Blog do Eliomar

Arquivos do autor Eliomar de Lima

Escândalo: Gravações de suborno colocam em risco Copa na Inglaterra

“O tabloide inglês The Mail divulgou trechos de gravações de David Triesman, presidente da Federação Inglesa de Futebol (FA, na sigla original), que podem colocar em risco a candidatura inglesa à sede da Copa de 2018. Segundo o jornal, o dirigente teria acusado a Espanha de tentar comprar árbitros do Mundial da África do Sul. Diante do escândalo, ele apresentou neste domingo a renúncia à presidência do comitê de candidatura da Inglaterra.

A responsável pelas gravações seria a funcionária pública Melissa Jacobs, que teria tido um caso com Triesman na época em que ele foi ministro do governo britânico. Na conversa informal, o dirigente teria exposto uma série de opiniões pessoais, que envolvem até a destituição de John Terry do posto de capitão da seleção.

A acusação mais séria, no entanto, envolve a cartolagem espanhola, que também quer receber a Copa de 2018. Triesman entende que o projeto britânico teria boa aceitação entre representantes africanos e asiáticos no Conselho da Fifa, que decidirá a sede. A Espanha, no entanto, seria mais bem vista pelos latino-americanos.

Diante desse panorama, segundo Triesman, os espanhois abririam mão de sua candidatura em favor dos russos, que também estão no pleito. Os políticos do Leste Europeu, no entanto, teriam de ajudar os ibéricos na compra de juízes que estarão na Copa do Mundo de 2010.

A trama complexa não parte de nada concreto, e pode ser uma mancha na candidatura inglesa, que sempre se declarou ética na disputa. Por isso, a FA tentou vetar a divulgação do conteúdo da gravação na Justiça, sem sucesso. O jornal The Mail publicou a maior parte das conversas, que envolvem até o escândalo sexual de John Terry.

Em fevereiro, o zagueiro do Chelsea perdeu a braçadeira de capitão da seleção inglesa quando seu suposto caso com Vanessa Perroncel, ex-mulher do lateral Wayne Bridge, veio a público. Triesman teria dito que Terry nunca admitiu um erro, até mesmo na conversa que teve com Capello, e que isso se devia aos conselhos de seus amigos e familiares.”

(Com Agências Internacionais)

Serra usa estrutura do Estado em sua pré-campanha

“Quarenta dias depois de deixar oficialmente o governo de São Paulo, o pré-candidato do PSDB à Presidência, José Serra, tem usado estrutura do Estado em sua pré-campanha.

O ex-governador, que transmitiu o cargo para o vice Alberto Goldman em 6 de abril, conta com policiais militares na sua segurança. Em São Paulo, ele e seu staff têm ido a eventos em carros oficiais. Além disso, os gastos com combustível e celular usados pela equipe de segurança também ficam a cargo do governo.

Amparado em decreto estadual, de março de 2004, o governo afirma, em nota, que não há ilegalidade no uso da segurança do Estado. O decreto prevê ‘a prestação de serviços de atendimento funcional e, complementarmente, de segurança’ a ex-governadores durante todo o mandato do sucessor.”

(Folha Online)

Copa 2014 – O ritmo das obras é de treino

“À primeira vista, a informação de que 25% das ações prometidas para Fortaleza com vistas à Copa do Mundo de 2014 estão em andamento não parece ruim. No entanto, os números escondem uma realidade que não deixa motivos para comemorar. Quase um ano depois de 31 de maio de 2009, quando a cidade foi anunciada como uma das 12 subsedes do Mundial de Futebol no Brasil, poucas das 88 melhorias anunciadas para a cidade, de fato, avançaram.

Atualmente, estão em andamento 22 ações incluídas no Plano Sistêmico de Investimentos para a Copa do Mundo de 2014, mas, em junho de 2009, já havia 20 projetos em execução. Entre as promessas hoje em andamento, 15 já haviam iniciado quando o pacote de obras foi anunciado, ou seja: apenas sete realmente começaram quase um ano depois.

O Plano Sistêmico foi apresentado em solenidade comandada pelo governador do Estado, Cid Gomes, e pela prefeita de Fortaleza, Luizianne Lins, três dias depois que Fortaleza foi anunciada subsede. Além de obras do Estado e do Município, o programa também prevê ações de responsabilidade da União e inclui projetos nas mais diversas áreas (ver página 5).

Quatro ações estão concluídas: a torre de controle e o terminal de cargas do Aeroporto Internacional Pinto Martins; a conclusão da BR-116 no trecho entre Itaitinga e Horizonte; e a Rodovia de acesso à Praia Bela, em Aquiraz, onde fica situado o Resorts Aquiraz Golf & Beach Villas, empreendimento citado como suporte à rede hoteleira durante o evento. No entanto, todas já estavam em andamento em junho de 2009 e foram concluídas até janeiro passado.

Detalhamento

Das outras 62 melhorias prometidas, duas estão paralisadas, cinco licitadas (aguardando execução), seis em licitação e 49 se encontram em fase de projeto – 55,7% do total. Os dados foram obtidos com exclusividade pelo Diário do Nordeste, a partir de informações colhidas junto ao Governo do Estado, à Prefeitura de Fortaleza e a órgãos do Governo Federal, tendo como base o mês de abril de 2010.

As ações do pacote da Copa que, de fato, iniciaram após a escolha de Fortaleza foram a reforma do Estádio Presidente Vargas (PV); a duplicação da Avenida Maestro Lisboa; a compra de equipamentos e viaturas para a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Civil (SSPDS); o reaparelhamento das emergências terciárias do HGF e do Hospital de Messejana; a conclusão da Ponte sobre o Rio Cocó; e a recuperação da BR-116 entre Fortaleza e Messejana.

Na opinião do secretário do Esporte do Estado, Ferruccio Feitosa, que coordenou a equipe de 70 técnicos do Governo e da Prefeitura para a elaboração do Plano de Investimentos, a situação é “super confortável”. “Fizemos um plano muito ousado, bem além das exigências do caderno de encargos da Fifa. Há uma rigidez maior em relação ao tempo de obra do Estádio Castelão, mas as outras obras poderão ficar prontas até a véspera da Copa”, afirma.

