Blog do Eliomar

Arquivos do autor Eliomar de Lima

Senado tem votações esta semana sobre ICMS e estupro, além de debates sobre previdência

Eunício Oliveira comanda a Casa.

As votações que tratam da redução do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre o querosene e da proposta de emenda à Constituição (PEC) que torna o estupro crime imprescritível deverão marcar a pauta do plenário do Senado nesta semana.

O projeto que reduz a alíquota do ICMS sobre o querosene, barateando o combustível de aviação, esteve na pauta na última semana, mas não chegou a ser apreciado pelos senadores. A expectativa é de que os líderes decidam por sua votação na terça-feira (8).

A PEC que torna o estupro imprescritível figura na pauta da Casa desde antes do recesso parlamentar, mas por falta de quórum ainda não foi apreciada. A proposta já foi aprovada em primeiro turno e aguarda a deliberação em segundo turno para seguir para a Câmara dos Deputados.

Além da pauta do plenário, a Comissão Parlamentar de Inquérito da Previdência retomará os trabalhos a partir desta segunda-feira (7), com audiência pública para ouvir representantes de delegados das polícias Civil e Federal, além de entidades que representam aposentados e pensionistas.

A Comissão de Direitos Humanos também vai promover debates sobre previdência, com foco nas contribuições, na quarta-feira. Os membros da comissão querem se antecipar ao debate da reforma da Previdência, que está em tramitação na Câmara dos Deputados, e pretendem ouvir auditores da Receita Federal e do Ministério do Trabalho, entre outros.

(Agência Brasil)

Bem-vindos ao inferno!

Em artigo no O POVO deste domingo (6), o psicanalista Valton de Miranda Leitão aponta um desastre globalizado da falência do homem para conter a guerra de todos contra todos. Confira:

Essa irônica saudação foi espalhada pelos manifestantes que protestavam contra o encontro do G20 que reuniu as economias mais avançadas do mercado capitalista em Hamburgo, Alemanha. Os protestos resultaram em carros incendiados, policiais feridos e hospitalizados e centenas de pessoas presas.

As mazelas, pestes, catástrofes climáticas e a degradação ética que se espalham pelo mundo, certamente, é o que o G20 representa, pois, com certeza, o sistema do lucro infinito e da ganância desenfreada está levando o planeta à destruição.

Por mais que os angélicos liberais defensores de uma jamais encontrada ética concorrencial digam o contrário, assistimos ao desastre globalizado da falência do homem para conter a guerra de todos contra todos.

O Daimon grego que entra em ação quando todas as divindades antigas e atuais fracassam, coloca a humanidade na fronteira do mundo inferior, conhecido pelo apelido de inferno. Neste lugar, o kosmos da harmonia e da beleza é substituído pelo caos da desordem e do vício. O movimento Iluminista, que entronizou a Razão e a Ciência, agora perplexo, apela para eletrônica informacional.

O Brasil na extensão do G20 vive o drama de um governo fraudulento sustentado por poderosas forças que agora se entrechocam num jogo infernal de faz-de-conta, afirmando que representam o princípio ético na luta contra os “corruptos” defensores da população.

O jogo descarado da mídia e dos seus colunistas midiáticos pretende que todos acreditem que não fazem parte de um golpe continuado contra o Estado Social. O judiciário que foi conivente com tudo isso desde a derrubada imoral do governo legítimo de Dilma Rousseff, agora está fragmentado entre principalmente o STF e o time curitibano da politicagem contra-esquerdista que tem à frente um juiz que deveria ser chamado com propriedade Globomoro. Nesse ambiente, a convicção paranoica toma o lugar da Lei, enquanto Procusto pronuncia a sentença.

Escrevi noutro lugar: “O sistema midiático conseguiu transformar um simples juiz num verdadeiro Procusto que juntamente com meia dúzia de rapazotes munidos do Vade Mecum do Direito, combinados com delegados fanfarrões, promovem no país o que proclamam como purificação da vida sociopolítica!”O álibi de usar o combate à corrupção para massacrar um projeto social e suas lideranças centro-esquerdistas é levado a cabo, principalmente pelo principado de Curitiba, nascido em Maringá.

