Blog do Eliomar

Arquivos do autor Eliomar de Lima

Dê Lula de presente de Natal

“As grandes empresas brasileiras começaram a receber na semana passada da produtora de “Lula, o Filho do Brasil” uma proposta para “um belo presente de fim de ano” para ser dado aos funcionários e clientes: a compra de “um mínimo de 100 ingressos” para o filme por um “preço promocional de 5 reais”.

“Não há limite máximo para a aquisição”, informa o documento enviado às empresas. Como no consagrado bordão de Lula, nunca antes na história do Brasil se viu uma promoção de filme tão avassaladora…”

(Coluna Radar, da Veja)

TSE vai decidir na 3ª feira se cassa mais um governador

“Na próxima terça-feira, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decide se cassa ou mantém o mandato do governador de Rondônia, Ivo Cassol (PP). O governador é acusado de compra de votos e abuso de poder econômico durante a campanha eleitoral de 2006. O julgamento dá força a uma discussão que vem tomando corpo por conta da atuação rigorosa do tribunal em casos de abuso político: a Justiça está substituindo as urnas?

A questão surge do fato de que as eleições de 2006 em nove estados — um terço da federação — tiveram ou terão um terceiro turno no TSE. Só este ano, cinco governadores já foram julgados pelo tribunal. Três tiveram os mandatos cassados: Cássio Cunha Lima (PSDB) na Paraíba, Jackson Lago (PDT) no Maranhão e Marcelo Miranda (PMDB) em Tocantins. Na prática, ao cassar os três governadores eleitos, o tribunal anulou 2,7 milhões de votos.

Os governadores Luiz Henrique da Silveira (PMDB), de Santa Catarina, e Waldez Góes (PDT), do Amapá, foram julgados e absolvidos. Além de Cassol, outros três governadores correm risco de cassação: Marcelo Déda (PT), de Sergipe, José de Anchieta Júnior (PSDB), de Roraima, e Carlos Henrique Amorim (PMDB), em Tocantins. Este último ocupou o lugar do cassado Marcelo Miranda por eleição indireta e já está com o mandato em jogo.”

(IG)

FHC vai reconhecer filho que teve com jornalista da Rede Globo

ffh

“O ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso reconhecerá o filho de 18 anos que teve com a jornalista da Rede Globo Míriam Dutra, segundo a coluna de Monica Bergamo no jornal Folha de S.Paulo. O filho de Míriam e Fernando Henrique, Tomás Schmidt, nasceu em 1991, três anos antes de FHC tornar-se presidente.

Segundo a coluna, FHC teria consultado advogados e viajado a Madrid, onde mora atualmente a jornalista, para encaminhar os documentos. FHC e Mirian tiveram relacionamento quando o ex-presidente era senador em Brasília. A história foi mantida como privada pois Fernando Henrique era casado com Ruth Cardoso.

Nunca houve confirmação oficial da paternidade por qualquer das partes. Segundo a colunista, depois que deixou o cargo, FHC passou a ver o filho com frequência. No ano passado, FHC teria participado da formatura de Tomas no Imperial College, em Londres.”

Show de fé e de arrastões no aterro da Praia de Iracema

“De repente, gritos e correria interrompem a leitura do Evangelho. Pelo rádio, alguém se comunica com o coordenador do 2º Evangelizar, Carlos Araújo, solicitando policiais nas proximidades do palco. Estava acontecendo um “arrastão” na beira da praia. Passavam das 19h30min, e o padre Reginaldo Manzotti iniciava a missa para cerca de 600 mil pessoas (segundo a organização do evento). “Eu peguei foi o banco, o menino e corri”, contava uma das fiéis.

“Estava tranquilo”, narra a historiadora Margarida Diniz Dourado, que assistia à celebração ao lado direito do palco, onde começou a confusão. “A missa começou bem, até a hora do Evangelho”. Ela afirma que houve “um arrastão”, com roubo de celulares e máquinas fotográficas. “A carreira foi grande. O pessoal que vendia espetinhos deixou tudo no chão”, completa.

“Eu caí, quando consegui me levantar, vi gente chorando, desmaiando”, reforça a jornalista Manoella Monteiro. Ela estava na Historiador Raimundo Girão. “Teve gente que disse que começou por causa de uma briga por um banco. Outros disseram que foi uma onda forte que quebrou e assustou as pessoas”.