Feitosa destaca que 41,9% das obras sob a responsabilidade exclusiva do Estado estão em andamento. Como exemplo, cita os alargamentos da Maestro Lisboa e da CE-040 e a construção do Centro de Eventos e do Aeroporto de Aracati. Além disso, lembra que alguns projetos, como o Acquário Ceará, estão em licitação e, outros, em fase final de elaboração de projeto.

Entre as ações sob responsabilidade do Município, 78,9% estão em fase de projeto. O gerente do Projeto Copa 2014 na Prefeitura de Fortaleza, Felipe Araújo, discorda que esse seja um dado negativo. “O fato de a obra estar em fase de projeto significa que está percorrendo o trâmite normal. Não se faz uma obra sem projetos ou sem recursos. As ações que já tem cronograma definido estão em dia”.

Conforme Araújo, atualmente, as obras de mobilidade urbana estão recebendo mais atenção, como os alargamentos das avenidas Dedé Brasil, Paulino Rocha e Alberto Craveiro, a complementação da Via Expressa e a melhoria da Avenida Raul Barbosa. Essas e todas as ações da Prefeitura, segundo ele, deverão estar prontas até 2012.

O representante do Município explica que muitas ações dependem de um posicionamento do Governo Federal para começar, mas diz que Estado e Município tiveram reunião essa semana e acertaram fazer uma triagem a fim de priorizar obras em cada um dos eixos de ação do Plano Sistêmico.

Para agilizar as ações, Araújo conta que a Prefeitura pleiteia junto à União um marco regulatório mais dinâmico das obras da Copa. “Ninguém está querendo propor a não fiscalização dessas obras ou dispensa de licitação, mas uma atuação mais imediata dos órgãos competentes para que haja a celeridade devida”, esclarece.

OBRAS REQUENTADAS
Projetos antigos pegam carona

O Plano de investimentos para a Copa do Mundo de 2014 é composto de uma série de obras que estavam pensadas há vários anos para Fortaleza, algumas cuja relação com a Copa do Mundo é difícil de detectar.

É o caso de projetos como o Vila do Mar, a Revitalização do Morro de Santa Terezinha e a construção de um novo terminal de cargas para o Aeroporto de Fortaleza. Também chama atenção a existência de quatro projetos diferentes para equipagem da Autarquia Municipal de Trânsito, Cidadania e Serviços Públicos (AMC), em um custo total de R$ 74 milhões.

Aquisições

São elas as aquisições de viaturas de trânsito (R$ 14,1 milhões) e equipamentos de trânsito (R$ 15,9 mi) e de uso operacional e pessoal (R$ 4,1 mi), além da ampliação do Projeto de Controle de Tráfego por Área – CTAFOR (R$ 39,7 milhões).

Segundo o gerente do Projeto Copa 2014 na Prefeitura de Fortaleza, Felipe Araújo, as ações do Município foram incluídas no Plano a partir de demandas apresentadas pelas próprias secretarias responsáveis. No caso da AMC, ele explica que os projetos possibilitarão uma operação diferenciada durante o evento, “para além da capacidade cotidiana da AMC”.

Quanto à Revitalização do Morro de Santa Terezinha, explica que o local unificará a orla marítima da cidade, por estar localizado entre a Praia do Futuro e a Beira-Mar. O Vila do Mar, iniciado pelo Governo do Estado há cerca de oito anos, também tem uma face turística, conforme Araújo, pois revitalizará a orla oeste. “Fomos muito além do caderno de encargos da Fifa, trazendo ações que já eram de gestão e têm impacto social, econômico e turístico, como o Vila do Mar e a requalificação da Praia de Iracema. O grande sentido da Copa é ser um evento indutor de recursos que pode colaborar para resolver problemas crônicos da cidade”, cita.

Sob a responsabilidade do governo estadual, várias obras antigas também compõem o pacote. Entre elas, a revitalização dos rios Cocó e Maranguapinho. “Devemos aproveitar a Copa para antecipar o maior número de obras que possam beneficiar a cidade, que, não fosse a Copa, poderiam passar 20 anos para serem realizadas”, defende o secretário do Esporte do Estado, Ferruccio Feitosa.”

(Diário do Nordeste)

Detran na contramão do cidadão

“O Detran do Ceará deu uma demonstração eloquente de falta de visão de conjunto, quando proibiu o estacionamento de veículos no acostamento do Parque do Cocó, na avenida Sebastião de Abreu, prejudicando centenas de pessoas que querem caminhar nas trilhas do Parque. Enquanto em outros Estados o poder público faz tudo para incentivar seus cidadãos à prática de exercícios físicos para manter uma boa saúde, no Ceará se procura desestimular.

Ora, a avenida é larga o suficiente para permitir uma fila de veículos ao lado da calçada, bastando apenas sinalizar. As pessoas mais idosas não têm condições de andar grandes distâncias para acessar o parque e, assim, há mais de um mês estão prejudicadas.

Quem vem em socorro do cidadão? É lícito impedi-lo de frequentar um dos únicos espaços em que ele tem contato com a natureza, numa cidade tão desfalcada de áreas verdes? Com a palavra, as autoridades.”

(Coluna Concidadania, do O POVO)

Dunga não levou Adriano porque ele bebe e bate na mulher…

 

Com o título “A Família Dunga”, eis o que escreve, neste domingo, no O POVO a colunista Suzy Bandeira. Dentro do seu estilo escrachado, mas bem interessante.

Se há uma coisa que eu gosto do mesmo tanto do que o Campeonato Cearense é a Copa do Mundo. Tai um negócio que eu dou o maior valor. As ruas enfeitadas, bandeirinhas penduradas nos fios, bandeiras do Brasil pregadas nas portas das casas, calçada, meio-fio e até o asfalto esburacado pintado de verde-amarelo. Em todo quarteirão um bêbado soltando rasga-lata. É mesmo um espetáculo. Pena que não é toda rua que tem um argentino pra gente frescar com a cara dele.

