Blog do Eliomar

Arquivos do autor Eliomar de Lima

Movimento Crítica Radical faz pré-estreia do documentário "Trabalho Interno"

166 1

O Movimento Crítica Radical, coordenado pela ex-prefeita de Fortaleza, Maria luiza Fontenele, ex-vereadora Rosa da Fonseca e por Jorge Paiva, promoverá a pré-estreia do documentário “Trabalho Interno” (Inside Job), ganhador do Oscar de “Melhor Documentario”, na próxima quinta-feira, às 20 horas, no Espaço Unibanco Dragão do Mar.

Após a exiição do documentário, haverá um debate com a participação de críticos de cinema, políticos e sociólogos.

O DOCUMENTÁRIO

Em 2008, uma crise econômica de proporções globais fez com que milhões de pessoas perdessem suas casas e empregos. Ao todo, foram gastos mais de US$ 20 trilhões para combater a situação. Através de uma extensa pesquisa e entrevistas com pessoas ligadas ao mundo financeiro, políticos e jornalistas, é desvendado o relacionamento corrosivo que envolveu representantes da política, da justiça e do mundo acadêmico.

SERVIÇO

Os ingressos poderão serem adquiridos atraves dos telefones 30812956/ Jorge Paiva, 88166254/Rosa da Fonseca e 88166253/ Maria Luiza Fontenelle

Sarney critica referendo das armas e pede medidas urgentes

162 1

O presidente do Congresso, José Sarney (PMDB-AP), acredita que é preciso tomar medidas urgentes e efetivas para a redução do número de armas em circulação. Para o senador, o referendo de 2005, que permitiu a manutenção do comércio de armas, “foi totalmente equivocado”. Sarney também cogita a possibilidade de realização de uma nova consulta popular, defende medidas de segurança para estabelecimentos de ensino e mostra preocupação com os efeitos do bullying – o assédio moral no ambiente da escola.

Na última sexta, 48 horas depois do assassinato de crianças em uma escola do Realengo, no Rio, o senador recebeu este blog com exclusividade em seu gabinete e comentou possíveis medidas que podem ser propostas pelo Congresso.

Diante desta tragédia que chocou o país, o que pode ser feito de imediato pelo Congresso?
José Sarney – Devemos fazer uma revisão daquela legislação que existia, que determinou o plebiscito, que foi totalmente equivocado. Na realidade, temos de fazer alguma coisa para que a população não tenha noção de que é a arma que a está defendendo da violência coletiva. Não podemos trocar o “amai-vos uns aos outros” por “armai-vos uns aos outros”. O comércio de armas deve ser limitadíssimo e fiscalizado pelas Forcas Armadas, pela Polícia Federal, pelas polícias estaduais, de tal modo que ele não continue a avançar. Nós estamosvendo dentro do Congresso que a maioria dos projetos é para facilitar o acesso às armas, quando a maioria dos homicídios no Brasil é causada por arma de fogo. Sobretudo entre os jovens que estão sendo mortos e estão matando.

O senhor defende uma nova consulta popular sobre a proibição ao comércio de armas?
José Sarney – Juridicamente é preciso examinar, mas eu acho em princípio que nós podemos fazer uma nova legislação e, se for necessário, um novo plebiscito, de maneira que este problema seja resolvido, porque hoje a violência passou a ser não só a violência organizada, a do crime organizado, como também esta que é muito própria dos países anglo-saxônicos, a da revolta pessoal, em que as pessoas, por várias motivações ideológicas, teocráticas, de desajustes mentais, se sentem incentivadas a cometer crimes desta natureza. E as escolas passam a ser foco disso tudo – o que coloca o nosso país diante de um novo componente, [e forçado a] garantir a segurança nas escolas.

Existem projetos aqui no Senado sobre o tema. Como isso pode ser feito?
José Sarney – Eu acho que dispomos de técnicas científicas capazes de analisar estes problemas. Não devemos fazer isto amadoristicamente, mas sim cientificamente. Como obteremos o melhor resultado? Se a segurança ficar dentro da escola ou se ficar do lado de fora, procurando defendê-la? Hoje temos de ter uma segurança também dentro das escolas. Elas não estão ameaçadas apenas por pessoas que venham de fora, mas também pelos próprios alunos. O bullying passa também a ser uma forma de violência. Esse é um fenômeno novo. Hoje há uma tendência da mocidade se afirmar através da violência. É preciso que se crie uma consciência diferente sobre isso.

A população tende a votar contra plebiscitos que prevejam a proibição da venda de armas, principalmente por se sentir desprotegida…
É preciso enfrentar a segurança de uma maneira global. Não só o crime organizado, como também esse crime de quadrilhas, os que são praticados por pequenos grupos e, ao mesmo tempo, desestimular a violência na juventude. O bullying, por exemplo, é uma coisa que ninguém entende e que faz com que a escola, que antigamente era motivo de boas recordações, [lugar] da amizade, do afeto, hoje seja do medo, porque a mentalidade passou a ser esta. [A escola] virou alvo de ódio, ao invés de amor, amizade e afeto. É hoje um espaço completamente diferente.”