Veríssimo imortalizou o analista de Bagé e sugiro que faça o mesmo com o juiz de Maringá, pois o humor tira a máscara. O professor Marcos César Danhoni, da Universidade Estadual de Maringá, fez consistentes críticas jurídicas aos processos nazifascistas promovidos principalmente pelo juiz de Maringá e seu comparsa Deltan Dallagnol.

É nesta fronteira daimônica, na qual convicção vira fato e virtude vício, em que brevemente deve ser instalado um tribunal neutro e imparcial para julgar os desvarios e a insensatez que o projeto Lava Jato abriga.

Vôlei feminino do Brasil conquista seu 12º título Grand Prix

A seleção brasileira feminina de vôlei acaba de conquistar o Grand Prix, ao vencer a Itália por 3 sets a 2 – parciais de 26 a 24, 17 a 25, 25 a 22, 22 a 25 e 15 a 8. A decisão foi em Nanjing, na China.

É a 12ª vez que o Brasil conquista o título, tendo sido campeão em 1994, 1996, 1998, 2004, 2005, 2006, 2008, 2009, 2013, 2014 e 2016.

Competição criada em 1993, o Grand Prix é considerado a versão feminina da Liga Mundial de Vôlei.

(Agência Brasil)

Recém-nascido passa a ter a naturalidade da mãe

A comissão mista da Medida Provisória (MP) 776/2017 promove na terça-feira (8) audiência pública interativa para debater a matéria, que estabelece novas regras para o registro de nascimento. Na quarta-feira (9), a comissão reúne-se novamente para votar a proposta, que teve o prazo prorrogado até 7 de setembro.

A MP altera a Lei de Registros Públicos para permitir que a certidão de nascimento indique como naturalidade do filho o município de residência da mãe. A justificativa é que em pequenas cidades do país faltam maternidades, obrigando as mães a dar a luz em outros locais. A relatora da matéria é a senadora Regina Sousa (PT-PI) é a relatora da comissão, que tem como vice-presidente o senador Dalírio Beber (PSDB-SC).

Para o debate foram convidados representantes da Associação dos Notários e Registradores do Brasil, da Secretaria Nacional de Promoção e Defesa dos Direitos Humanos, do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), do Ministério do Planejamento no Comitê Gestor do Sistema Nacional de Informações de Registro Civil (SIRC) e da Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (ARPEN Brasil).

(Agência Senado)

Por que a delação de Sergio Machado foi desqualificada?

Sergio Machado está numa encruzilhada. A tábua de salvação, para ele e os três filhos não perderem o benefício da Colaboração Premiada, será a Procuradoria Geral da República (PGR) sustentar que a delação e as provas oferecidas pelos quatro renderam o suficiente para Ministério Público e a Justiça colocarem as mãos em outros corruptos e condená-los por envolvimento na Operação Lava Jato/Petrobras.

As delações do ex-presidente da Transpetro e dos filhos abriram sete frentes de investigação no STF e dois inquéritos policiais em Curitiba. Uma das investigações, porém, a que se refere a três caciques do PMDB – o ex-presidente José Sarney e os senadores Renan Calheiros e Romero Jucá – foi desqualificada pelo relatório da delegada federal Graziela Machado da Costa e Silva, de Brasília. Ao contrário do que Machado denunciou, a policial não enxergou crimes de obstrução e contra administração da justiça praticados pelos ex-padrinhos políticos do cearense.

A estratégia de Sergio Machado de oferecer, como prova, diálogos gravados clandestinamente entre ele, Sarney, Calheiros e Romero Jucá, não convenceu a delegada. Nem mesmo o ministro Teori Zavascki, morto este ano (20/1) em um acidente aéreo, mas que deixou pareceres que enfraquecem a tentativa de incriminar atores experientes da República brasileira.

O relatório da delegada Graziela Costa e Silva é detalhista e levantou até possíveis encontros de supostos emissários de Sarney-Renan-Romero com o ministro Teori. A intenção, segundo Sergio Machado, era tentar persuadir Teori a não enviar o processo do ex-presidente da Transpetro, que está no Supremo Tribunal de Justiça (STF), para a Vara Criminal, em Curitiba, onde atua o juiz Sergio Moro.