Dunga finalmente entregou a lista dos convocados. Vocês gostaram? Eu achei muito “mais ou menos“. É o estilo “família Dunga“. O capitão do Tetra mostrou coerência. Para alguns, inclusive para mim, ser coerente não é elogio. Coerente é apenas a pessoa que nunca teve outra ideia. E só não muda de ideia quem não as tem. Momentos de filosofia com Suzzy Bandeira.

O volante pegador tornou-se um técnico muito parecido consigo mesmo. Tem uns quatro “metidos à Dunga“ entre os 23 convocados. Outra coisa que Dunga gosta muito é de reserva. Gosta tanto que levou até um reserva do Flamengo, o Kléberson. Sem contar os reservas dos times da Europa, dos quais ele chamou bem uns oito.

Ele aproveitou a convocação para entrar na campanha de saúde pública contra uso de drogas. Nada de cracks na seleção brasileira.

Outro critério utilizado foi a folha corrida dos jogadores. Tipo aquele professor de colégio que só leva para o passeio no final do ano quem tirou 10 em comportamento. Só convocou “moça de família“. Nenhum baladeiro no grupo. Tem uma porção de gente que não fuma, não bebe, não gosta de pagode e, principalmente, não joga. Aliás, tem uma porção que não joga mais nada.

Quem gostou mesmo da convocação foi a indústria farmacêutica. Haja medicamento pra dor de cabeça, ansiedade e depressão enquanto o Brasil estiver na Copa. E cada jogo vai ser como andar de topic na Leste-Oeste. Com o maior cuidado porque, a qualquer momento, o chão pode ceder e você ficar cair no buraco.

Não chamou o Adriano, porque bebe, farreia e ainda bate na mulher. O Flamengo, para não ver seu goleador entrar em depressão com a dispensa, arranjou uma fábrica de cervejas como patrocinador. Agora vai, se o Imperador já derruba todas pagando e o povo falando dele, imagina agora com o incentivo do patrão. Haja garrafa vazia e haja tabefe em quem ficar na frente dele.

No lugar do Adriano, foi convocado o Grafite, que jogou apenas 15 minutos. Como estava meio apagado, um bom nome para fazer dupla com o Grafite era o Valdir PAPEL.

No âmbito local, Icasa perdeu mais uma, mesmo jogando bem. Grande vantagem essa!

Já o Vovô, que venceu o Fluminense na estreia, pega hoje o Santos. Sem Geraldo e sem Clodoaldo, contra os meninos da Vila putos nas calças porque não foram convocados. Ceará, que não tem nada com isso, vai se esforçar para não pagar o pato. Ou melhor, o Ganso.

É isso aí. Passarinho que come pedra sabe o fiofó que tem.

Beijão e até domingo!

Caso Alice – Ombudsman comenta o fato

O ombudsman do O POVO, jornalista Paulo Rogério, comentou uma das boas polêmica da última semana e neste Blog com grande repercussão: a matéria do O POVO que tratou de um pacote de obras da administração municipal e que foi acrescida de uma ilustração da prefeita a la Alice no País das Maravilhas. Bem, eis o que escreve Rogério neste domingo em seu comentário público.

“Nenhum meio de comunicação ou jornalista deve sofrer sanção por difundir a verdade, criticar ou fazer denúncias contra o poder público”.
(Princípio 10, Declaração de Chapultepec*)

O verbete “Jornalismo crítico“ do Guia de Redação e Estilo (página 298) define: “Mesmo sem opinar, é possível noticiar de forma crítica, comparando fatos, estabelecendo analogias, identificando atitudes contraditórias e veiculando diferentes versões sobre o mesmo acontecimento“. Na edição de quarta-feira (12), a editoria Política aplicou com sucesso esse princípio, analisando o anúncio da Prefeitura de Fortaleza de uma série de projetos para o Centro, comparando-o com outras obras prometidas e confrontando os investimentos com o que foi realizado. Um texto que questionou o discurso com a prática.

A matéria “Luizianne na cidade das maravilhas“ usou como ilustração uma fotomontagem da prefeita no papel da personagem Alice, do livro Alice no País das Maravilhas do escritor Lewis Carrol, recentemente adaptado para o cinema. A meu ver, a matéria cumpriu bem o papel do jornalismo de cobrar e confrontar os fatos. Os leitores também elogiaram o texto nos comentários do O POVO Online. Pena que nem sempre seja assim!

AÇÃO/REAÇÃO
“Tínhamos noção, desde o início, que havia a possibilidade de más interpretações deturparem o sentido da mensagem. Apenas não achamos que isso deva paralisar o nosso processo criativo“, assegurou o editor-executivo de Conjuntura, Guálter George. Segundo ele, o humor estará presente na cobertura das Eleições 2010, anunciada no domingo. Mas não como a marca principal. “Ela vai propor uma grande discussão sobre o Ceará, do presente e do futuro“ garantiu.

A crítica nem sempre é bem recebida pelo criticado. Inclusive entre os próprios jornalistas. No dia seguinte, o jornal publicou “Ponto de Vista” da assessoria de comunicação da prefeita criticando forma “jocosa” da matéria. Coincidência ou não, no mesmo dia, O POVO não conseguiu falar com a prefeita Luizianne Lins para confirmar resultado de reunião que tratou da instalação do estaleiro em Fortaleza. Outros veículos foram mais felizes. Segundo o blog do Eliomar (http://portaleliomar.opovo.com.br) a prefeita teria afirmado ontem, durante visita às obras do estádio Presidente Vargas, estar “em greve com o jornal O POVO“. E os leitores/eleitores/cidadãos de Fortaleza? Como ficam?