Populares reclamaram da ausência de policiais. O POVO tentou contato, ainda no Aterro, como comandante Magalhães, responsável pela operação. Mas, como estava em ação, ele não foi localizado. PMs da área não confirmaram o “arrastão”. “Foi um siri, que saiu do seu habitat natural”, limitou-se a declarar um deles.

Até às 20 h30min, a Ciops havia registrado o encaminhamento de um jovem de 17 anos, à Santa Casa de Misericórdia, sofrendo abalo emocional. “Ele deve ter se assustado com o fato”, explicou o sargento Fontenele, de plantão no Ciops. O major Adrianísio Paulo de Oliveira Alves também não confirmou o “arrastão”, mas enviou outras seis viaturas ao Aterro “para dar mais segurança”. Segundo ele, cerca de “200 homens” serviam ao policiamento.

Um novo tumulto voltou a acontecer, por volta das 21 horas. O POVO tentou contato com a assessoria de imprensa do 2º Evangelizar, mas ninguém atendeu ao telefone.”

SHOW do Padre Reginaldo Manzotti, segundo informava a Polícia, teria reunido mais d 300 mil pessoas. Pois é, em pleno espetáculo de fé deixaram o diabo dos arrastões ocorrerem à vontade.

A Proclamação da República e a Galeria dos Presidentes

Blog também é cultura.

Confira a galeria dos presidentes desde a proclamação da República, pois neste domingo comemoramos esse feito: 

* Marechal Deodoro da Fonseca
Período: 15 de novembro de 1889 a 25 de fevereiro de 1891

* Marechal Floriano Peixoto
Período: 23 de novembro de 1891 a 15 de novembro de 1894

* Prudente de Moraes
Período: 15 de novembro de 1894 a 15 de novembro de 1898

* Campos Salles
Período: 15 de novembro de 1898 a 15 de novembro de 1902

* Rodrigues Alves
Período: 15 de novembro de 1902 a 15 de novembro de 1906

* Nilo Peçanha
Período: 14 de junho de 1909 a 15 de novembro de 1910

* Hermes Fonseca
Período: 15 de novembro de 1910 a 15 de novembro de 1914

* Wenceslau Braz
Período: 15 de novembro de 1914 a 15 de novembro de 1918

* Rodrigues Alves
Período: 15 de novembro de 1918 a 15 de novembro de 1918

* Delfim Moreira
Período: 15 de novembro de 1918 a 28 de julho de 1919

* Epitácio Pessoa
Período: 28 de julho de 1919 a 15 de novembro de 1922

* Arthur Bernardes
Período: 15 de novembro de 1922 a 15 de novembro de 1926

* Washington Luís
Período: 15 de novembro de 1926 a 24 de outubro de 1930

* Menna Barreto
Período: 24 de outubro de 1930 a 03 de novembro de 1930

* Almirante Isaías de Noronha
Período: 24 de outubro de 1930 a 03 de novembro de 1930

* General Augusto Fragoso
Período: 24 de outubro de 1930 a 03 de novembro de 1930

* Getúlio Vargas
Período: 3 de novembro de 1930 a 20 de julho de 1934
            20 de julho de 1934 a 10 de novembro de 1937
            10 de novembro de 1937 a 29 de outubro de 1945

* José Linhares
Período: 29 de outubro de 1945 a 31 de janeiro de 1946

* Gaspar Dutra
Período: 31 de janeiro de 1946 a 31 de janeiro de 1951

* Getúlio Vargas
Período: 31 de janeiro de 1951 a 24 de agosto de 1954

* Café Filho
Período: 24 de agosto de 1954 a 11 de novembro de 1955

* Carlos Luz
Período: 8 de novembro de 1955 a 11 de novembro de 1955

* Nereu Ramos
Período: 11 de novembro de 1955 a 31 de janeiro de 1956

* Juscelino Kubitschek
Período: 31 de janeiro de 1956 a 31 de janeiro de 1961

* Jânio Quadros
Período: 31 de janeiro de 1961 a 25 de agosto de 1961

* Paschoal R. Mazzilli
Período: 25 de agosto de 1961 a 8 de setembro de 1961

* João Goulart
Período: 8 de setembro de 1961 a 24 de janeiro de 1963
            24 de janeiro de 1963 a 31 de março de 1964

* Ranieri Mazzilli
Período: 2 de abril de 1964 a 15 de abril de 1964

* Marechal Castello Branco
Período: 15 de abril de 1964 a 15 de março de 1967

* Marechal Costa e Silva
Período: 15 de março de 1967 a 31 de agosto de 1969

* General Aurélio Lyra
Período: 31 de agosto de 1969 a 30 de outubro de 1969

* Almirante Augusto Rademaker
Período: 31 de agosto de 1969 a 30 de outubro de 1969

