Blog do Eliomar

Arquivos do autor Eliomar de Lima

Papa Francisco pede que se evitem o consumismo e as “conversas vazias”

O papa Francisco aconselhou nesta segunda-feira (1º) que se abandone a “bagagem inútil” da vida em 2018, evitando-se a “banalidade do consumismo e as “conversas vazias”.

O pontífice refletiu sobre como saborear o verdadeiro significado da vida durante a missa de Ano Novo realizada na Basílica de San Pedro. A receita dele para chegar ao essencial inclui realizar um momento de silêncio diário para se estar com Deus.

Fazer isso ajudaria a “evitar que nossa liberdade se veja corroída pela banalidade do consumismo, pelo estrondo dos comerciais, pela torrente de palavras vazias e por ondas avassaladoras de conversas vazias e gritos”, segundo o papa.

Francisco recomendou aos fiéis que deixem para trás “todo tipo de bagagem inútil” para “redescobrir o que realmente importa” e começar de novo.

(Agência Estado)

A história do velho Raimundo

Em artigo sobre 2018, o jornalista Nicolau Araújo avalia o que se espera de um ano de Copa do Mundo e Eleições. Confira:

Seu Raimundo nunca pensou em viver tanto. Com mais essa passagem de ano, já somam 94. Isso, segundo alguns, desde que aprendeu a contar. Décadas, antes, seria escravo. “Ventre Livre nunca existiu mesmo”, diz ele sobre a lei de 1871.

Aliás, confrontar verdades ao longo da História é o seu forte. Na boca do velho Raimundo, até o município de Redenção perdera o status de primeira cidade brasileira a libertar seus escravos.

Na história do velho, o Estado do Ceará estava sem produção, por causa da grande seca de 1877/1879. Os mais fortes escravos haviam sido vendidos para as plantações de café, em São Paulo, e cana-de-açúcar, na Zona da Mata, diante da impossibilidade de paulistas e baianos adquirirem novos escravos africanos, pela imposição da Lei Eusébio de Queirós, de 4 de setembro de 1850, que proibia esse tipo de comércio da África, a partir de então.

Os poucos escravos que restaram no Ceará, doentes ou velhos, se tornaram um problema nas fazendas e para a aristocracia. A partir daí, a história do velho Raimundo se confunde com a História do Ceará.

A passagem do Ano Novo também traz más lembranças a Seu Raimundo. “Antigamente, o mundo se renovava com a data. As pessoas realmente mudavam para melhor”, lembra. Hoje, na visão do velho – aliás, bastante castigada ao longo dos anos -, o Ano Novo marca somente uma contagem regressiva para o Carnaval, agora pré-carnaval.

Em ano de Copa do Mundo e eleições para presidente da República, governadores, senadores, deputados federais e deputados estaduais, então, 2019 já bate à porta.

Dos dois acontecimentos que prometem fazer com que 2018 passe praticamente despercebido, o velho Raimundo somente se recusa a comentar de futebol. Segundo ele, enquanto Neymar – antes, Romário – estiver como esperança do futebol brasileiro, o torcedor não merece ouvir sobre Pelé, Garrincha, Zito, Leônidas da Silva e, mais recente, Zico.

Sobre política, sim! Seu Raimundo comenta como quem assistisse a um filme reprisado – ele até insistiu em falar sobre a chegada da tevê no Brasil, mas não conseguiu um comparativo com a chegada dos eletrônicos e redes sociais.

Falar de Lula é lembrar Getúlio, tendo como base o populismo. Até o trágico fim promete ser o mesmo, sendo o atual politicamente.

Bolsonaro, o velho pouco ouviu falar… mas sabe que é o homem preparado para atacar Lula. Na melhor das hipóteses, consegue desgastar Lula, sim. Se o petista não sair candidato, Seu Raimundo diz que Bolsonaro fica sem ter o que falar.