Vice de Cid – Pinheiro diz que quer conversar com Luizianne

“Discreto ele é. Paciente também. Entre a discrição e a paciência, o professor Francisco Pinheiro foi acumulando forças dentro do governo Cid Gomes, especialmente junto ao governador, para chegar em 2010, no momento da definição sobre o palanque majoritário da aliança liderada por PSB e PT desde 2006, com chances de permanecer vice-governador. A resistência parece vir de onde menos se esperava: do seu próprio partido, o PT, e da responsável pela indicação dele, quatro anos atrás, a prefeita de Fortaleza, e atual presidente estadual petista, Luizianne Lins.

Todos falam que Luizianne não banca mais o nome de Pinheiro, ela até já fez um gesto concreto nesse sentido ao orientar o ex-assessor direto, jornalista Valdemir Catanho, a se desincompatibilizar, mas Pinheiro diz que ainda precisa ouvir da própria boca dela que não tem mais a sua simpatia para renovar a dobradinha com Cid.

Francisco Pinheiro evita ser uma peça decorativa dentro do governo. Sua agenda é movimentada, o que, inclusive, dificultou a própria entrevista que O POVO publica nesta página, fruto de uma conversa que exigiu três momentos, em três dias, para ser finalizada. Confira os trechos principais

O POVO – Qual a análise que o senhor faz do quadro político do momento, especialmente do ponto de vista do PT?
Francisco Pinheiro – Há um processo de definição do quadro nacional que nos dá uma certa tranquilidade. Esta é, talvez, a eleição em que o PT, internamente, tenha tido mais tranquilidade, não há qualquer grande desentendimento em torno da indicação da Dilma (Rousseff, ex-ministra-chefe da Casa Civil), algo que, inclusive, muda um pouco a nossa característica. O PT sempre foi marcado por um debate muito forte em torno da escolha dos nossos candidatos e, em 2010, tivemos esse processo que, do meu ponto de vista, como militante há quase 25 anos, foi o mais tranquilo da história do partido.

OP – Quando à escolha da ministra Dilma como candidata à sucessão de Lula, o senhor a considera boa?
Pinheiro – Acho que, tecnicamente, é a pessoa que está no coração de tocar o governo (Lula). Ela teve papel importante na elaboração dos principais projetos. Desde quando era ministra das Minas e Energia a Dilma já demonstrou muita dedicação ao esforço de pensar o Brasil participando da discussão de uma das questões mais importantes e complexas do País que, sem dúvida, é o da matriz energética. Ela, hoje, conhece o governo por dentro, em termos da máquina pública, e também conhece o governo na sua exteriorização, por ser quem, dentro do governo, acompanha as obras públicas.

OP – A tranqüilidade interna nacional que o PT experimenta, conforme o senhor mesmo ressalta, não se registra quanto ao esforço de fechar a equação da aliança. Especialmente com o principal aliado, o PMDB, persistem problemas estaduais, inclusive no Ceará. Como será possível um entendimento final que seja feliz para todos os lados?
Pinheiro – O PT já deliberou que a prioridade é a eleição nacional, o que implicará em termos de abrir mão de nossos interesses em alguns estados. É o que tem acontecido e não apenas em favor do PMDB. Por exemplo, no Piauí, que o PT governou durante oito anos, há um acordo quase fechado pelo qual o partido passa à vice e o PSB ocupa a cabeça de chapa. Dentro da visão de que fundamental é o projeto nacional.

OP – O Ceará, como fica dentro dessa equação?
Pinheiro – Acho que as resoluções do partido deixam muito claro que nós, no Ceará, vamos repetir a aliança que construímos em 2006. A eleição de quatro anos atrás significou o início de um novo processo político no Ceará, conforme encara uma parcela significativa do PT. E, claro, esse processo político teve decorrências. Por exemplo, na política agrária tivemos uma mudança qualitativa de grande significado. Vou lançar apenas um dado: nós temos o maior processo de regularização fundiária do Brasil, onde pequenos produtores que detinham a posse da terra passaram a ter, também, a escritura. Na saúde, pra pegar outro exemplo, também nota-se uma mudança significativa. O Ceará é dividido em três macrorregiões de saúde, mas, apenas uma delas dispunha de hospital terciário, de alta complexidade, e era, justamente, Fortaleza. Pois neste governo estamos fechando as duas outras macrorregiões com a construção de hospitais terciários em Sobral, onde as obras começaram agora, e Juazeiro do Norte, que deve ser inaugurado ainda antes de junho. Na educação estamos construindo a maior rede de ensino profissionalizante do Brasil. Hoje já funcionam 60 e vamos terminar o governo com 127. O que eu quero mostrar? Que a continuidade da aliança não se dá apenas por interesses eleitorais, mas, também, em função de mudanças programáticas.

OP – Isso relativiza, até certo ponto, a discussão sobre a chapa majoritária a ser composta para 2010?
Pinheiro – Não caberia a mim fazer.. Bom, há uma coisa que nós, militantes do PT, aprendemos a ter cuidado, adotando-se uma postura de coerência com o que partido definir. O PT está decidido até então, existe uma resolução clara nesse sentido, a manter a candidatura de vice-governador e lançar um nome para disputa do Senado.

OP – O PT tem sido um bom parceiro para o governador Cid Gomes?
Pinheiro – Eu diria que houve alguns momentos de tensionamento, mas, olhando-se as resoluções do partido, todas elas apontaram para o apoio integral ao governo. Agora, claro, uma coisa é o que dizem as resoluções e outra a postura de figuras públicas que, às vezes, podem dizer algo que não corresponde ao que determina uma orientação partidária. É preciso ver isso.

OP – Ou seja, quem defende a ideia de candidatura própria do PT para o governo em 2010…
Pinheiro – Está completamente fora da perspectiva real. A resolução do PT é no sentido claro de manter a aliança.

OP – O senhor vê alguma possibilidade de rompimento entre PSB e PT no Ceará, no horizonte que vislumbra para 2010?
Pinheiro – Nenhum. Tanto pelo que o PSB representa para o projeto nacional como por tudo que disse antes em relação à ação programática do PT em termos estaduais.