Parte do conteúdo dos diálogos clandestinos, segundo Sérgio Machado e seus advogados à PGR, revelaria uma articulação escusa de Sarney-Renan-Romero para salvá-lo das mãos de Moro. Machado, em várias ocasiões das conversas com os três, repete que se o processo seguisse para Curitiba a delação (dele) seria inevitável. E pegaria todos. “Aí, fodeu. Vai foder pra todo mundo (…) Como montar uma estrutura para evitar que eu desça?”, pergunta o ex-senador cearense.

Depois de muitos diálogos, os caciques do PMDB sugerem os nomes de César Asfor, ministro aposentado do Superior Tribunal de Justiça (STJ), e do advogado Eduardo Antônio Lucho Ferrão para tentar convencer Teori Zavascki a não desmembrar o processo de Sergio Machado. Asfor e Ferrão, segundo Sarney-Renan-Romero, teriam acesso ao ministro do STF por causa de relações antigas de trabalho ou amizade.

Mas a delegada Graziela Costa e Silva não se convenceu que as conversas entre os investigados pela Lava Jato incriminariam mais ainda o trio peemedebista. Além confrontar os depoimentos de Sarney-Renan-Romero com o de Sergio Machado, ela ouviu César Asfor e Eduardo Ferrão. Também esquadrinhou a possibilidade de um suposto encontro de Asfor e de Ferrão com Teori Zavaski. Por meio de registros de entradas dos dois no prédio do STF. Ali, o encontro não teria acontecido.

“As conversas entre Sergio Machado e seus interlocutores não passaram de meras cogitações (…) É preciso mais. Concluo que, no que concerne ao objeto deste inquérito, a colaboração que embasou o presente pedido de instrução mostrou-se ineficaz”, afirma a delegada Graziela Costa e Silva para, depois, sugerir a anulação do acordo de colaboração premiada do ex-presidente da Transpetro.

Segundo investigações da Operação Lava Jato/ Petrobras, Sergio Machado e os filhos Sérgio Firmeza, Expedito Neto e Daniel Machado teriam desviado, pelo menos, R$ 192 milhões. Sergio Machado confessou ter escondido R$ 70 milhões no HSBC/Suíça. Durante 11 anos à frente da Transpetro, ele teria embolsado R$ 22 milhões. Outros R$ 100 milhões teriam sido distribuídos na forma de propina para alguns políticos de partidos como PT, PMDB, DEM e PSDB.

Em 13 depoimentos, durante as sessões de delação, Sergio Machado revelou aos procuradores da República como conseguia o dinheiro ilícito junto às empresas que tinham contrato com a Transpetro, estatal dirigida por ele de 2003 a 2014. R$ 75 milhões é a multa compensatória que Sergio Machado e os filhos terão de pagar à Petrobras pela corrupção na Transpetro.

No mês passado, eles devolveram R$ 56 milhões aos cofres da companhia. Foram feitos pagamentos em três parcelas até a última sexta-feira. Esses recursos foram repatriados pelo Ministério Público Federal (MPF).

(O POVO)

Mulheres superam homens na criação de novos negócios

As mulheres brasileiras estão à frente dos homens na criação de novos negócios. Mas, quando se trata de negócios já estabelecidos, elas mostram presença menor que a do sexo masculino. As informações estão na pesquisa Global Entrepreneurship Monitor 2016, coordenada no Brasil pelo Serviço Brasileiro de Apoio à Micro e Pequena Empresa (Sebrae) e o Instituto Brasileiro de Qualidade e Produtividade (IBPQ).

Segundo o estudo, em 2016 a taxa de empreendedorismo entre os que têm um negócio com até três anos e meio de existência ficou em 15,4% entre as mulheres e em 12,6% entre os homens. A taxa de empreendedores estabelecidos, ou seja, que tocam um negócio há mais de três anos e meio, ficou em 19,6% entre os homens e 14,3% entre as mulheres.

A pesquisa revelou também que as mulheres empreendem por necessidade mais frequentemente do que os homens. No grupo feminino, 48% delas afirmaram ter buscado o empreendedorismo porque precisaram. No masculino, esse percentual cai para 37%.