Sobre Ciro Gomes, o velho Raimundo diz que até vota. “Ciro fala bonito e parece saber o que diz. Alguns da gente é que demoram a entender mais rápido”, confessa.

A conversa foi encerrada, após o pedido de avaliar o presidente Michel Temer. O velho fez cara de mau, bufou e disse: “Com esse aí, agora é que eu não me aposento”!

Kim Jong-un diz que poder nuclear da Coreia do Norte é uma realidade, não apenas ameaça

Em seu último discurso de 2017, o líder norte-coreano Kim Jong-un disse nesse domingo (31) que o poder nuclear da Coreia do Norte é uma realidade, não apenas uma ameaça. Kim disse ainda que o botão para o disparo de uma arma nuclear está em sua mesa.

“O botão nuclear está sempre na minha mesa. Isto não é chantagem mas a realidade”, disse Kim Jong-Un, ao ressaltar que os Estados Unidos precisam reconhecer que o poder nuclear norte-coreano.

“Nós precisamos produzir em massa armas nucleares e mísseis balísticos e acelerar o seu desenvolvimento”, completou.

(Com Agências / Foto: Divulgação)

13 de Maio – Assalto, perseguição e mortes no último dia do ano em bairro nobre de Fortaleza

990 10

Uma ocorrência nesse domingo (31) resultou na morte de um motociclista, na morte de um assaltante e na prisão de dois suspeitos de assalto contra uma pizzaria na avenida 13 de Maio, no bairro de Fátima.

Segundo a Polícia, três homens invadiram a pizzaria e realizaram um arrastão contra clientes e funcionários.

Na fuga, os suspeitos se depararam com a Polícia, quando teve início uma perseguição pelas ruas do bairro. O veículo dos suspeitos colheu uma moto que trafegava por uma rua preferencial.

Na colisão, o motociclista e um suspeito morreram no local. Os outros dois suspeitos ficaram feridos e foram presos.

Justiça manda prender policiais do RN que incitarem paralisação

Policiais militares e civis e do Corpo de Bombeiros do Rio Grande do Norte que incentivarem a cotinuidade da paralisação dos serviços de segurança pública no estado poderão ser presos. A determinação é do desembargador Claudio Santos, do Plantão Judicial do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte.

De acordo com a decisão, os responsáveis pelas polícias Militar, Civil e pelo Corpo de Bombeiros devem efetuar “a prisão em flagrante de todos os integrantes ativos e inativos da segurança pública, que, a partir da publicação da decisão, promovam, incentivem, estimulem, concitem ou colaborarem, por qualquer meio de comunicação, para a continuação da greve no sistema de segurança pública do RN, pelo cometimento de crimes de insubordinação, motim (PM) ou desobediência”.

Ele acrescenta que as autoridades deverão abrir processos administrativos para investigar a responsabilidade por “eventuais crimes, seja de motim, insubordinação e/ou desobediência”. O desembargador dá prazo máximo de 30 dias para a conclusão dos processos, cabendo à secretária estadual de Segurança Pública, delegada Sheila Freitas, acompanhar “pessoalmente a efetivação das medidas”.

Claudio Santos decidiu ainda que o secretário estadual de Planejamento e Finanças, Gustavo Nogueira, deverá pagar amanhã (2) os salários atrasados de todos os servidores do estado, especialmente dos policiais. No documento, o desembargador determina ainda que as empresas de transporte público urbano ou intermunicipal concedam gratuidade de passagens para policiais civis e militares.

(Agência Brasil)

Usuários da Uber e 99 Pop reclamam dos preços na noite desse 31 de dezembro

Usuários dos aplicativos de carona Uber e 99 Pop reclamaram dos altos preços das corridas na noite desse domingo, 31, véspera de Ano Novo. Foi o caso do usuário Walber Freitas. Ele afirma que, em dias normais, uma viagem de Uber partindo de sua casa para o trabalho custa, em média, R$ 30. Nesse 31 de dezembro, no entanto, a simulação da corrida com o mesmo percurso mostrou um valor acima do dobro, R$ 67.