OP – A saída recente da disputa presidencial do deputado Ciro Gomes, irmão do governador, facilita em quê os entendimentos políticos no Ceará? Aliás, na avaliação do senhor, facilita?
Pinheiro – Primeiro, sempre deixei muito claro, no nosso ponto de vista, a pretensão do ex-governador Ciro Gomes era legítima. Essa é uma questão que diz respeito muito à vida interna do partido dele, o PSB, e o PT sempre exige dos partidos parceiros que respeitem suas decisões e internas, exatamente porque faz o mesmo nas situações contrárias.

OP – O senhor tem sido um bom vice?
Pinheiro – (risos) Não poderia avaliar isso, seria uma pretensão minha. Se há algo que não faz parte da minha trajetória é ficar auto-avaliando, mas, de qualquer forma, diria que busquei cumprir aquilo que julgo que cabe a um vice fazer. Cumprir aquilo que é determinação, é acordo, a partir da aliança que fizemos, do que foi discutido.

OP – O senhor saberia recordar com detalhes a discussão que aconteceu, quatro anos atrás, que levou à sua indicação como candidato a vice na chapa liderada pelo então candidato Cid Gomes? Como se chegou ao seu nome?
Pinheiro – Até então, eu não tinha qualquer relação, pessoal ou política, com o governador. O que lembro é que houve uma discussão interna e se decidiu que a Luizianne seria a pessoa a influenciar nisso, na escolha do vice. Eu, na época, era secretário da Regional IV e ela conversou comigo e perguntou: você topa? Disse que meu nome estava à disposição, que era militante do PT, se ele achava que eu tinha o perfil, então.. Minha corrente era contra, queria que eu fosse candidato a deputado estadual, e, ainda falando com ela, comuniquei que iria aos companheiros fazer uma consulta. Fizemos a discussão, encaminhei algumas coisas e, depois, para não influenciar nas definições, fui para a Espanha com minha família. Passei lá dez dias enquanto as coisas rolavam aqui. Estava meio cansado, era período de férias, tinha comprado uma passagem à prestação, eu e minha mulher, e fomos para Europa, Espanha e, também, Portugal. Quando voltei a situação estava encaminhada e fui comunicado de que o pessoal decidira pelo meu nome.

OP – Diante desse cenário, com a aliança caminhando para ser reafirmada, hoje com a novidade da aproximação com o Cid, seria de imaginar como tendência natural que o senhor fosse novamente o vice na chapa para o governo. No entanto, há uma disputa aberta no PT. Por que?
Pinheiro – Porque o PT é o PT. É um partido que tem essas coisas que, na verdade, acabam sendo fundamentais para que ele permaneça vivo. O que nos dá vitalidade é isso, é o desejo de debater à exaustão todas as questões e, tomada uma decisão, todos acatarem democraticamente.

OP – O senhor gostaria de permanecer vice? A intenção inicial é essa?
Pinheiro – Hum, hum. Nós estamos trabalhando, como todos os pré-candidatos à vice (Valdemir Catanho, ex-secretário de Governo da gestão Luizianne Lins, e Joaquim Cartaxo, ex-secretário estadual de Cidades), no sentido de permanecer.

OP – Não incomoda ao senhor, de qualquer forma..
Pinheiro – Não, é natural. São legítimas as solicitações dos companheiros de partido, o que digo pra eles é que devemos fazer o debate.

OP – Com relação à postura da prefeita Luizianne Lins, que tinha sido a principal “madrinha“ da sua indicação em 2006, como o senhor analisa? Lembremos que ela, segundo consta, trabalha o nome de Valdemir Catanho, que se desincompatibilizou para uma possível indicação à vice.
Pinheiro – Até agora, não tivemos nenhuma conversa em que a Luizianne tenha sido que não sou o candidato dela. Nós, inclusive, temos algumas conversas marcadas e quero mesmo ouvi-la porque somos, acima de tudo, muito amigos.

OP – Politicamente, houve algum distanciamento?
Pinheiro – Não, a relação entre nós continua muito boa. A gente se telefona, costumo consultá-la sobre algumas coisas e se mais não fazemos é porque temos muitas atribuições. Ela tem muitas responsabilidades e eu, apesar de ter um cargo de vice, tenho muito trabalho.

OP – A aliança política que governa o Ceará, que em 2006 tinha PT, PSB, PCdoB, PMDB e outros partidos menores, mas excluía o PSDB, passou, no governo, a ser integrada também pelos tucanos. Como o senhor vê a possibilidade de para 2010 o palanque ter, também, o PSDB?
Pinheiro – Não creio que haja uma formalização de aliança com o PSDB.

OP – Se isso acontecesse dificultaria a permanência do PT na aliança?
Pinheiro – Nós temos resoluções que têm dito isso muito claramente. Agora, não acredito na possibilidade porque o governador Cid Gomes fez uma opção programática, não tenho nada contra as pessoas que fazem o PSDB, mas acho que temos programas um tanto quanto diversos. É só ver o programa que o PSDB executou no Ceará e este que temos executado aqui.

OP – Recentemente, porém, o senhor fez declarações elogiosas ao senador, e ex-governador, Tasso Jereissati. Houve algum constrangimento, alguma cobrança dentro do PT?
Pinheiro – Não, não foi nem um elogio. A questão é que a forma como saiu na imprensa, faz parte da picardia… O que eu disse foi algo muito simples, que na democracia a oposição é muito importante, não existe democracia sem ela. Foi durante um evento no qual citei o Heitor (Férrer, deputado estadual do PDT e uma das poucas vozes de oposição ao governo Cid na Assembleia), que estava presente, e parabenizei, também, o senador (Tasso Jereissati) que tem feito oposição ao nosso governo. Ai, disse que achava importante, na democracia, ter oposição. No entanto, em alguns blogs, só destacaram a parte em que eu elogiava, como se eu tivesse feito uma homenagem ao senador Tasso Jereissati.