De acordo ainda com a pesquisa do Sebrae e do IBPQ, enquanto 49% das empreendedoras iniciais concentravam-se em quatro atividades, 50% dos homens começando a empreender estavam em nove segmentos.

Elas distribuíam-se nos setores de serviços domésticos (13,5 %) , cabeleireiros ou tratamento de beleza (12,6 %) , comércio varejista de vestuário e acessórios (12,3 %) e catering e bufê (10,3%).

Por sua vez, os homens estavam em todas as áreas ocupadas pelas mulheres, com exceção do serviço doméstico, e ainda na construção (14,8 %), restaurantes (7,7 %), manutenção de veículos (7,4 %), comércio varejista de hortifrutigranjeiros (3,2 %), atividades de serviços pessoais (2,8 %) e comércio varejista de cosméticos, produtos de perfumaria e higiene pessoal (2,4 %).

(Agência Brasil)

Eleições 2018 – Bolsonaro deverá herdar base social-política organizada no Ceará

Em artigo nas mídias sociais, o sociólogo e consultor político Luiz Cláudio Ferreira Barbosa avalia o avanço da pré-candidatura de Bolsonaro ao Palácio do Planalto. Confira:

O provável candidato à presidência da República, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC), já se consolidou como a segunda via eleitoral do tabuleiro político brasileiro. Jair Bolsonaro começa a atrair os eleitores tradicionais tucanos das regiões Sul e Centro-Oeste, assim como da região Sudeste, de acordo com a última pesquisa do Paraná Instituto nos cenários estimulados: Sul (19,5%), Centro-Oeste + Norte (28%), Sudeste (17,6%) e Nordeste (15%).

As Igrejas Evangélicas foram as grandes responsáveis pelas as votações expressivas nas candidaturas presidenciais do ex-governador Anthony Garotinho (2002) e da ex-senadora Marina Silva (2010) na região do Nordeste. Os pentecostais e os neo-pentecostais nordestinos já começaram a demostrar a sua orientação política-eleitoral, para votarem na candidatura presidencial de Jair Bolsonaro nas pesquisas de opiniões públicas: Ibope, DataFolha, Vox Populi e Paraná Instituto.

O deputado federal Jair Bolsonaro (PSC) deverá herdar a base social-política organizada no Estado do Ceará, em torno do vice-prefeito de Fortaleza, o ex-deputado federal Moroni Torgan (DEM). Durante os últimos pleitos eleitorais, para cargos executivos: 2000, 2004, 2008, 2012 e 2016. Moroni Torgan foi companheiro do deputado federal Jair Bolsonaro (PSC), em várias legislaturas na Câmara Federal: 1991-1994, 1999-2002, 2003-2006 e 2015-2016. Eles constituíam as duas maiores lideranças da bancada da segurança pública no Congresso, ficando evidente a mesma matriz ideológica conservadora-social.

A pré-candidatura presidencial do deputado federal Jair Bolsonaro pode ter algo em torno de 25% até 27% das preferências eleitorais dos fortalezenses, que são eleitores tradicionais do discurso ideológico de endurecimento das políticas na área de segurança pública. Jair Bolsonaro deverá receber apoio político-eleitoral, nas pequenas e médias cidades cearenses, dos evangélicos e dos católicos conservadores e das classes médias aterrorizadas pela insegurança pública.

A pré-candidatura presidencial do cearense Ciro Gomes (PDT) deverá impedir o crescimento eleitoral do deputado federal Jair Bolsonaro, em todo território cearense na sucessão presidencial de 2018, sendo exceção a cidade de Fortaleza.

Comissão da reforma política se reúne na quarta-feira para votar financiamento de campanha

A Comissão Especial da Reforma Política continua o debate e a votação do relatório parcial do relator, deputado Vicente Cândido (PT-SP), na quarta-feira (9). O texto parcial foi apresentado maio, e em julho, Cândido apresentou uma complementação de voto nova versão do seu relatório.

A complementação de voto estabelece, por exemplo, que nas campanhas dos candidatos às eleições de deputado federal em 2018, o limite de gastos previsto é de R$ 2,2 milhões.

O relator acredita na aprovação do texto para que as regras possam valer para 2018. “Estou otimista, já exaurimos as discussões e entendimentos, acho que há maioria nos principais pontos já formada. Tem condições de votar até dia 10 de agosto. E o Senado terá 40 a 50 dias para deliberar sobre as matérias”.