* Brigadeiro Márcio Mello
Período: 31 de agosto de 1969 a 30 de outubro de 1969

* General Emílio Garrastazu Médici
Período: 30 de outubro de 1969 a 15 de março de 1974

* General Ernesto Geisel
Período: 15 de março de 1974 a 15 de março de 1979

* General João Baptista Figueiredo
Período: 15 de março de 1979 a 15 de março de 1985

* José Sarney
Período: 15 de março de 1985 a 15 de março de 1990

* Fernando Collor
Período: 15 de março de 1990 a 2 de outubro de 1992

* Itamar Franco
Período: 2 de outubro de 1992 a 1º de janeiro de 1995

* Fernando Henrique Cardoso
Período: 1º de janeiro de 1995 a 1º de janeiro de 1999
            1º de janeiro de 1999 a 1º de janeiro de 2003

* Luiz Inácio Lula da Silva
Período: 1º de janeiro de 2003 a 1º de janeiro de 2007
            1º de janeiro de 2007 – atual.

Ministro da Ciência e Tecnologia receberá alunos do Ceará

O ministro da Ciência e Tecnologia, Sérgio Rezende, receberá, na próxima terça-feira, em Brasília, quatro estudantes cearenses – dois do Colégio Farias Brito e dois do Ary de Sá, Eles se destacaram integrando as equipes brasileiras que participaram de Olimpíadas de Física no Exterior.

Ivan Guihon Mitoso Rocha, do Farias Brito, e Márcio Araújo de Paiva Filho, do Ary de Sá, integraram a equipe brasileira que participou da 40ª Olimpíada Internacional de Física, realizada de 11 a 19 de julho último em Mérida, no México. Já Rodrigo Rolim Mendes Alencar, do Farias Brito, e Pedro Ricardo Pereira Távora, do Ary de Sá, se destacaram na equipe do Brasil presente na XIV Olimpíada Ibero-Americana de Física, realizada entre os dias 27 de setembro e 3 de outubro último, em Santiago do Chile.

Os quatro se juntarão a outros cinco estudantes melhores em Física do País para o evento em Brasília. São dois de São Paulo e um de Recife que estiveram na equipe que foi ao México, e a dois também de São Paulo, entre os quais uma menina, que participaram da competição no Chile. Rodrigo Rolim Mendes Alencar, 16, aluno do segundo ano do Ensino Médio, foi o único do Brasil a receber medalha de ouro na Olimpíada Ibero-Americana. Pedro Ricardo, 16, ganhou medalha de prata na mesma disputa, assim como Luana Benedetto de Assis e Caio Oyama de São Paulo, também membros da equipe brasileira.

Na Olimpíada Internacional de Física, Ivan Guilhon Mitoso Rocha ganhou medalha de prata, enquanto Márcio Araújo de Paiva Filho recebeu menção honrosa. A equipe do Brasil nessa competição contou ainda com André Luiz Macedo Farias, de Recife, que também foi prata, e Illan Feiman Halpern e Leonardo Pereira Stedile, ambos de São Paulo, ganhadores de medalhas de bronze.

O encontro vai contar também com as participações do presidente do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Marco Antônio Zago.

Pagamento do DPVAT poderá ser parcelado

“O parcelamento do pagamento do Seguro Obrigatório de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre, poderá serautorizado para todas as categorias de veículos, da mesma forma que já é permitido para o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA). Projeto com esse objetivo será apreciado, em decisão terminativa, pela Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) na próxima terça-feira (17), às 10h.

O relator do projeto, senador Pedro Simon (PMDB-RS), lembra que a Resolução nº 154 de 2006, do Conselho Nacional de Seguros Privados, que consolida as normas do DPVAT, autoriza o parcelamento do prêmio no seguro para os veículos enquadrados nas categorias 3 e 4, ou seja, que abrangem ônibus, microônibus e lotações. Ele acredita, contudo, que essa possibilidade deve ser assegurada a todos os proprietários de veículos e que deve constar também da lei.

O autor da proposta (PLS 437/08), senador Renato Casagrande (PSB-ES) argumenta que o valor deste seguro é muito elevado no caso de ônibus e microônibus, onerando principalmente proprietários de veículos que fazem o transporte escolar.”