OP – Houve cobranças internas?
Pinheiro – Não, houve alguns emails, de gente que tentou fazer um certo rebuliço, mas como eu não tenho rabo de palha, não tenho medo do que declaro, tenho sempre cuidado ao falar, não repercutiu.

TRAJETÓRIA

O POLÍTICO FAZ A HISTÓRIA
* 1. Professor de História do Ceará, da Universidade Federal do Ceará, Francisco Pinheiro não tirou o pé totalmente da academia, apesar dos afazeres no governo.. Pelo menos uma vez por mês vai ao Departamento para, segundo diz, “ver como os colegas estão“.

* 2. No momento, aproveita as folgas cada vez mais raras para escrever uma tese sobre pistolagem no Vale do Jaguaribe, Região da qual procede, filho que é do município de Jaguaribe.

* 3. Francisco Pinheiro é doutor em História Social pela Universidade Federal de Pernambuco. É especialista em História da Igreja na América Latina na PUC-SP. Foi presidente da Associação dos Docentes da UFC, vereador de Fortaleza e presidente do diretório municipal do Partido dos Trabalhadores por dois mandatos. Foi também Secretário da Regional IV na primeira gestão da prefeita Luizianne Lins.

(Do O POVO deste domingo)

Anuário do Ceará agora no twitter

“O Anuário do Ceará, mais antiga publicação do Ceará, atualmente editado pelo Grupo de Comunicação O POVO, ganhou um perfil no Twitter. Segundo post no microblog, a proposta é divulgar o conteúdo da edição 2010/11 do anuário que será lançada no próximo dia 1º de julho.”

———————————-


Curiosidade: na década de 70, o então jovem estudante de arquitetura @joaquimcartaxo foi designer-gráfico do Anuário. O editor era Dorian.less than a minute ago via webAnuário do Ceará
AnuariodoCeara

———————————-

(Blog Liberdde Digital)

O POVO escala seu time para a Copa

“A cobertura da Copa do Mundo pelo Grupo de Comunicação do O POVO já começou. Mas vai ficar ainda mais quente e agitada a partir do início do mês de junho. Três correspondentes especiais enviados à África do Sul chegam ao país sede do Mundial de 2010 no dia 4 & exatamente uma semana antes do início da competição – e começarão a produzir material exclusivo, que fará parte da programação diária das emissoras do Sistema O POVO de Rádio, da TV O POVO, e também das páginas do O POVO e do Portal O POVO Online, e seus blogs.

A seleção escalada pelo Grupo de Comunicação O POVO no continente africano será formada pelos jornalistas Fernando Graziani, comentarista esportivo da TV O POVO e da Rádio O POVO/CBN, Rafael Luis, editor adjunto do Núcleo de Cotidiano O POVO, e Ruy Lima, editor-executivo da TV O POVO. “Estamos mantendo a nossa tradição, que é de sempre estar presente nos grandes eventos. Já estivemos nas últimas Copas e nessa vamos oferecer ao nosso público um jornalismo informativo, opinativo, propositivo e diferenciado para todas as nossas mídias“, destaca o Diretor-Geral de Jornalismo do Grupo de Comunicação O POVO, Arlen Medina.

Detalhe. Um dos pontos altos da cobertura é que os correspondentes estarão presentes em todos os jogos da seleção brasileira na Copa. “Vamos contar boas histórias e transmitir o olhar cearense em cima da competição“, ressaltou o jornalista Marcos Tardin, coordenador do projeto do Grupo de Comunicação O POVO no Mundial. Ele acrescentou que a presença dos enviados especiais será um dos três pilares da cobertura, que terá o reforço dos materiais produzidos pelas agências e pelos repórteres e editores em Fortaleza.

Apesar de não terem nascido no Ceará, o carioca Ruy Lima e o paulista Fernando Graziani moram no Estado há vários anos e se dizem prontos para a missão na África do Sul. “Terei a chance de, mais uma vez, desenvolver todo o meu poder de criação, imaginação e apuração transformando tudo em muita informação”, diz Lima.

Já Graziani acredita que a Copa de 2010 servirá como ensinamento para o Brasil – sede do próximo Mundial, em 2014 -, que terá que aprender com os erros e acertos dos africanos. “Vamos encontrar histórias bacanas que não vão se limitar à cobertura esportiva sem, entretanto, esquecer que o evento é do esporte mais popular do mundo“, diz.

NOSSO TIME NA COPA DO MUNDO DA ÁFRICA DO SUL

FERNANDO GRAZIANI
* Paulista de 37 anos, Fernando Graziani mora em Fortaleza há nove anos. Formado em Direito e Jornalismo, Graziani advogou por um tempo, foi professor universitário, mas encontrou no jornalismo esportivo sua grande paixão. Atualmente, é comentarista esportivo da Rádio O POVO/CBN, apresentador do Grande Jornal de Esportes e do É Gol!, da TV O POVO, além de editor do Blog Gol do O POVO Online. Em 2006, participou da cobertura local da Copa do Mundo pela Rádio O POVO/CBN.

RAFAEL LUIS
* É cearense e tem 27 anos. Entrou no Grupo de Comunicação O POVO há seis anos, como estagiário do Portal No Olhar.com (hoje O POVO Online). Já ganhou os dois principais prêmios de jornalismo do País: Esso e Embratel. Com matérias sobre futebol, venceu o Prêmio da Associação Cearense de Imprensa em 2008, na categoria Jornalismo Esportivo, e em 2009, na categoria Internet. Atualmente ocupa o cargo de editor-adjunto do Núcleo de Cotidiano do O POVO.

RUY LIMA
* É carioca, mas por morar a tanto tempo em Fortaleza, já se considera cearense. Ruy Lima iniciou a carreira como repórter em jornais e revistas do Rio de Janeiro. Em 1986, trabalhou como correspondente na Copa do Mundo, no México. Já em Fortaleza, trabalhou como repórter e apresentador na TV Verdes Mares e na TV Jangadeiro. Participou da montagem da TV Manchete no Ceará e da fundação da TV O POVO. Atualmente ocupa o cargo de editor-executivo da TV O POVO.