Outro usuário relatou situação ainda mais grave: uma corrida, que em outros dias custava aproximadamente R$ 28, nesse domingo, em simulação, estava custando R$ 84.

É comum que em regiões com maior fluxo de pessoas, como é o caso da Praia de Iracema neste Réveillon, a tarifa dinâmica dos aplicativos seja utilizada. Em situações como essa, as empresas alegam que o preço dinâmico funciona de forma automática, com o intuito de equilibrar a oferta e a demanda. Nas redes sociais, muitos usuários reclamaram que, além de demorar para que o aplicativo encontrasse motoristas, os valores das viagens chegaram a custar o dobro do que costumam ser.

(O POVO Online)

Mega da Virada tem 17 apostas ganhadoras

445 1

O ano de 2018 chegou como o melhor nas últimas décadas para 17 novos milionários. Eles irão dividir os R$ 306,7 milhões da Mega da Virada, sorteada na noite desse domingo (31), em São Paulo.

Cada aposta receberá R$ 18,04 milhões. Eles acertaram os números 0306101734 e 37.

Nenhuma aposta vencedora foi feita no Ceará. Foram seis em São Paulo, três na Bahia, duas no Rio de Janeiro, duas em Minas Gerais, duas no Paraná, uma em Santa Catarina e uma no Pará.

Multidão comemora virada do ano no Aterro da Praia de Iracema

Uma multidão de pessoas fez, em uníssono, a tradicional contagem regressiva da virada do ano no Aterro da Praia de Iracema, em Fortaleza. A festa animada por mais de dez atrações iniciou com o sol se despedindo de 2017, às 17 horas, e foi encerrada com o primeiro sol de 2018.

Não há, ainda, número oficial de quantas pessoas participaram da festa. Em cima do palco, os cantores se referiam a “mais de um milhão de pessoas”, mas a quantidade deve ser ainda maior, levando em conta que público se dividia entre a areia do Aterro, as ruas dos arredores e as sacadas de hoteis e apartamentos da orla.

Quem queria ficar perto do palco teve de chegar cedo. Gustavo Serpa, Felipe Adjafre e Fábio Carneirinho abriram os shows, sendo seguidos por Marcos Lessa. O cantor Luan Santana, que já tem cadeira cativa no réveillon da Capital cearense, subiu no palco cedo, por volta nas 19h20min.

O DJ Alok, que não cobrou cachê para animar a multidão, veio em seguida, abrindo espaço para a atração mais cara do show: Wesley Safadão. O forrozeiro apostou em novos hits e tirou selfies com fãs em cima do palco. De lá, ele seguiu para a festa do Marina Park, com público estimado de 5,5 milhões de pessoas.

Xand Avião foi o último a cantar antes da queima de fogos. Ele misturou músicas do novo repertório com as já consagradas do Aviões do Forró, banda que dividia com Solange Almeida. Quem comandou a queima de fogos foi o ator e humorista Tirullipa. No momento da virada, poucos abraços e muitas selfies e câmeras voltadas para o céu.

Simone e Simaria, Capital Inicial, Selvagens à Procura da Lei e Chico Pessoa tocaram em seguida. Quem encerrou a festa foram os blocos Luxo d’Aldeia e Unidos da Cachorra, prenunciando que, em menos de dois meses, as ruas se enchem e se pintam novamente para o carnaval.

(O POVO Online)

Aprovação de medidas de ajuste é desafio para equipe econômica em 2018

Apesar da recuperação da economia no segundo semestre de 2017, a equipe econômica do governo ainda tem desafios para vencer em 2018. Com discussões adiadas pelo Congresso e com a decisão do Supremo Tribunal Federal de suspender a protelação dos reajustes ao funcionalismo federal, as medidas de ajuste fiscal representam uma fonte essencial de receitas para o governo fechar as contas e cumprir a meta de déficit primário de R$ 157 bilhões para este ano que se inicia.