(R7.com)

Articulista diz que Reforma Política é como uma mulher bonita, mas ruim de cama

170 1

Com o título “A bela e mal resolvida Reforma Política”, eis artigo do publicitário e poeta Ricardo Alcântara. Ele se diz descrente de que algo mudará de fato no cenário político brasileiro, a partir das discussões dos senhores parlamentares. Confira:

Para políticos profissionais, Reforma Política é como uma mulher bonita, mas ruim de cama. Em atenção às minhas leitoras, apresso-me na ressalva de que a metáfora, meio infame, se presta também ao sexo oposto.
 
Em tese, todos eles a querem, mas sabem que não iria satisfazê-los. Ao contrário, ao impor maior disciplina à expressão partidária, seriam maiores as restrições ao balcão que fez da política um ramo promissor do varejo.
 
Ao restituir maior espaço ao mérito e a aspectos programáticos, se iniciaria – presume-se, pelo menos – um círculo gradual de qualificação da atividade com reflexos promissores, óbvio, na consolidação do modelo representativo.
 
O problema é que a decisão caberá a quem mantém sua base política sustentada em pilares diferentes, quando não opostos àquilo que seria recomendado por uma Reforma Política de fato, digna deste nome.
 
Isto resume o impasse: o poder não muda o poder. Não se pode confiar às raposas que ergam o cercado de seu próprio redil. Passar por cima das leis mais fracas e por baixo das leis mais fortes: os caras são bons nisso.
 
Os que agora nos governam viram sua popularidade crescer à sombra de uma mensagem ética inequívoca: eram eles os que estavam “contra tudo isso que está aí”. Uma faxina, era o que se prometia. Era.
 
Os fatos: em quase uma década de poder, nada fez o “grande” Lula para aprimorar a democracia que permitiu um líder operário, cercado de ex-guerrilheiros, chegar ao poder e governar em um ambiente de normalidade.
 
Acredita-se que algum avanço virá com as articulações em curso. A comissão de senadores indicada já aprovou algumas propostas para exame do coletivo parlamentar. Mas esqueça: a reforma não virá com o alcance necessário.
 
Pessimismo? Não. É elementar: o poder não muda o poder.

Lúcio Alcântara é aguardado na Semana Santa

125 4

 

Depois de temporada em Portugal, o ex-governador Lúcio Alcântara está isolado num lugarejo do interior da França, segundo amigos. Só volta para o Ceará dia 19.

Lúcio não perde a Semana Santa em sua São Gonçalo do Amarante (Região Metropolitana de Fortaleza), onde carrega a cruz em trecho de via-sacra tradicional do município.

Quando retornar, deverá convocar reunião do seu PR para começar a tratar das eleições de 2012. O PR, segundo a presidente estadual em exercício, deputada federal Gorete Pereira, quer ter candidato na maioria das prefeituras do Estado.

Brasil vai exportar suíno para a China

“A presidente Dilma Rousseff mal desembarcou na China e um acordo já foi anunciado. O Brasil começará a exportar carne suína para China neste ano após a visita da presidente Dilma, informou nesta segunda-feira Marco Tulio Cabral, primeiro-secretário da embaixada brasileira na China. Cabral, que discursava em um fórum, não forneceu um prazo específico.

Dilma chegou ao país no final da noite deste domingo, 10, no horário de Brasília. A perspectiva é de que a a visita seja fundamental para definir o rumo das relações econômicas entre o Brasil e China nos próximos anos, já que cerca de 20 acordos comerciais devem ser negociados na viagem.

Ele também afirmou que o Brasil negociou com o governo chinês por um longo tempo sobre a questão dos embarques de carne suína, mas não entrou em detalhes. A China é o maior consumidor do produto no mundo, sendo responsável por metade da demanda. No entanto, quase todo o consumo de 50 milhões de toneladas é suprido pela produção local.

Ainda assim, o país asiático deverá importar cerca de 480 mil toneladas em 2011, segundo previsão do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), que estima alta de quase 15% frente ao ano passado. As informações são da Dow Jones.

(Agência Estado)

Vereadores fazem última visita ao PV, antes da inauguração. Problema agora são os reflexos

180 5

Secretário Evaldo Lima recebe vereadores

Vereadores de Fortaleza realizaram na manhã desta segunda-feira (11) a última visita ao estádio Presidente Vargas, antes da inauguração das obras de reforma da praça esportiva. A visita serviu para que os vereadores conferissem o reparo dos pontos cegos no estádio, apontados por Plácido Filho (PDT), na última visita, dia 14 de março.

O secretário de Esporte e Lazer de Fortaleza (Secel), Evaldo Lima, e o secretário da Regional IV, Estevão Romcy, acompanharam os parlamentares.

Plácido Filho observou os reflexos causados nos vidros à prova de balas, o que prejudica a visão do torcedor, até a quarta fileira das arquibancadas, diante dos reflexos. “À noite, esses reflexos viram espelhos. O torcedor passa a se ver nos vidros laminados”, afirmou.

O secretário Evaldo Lima reconheceu o problema e disse que os reflexos são uma “questão da modernidade”.

