não mata. Até hoje, os próprios pacientes acreditam que não precisam de tratamento, só usam a bombinha na crise. Eles acham que estão bem e param por conta própria.”

Tebyriçá diz ainda que todas as mortes e internações –foram 156 mil hospitalizações em 2011, segundo o Ministério da Saúde– podem ser evitadas com o tratamento adequado.

Quando segue as recomendações médicas, o paciente tem melhor qualidade de vida (melhor qualidade de sono e desempenho nas atividades diárias) e ainda se torna mais resistente aos fatores que desencadeiam as crises.

Poeira, cheiros fortes, pelos de animais, grandes altitudes e exercícios são alguns dos gatilhos para os ataques.

Esses estímulos estreitam os brônquios, dificultando a passagem de ar.

Remédios

A asma é uma doença crônica, com componente hereditário e causada por fatores como poluição do ar, alergias e infecções respiratórias.

Os medicamentos inaláveis devem ser usados por um longo período de tempo até que o especialista decida se deve diminuir as doses. Diariamente, devem ser usados corticosteroides e, em casos moderados e graves, associam-se broncodilatadores de longa duração. Os de curta duração, com ação rápida, devem ser usados nas crises.

Mesmo com tratamento, é recomendável evitar contato com aquilo que desencadeia as crises. Em ataques mais severos, que incluem maiores dificuldades para respirar e falar, é imprescindível procurar assistência médica.

“Não se dá a devida importância à doença e ao tratamento. Os pacientes sempre perguntam se têm que tomar o remédio para sempre”, diz Elie Fiss, professor de pneumologia da Faculdade de Medicina do ABC.

Segundo Tebyriçá, os pacientes se decepcionam com o tratamento. “Quando dizemos que os remédios não vão curar, mas controlar a doença, pensam: ‘Não tem jeito, o remédio não muda nada.”

Leia mais em http://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/1050572-maioria-das-pessoas-com-asma-nao-segue-tratamento.shtml

(Folha)

Estudo relaciona refrigerante diet a risco de infarto e derrame

Refrigerante diet em excesso eleva consideravelmente o risco de se ter um infarto ou derrame, segundo estudo que acompanhou adultos consumidores da bebida durante uma década.

A probabilidade de incidência de doenças coronárias entre aqueles que ingeriram refrigerante diet foi significativo: 44% maior do que os que não tomaram. Para detectar as diferenças entre os dois grupos, um deles bebeu drinques diet todos os dias.

Dos 2.564 adultos com idade média de 69 anos, 591 (homens e mulheres) sofreram um infarto ou um derrame ou morreram por causas cardiovasculares ao longo de dez anos.

Os autores, pesquisadores da Escola de Medicina Miller, da Universidade de Miami (EUA), salientam que não há provas de que os drinques sem açúcar são os responsáveis pelo quadro, mas sim que há uma associação entre beber muito refrigerante diet e desenvolver uma doença do coração.

Hannah Gardener, que participou do monitoramento, diz que quem bebeu refrigerante diet diariamente apresentou mais fatores de risco como pressão arterial elevada, diabetes e colesterol alto.

Ela lembra que a forma como a bebida diet interfere na saúde não está muito clara, e que mais estudos precisam ser feitos para entender essa relação.

A pesquisa foi publicada na versão on-line do “Journal of General Internal Medicine” de 27 de janeiro.

Leia mais em http://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/1050426-estudo-relaciona-refrigerante-diet-a-risco-de-infarto-e-derrame.shtml

(Reuters com a Folha)

Motoristas trafegam pela contramão em viaduto alagado

92 2

Do professor João Teles, recebemos essa nota, em tom de queixa:

Caro Eliomar,

O viaduto do Mondubim, além de ter estrangulado o trânsito na avenida Perimetral, está sendo alagado por qualquer chuvinha. E mais: Acredite. A estrutura asfáltica já está precisando de reparos.

Tem muito carro pegando a contramão e até voltando, transformando em caos o trânsito dentro da grande depressão da obra recém-inaugurada.

Um absurdo!

* Professor João Teles de Aguiar, usuário diário do trecho.

Alô, Coelce! Uma ajudinha, por favor!

Alô, Coelce, o Posto do Vaqueiro, situado em frente ao Clube do Vaqueiro, no município do Eusébio (Região Metropolitana de Fortaleza), está sem energia desde o começo desta manhã de sábado, em razão de problema no transformador. O proprietário apela para o Blog. Diz que já fez vários apelos, anotou protocolo e nada de providência.

Adianta ter perdido vários clientes por conta disso. A promessa é de que haja reparo até as 19 horas, o que, sem dúvida, é absurdo.

Planejamento urbano

69 4

Para o deputado federal e pré-candidato à Prefeitura de Fortaleza, Artur Bruno, em artigo publicado neste sábado (18), no O POVO, o planejamento da cidade para os próximos anos passa pelas ações da atual gestão. Confira:

A atual gestão de Fortaleza vem dando grandes contribuições para a cidade que desejamos preparar para nossos filhos e netos. Apesar de críticas pontuais, são inegáveis os avanços, decorrentes especialmente da mudança de prioridade definida pela gestão petista, quando se decidiu fortalecer as políticas públicas voltadas aos mais carentes, população historicamente mais desassistida pelo poder público.

Passagem de ônibus mais barata do País, melhoria do trânsito com o projeto do Transfor e com as obras com vistas à Copa do Mundo de 2014; melhoria da merenda escolar e fardamento gratuito para milhares de estudantes; ampliação do número de escolas; urbanização de áreas degradadas com projetos como o Vila do Mar; e revitalização do litoral de Fortaleza, com a reurbanização da Praia do Futuro, da Praia de Iracema e da Beira-Mar.

Podemos citar também as 13 mil moradias que serão entregues até o fim da gestão, 13 planos de cargos para servidores e a contratação de médicos, agentes comunitários de saúde, agentes sanitaristas, enfermeiros e dentistas.

Estes são alguns exemplos do legado que ficará para Fortaleza. É claro que ainda precisamos avançar em muitas questões. A saúde e a educação precisam ser cada vez mais priorizadas, com investimentos na capacitação dos profissionais, novos concursos e continuidade da política de valorização remuneratória.

Outra área que vai merecer atenção especial é a mobilidade urbana. É fundamental a parceria entre os governos municipal, estadual e Federal para priorizar o transporte público, através de equipamentos como o metrô, veículos leves sobre trilhos e corredores exclusivos para ônibus. É preciso ainda alargar vias e abrir novos trechos, com a continuidade e aprofundamento do Transfor.

Para tudo isso dar certo, o planejamento das ações a curto, médio e longo prazo será decisivo. Esse será o ponto chave para a construção de uma Fortaleza cada vez melhor para se viver.

Leitor que reclamou no Blog tem apelo atendido

O leitor Ozório Lopes, morador do Conjunto Esperança, informa que a Coelce está tentando resolver o problema da falta de energia no pólo de lazer do bairro, parcialmente desligada desde o último dia 10.

Segundo o leitor, o problema começou a ser resolvido depois da denúncia no Blog, na manhã desta sexta-feira (17), e também ao jornalista Nonato Albuquerque, na rádio O POVO CBN. De acordo ainda com o leitor, a situação não está normalizada, mas a Coelce se encontra no local.