Originalmente, o governo pretendia que as medidas resultassem em ajuste de R$ 21,4 bilhões para 2018. Desse total, R$ 14 bilhões viriam do aumento de tributos e R$ 7,4 bilhões, de cortes de gastos obrigatórios. O adiamento das votações para o ano novo e a decisão do STF reduziram o ajuste para R$ 13,6 bilhões na melhor das hipóteses.

A maior perda, de R$ 6 bilhões, corresponde à antecipação do Imposto de Renda (IR) sobre fundos exclusivos de investimento. Por causa do princípio que estabelece que aumentos de impostos só podem entrar em vigor no ano seguinte à sanção do presidente da República, o IR só poderá ser cobrado em 2019, caso a Medida Provisória (MP) 806 seja aprovada este ano.

As demais perdas decorrem da regra da noventena, que determina que aumentos de contribuições só podem vigorar 90 dias depois da sanção. A estimativa original do Tesouro Nacional previa a aprovação em dezembro do projeto de lei que reverte a desoneração da folha de pagamentos para quase todos os setores da economia e da MP que aumentaria, de 11% para 14%, a contribuição dos servidores para a Previdência do funcionalismo, para entrarem em vigor em abril.

Com a eventual aprovação das propostas no início de fevereiro, as contribuições para a Previdência (pública e dos trabalhadores privados) só aumentariam em maio. O adiamento em um mês reduzirá o alcance do ajuste em mais R$ 1,8 bilhão.

A conta não inclui o impacto de R$ 4,4 bilhões do reajuste para o funcionalismo público federal, que deve ser julgado em fevereiro. Isso porque os servidores terão de devolver o valor pago a mais, caso o Supremo decida favoravelmente ao governo. Se o governo for derrotado no STF, o ajuste diminuirá ainda mais.

Se nenhuma medida de ajuste for aprovada, o governo perderá integralmente os R$ 21,4 bilhões que constam do Orçamento Geral da União de 2018. Nesse caso, a equipe econômica terá de contingenciar (bloquear) as despesas discricionárias (não obrigatórias) para cumprir a meta fiscal e não ultrapassar o teto federal de gastos.

(Agência Brasil)

Crescimento será “mais forte e melhor distribuído” em 2018, diz diretora do FMI

A diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, afirmou que a recuperação da economia mundial no ano que vem será “mais forte e melhor distribuída”, para voltar aos níveis médios que precederam à crise financeira de 2007 e 2008.

“Em 2017, pela primeira vez em muito tempo, revisamos em alta as nossas previsões de crescimento no mundo. A recuperação será mais forte, melhor distribuída”, disse Lagarde em entrevista publicada hoje (31) pela revista francesa Le Journal du Dimanche.

Esta robustez do crescimento, segundo sua opinião, “é propícia para prosseguir as reformas estruturais, quando já foram empreendidas, ou para decidir-se a lançá-las”.

A taxa de crescimento mundial de 3,6% prevista pelo FMI para o ano que começa amanhã (1º) significa, segundo Lagarde, “voltar aos níveis médios das duas décadas que precederam à grande crise financeira de 2007 e 2008”.

Lagarde acredita que a zona do Euro está “fortemente consolidada” em comparação a uma década atrás e a moeda “vai bem”, embora tenha defendido que a união monetária – “uma criação magistral única que constitui uma alternativa à China e aos Estados Unidos” – se traduza em outros projetos sociais e de cooperação fora da Europa.

Por outro lado, julgou que os EUA alcançaram seu potencial de crescimento, em torno de 2%, mas que somente poderiam superá-lo com uma maior produtividade, algo que é “difícil” no atual ambiente de robotização e de novas tecnologias.

Ao mesmo tempo, reiterou os pedidos do FMI às autoridades chinesas para que controlem a expansão do crédito a empresas “que nem sempre são sólidas, ao ponto de alguns as qualificarem como ‘zumbis'”.