(O POVO)

Já conferiu exposição de mamães no Shopping Aldeota?

O Shopping Aldeota encerra, neste domingo, a exposição “Mãe: um ser chamado Amor”, do fotógrafo Jelbes Lima. A mostra é aberta ao público e conta com 30 painéis predominantemente em preto e branco de mães cearenses. Um programa imperdível para quem tem sensibilidade.

“Há seis anos venho desenvolvendo um trabalho voltado para grávidas e bebês, mas fugindo do padrão de estúdio. A minha proposta é registrar o dia-a-dia das mães, dentro de suas residências, e realizando as atividades básicas: dando banho, alimentando, brincando etc. Quero mostrar todo o amor que envolve essa relação”, afirma o fotógrafo para o Blog.

Terremoto abala Sul do Irã

“Um terremoto de 5,1 graus sacudiu o sul do Irã na noite desta sexta-feira, mas não deixou vítimas, segundo a agência oficial Irna. O tremor aconteceu às 23H19 (15H49 de Brasília) perto da cidade de Dalaki, na província de Bushehr. Nenhuma vítima foi registrada, mas os moradores entraram em pânico, segundo a agência Fars.

Os terremotos são frequentes no Irã, incluido na capital Teerã. O mais grave dos últimos anos aconteceu em dezembro de 2003 na cidade de Bam e matou 31.000 pessoas.”

(Veja Online)

Vox Populi – Lula tem avaliação positiva como gestor e cabo eleitoral de Dilma

“A avaliação positiva do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva chegou a 76% em maio, conforme mostra pesquisa Vox Populi divulgada neste sábado. Na rodada anterior da amostragem, feita em janeiro, o número era de 74%. A variação ficou dentro da margem de erro da pesquisa, de 2,2 dois pontos para cima ou para baixo.

A pesquisa Vox Populi mostrou um crescimento de três pontos na influência de Lula na hora do voto. Dos entrevistados, 33% disseram que votariam “com certeza” num nome indicado pelo presidente. Em janeiro eram 30%.

Parte dos eleitores – 30% – respondeu que “poderia votar” num nome indicado pelo presidente, mas isso dependeria de quem é o candidato. Dos entrevistados, 10% disseram que não votariam num nome apontado por Lula e outros 24% disseram que não levam isso em conta na hora da escolha.

A pesquisa também mostrou a força dos governadores na hora do voto. Dos entrevistados, 15% disseram que votariam “com certeza” no nome apontado pelo chefe do Estado. Outros 36% disseram que poderiam votar no nome indicado a depender de quem fosse o candidato.

Um grupo de 15% dos eleitores disse que não votaria em ninguém a pedido do governador e 30% disse que não leva isso em conta.

Dilma é de Lula

A pesquisa Vox Populil também quis saber quem é identificado como o candidato do presidente Lula.

Dos entrevistados, 74% disseram que Dilma é a candidata apoiada por Lula, 4% disseram que José Serra é quem tem o apoio presidencial e 1% jogou Lula para a ex-ministra do Meio Ambiente, Marina Silva.

(Último  Minuto)

No Irã, Lula tenta um milagre

“O presidente Luiz Inácio Lula da Silva chegou na noite deste sábado ao Irã para fazer a mediação sobre o programa nuclear iraniano, apresentada pelas grandes potências como “a última chance” antes das novas sanções da ONU contra o país.Lula chegou com uma delegação de 30 pessoas para uma visita de dois dias e foi recebido no aeroporto de Teerã pelo chefe da diplomacia iraniana, Manuchehr Mottaki. Ele se reunirá no domingo pela manhã com o presidente Mahmoud Ahmadinejad e com o líder supremo do país, o aiatolá Ali Khamenei.

As possibilidades de êxito na mediação brasileira foram consideradas pequenas por Estados Unidos e Rússia, enquanto o primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdogan, renunciou no sábado à viagem a Teerã alegando falta de compromisso por parte do Irã em uma proposta com o objetivo de chegar a uma solução.As grandes potências propuseram ao Irã que enviasse 70% de seu urânio levemente enriquecido para transformá-lo em combustível altamente enriquecido que o país precisa para seu reator de pesquisas.

Invocando um problema de “confiança”, o Irã rejeitou a proposta e disse que prefere uma troca simultânea ou por etapas em pequenas quantidades, feita em seu território, o que foi rejeitado pelas grandes potências.”

(IG)

Em clima de corte orçamentário, TST gasta R$ 1,9 na compra de carro de luxo

Fusion – Cada um ao preço de R$ 74,8 mil.

“Em meio a discussões sobre cortes no orçamento do governo federal, reajuste para aposentados e aumento salarial para parte do Judiciário, o Tribunal Superior do Trabalho (TST) resolveu renovar sua frota. O órgão irá desembolsar quase R$ 1,9 milhão com a compra de 25 Ford Fusions, modelo 2010, com motor 2.5, de acordo com levantamento do Contas Abertas. A aquisição foi realizada por meio de pregão eletrônico e, por isso, cada veículo custou R$ 74,8 mil, cerca de R$ 6 mil a menos do que o registrado nas concessionárias e na tabela Fipe (referência de preço médio de automóveis). O valor pago pelo tribunal, composto por 27 ministros, inclui assistência técnica, durante o período de garantia, como manutenção preventiva e corretiva dos veículos.

Na realidade, a quantidade de veículos poderá ser maior. Isso porque no pregão eletrônico realizado no fim de abril, as empresas concorrentes ofereceram menores preços para a venda de 30 carros, e não 25. O fato é que, por enquanto, o tribunal comprometeu em orçamento quantia suficiente para pagar os 25. Clique aqui para ver o documento.

A assessoria de comunicação do TST informou que, neste momento, há necessidade de renovação da frota já existente e que os veículos serão destinados ao transporte institucional dos magistrados. Sobre a economia alcançada ao utilizar a modalidade de pregão eletrônico, a assessoria afirmou que o valor total foi reduzido entre 10 e 20% sobre as estimativas realizadas.