Vidros mostram reflexos das cadeiras

Já o paisagista e argentino Martin Monti, 39, alegou que os reflexos existem por causa do vidro laminado e que não há mais como resolver o problema. “Meu negócio é dentro do campo. Cuido do gramado”, esquivou-se o argentino, ao ser provocado a fazer uma comparação com o estádio La Bombonera, em Buenos Aires, que também possui vidros à prova de balas ao invés de alambrados. “Lá não há o laminado, não há reflexo”, limitou-se.

A Prefeitura ainda aguarda pelos laudos do Corpo de Bombeiros, da Polícia Militar e do parecer do Ministério Público para a liberação do estádio. A Prefeitura acredita que a inauguração ocorra no próximo mês.

MST ocupa prédio da Secretaria do Desenvolvimento Agrário

136 1

O Movimento dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais Sem Terra (MST) ocupa, desde o começo da manhã desta segunda-feira, o prédio da Secretaria de Desenvolvimento Agrário (SDA), na Avenida Bezerra de Menezes (Bairro São Gerardo).

Os cerca de 500 manifestantes fazem uma mobilização integrada à Jornada de Lutas do MST, que relembra anualmente o “Massacre de Eldorado dos Carajás”, que completará, dia 17 próximo, 15 anos sem que culpado algum tenha sido punido pela execução de 19 trabalhadores rurais.

Eis o primeiro teste para o secretário petista Nelson Martins, homem recohecidamente do diálogo

Salário mínimo ameaça inflação de 2012

“O aumento de quase 14% no salário mínimo previsto para 2012 deve injetar no consumo das famílias cerca de R$ 9 bilhões adicionais, segundo cálculo da LCA Consultores, e dar mais combustível para a escalada da inflação. Essa montanha de dinheiro pode dificultar o trabalho do Banco Central para trazer a inflação ao centro da meta de 4,5% em 2012, alertam economistas.

Mesmo com essa enorme pedra no caminho do BC para combater a inflação, a autoridade monetária revelou em seu último Relatório Trimestral de Inflação que pretende atingir o centro da meta só em 2012. Para este ano, adota uma estratégia mais gradualista para segurar a alta de preços, elevando em ritmo moderado a taxa básica de juros.

O reajuste do salário mínimo é um preço já contratado na economia pela Lei 12.382, de 25 de fevereiro de 2011. Leva em conta o aumento do PIB de dois anos anteriores (no caso de 2012, o crescimento de 7,5% do PIB de 2010) e a variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) de 12 meses anteriores ao período do reajuste.

Para este ano, a projeção para o INPC é algo em torno de 6%. Isso resultará num aumento do salário mínimo em 2012 de cerca de 14%.

Apesar de a preocupação em relação ao reajuste do mínimo em 2012 não transparecer nos relatórios do BC, fontes do mercado dizem que esse foi um dos principais pontos de discussão em reuniões recentes da autoridade monetária com analistas.”

(Agência Estado)

Japão registra terremoto de magnitude 7,1

“Um terremoto de magnitude 7,1 atingiu nesta segunda-feira o nordeste do Japão e provocou um alerta de tsunami no litoral dessa região, informou a Agência Meteorológica japonesa.

O terremoto aconteceu às 17h16 (hora local, 5h16 de Brasília) com epicentro a dez quilômetros de profundidade na província de Fukushima, onde atingiu magnitude 6 na escala japonesa –que vai até 7 e que centra mais no alcance que na intensidade do tremor.

Pouco depois, a Agência Meteorológica do Japão retirou o alerta de tsunami emitido para parte do litoral nordeste japonês, segundo informou a emissora estatal NHK.

O tremor levou a evacuação temporária dos trabalhadores da usina nuclear de Fukushima Daiichi por motivos de segurança, segundo um porta-voz da Tepco, a operadora da unidade, seriamente danificada pelo forte terremoto e tsunami de 9 graus de há um mês.

A Tepco também assinalou que não há mudanças nos parâmetros de radioatividade em torno da usina nuclear após o terremoto, que no entanto cortou a provisão elétrica externa para bombear água nos reatores 1, 2 e 3.

Por isso, estão tentando refrigerar manualmente essas unidades com os caminhões de bombeiros, indicou a Tepco.

O terremoto não afetou por outro lado à provisão de energia da unidade de Fukushima Daini, cerca de dez quilômetros da de Daiichi, segundo informaram tanto a Tepco como a Agência de Segurança Nuclear japonesa.

As autoridades da vizinha província de Ibaraki assinalaram por sua vez que também não há relatórios de danos nas usinas nucleares dessa região.

Após o terremoto, a Agência Meteorológica emitiu um alerta de tsunami na província de Ibaraki por ondas de até dois metros, enquanto nas províncias de Miyagi, Fukushima e Chiba se avisou de ondas de até um metro.

O terremoto de magnitude 7,1 foi seguido de uma réplica de magnitude 6 um minuto mais tarde e outro de magnitude 5,6 às 17h26 (5h26), todas elas com epicentro na província de Fukushima.”

(Com Agências)

Campus do Cariri em ritmo de Filosofia

“A Coordenação do Curso de Filosofia do Campus da UFC no Cariri realizará, entre 2 e 4 de maio, a II Semana de Filosofia no Cariri, e, nos dias 5 e 6, o I Encontro sobre Ensino de Filosofia no Cariri. As inscrições devem ser feitas até 2 de maio, de segunda a sexta-feira, das 14h às 21 horas, e nas quartas-feiras, das 8h30min às 11h30min. Os interessados devem procurar a Coordenação do Curso de Filosofia da UFC no Campus do Cariri (Av. Tenente Raimundo Rocha, s/n – Cidade Universitária – Juazeiro do Norte – fone: (88) 3572.7225).
 