Lagarde considerou como “o grande paradoxo de 2017” o fato de que a China tenha se convertido na defensora da globalização, que se explica porque “a natureza fica horrorizada com o vazio” deixado pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, nesse campo.

A respeito da África, previu que pode ser tanto “o continente do futuro como o dos dramas”, e muito disso dependerá do controle da demografia e das políticas de desenvolvimento.

“O desenvolvimento econômico em relação ao crescimento demográfico é uma corrida contra o relógio que se perderá se não se controla a demografia, o que acontece em primeiro lugar pela educação das mulheres e por uma tomada de consciência geral nesses países”, ressaltou.

(Agência Brasil)

Ciro e o enigma da Monalisa

Leitor do Blog envia imagem de Paris, onde garante que o homem a poucos metros à sua frente, no Museu de Louvre, é o ex-governador do Ceará e ex-ministro Ciro Gomes, pré-candidato do PDT ao Palácio do Planalto.

Segundo o leitor, que enviou a imagem nesse sábado (30), Ciro teria sido reconhecido por outros brasileiros que visitavam a capital francesa.

(Foto: Leitor do Blog)

Cantora Ellen Chelsea é opção neste Réveillon para quem quer fugir do forró e sertanejo

Os apreciadores da MPB, da bossa nova e do samba já podem agendar neste domingo (31), a partir das 21 horas, no Geppos Jardins (ao lado do shopping Aldeota), um encontro com a cantora Ellen Chelsea.

Com uma apresentação programada para 5 horas da melhor música nacional, a cantora pretende animar o Réveillon de quem vai passar a virada do ano no restaurante, conhecido pelo requinte e boa gastronomia.

No último dia de 2017, Governo do Ceará entrega adutora para garantir abastecimento em Caridade

Os mais de 5 mil moradores do distrito de Campos Belos, em Caridade, ganharam um presente de fim de ano neste domingo (31), último dia de 2017. O governador Camilo Santana inaugurou a adutora que garantirá o abastecimento d’água da comunidade. Com 19,6 quilômetros, o equipamento teve investimento de R$ 2,5 milhões do Governo do Ceará e captará água do Açude General Sampaio.

“Eu sei da luta de vocês para receber essa adutora. Hoje conseguimos realizar esse desejo de toda população de Campos Belos. É muito simbólico a gente encerrar o ano trabalhando e entregando um equipamento que vai garantir água para nossos irmãos cearenses. É uma alegria muito grande terminar 2017 dessa forma. Que a gente possa ter um ano de 2018 com muita paz, amor e muita chuva em todo o Ceará”, disse Camilo Santana.

A prefeita de Caridade, Amanda Lopes, agradeceu o empenho do Governo do Ceará por entregar o equipamento ainda em 2017. “Agradeço ao governador por conseguir trazer esse presente mesmo no Réveillon. Lutamos muito para que o distrito de Campos Belos tivesse água e hoje estamos conseguindo realizar esse sonho. Água é vida. Hoje é um dia de agradecer, já que a população de Campos Belos não precisa mais deixar a localidade por causa de falta d’água”, destacou Amanda Lopes.

A adutora tem tubulações de 150mm e 200mm em DeFoFo (conexões hidráulicas em PVC modificado) que conduzirá 13,88 litros por segundo, suficiente para abastecer toda a comunidade. A obra teve ainda a construção de uma Estação Elevatória e instalação de duas motobombas de 25CV cada. A intervenção contou com o apoio da Prefeitura de Caridade.

Campos Belos era atendido por uma Adutora Montagem Rápida (AMR), que captava água do Açude Desterro. Em decorrência da falta de chuvas na região, o abastecimento teve de ser interrompido. A adutora definitiva é uma medida do Governo do Ceará para solucionar o problema. A Superintendência de Obras Hidráulicas (Sohidra) é a responsável pela obra.