(Agência Senado)

Projeto das Mídias – Paulo Henrique deve apresentar parecer em breve

lusto

O deputado federal cearense Paulo Henrique Lustosa (PMDB) pretende apresentar parecer ao projeto de lei 29, que trata da convergência tecnológica de mídias, e envolve principalmente os setores de radiodifusão, telefonia e TV por assinatura, além de conteúdo audiovisual, ainda neste ano.

Aparentemente, as empresas de telefonia e as emissoras de televisão chegaram a um acordo. Mas nada garante que o PL 29 não venha a sofrer novos atrasos.

(Coluna Radar – Veja)

IstoÉ – Imposto de Renda de Collor é ficção

“Com a pensão atrasada há um ano, Rosane Malta pediu a prisão de seu ex-marido, o ex-presidente e senador pelo PTB, Fernando Collor. O processo corre na Justiça de Alagoas, mas quatro juízes se afastaram do caso. “Ele é o único que eu conheço que não vai para a cadeia nessa situação”, diz Rosane.

Ela também quer dividir os bens que conquistou enquanto assinava o sobrenome Collor, que são calculados por seu advogado, Joathas Lins de Albuquerque, em mais de R$ 100 milhões. Há três meses, Lins procurou o senador Pedro Simon (PMDB-RS), que havia discutido com Collor no plenário, para narrar “assuntos gravíssimos”. Simon entendeu que o advogado oferecia um dossiê e não quis conhecer o conteúdo. 

(Revista IstoÉ)

STJ – Contribuição previdenciária não incide sobre o terço das férias

“O Superior Tribunal de Justiça adequou sua jurisprudência ao entendimento firmado pelo Supremo Tribunal Federal para declarar que a contribuição previdenciária não incide sobre o terço de férias constitucional. A posição já vinha sendo aplicada pela Turma Nacional de Uniformização de Jurisprudência dos Juizados Especial Federais.

A tese da incidência prevaleceu na Seção desde o julgamento do recurso especial 731.132, realizado em outubro de 2008 e relatado pelo ministro Teori Zavascki. Na ocasião, a Turma concluiu que mesmo não sendo incorporado aos proventos de aposentadoria, o adicional de um terço de férias integrava a remuneração do trabalhador e não afastava a obrigatoriedade da contribuição previdenciária, uma vez que a seguridade social é regida pelo principio da solidariedade, sendo devida a contribuição até mesmo dos inativos e pensionistas.

A Jurisprudência do STF pela não incidência da contribuição foi firmada a partir de 2005, ao fundamento de que a referida verba tem natureza compensatória /indenizatória e que, nos termos do artigo 201, § 11, da Constituição de 1988, somente as parcelas incorporáveis ao salário para fins de aposentadoria sofrem a incidência da contribuição previdenciária. Para o STF, o adicional de férias é um reforço financeiro para que o trabalhador possa usufruir de forma plena o direito constitucional do descanso remunerado.

Em seu voto, a ministra relatora Eliana Calmon reconheceu que o entendimento do STJ está em divergência com o posicionamento reafirmado pelo STF em diversos julgados. “Embora não se tenha decisão do Pleno, os precedentes demonstram que as duas Turmas da Corte Maior consignam o mesmo entendimento, o que me leva a propor o realinhamento da posição jurisprudencial desta Corte, adequando-se o STJ à jurisprudência do STF, no sentido de que a contribuição previdenciária não incide sobre o terço de constitucional de férias, verba que detém natureza indenizatória por não se incorporar à remuneração do servidor para fins de aposentadoria”.

(Site do STJ)

Obra de Serra desaba

“A rodovia Régis Bittencourt foi totalmente liberada por volta das 9h50 deste sábado, segundo a Polícia Rodoviária Federal, após o desabamento de três vigas de sustentação de um viaduto em obras do trecho sul do Rodoanel na noite desta sexta-feira (13). Na pista da rodovia sentido São Paulo há lentidão devido ao excesso de veículos entre os km 279 e 291.

As vigas, que pesam 85 toneladas e têm 40 metros de comprimento e haviam sido instaladas no começo desta semana, caíram sobre dois veículos de passeio e um caminhão basculante. O acidente deixou três pessoas feridas.

No total, 35 bombeiros participaram dos trabalhos de resgate, e cães farejadores foram enviados ao local para localizar possíveis vítimas.”

(Folha Online)

Veja – FHC faz balanço dos seus oito anos de poder

fhhc

O ex-presidente é entrevistado por Augusto Nunes.