O terceiro relatório da comissão trata das regras eleitorais, do sistema eleitoral e do financiamento de campanhas.

O nome do doador poderá permanece em sigilo quando a doação não ultrapassar três salários mínimos, o que não se aplicará para efeitos de prestação de contas ou de fiscalização por parte dos órgãos de controle, mas apenas para fins de preservação do nome do doador, a exemplo do que ocorre em outros países democráticos, como a Alemanha, Canadá e Estados Unidos.

Na versão mais recente do parecer, Candido também antecipou para 2022 a adoção do sistema eleitoral misto. A primeira versão do relatório, apresentado em maio, previa esse sistema apenas a partir de 2026.

Pelo sistema misto, metade dos eleitos virá da lista fechada; e a outra metade, do sistema distrital, que é majoritário (vence o candidato que levar o maior número de votos no distrito).

Para as eleições de 2018 e 2020, a proposta define a lista pré-ordenada pelos partidos. Conforme o relator, a Justiça Eleitoral afirmou não ser possível dividir o País em distritos já para as eleições do ano que vem.

Nos dois relatórios anteriores, a comissão aprovou regras sobre mecanismos de democracia direta e a unificação para seis meses dos prazos de desincompatibilização para quem quer concorrer a cargos públicos.

(Agência Câmara Notícias)

Veia humorística de Karenina explode na personagem Dita na novela A Força do Querer

Os momentos engraçados entre a patroa Silvana, personagem da atriz Lilia Cabral, na novela A Força do Querer, da Globo, e a empregada doméstica Dita, personagem da atriz e comediante Karla Karenina, têm atraído um público que até então não se mostrava fã de novelas.

Acostumada aos palcos de humor, desde quando se apresentava em Fortaleza, nos anos 1980, e depois na personagem Meirinha, na Escolinha do Professor Raimundo, nos anos 1990, Karenina esbanja todo o seu talento nas cenas mais longas.

A cumplicidade de Dita com Silvana agora rende boas gargalhadas e chama cada vez mais a atenção da crítica nacional. “Ela (Karla Karenina) está batendo um bolão”, aponta o site UOL.

(Foto: Divulgação)

79% querem caras novas nas eleições de 2018

80 1

Da Coluna Fábio Campos, no O POVO deste domingo (6):

“A política tradicional, os partidos e os atuais políticos estão em forte queda no imaginário dos eleitores”. A conclusão é da pesquisa Ideia Big Data (IBD), instituto que atua no Brasil, EUA e Índia. Foram realizadas 10.063 entrevistas com eleitores de 37 municípios brasileiros. A margem de erro estimada é de 1.75%. Alguma novidade nisso? Não, nenhuma. O desgaste da política, dos políticos, dos partidos, do sistema político e até das instituições políticas como o Congresso e os poderes executivos brasileiros vem há anos sendo detectado por diversas pesquisas. Mas há uma importante e sintomática novidade nas conclusões do IBD.

Caras novas. É essa a sentença fundamental ditada pelos eleitores que a pesquisa detectou. 79% concordam com a afirmação “gostaria muito de ver os cidadãos comuns (de fora da política), como professores, empreendedores, funcionários públicos concursados, trabalhadores da indústria, profissionais liberais, entre outros, candidatos em 2018”.

Vejam a seguir outras conclusões da pesquisa que foi realizada entre os dias 11 e 25 de julho.

– Os partidos continuam num processo de desgaste de credibilidade: 77% dos entrevistados destacam que votam na pessoa e não se importam com o partido político – na região Nordeste, esse percentual chega a incríveis 90%.

– Também nessa linha, 72% responderam que não se importam se uma política pública é de direita ou esquerda, desde que torne sua vida melhor. Aqui se expressa um saudável pragmatismo dos eleitores que coloca no gueto a histeria da polarização.

– 81% afirmam acreditar que movimentos fora da política entendem bem melhor os seus problemas.

– A maioria (57%) defende que pessoas envolvidas na Lava-Jato, mesmo que não tenham sido condenadas, não merecem seu voto.