Aqueles que não vão apresentar trabalhos nas comunicações dos dois eventos e desejarem apenas participar da programação como ouvintes devem acessar o formulário de inscrição no site http://filosofia.cariri.ufc.br/ e enviá-lo para o email: semana.filosofia.cariri@gmail.com ou ensino.filosofia.cariri@gmail.com. O pagamento da taxa de inscrição será feito no ato de credenciamento, bem como a entrega da cópia do RG.”

(Site da UFC)

Dilma pretende tirar 500 mil pessoas da informalidade até o final do ano

“A presidente Dilma Rousseff afirmou, nesta segunda-feira, que pretende tirar da informalidade 500 mil pessoas até o final deste ano. A presidente disse ainda que vai reduzir de 11% para 5% a alíquota de contribuição para o INSS. Segundo Dilma, desde que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva lançou o programa Microempreendedor Individual, em fevereiro de 2010, houve grandes avanços. Ela cita que mais de 1 milhão de pessoas, que trabalhavam por conta própria agora têm o seu próprio negócio.

“Até o final deste ano pretendemos trazer mais 500 mil pessoas para o mercado formal. E para chegar lá, enviei ao Congresso Nacional uma medida provisória que corta pela metade a contribuição do empreendedor individual ao INSS”, afirmou em seu programa semanal de rádio “Café com a Presidenta”.Dilma explicou como o incentivo vai ajudar a legalizar um trabalhador informal. “Hoje, a pessoa que formaliza o seu negócio paga ao INSS 11% do salário mínimo. Isso significa quase R$ 60,00. Agora vai pagar 5%, isso representa uma economia de R$ 32,70 por mês”, declarou.

Para Dilma, há outras vantagens para o trabalhador informal que se legaliza, como auxílio-doença, salário-maternidade e aposentadoria por idade. “Essa pessoa também passa a emitir nota fiscal. Quem não dá nota fiscal perde clientes”, disse.A presidente prometeu criar linhas de crédito próprias para os empreendedores individuais nos bancos públicos. “Esse apoio financeiro é fundamental para quem quer expandir ou melhorar o seu negócio”, afirmou a presidente.”

(Com Agências)

Secretaria das Cidades vai urbanizar o Dendê

 

A Secretaria das Cidades vai construir uma creche e uma escola na Comunidade do Dendê, que fica na periferia de Fortaleza. O investimento é da ordem de R$ 2, 6 milhões. Segundo o scretário estadual ds Cidades, Camilo Santana, a licitação vai sair até junho e esses projetos fazem parte de uma ampla ação de urbanização.

Camilo Santana (PT), bom lembrar, tem nome listado entre “prefeituráveis” da Capital. Contaria, inclusive, com as bênçãos do Palácio da Abolição.

Berzoini debate Reforma Política em Fortaleza

O ex-presidente nacional do PT, Ricardo Berozini, participa, nesta manhã de segunda-feira, no Hotel Oásis Atântico, em Fortaleza, do seminário intitulado “Reforma Política – O Brasil Precisa”. O evento é organizado pelo segundo vice-presidente nacional petista, deputado federal José Nobre Guimarães.

Berzoini vai expor para os petistas o que o partido espera e quer da Reforma Política que vem sendo discutida por comissão especial do Senado e da Câmara.

Cid Gomes reúne prefeitos para definir local do 3º hospital regional

345 2

O governador Cid Gomes (PSB) vai reunir, nesta segunda-feira, a partir das 17 horas, no Centro de Convenções, prefeitos e vereadores de 20 municípios. Na ocasião, estará em pauta o projeto do terceiro hospital regional a ser construido pelo Estado.

Desses municípios, cinco estão brigando para ser sede do empreendimento e aproveitarão o encontro para expor seus argumentos. Nessa lista, Tauá, Boa Viagem, Quixadá, Quixeramobim e Canindé.

Cid já inaugurou um hospital regional em Juazeiro do Norte, beneficiando o Cariri, e um outro está em fase de construção em Sobral, para atender a Zona Norte do Estado.

Justiça manda fabricante de ultraleve indenizar cantor e compositor Herbert Viana

“A 11ª Câmara Cível do Rio de Janeiro condenou a fabricante alemã de ultraleves W. D. Flugzeugleichtbau a pagar R$ 400 mil de indenização ao cantor e compositor Herbert Vianna, líder da banda Paralamas do Sucesso. Em fevereiro de 2001, o ultraleve que o músico pilotava caiu em Mangaratiba, no Rio. O acidente deixou Herbert paraplégico e causou a morte de sua mulher, a inglesa Lucy Needham, mãe de seus três filhos. As informações são do site UOL.

Segundo o advogado do músico, Ronaldo Eduardo Cramer Veiga, foi provado que o acidente aconteceu por defeito de fabricação na cauda do ultraleve. No processo foi apresentado outros casos em que ultraleves idênticos também caíram, mas não fizeram vítimas como o músico e sua mulher. A fabricante reconheceu o defeito e fez o recall das aeronaves após o acidente.