Na avaliação do cientista político Octaciano Nogueira, porém, a compra de veículos luxuosos por parte do poder público brasileiro mostra que há um abuso não apenas econômico, mas também ético. Segundo ele, a compra desses carros está relacionada à vaidade pessoal dos gestores. “Em um país com tamanha diferença social, nós verificamos situações como essa. Tem de haver prioridade com o gasto público. Poderíamos estar discutindo a respeito da destinação da verba para áreas prioritárias como saúde, educação e segurança”, acredita.

Nogueira afirma que, como não há disciplina legal que regula essas aquisições, a maioria dos órgãos extrapola. “A aquisição depende do critério estabelecido pela entidade e da boa vontade do comprador. Fazendo um paralelo, o estrangeiro que hoje vem a Brasília, por exemplo, também se depara com o contraste entre as velhas e novas sedes luxuosas de instituições públicas. Veja os prédios do TST, da Procuradoria Geral da República e o que estão construindo para o Tribunal Superior Eleitoral. Antigamente, na capital federal existiam oito ministérios, sem luxo, e a praça dos Três Poderes com o Supremo, o Congresso e o Palácio do Planalto. Hoje, o turista questiona o porquê desse contraste”, diz.

Já para o professor da Faculdade de Direito da Universidade de Brasília Eugenio Aragão, que também é procurador regional da República, é natural que o Estado ofereça vantagens como carros confortáveis aos seus principais executivos. Segundo ele, isso atrai novos talentos para ocupar cargos como o de ministro no TST. “Acho razoável a ideia de um tribunal pagar o transporte, como neste caso. As empresas multinacionais, por exemplo, pagam carros para que seus executivos se desloquem. Isso é natural”, afirma.

Aragão, que ainda é coordenador da 5ª Câmara do Ministério Público Federal, responsável pelo patrimônio, acredita que por representarem o “topo da pirâmide” na escala do TST, os ministros gozam de certas vantagens que funcionários de cargos de menor escalão não têm. “Nós temos que discutir o projeto para o país como um todo. Nós queremos, por exemplo, que um ministro pegue ônibus para ir ao trabalho? As prioridades nacionais devem ser discutidas”, diz.

O procurador ressalta, porém, que os veículos devem ser utilizados corretamente e não servir para fins pessoais. “A compra dos carros faz sentido, mas não pode é ser usado para levar os filhos à escola, por exemplo”, lembra.

TST

O TST é sediado em Brasília e tem como principal função uniformizar a jurisprudência trabalhista de todo país. Os 27 ministros são escolhidos dentre brasileiros com mais de 35 e menos de 65 anos, nomeados pelo presidente da República após aprovação por maioria absoluta no Senado.

A instituição julga recursos e agravos de instrumento contra decisões de Tribunais Regionais do Trabalho (TRTs), considerados a segunda instância da Justiça do Trabalho. São 24 TRTs em praticamente todo o país. As Varas do Trabalho – atualmente 1.327 – representam a primeira instância.”

“Contas Abertas)

Vox Populi – Pesquisa aponta Dilma passando de Serra

“De acordo com o jornal Correio Braziliense, a pré-candidata do PT à Presidência da República, a ex-ministra Dilma Rousseff, aparece pela primeira vez à frente do pré-candidato do PSDB, o ex-governador de São Paulo, José Serra, em pesquisa de intenção de votos feita pelo Instituto Vox Populi.

O levantamento traz a petista com 37% das intenções de voto, em empate técnico com Serra, que tem 34% na pesquisa estimulada. A margem de erro do levantamento é de 2,2%, para mais ou para menos.

Dois mil eleitores, moradores de 117 cidades (nas cinco regiões brasileiras), foram ouvidos no levantamento. Num eventual segundo turno, Dilma e Serra também estariam tecnicamente empatados, com 40% e 38%, respectivamente, dentro, portanto, da margem de erro de 2,2%.

A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em 7 de maio de 2010, sob o número 11.266/2010. As duas mil pessoas foram entrevistas entre os dias 8 e 13. ”

(JB Online)

* Veja mais números aqui.

Quer pedalar em defesa da educação?

O Sindicato APEOC promoverá, neste domingo, a I Bicicletada: Pedalando em Defesa da Educação”. Todos os profissionais de educação na rede pública de ensino, e aqueles comprometidos com a educação de qualidade são convocados. A largada ocorrerá a partir das 8 horas da sede da Apeoc, que fica na rua Solon Pinheiro, 1306, e termiará no Parque do Cocó.

O objetivo da I Bicicletada é chamar a atenção de todos para a luta em favor da implantação do piso nacional dos docentes e plano de cargos e carreiras da categoria.

Ceará aplicou na saúde valores mais baixos que os determinados pela Constituição

“Balanço feito pelo Ministério da Saúde acerca dos investimentos estaduais no setor aponta que 13 Estados aplicaram em 2008 valores mais baixos que os determinados pela Constituição. Juntos, os governos deixaram de aplicar R$ 3,1 bilhões em hospitais, remédios, exames, cirurgias e equipamentos médicos. A Constituição obriga os Estados a investirem no mínimo 12% de sua arrecadação própria em ações de saúde pública. Os governos estaduais negam irregularidades. 

Segundo o ministério, o Rio Grande do Sul foi o Estado que ficou mais longe da meta (aplicou 4,37% de sua arrecadação na saúde). Completam a lista Minas Gerais, Piauí, Paraíba, Alagoas, Rio de Janeiro, Paraná, Santa Catarina, Maranhão, Ceará, Espírito Santo, Mato Grosso e Goiás. Em comparação, o Estado que mais investiu em saúde em 2008, Amazonas, aplicou 21,39% de sua arrecadação.

Apesar do desrespeito à lei, os governadores não são punidos porque se valem da falta de regulamentação da emenda constitucional 29, que desde o ano 2000 determina os 12% para a saúde.”

(Folha Online)