– 52% defendem que “somente quem nunca foi candidato (a) a nada pode realmente trazer a renovação necessária”. A região Sul é a que mais acredita nesta afirmação (60%), seguida pelo Sudeste (55%), e o Centro-Oeste (52%). No Nordeste, esse percentual cai para 44% e, no Norte, 45%.

– Quanto ao partido, 59% gostariam que o próximo presidente não pertencesse ao PMDB, PSDB e nem PT.

1 a 1 – Fortaleza empata com o ASA e deixa escapar a chance de liderar na Série C

82 2

Após sair em desvantagem no placar e sofrer a pressão de um adversário que busca deixar a zona de rebaixamento, o Fortaleza empatou com o ASA, em 1 a 1, na noite desse sábado (5), no estádio Coaracy da Matta, em Arapiraca, e manteve a segunda colocação do Grupo A da Série C do Campeonato Brasileiro. O resultado, no entanto, impediu o Leão de assumir a liderança do grupo, diante do empate do líder CSA com o Moto Club, em 1 a 1.

O ASA abriu o placar aos 19 minutos de partida, por meio de Jhulliam, enquanto o Fortaleza empatou aos 14 minutos do segundo tempo com Lúcio Flávio.

O Leão volta a campo na noite do próximo domingo (13), contra o Cuiabá, quando poderá garantir vaga na próxima etapa da competição.

Fachin adia depoimento de Rodrigo Maia à PF no âmbito da Lava Jato

O ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), acatou pedido do presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), para adiar o depoimento que ele prestaria à Polícia Federal (PF) na terça-feira (8), no âmbito da Operação Lava Jato.

Em seu despacho, Fachin argumentou ser “prudente” adiar a oitiva até que a Procuradoria-Geral da República se manifeste sobre o pedido, feito pela defesa de Rodrigo Maia, de desmembramento do inquérito em que Maia é investigado ao lado do presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), do senador e atual presidente do PMDB, Romero Jucá (RO), do ex-presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), além do deputado federal Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA).

“Determino o acautelamento da presente petição até o retorno do inquérito da Procuradoria-Geral da República, inclusive porque, como frisado, poderá vir a ocorrer a redistribuição do feito, competindo, se for o caso, ao novo relator o exame de questões pendentes”, diz trecho da decisão de Fachin.

Em depoimento de delação premiada, executivos da Odebrecht, incluindo o ex-presidente executivo da construtora, Marcelo Odebrecht, e de seu pai, Emílio Odebrecht, disseram que a Rodrigo Maia, codinome “Botafogo”, teria sido paga a quantia de R$ 1 milhão. Maia nega ter recebido o dinheiro.

(Agência Brasil)

INSS posterga para dia 21 prazo para marcar nova perícia, diz ministério

O Ministério do Desenvolvimento Social (MDS) informou nesse sábado (5) que foi ampliado, para o dia 21 deste mês, o prazo para que beneficiários do auxílio-doença convocados pelo Diário Oficial da União (DOU) entrem em contato para agendar nova perícia junto ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

Na edição de 1º de agosto, o DOU publicou uma lista de segurados por incapacidade que deveriam entrar em contato com o INSS “no prazo de cinco dias corridos”, a partir da publicação, para saber a data da perícia, por meio da qual terão seu benefício reavaliado.

Segundo o MDS, no entanto, o INSS, diferentemente do publicado no DOU, dará 15 dias a mais para que os interessados sejam considerados notificados. Somente após esse período começarão a contar os cinco dias corridos para que os beneficiários entrem em contato com o órgão. Somando-se todos os prazos, a nova data limite ficou estabelecida para o dia 21 deste mês.

A convocação feita pelo DOU no dia 1º de agosto teve como alvos beneficiários com os quais o INSS não conseguiu entrar em contato via Correios, devido a alguma inconsistência nos dados que resultou no retorno da correspondência.

Os beneficiários que recebem o seguro por incapacidade, mas até o momento não receberam a correspondência em casa, devem conferir se seu nome consta na lista publicada.

Se tiver sido convocado, o beneficiário deve entrar em contato com a central de atendimento, ligando para o número 135, para saber a data agendada para a reavaliação do benefício por incapacidade. O não atendimento à convocação ou o não comparecimento na data agendada pode levar o auxílio a ser suspenso ou cancelado.