A perícia para apurar o defeito demorou dois anos e concluiu que quando submetido a temperaturas acima de 40 graus, o material da cauda do ultraleve é degradado. De acordo com Veiga, “Foi exatamente o que aconteceu com o aparelho do Herbert. Era verão, fevereiro de 2001, e a temperatura em Mangaratiba estava acima dos 40”.”

(Consultor Jurídico)

Embaixador confirma interesse da China por aeronaves da Embraer

Dilma desembarcando no território chinês.

“O embaixador do Brasil na China, Clodoaldo Hugueney, confirmou que a China fechará uma nova encomenda de aeronaves 190 da Embraer. Ele assinalou também para a possibilidade de encomendas de jatos Legacy, mas foi vago. O anúncio foi feito à imprensa no hotel St. Regis, em Pequim, onde a comitiva brasileira, liderada pela presidente Dilma Rousseff, está hospedada. As dez aeronaves 190, encomendadas em janeiro, receberão também a licença formal durante a visita de Dilma ao país, além da liberação da fabricação dos jatos Legacy em Harbin, cidade no nordeste do país asiático.

Hugueney ainda confirmou acordos para o agronegócio. “A carne suína vai sair, e também o fumo”, disse o embaixador, que salientou que os novos acordos para a exportação de fumo são referentes aos estados de Bahia e Alagoas. “O resto do Brasil já exporta fumo para a China. Somos o maior exportador do produto para a China.”

O Embaixador ainda disse que o panorama misto de otimismo e ressentimento pela China no setor produtivo brasileiro deve ser mudado, assim como a posição de Pequim nas relações bilaterais. “Quem ganha no comércio com a China não é quem perde no comércio com a China. Tem que entender também isso, tem que olhar o outro lado, o das empresas brasileiras, que não podem ter competição desleal, não podem ter contrabando, não podem ter produto de baixa qualidade. Isso tem que mudar. Eu acho que essa mensagem está sendo agora entendida, e eu acho que essa visita vai ter esse resultado seguramente”, declarou Hugueney sobre a postura do governo mandarim. Ele salientou que o Brasil precisa buscar mudar o panorama na área comercial e “da qualidade da relação comercial. Quantidade vai ter sempre”.”

(Portal Terra)

Em clima de 285 anos de Fortaleza, prefeita responde perguntas de ex-prefeitos

602 7

“O que os homens e a mulher que administraram Fortaleza desde a década de 60 gostariam de saber da atual ocupante do cargo que um dia foi deles? O POVO levou essa indagação aos nove ex-prefeitos vivos da cidade. O resultado você nessa segunda parte da série comemorativa dos 285 anos de Fortaleza, que se completam nesta quarta-feira, 13.

Três dos ex-prefeitos – José Walter, Vicente Fialho e César Neto, preferiram não perguntar nada à prefeita Luizianne Lins (PT). Coube a Luiz Marques, Lúcio Alcântara, Barros Pinho, Maria Luiza Fontenele, Ciro Gomes e Antonio Cambraia conduzir o bate-papo sobre a cidade e a política com a atual prefeita de Fortaleza.

Expoentes de diferentes momentos da história política, cada um deles administrou a cidade durante um momento específico da trajetória recente de Fortaleza, conforme O POVO mostrou ontem, ao destacar o papel de cada um na construção da cidade atual. Hoje, você confere o diálogo entre as Fortalezas do passado recente e a Capital do presente.

Há coisas que só sabe quem passou por lá. Na segunda matéria comemorativa dos 285 anos da cidade de Fortaleza, celebrados nesta quarta-feira, 13, O POVO pediu aos nove ex-prefeitos de Fortaleza ainda vivos que fizessem perguntas à atual detentora do cargo, Luizianne Lins (PT).

Das respostas, surge uma Luizianne que se reafirma socialista, ao responder a Maria Luiza Fontenele. Que admite, a Lúcio Alcântara, não ter conseguido realizar algumas obras no tempo que pretendia. Mas que, a Antonio Cambraia, responde que todas as ações municipais para a Copa ficarão prontas em sua gestão.

Três deles – José Walter, Vicente Fialho e César Neto – preferiram não perguntar.

Luizianne respondeu por e-mail, sem saber qual ex-prefeito tinha feito cada pergunta. Eles também foram convidados a dar uma nota à atual administração, que você confere no quadro abaixo.