O evento contou com as presenças do deputado federal Odorico Monteiro, dos deputados estaduais Walter Cavalcante, Lucilvio Girão e Audic Mota, dos secretários Nelson Martins (Casa Civil), Dedé Teixeira (Desenvolvimento Agrário) e Ramon Rodrigues (adjunto da SRH), além de prefeitos, vereadores e lideranças políticas da região.

(Governo do Ceará)

O dia em que o governo americano drogou seu povo

Em artigo no O POVO deste domingo (31), o advogado e professor universitário Marcelo Uchôa avalia o fracasso norte-americano no combate às drogas. Confira:

Assim como em partida de futebol, todos creem possuir opiniões infalíveis sobre o tema das drogas. Sem titubear, indicam-se vilões e mocinhos num jogo complexo que mata crescentemente, a cada ano, centenas de milhares de pessoas no mundo. Contudo, criminalizar ou descriminalizar o uso de substâncias; liberar e regulamentar produção, comércio e consumo; lidar com o fenômeno como questão de segurança, saúde ou relegando-o à esfera da individualidade, reconhecido o caráter cultural-recreativo, religioso, medicinal, de certas drogas, são conjecturas que somente serão adequadamente realizadas se bem compreendidas as circunstâncias que levam ao trânsito quase desimpedido das substâncias no meio. O documentário Freeway Crack in The System”, de Marc Levin, disponível na Netflix, ajuda a reflexão.

O filme aborda a geopolítica das drogas através dos relatos de Freeway Rick Ross, lendário traficante das décadas de 1980 e 1990, que, antes de cumprir 20 anos de prisão em regime fechado, dominou o controle da distribuição de cocaína e crack em quase todos os EUA, a partir das comunidades afro-americanas dos arredores de Los Angeles.

O documentário reúne ex-traficantes, antigos integrantes da DEA (sessão antidrogas estadunidense), parlamentares dos EUA que endossaram, mas hoje condenam, o endurecimento das leis, somando, ainda, contribuições do jornalista Gary Webb, vencedor do Prêmio Pulitzer de 1990, “suicidado” na esteira das denúncias, ora reavivadas, sobre as relações clandestinas do governo Reagan com xiitas iranianos, milícias anti-sandinistas e traficantes latino-americanos. Em síntese, a trama consistia em articulação engendrada em finais da Guerra Fria para impedir o avanço iraquiano no Oriente Médio e revoluções socialistas na América Central. Via Israel, às escondidas dos órgãos internacionais de segurança e do congresso dos EUA, armas eram levadas ao Golfo Pérsico e vultosos financiamentos retornavam de lá direcionados a organizações contrarrevolucionárias. Aportes expressivos também eram efetivados por cartéis colombianos de cocaína, que recebiam, em troca, permissão do governo dos EUA para desovar ali a produção.

Paralelamente à crítica às relações promíscuas do governo estadunidense com o narcotráfico, o documentário expõe as incoerências da já comprovadamente fracassada “política de guerra às drogas”. Revela como são estabelecidas as ligações entre consumidores e distribuidores primários e poderosas facções armadas, questionando sobre os efeitos práticos da tática institucional de combater o terror com mais terror. Condena a criminalização e o encarceramento em massa da população negra, chamando a atenção para o gravíssimo problema da estigmatização de um público que, no momento inicial do drama, era compreendido como injustiçado histórico, carente de direitos civis, em pleno processo tendencial de empoderamento político, e que, doravante, passou a ser generalizadamente identificado como de periculosidade social. No fim, a certeza de que elaborar conceitos sobre drogas a partir de premissas equivocadas, ignorando interesses geopolíticos, cifras bilionárias e disputas de poder, reduzindo a dimensão do problema ao crivo médio cotidiano, é o que o “status quo” mais quer para continuar soberano sobre o comércio e o aproveitamento econômico da adjacente rede de violência.