“Na primeira viagem ao exterior como ex-presidente, Fernando Henrique embarcou para Paris e se hospedou, com Ruth, na casa de um amigo. Ali, foi surpreendido por um telefonema de Lula, que estava a caminho de Davos, na Suiça. Depois da introdução amistosa, o novo presidente informou ao antecessor que Antonio Palocci, ministro da Fazenda, gostaria de dizer-lhe algo. “Só queria agradecer pelo bom trabalho”, ouviu Fernando Henrique.

A frase se referia ao comportamento de FHC no período que separou o triunfo eleitoral e a posse de Lula. O governo não só abriu as portas a todas as informações disponíveis como condicionou à aprovação do sucessor a tomada de decisões que produzissem efeitos a longo prazo. Mas, como a política econômica não sofreu mudanças relevantes, é possível que Palocci estivesse pensando num universo mais abrangente ao dizer a frase revelada só agora, quase sete anos depois.

Esta e outras revelações temperam o longo e denso depoimento a VEJA.com que começa a ser divulgado hoje. Nestas cinco partes, que compõem o primeiro dos três blocos da entrevista,  Fernando Henrique reconstitui pedagogicamente fatos históricos deformados pela má memória, pela má vontade ou pela má fé. A inflação, por exemplo, não foi derrotada por Lula em 2003, mas por FHC em 1994, quando o então ministro da Fazenda de Itamar Franco comandou a implantação do Plano Real, que o PT primeiro rechaçou e, depois, prometeu revogar.

O ex-presidente conta que, ao longo de oito anos, todos os projetos enviados ao Congresso pelo governo foram rejeitados pelo PT. Comenta o processo de privatização, analisa o papel das agências reguladoras, pulveriza acusações e invencionices, fala com franqueza dos erros que cometeu, diz o que pensa sobre a Petrobras ou a Vale ? trata com desembaraço e serenidade, enfim, de qualquer tema relevante.

Tudo somado, o primeiro bloco do depoimento informa que o Brasil de 2009 não existiria se não tivesse existido um governo que modernizou extraordinariamente o país ? apesar da resistência feroz do PT.”

Confira a íntegra na Veja aqui.

Loas à Associação dos ex-Deputados Estaduais do Ceará

O jornalista Themístocles Castro e Silva assina artigo que destaca a atuação da Associação dos ex-Deputados Estaduais do Ceará. Confira e reflita se esse tipo de entidade é mesmo necessária:
Quando uma entidade de classe com 50, 70 ou 100 figuras elege uma delas para dirigi-la 12 vezes seguidas, está provado o êxito e seu trabalho em favor dos colegas. E quando esse colegiado se compõe de antigos deputados, habituados às exigências das disputas políticas, aí é que se comprovam o equilíbrio e a competência do escolhido.

Ao contrário do que muita gente supõe na imensa maioria dos casos o ex-deputado é um homem que precisa refazer a sua vida, pois a atividade política absorve seu tempo dia e noite, durante vários anos.

Não é fácil reajustar a vida sem a ajuda de quem ponha em dia a papelada. Em muitos casos encontra colega que pensa que nunca será um “ex“. É conhecida a observação de um deles, diante das dificuldades em organizar a vida: “Na porta de ex-deputado, nem o vento bate“.

Parece que muitos estavam prevendo tal decepção quando um pequeno grupo, em 30 de julho de 1985, fundou a Associação dos ex-Deputados Estaduais do Ceará. Seu primeiro presidente, reeleito até hoje, foi Mozart Gomes de Lima, que fez dela uma entidade que realmente cuida dos interesses de seus companheiros, inclusive, em alguns casos, na área doméstica.

A nossa Assedec, que nasceu sem nenhuma cadeira para seu presidente, não recebe ajuda de governo. Vive da contribuição dos seus associados, que já lhe deram sede própria, sem dever um centavo a ninguém. A Assedec é tão modelo, como um exemplo de entidade de classe, que foi de Tocantins o último pedido para fundação de uma com suas finalidades.

A Assedec oferece aos seus associados assistência médica, jurídica e odontológica. Com a morte do nosso querido Paulo Cabral, sua viúva procurou a Assedec. Em 72 oras, seus direitos foram reconhecidos e preservados junto às áreas do Executivo e do Legislativo.

Nossa homenagem aos pioneiros da fundação: Antônio de Melo Arruda, Almir Pinto, Vicente Augusto, Lourival Banhos, Décio Cartaxo, Raimundo Gomes da Silva, Alceu Vieira Coutinho, Wilson Gonçalves, Jorge Abreu,
entre outros.