Ciro Gomes, prefeito de 1989 a 1990

A lembrança

1 Por que medida a senhora gostaria de ser lembrada no futuro, após sua gestão?

Luizianne Lins – Como um governo popular e democrático, que inverteu as prioridades do poder público, colocando as pessoas no centro das ações, criando mais oportunidades e reduzindo desigualdades. Ensinando que a cidade é de todos e todas, e, por isso, é responsabilidade de cada um cuidar dela também. Esse é o espírito da Fortaleza Bela! A utopia de uma cidade mais justa, mais humana, mais amorosa e menos segregada. O maior exemplo dessa inversão de prioridades que começamos em Fortaleza é a implementação do Orçamento Participativo (OP). Hoje, o povo vivencia uma nova forma de administração, onde ele resolve, ao lado da Prefeitura, onde serão aplicados os recursos públicos da Cidade. Para se ter uma ideia, cerca de 27 mil pessoas participaram das assembleias do OP em 2010. Hoje, estamos com um índice de 70% de demandas de obras e serviços já entregues para a população. E assim como fazemos no OP, nós procuramos compartilhar com o povo todas as nossas ações, através da realização de conferências, da formação de conselhos populares. O Plano Diretor também foi construído num processo participativo. Esse compartilhamento é essencial pra gente transformar Fortaleza verdadeiramente. Afinal, em torno de 75% dos fortalezenses precisam dos serviços públicos, somos a quarta cidade mais desigual do Brasil. Há um gigantesco abismo social entre ricos e pobres que, como prefeita, não posso ignorar. Por isso, passei a primeira gestão fortalecendo os serviços públicos e, em paralelo, captando recursos para as grandes obras que estamos fazendo hoje. Por exemplo, o Governo Federal recomenda que as cidades apliquem no mínimo 15% do seu orçamento em Saúde. Nós aplicamos 23%. Nossa rede pública de ensino é a terceira maior do País, são mais de 200 mil alunos. Atentos a isso, reformamos e ampliamos, até agora, 289 escolas e abrimos cerca de 900 salas de aula, além de fornecermos fardamento completo, transporte escolar e merenda de qualidade. Também estamos realizando a maior política habitacional já feita nesta Cidade. Já diminuímos de 106 para 95 as áreas de risco. Ou seja, além de as reduzirmos, não deixamos que aumentassem, como acontecia anteriormente. E estamos construindo e reformando milhares de casas. Somos a capital do Nordeste que mais investe recursos públicos em obras. Só para citar algumas: Drenurb, Transfor, Hospital da Mulher, Cucas, Vila do Mar, requalificação da Praia de Iracema, reforma do estádio Presidente Vargas, Jardim Japonês, Praça do Futuro, Preurbis (Programa de Requalificação Urbana com Inclusão Social), as Praças do Povo, a reforma e entrega do Paço Municipal e do Passeio Público, dentre muitas outras. Por isso, acho também que seremos reconhecidos como a gestão que mais fez obras em Fortaleza. Também instituímos uma política de valorização dos Direitos Humanos, criando uma secretaria para o tema que trabalha com as especificidades de segmentos como infância e adolescência, idosos, negros, pessoas com deficiência, diversidade sexual. Pessoas que, antes, ficavam praticamente invisíveis aos olhos do poder público.

Lúcio Alcântara, prefeito de 1979 a 1982

Falhas

2 Onde a senhora acha que falhou? Não o que não foi feito porque não tinha dinheiro. Onde poderia ter feito mais e não fez com os elementos de que dispõe?

Luizianne – Ainda tenho mais de um ano e meio pela frente. Então, é prematuro avaliar agora. Mas posso dizer que tenho perseguido obstinadamente o melhor para Fortaleza. Por isso, digo que estamos acertando todos os dias. Às vezes corrigindo o percurso, o que é normal.

Mas, de fato, a experiência na Prefeitura me ensinou que nem tudo depende da nossa vontade, que o ritmo das coisas depende também de inúmeros fatores externos. Então, nem tudo eu pude realizar no tempo que queria. Talvez eu não devesse ter anunciado alguns prazos, pois, repito: nem tudo depende só do querer fazer agora e rápido. Mas o mais importante é que nós estamos realizando nossas obras, tudo está em andamento! Tenho certeza de que, ao fim da gestão, entregarei para o povo uma Fortaleza muito melhor do que aquela que encontrei.

Luiz Masques, prefeito de 1978 a 1979

Limpeza

3 Por que a limpeza da cidade está tão precária?

Luizianne – A coleta domiciliar está acontecendo  normalmente, com caminhões monitorados por GPS, um dos sistemas mais modernos do mundo. A capinação e varrição em todas as Regionais acontece sistematicamente. Só em 2010, coletamos mais de 130 mil toneladas de resíduos sólidos. Também atuamos nas áreas de  risco, limpando margens de riachos, rios, canais e lagoas – fundamental no período de chuvas. Por conta dessa prevenção, felizmente não registramos nenhuma morte no período chuvoso em nossa gestão. O desafio é exterminar os pontos de lixo. Isso está relacionado com a cultura da população, seja pequeno ou grande produtor de lixo. Somente no Centro da cidade são 44 pontos. Na licitação de manutenção preventiva e corretiva que pretendíamos realizar, e que agora vamos aperfeiçoar em função de observações do Tribunal de Contas do Município, também estava previsto a coleta de pontos de lixo de forma mais intensiva. Mas vamos perseguir esse objetivo, inclusive chamando a responsabilidade da atual empresa que presta o serviço, que deverá nos apresentar um plano de limpeza para os corredores e principais avenidas diuturnamente. Se sujou, terá de ser limpo imediatamente. Outro fator importante é a  contribuição da população. Lançamos recentemente uma campanha de educação ambiental para conscientizar sobre o papel de cada um na limpeza da Cidade, pois é necessário o compromisso  de todos os moradores, empresários e catadores com uma cidade limpa. Sem esse compromisso não há limpeza pública eficiente.