Caixa eleva estimativa do prêmio da Mega-Sena da Virada para R$ 300 milhões

Trezentos milhões de reais. Este é o valor mínimo a ser pago aos ganhadores da Mega-Sena da Virada, que será sorteada a partir das 20h50 (horário de Brasília) de hoje (31). Segundo a Caixa Econômica Federal, a quantidade de bilhetes vendidos superou as expectativas horas antes do encerramento das apostas, no início da tarde deste domingo.

Ontem (30), a Caixa calculava que o valor do prêmio atingiria R$ 280 milhões, o que já representaria o maior valor pago na história das loterias brasileiras.

De acordo com a Caixa, se aplicados integralmente em uma conta-poupança, os R$ 300 milhões renderiam o equivalente a cerca de R$ 1,3 milhão mensais. O valor integral ainda é o suficiente para a compra de 130 imóveis de R$ 2,3 milhões cada ou de 20 iates de luxo.

O sorteio será transmitido ao vivo, pelas principais emissoras de tv do país.

(Agência Brasil)

Ciro e Cid – Ferreira Gomes consolidam liderança no Ceará, mesmo com terceiro ano sem mandato

Em artigo enviado ao Blog, o jornalista Hélio Rocha Lima avalia a liderança dos irmãos Ferreira Gomes no Ceará. Confira:

A coluna política do jornal O Povo desse sábado, 30, apresentou um texto abordando o suposto desempenho dos políticos cearenses neste ano. Como todos provavelmente sabem, a “coluna” nos jornais é um espaço garantido a jornalistas ou a qualquer pessoa, para que escrevam o que bem entenderem, difundindo, assim, conteúdos que podem até vir a ter algum compromisso com o pensar coletivo, mas que, na grande maioria dos casos, servem mesmo aos interesses pessoais das pessoas que a assinam.

Ainda que respeitemos o direito do jornalista (da coluna desse sábado) de escrever o que bem lhe entender ou convier, especialmente em tempos de combate às fake news, torna-se necessário um posicionamento contrário ao que foi escrito, mas, desta vez, com mais respeito à dinâmica de fatos objetivos.

Apesar de o jornalista tangenciar alguns pontos parcialmente coerentes quando aborda os cenários correlatos ao governador Camilo Santana e aos senadores Eunício Oliveira e Tasso Jereissati, creio que o autor se equivoca em sua análise sobre os “Ferreira Gomes”.

Diante da superficialidade da abordagem, o texto materializado na coluna não guarda a menor conexão com os nobres valores dos princípios que norteiam a ética e as conduta daquele tipo de jornalismo que deve ser construído de forma séria e responsável.

De acordo com a mera e pessoal opinião do jornalista, o ano teria sido “complicado para os Ferreira Gomes”.

Bem, caso se decida ignorar todos os acontecimentos e fatos do ano e levar em consideração apenas as estabilizadas pesquisas quantitativas presidenciais acerca de Ciro Gomes e uma única notícia projetada por seu viés mais negativo acerca de Cid Gomes, então talvez estes fatos pinçados, porventura, possam oferecer algum acalento à frágil “análise” tecida pelo douto jornalista.

Entretanto, é interessante perceber que nem se faz necessário verbalizar um anuário de acontecimentos para comprovar a fragilidade da enviesada conclusão do colunista.

Basta trazer à luz para as mentes esclarecidas ou ávidas por verdades o singular e notório fato da força de influência que os irmãos exercem sem estarem efetivamente no comando de nenhuma instituição ou serem detentores de poderio econômico ou financeiro.

É exatamente em função de não terem o efetivo comando de nenhum partido político, não estarem empoderados por qualquer caneta ou mandato, não serem controladores de redes de comunicação e muito menos serem donos de alguma grande fortuna que se torna surpreendente a força da influência, tanto do ex-governador Cid Gomes quanto de seu irmão Ciro Gomes.

Quantas pessoas conseguiriam tal feito neste Brasil velho de guerra, nestas mesmas condições, e ainda mais nas atuais instabilidades políticas e econômicas?