Themístocles de Castro e Silva – Jornalista e Advogado.

Lula confirma nova visita ao Ceará

lulapreo

“Me guarde!”

“O Cerimonial da Presidência da República informou ontem para o Palácio Iracema: o presidente Lula virá participar da festa de assinatura da ordem de serviço da futura siderúrgica do Ceará. A data já está definida: 16 de dezembro próximo.

O ato será no Complexo Portuário e Industrial do Pecém, em São Gonçalo do Amarante (Região Metropolitana de Fortaleza), com a presença dos sócios do empreendimento hoje estimado em US$ 1,1 bilhão, que teve sua licença prévia aprovada nesta semana pelo Conselho Estadual do Meio Ambiente.

Lula, claro, trará em sua comitiva a presidenciável petista Dilma Rousseff. Não se sabe convidará o também presidenciável Ciro Gomes (PSB).”

(Coluna Vertical, do  O POVO)

Crise na Polícia – Cid manda recado para Cavalcante

cidgomess
 
Eis a frase disparada pelo governador Cid Gomes, ao comentar as denúncias envolvendo delegados e o superintende da Polícia Civil, Luiz Carlos Dantas:
“Eu devia evitar fazer comentários, mas não vou me furtar. Desconfio de pessoas que estão simultaneamente nessa área (Polícia) e na política. Fica difícil saber o limite entre o que é profissional e o que é interesse (político)“, disse.
Trata-se de um recado para o delegado Francisco Cavalcante – afastado do cargo após suspeita de tortura – e que é suplente de deputado estadual pelo PSDB e ex-deputado.

Questionado se a referência era ao delegado Cavalcante, Cid Gomes deu uma resposta evasiva. “Estou só dizendo que a gente deve desconfiar. A gente nunca deve dar a certeza a ninguém.“

DETALHE – A crise na Polícia Civil teve início após o afastamento dos delegados Francisco Cavalcante e Alexandra Medeiros e do inspetor Fernando Cavalcante, no dia 6. Depois disso, o grupo passou a fazer acusações contra o superintendente da Polícia Civil.

Solidariedade ou corporativismo?

O professor Antônio Mourão Cavalcante escreve artigo no O POVO deste sábado se solidarizando a docente da UFC, onde ele também é professor, vítima, segundo diz, de um processo injustiça que tramita na Justiça Federal. Reflita e avalie se o articulista tem razão.
Não tenho procuração oficial para defender Flávio Leitão, médico e professor da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Ceará. Mas, por uma imperiosa obrigação de consciência, assumo o que passo a afirmar. Referido colega, quando iniciava seu processo de aposentadoria, foi surpreendido com um procedimento judicial que lembra as coisas de Kafka. Agora, está posto na condição de réu. Qual foi o grande crime cometido pelo honrado, ético e dedicado mestre? Seguinte: ele tinha um regime de trabalho “dedicação exclusiva“, onde apesar das reconhecidas qualificações e empenho sempre demonstrado, recebia uma remuneração mensal de três mil e quinhentos reais. A lei determina que o professor só pode ter essa fonte de rendimento. Estava impedido de exercitar seus conhecimentos e habilidades na arte médica. E, lei é lei.

Foi o que aconteceu. Um abnegado membro do Ministério Público levou-o à Justiça Federal. O juiz daqui não acatou a denúncia. O devotado procurador não recuou da ação e incontinenti, apelou para a instância superior, Recife. Eis o colega jogado às feras. Parece até que nada de sujo se faz nesse país. Salvo o professor que agora virou a grande Geni.

Não senhores! Não é assim que se trata um velho mestre. (72 anos) Nem é assim que a sociedade agradece a um médico em final de carreira. É doloroso constatar que, ao crepúsculo da vida profissional, leve para casa, por conta de todos estes anos de intenso labor, um volumoso processo na Justiça Federal.

Meu mestre amigo, você tem toda a minha solidariedade. E, lanço um veemente apelo à Universidade para que não se cale. Reaja. Ao Conselho Regional de Medicina para que não se esconda. Reaja. A Associação dos Docentes (Adufc) para que não se acovarde! Reaja. Que todos os movimentos médicos e docentes entendam que não é apenas um mestre que está sendo aviltado, mas toda uma categoria que exige respeito.

A lei não é soberana. O humano, sim.

Antonio Mourão Cavalcante – Médico e antropólogo. Professor universitário
a_mourao@hotmail.com