Barros Pinho, prefeito de 1985 a 1986

Trânsito

4 Que dificuldade a  senhora enfrenta para  não se debruçar com todo afinco e todo o seu talento para resolver o problema do caos do trânsito de Fortaleza? Falta parceria da sociedade e dos demais poderes para o enfrentamento da questão? Ou faltam recursos para melhorar os espaços do homem que vêm sendo tomados pelo carro?

Luizianne – A mobilidade urbana está no centro das políticas e ações de trânsito.  Nós temos nos debruçado sobre esse tema, que é uma preocupação mundial, não só local. Por isso, estamos implementando políticas para pedestres, ciclistas e pessoas com deficiência, bem como fazendo um grande esforço para facilitar a vida dos usuários de transporte coletivo. Não à toa, nossa política de mobilidade tem sido exemplo para muitas cidades brasileiras. Devemos lembrar que, nos últimos anos, aumentou muito o consumo de veículos no Brasil. Somente em Fortaleza, são cerca de 600 mil carros circulando, numa cidade que teve seu desenvolvimento concentrado em áreas como Aldeota e Centro. No restante do Brasil acontece praticamente o mesmo e capitais como São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador e Recife, dentre outras, sofrem com grandes congestionamentos. Inclusive porque, historicamente, as cidades não foram planejadas do ponto de vista dos pedestres. Ou seja, tudo contribuiu para que o trânsito ficasse cada vez mais saturado no Brasil. Então, enquanto o transporte individual for priorizado em relação ao coletivo, esses problemas vão perdurar, independente do que for feito para amenizar a situação. Por isso, além de facilitar a fluidez do carro de passeio, nós devemos priorizar o  transporte público e tornálo mais atraente. É o que estamos fazendo! Nesse sentido, nós tratamos a tarifa como algo que deve facilitar o acesso das pessoas aos meios de transporte. Nunca a passagem de ônibus ficou congelada por mais de quatro anos como ficou na nossa gestão – e ela permanece, desde 2005, como a menor do Brasil dentre as cidades de mesmo porte e com sistema integrado. Isso possibilitou um aumento de passageiros de cerca de 20% (ônibus e vans). Também criamos a Tarifa Social, a Integração Temporal, a Hora Social; aumentamos de 23 para 660 ônibus adaptados com elevadores e estamos adaptando as vans e os taxis. No trânsito, fizemos concurso para agentes e investimos em educação, através da Escola Municipal de Trânsito e campanhas educativas. Estamos modernizando os semáforos com tecnologia LED, que melhora a visibilidade. Hoje, 276 dos nossos 660 semáforos são controlados por computadores, através do Controle de Tráfego em Área (CTAFOR), que, aliás, tornou-se referência como  o melhor controle de semáforos do Brasil. Já o Transfor está recuperando avenidas, como já podemos ver na Bezerra de Menezes, Luciano Carneiro, Humberto Monte (onde, inclusive, construímos um túnel), dentre outras. Somos a cidade do Nordeste com maior número de ciclovias e, após o Transfor, teremos saltado de 65 para 95 quilômetros de vias para ciclistas. Estamos realizando o Programa de Drenagem Urbana de Fortaleza (Drenurb), que vai solucionar problemas históricos de alagamentos. Essas iniciativas vão melhorar a mobilidade  como um todo. Enfim, temos total confiança de que estamos na direção certa, de que estamos reescrevendo a política de trânsito e transporte em Fortaleza. Nossa gestão foi a que mais avançou nessa questão, que é complexa e envolve tempo, educação e investimento.

Antonio Cambraia, prefeito de 1993 a 1996

Copa

5 Como a Prefeitura está se estruturando para administrar as obras da Copa? Como é o planejamento?

Luizianne – O planejamento  de Fortaleza é um dos mais profissionais apresentados para a comissão da Fifa que elegeu as cidades–sede da Copa no Brasil, como a própria entidade reconheceu na época. Inúmeras obras municipais estão no pacote de intervenções para a Copa, cujas licitações estão em vias de começar, dependendo agora de trâmites no Governo Federal. Em âmbito estadual, a reforma do Castelão já começou. Então, nós – Prefeitura e Governo do Estado – temos clareza dos prazos e estamos trabalhando para cumprir o  que foi prometido para a Fifa. Vejamos a recuperação do Presidente Vargas, feita pela Prefeitura. Embora não seja um estádio oficial do evento, está cogitado para sediar os treinos das seleções que aqui jogarão. E o PV é o primeiro estádio, no contexto da Copa – podemos assim dizer -, a ficar pronto. O Novo PV agora é um equipamento com padrão internacional, que cumpre as exigências da FIFA. E, ao contrário do que dizem, foi construído rapidamente para uma obra de sua envergadura. Para a Copa em si, somente na área de infraestrutura estão previstas intervenções da Prefeitura nas vias de acesso ao Castelão, bem como melhoramentos viários nas avenidas Raul Barbosa, Paulino Rocha, Alberto Craveiro, Dedé Brasil e Via Expressa. O fortalezense deve ter confiança de que tudo será entregue até o final de minha gestão.