No momento da perícia, o segurado deve apresentar toda a documentação médica que justifique o recebimento do benefício, como atestados, laudos, receitas e exames.

Caso o segurado se encontre internado ou enfermo e não puder comparecer à perícia, deverá pedir a uma pessoa de sua confiança que informe, em uma agência do INSS, sobre o impedimento. É necessário que esse representante apresente a identidade do segurado e um documento que comprove o impedimento. Com isso, ele poderá solicitar uma perícia hospitalar ou domiciliar.

Ao todo, 530 mil benefícios de auxílio-doença serão revisados, além de mais de 1 milhão de aposentadorias por invalidez. Até meados de julho, foram realizadas quase 200 mil perícias em todo o país. Como resultado, 160 mil pessoas tiveram o benefício cancelado por não precisarem mais recebê-lo.

(Agência Brasil)

Gisele Bündchen parabeniza Sérgio Moro por Lava Jato em encontro nos Estados Unidos

Os compromissos públicos de Gisele Bündchen incluem vir a São Paulo a cada dois meses para fotografar campanhas publicitárias. Ela tem, no entanto, uma agenda secreta e politizada longe dos olhos dos fãs. Ao saber da palestra de Sergio Moro em Harvard, em abril, a modelo o convidou para tomar um chá da tarde na mansão onde mora, na cidade de Boston, perto da universidade.

O juiz aceitou. O encontro durou uma hora e teve, além da presença de Gisele, a do marido, Tom Brady. A modelo parabenizou-o pela Operação Lava-Jato, depois o assunto girou em torno de futebol americano (Moro costuma ver jogos do Patriots, time de Brady). No ano passado, o casal recebeu no endereço o empresário Jorge Paulo Lemann, atual primeiro colocado no ranking dos bilionários brasileiros.

(Veja)

Operação no Rio acaba com mito de crime organizado e poderoso, diz ministro

O ministro da justiça, Torquato Jardim, avaliou neste sábado (5) que a operação integrada de segurança em comunidades do Rio de Janeiro “acaba com o mito do crime organizado poderoso”. O ministro concedeu uma entrevista coletiva à imprensa ao lado do chefe de Gabinete de Segurança Institucional, Sérgio Etchegoyen, e do secretário estadual de Segurança Pública, Roberto Sá.

“Ele não é nem organizado nem poderoso. Ele não resiste à ação legal, obediente à lei, inerente ao Estado democrático de direito, quando se unem os esforços de todos os entes nacionais e federais da União e dos estados. Tanto é que a resistência é mínima”, disse o ministro.

Torquato Jardim reforçou que os resultados da operação são maiores do que números de prisões e apreensões e disse que “governo unido pode, faz e acontece”. A operação, que recebeu o nome de Onerat, cumpriu 15 mandados de prisão, sendo nove de criminosos que já estavam presos. Mais três pessoas foram presas em flagrante e foram apreendidas três pistolas, duas granadas, quatro radiotransmissores, 16 carros e uma motocicleta. Duas pessoas morreram em confronto com a polícia, segundo a Secretaria Estadual de Segurança Pública.

(Agência Brasil)

Vitória em Arapiraca poderá deixar Fortaleza praticamente classificado

O Fortaleza praticamente estará classificado para a segunda fase da Série C do Campeonato Brasileiro, caso consiga sua terceira vitória seguida na competição, na noite deste sábado (5), a partir das 20 horas, diante do ASA, no estádio Coaracy da Mata Fonseca, em Arapiraca. A equipe cearense disputa a liderança do Grupo A, rodada a rodada, com o CSA, que hoje enfrenta o Moto Club, às 18 horas, em São Luís.

Lanterna do grupo, o ASA não vence há quatro rodadas, com dois empates e duas derrotas. Mas aposta nas mudanças promovidas pelo treinador Marcelo Vilar, que está há dois meses no comando do time. Natural de Fortaleza, o treinador foi campeão da Série D com o Botafogo-PB, em 2013, e chegou a comandar o Palmeiras, em 2006.

Este ano, no estádio Presidente Vargas, o Fortaleza goleou o ASA por 3 a 0.