Pessoalmente, eu nutro um bom conjunto de discordâncias com pensamentos e atitudes dos Ferreira Gomes, mas a realidade dos fatos me obriga a perceber que 2017, contrário ao que postulou o colunista, foi de fato um ano extremamente interessante e até energizante para os irmãos Gomes, que viram consolidar uma liderança sustentada em pilares muito raros, especialmente para o bel prazer da realpolitik.

E não creio ser possível encontrar plausíveis explicações para a força das influências dos irmãos Ciro e Cid que não estejam minimamente relacionadas às suas experiências políticas e administrativas, ou a alguma força do recall das suas realizações e legados (leia-se aqui: força do voto que se emana do povo), ou por potenciais de formulação de ideias e, até mesmo, por alguma capacidade de articulação.

Sinceramente, acredito que o ano possa ter sido tudo, menos complicado para os irmãos.

Especialmente para o ex-governador Cid Gomes, que mesmo, ao que parece, até lutando para se manter de férias da política, tem assistido seu nome ser projetado aos maiores podiums do protagonismo do cenário político no Ceará.

Delegacia é alvejada neste domingo em Fortaleza

Dois homens chegaram em frente ao 19º Distrito, no Conjunto Esperança, e efetuaram disparos contra a parede da delegacia. Por meio de nota, a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) informou que havia um policial civil no local, mas que não foi ferido pelos disparos.

Ainda conforme a secretaria, as polícias Civil e Militar realizam diligências com o intuito de identificar e capturar os suspeitos que chegaram em um veículo.

“Imagens de câmeras de segurança serão utilizadas para auxiliar na investigação”, disse a nota.

(O POVO Online)

Atletas etíopes e quenianos vencem a São Silvestre 2017

Atletas da Etiópia e do Quênia tomaram conta o pódio da São Silvestre 2017. O etíope Dawit Fikadu Admasu venceu a corrida com o tempo de 44 minutos e 15 segundos, acompanhado do também etíope Belay Tilahun Bezabh que conquistou o segundo lugar com 44 minutos e 33 segundos. O terceiro lugar foi para o queniano Edwin Kipsang Rotich que fez o percurso em 44 minutos e 43 segundos. A quarta colocação foi para o atleta do Bahrain (Oriente Médio), Birhanu Yemataw Balew, que concluiu a prova com 45:06. O melhor brasileiro na São Silvestre deste ano foi Ederson Vilela Pereira, de Caçapava (SP) que chegou no décimo primeiro lugar.

Entre as mulheres, a queniana Flomena Cheyech Daniel, de 33 anos, venceu o percurso com o tempo de 50 minutos e 18 segundos. Ela foi a vencedora da Maratona de Paris de 2014 e ficou em terceiro este ano. Em segundo lugar, chegou a etíope Sintayehu Lewetegn HaileMichael com o tempo de 50 minutos e 55 segundos. A terceira colocação ficou para a também etíope Birhane Dibara Adugana, que fez o tempo de 50 e 57 segundos.

O quarto e quinto lugar também foi para as africanas: a etíope Wude Ayalew Yemir conquistou a quarta posição com 51:35 e a queniana Paskalia Chepkorir a quinta colocação com 51:55. A melhor colocação do Brasil foi da paranaense Joziane da Silva Cardoso que conquistou a décima segunda posição. Enquanto ocorre a premiação, quase 30 mil corredores continuam o percurso para tentar concluir a prova de 15 quilômetros.

Antes da prova dos atletas de elite, cadeirantes também disputam a São Silvestre. Nesta categoria, Leonardo de Melo, ficou em primeiro lugar. Ele foi seguido por Carlos Pierre Silva de Jesus. O terceiro lugar foi de Heitor Mariano dos Santos. As mulheres campeãs nesta categoria foram Vanessa Cristina de Souza e Aline dos Santos Rocha.

(Agência Brasil)