Maria Luiza Fontenele, prefeita de 1986 a 1988

Revolução

6 A senhora ainda acredita na possibilidade de um projeto revolucionário de transformação da realidade e na construção de um projeto alternativo para a humanidade?

Luizianne – Somos socialistas! Acreditamos na igualdade de oportunidades para todos e todas. Queremos socializar o poder, a riqueza e o saber. Então, acredito profundamente na transformação da sociedade. Minha vida militante é marcada pela crença de que a exploração e as opressões serão superadas por uma nova sociabilidade marcada pela liberdade, democracia e justiça social com sustentabilidade  ambiental. Mas administrar sob a égide do capital significa ter que mediar sistematicamente os conflitos que ele gera, e ainda avançar nas políticas sociais. Nossa experiência de governos de esquerda na América Latina não encontra paralelo em outras situações no mundo, exigindo do campo democrático e popular muita criatividade, com a clareza de que nosso projeto político transformador requer aprofundamento da democracia, inversão radical de prioridades pelo Estado e uma elevação do nível de consciência e organização da sociedade.

EX-PREFEITOS DÃO NOTA PARA LUIZIANNE

5

Luiz Marques

5,5

Antonio Cambraia

7

Barros Pinho

José Walter, Vicente Fialho, Cesar Neto, Lúcio Alcântara, Maria Luiza e Ciro Gomes preferiram não dá nota à administração Luizianne. Lúcio disse que não dá notas desde que deixou de ser professor. “A prefeita luta com as dificuldades dela. Eu votei nela no segundo turno, não nessa última eleição, mas na primeira. Acho que ela tem uma grande vocação política e espero que ela realmente faça o melhor que puder”. Já Maria Luiza explicou: “Não é que (Luizianne) não mereça nota. Eu acho que não é possível resolver o problema pela Prefeitura. Se eu desse uma nota, eu estaria fazendo uma avaliação falsa. Eu acho que seria avaliar algo que eu estou denunciando. Eu estou denunciando o sistema, que é por sua essência destruidor”, justificou.”

(O POVO)

No Peru, adversário de Humala no 2º turno segue indefinido

“Com cerca de 65% das urnas apuradas, o candidato nacionalista de esquerda Ollanta Humala figura como o vencedor disparado do primeiro turno das eleições presidenciais do Peru com mais de 28% dos votos.

Em segundo e terceiro lugares, numa briga muito acirrada pela vaga para a disputa do segundo turno no próximo dia 5 de junho, estão a parlamentar de direita Keiko Fujimori –filha do ex-presidente Alberto Fujimorio–, com 22.4% dos votos, seguida de perto pelo o ex-ministro de Finanças Pedro Pablo Kuczynski, com 22.3%

Nas pesquisas de boca de urna e nos boletins extra-oficiais de contagem rápida de urnas, Keiko Fujimori era apontada como a candidata que disputaria o segundo turno com Humala. Kuczynski, no entanto, acabou surpreendendo e ficando grande parte da apuração na frente da adversária.

FAVORITO

Humala já era o favorito para liderar o primeiro turno das eleições presidenciais deste domingo no Peru. A principal dúvida é quem irá com ele para um segundo turno.

Apesar de o Peru ter crescido a uma taxa chinesa de 7% nos últimos anos, a desigualdade de renda gerou insatisfação entre as camadas mais pobres, que apostam no candidato esquerdista.

E a oposição a Keiko e Humala, considerados populistas, está rachada.

O ex-presidente Toledo convocou os outros candidatos de centro-direita (PPK e o ex-prefeito de Lima Luis Castañeda) a unir-se contra ambos. Mas foi rechaçado.

A população de baixa renda se sente excluída do crescimento do país e reivindica maior participação na riqueza gerada pela exportação de recursos minerais.

FUJIMORI

Keiko Fujimori comemorou ainda na noite de domingo com seus seguidores sua possível passagem para o segundo turno das eleições, levando em conta os resultados da boca de urna, e assegurou que trabalhará para que “o crescimento econômico chegue a todos os peruanos”.

Em uma sacada do hotel Bolívar, Keiko disse que os resultados da pesquisadora Datum e da organização civil Transparencia são contundentes e que pode dizer com tranquilidade e serenidade: “Já estamos no segundo turno!”.

Após a festa nas ruas, a filha do ex-presidente Alberto Fujimori expressou que era a favor de que o país siga progredindo e que não olhe para o passado.

Nesse sentido, acrescentou que trabalhará com respeito à democracia, aos direitos humanos e à liberdade de imprensa.

“Tenho um compromisso para trabalhar para que o Peru siga crescendo, recebendo investimentos, mas também de luta contra a pobreza, a desigualdade e a violência”, disse.

Além disso, fez um apelo para trabalhar juntos para que o Peru seja um só país, onde o crescimento chegue a todos os peruanos, pois os habitantes dos assentamentos humanos não têm água nem títulos de propriedade.

Keiko disse que o caminho rumo à Presidência é ainda longo, “faltam várias semanas”, apontou, e pediu que se mantenha a “atitude de humildade, sem soberba e sem triunfalismos”.

A candidata da Forza 2011 disse que seu rival no segundo turno, Humala, é “um bom candidato” e pediu um aplauso para todos os candidatos presidenciais que participaram do pleito.”

(EFE)