Blog do Eliomar

Arquivos do autor Eliomar de Lima

Inscrição para financiamento estudantil em universidade paga termina nesta semana

O prazo para inscrições no Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) termina na quarta-feira (28), às 23h59. Podem se inscrever alunos que tiveram média de pelo menos 450 no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e que não tenham tirado nota zero na redação. Outra exigência é se encaixar dentro dos limites de faixa de renda estabelecidos para o programa.

No início do ano, o Comitê Gestor do Fies definiu os limites do financiamento: máximo de R$ 30 mil por semestre e mínimo de R$ 300 e as condições do financiamento precisam ser estipuladas entre o banco que irá conceder o empréstimo, a instituição de ensino e o aluno. Após a conclusão do curso, o valor da parcela dependerá da renda do estudante.

Há duas modalidades do financiamento (Fies e P-Fies) estruturadas em três faixas. A primeira contempla alunos com renda familiar bruta, por pessoa, de até três salários mínimos, sem juro real (0%). A segunda é destinada a alunos em cuja família cada membro tenha renda de até cinco salários mínimos nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste. Estudantes com o mesmo teto de renda familiar das demais regiões estão incluídos na terceira faixa. Nestes dois últimos casos, os juros serão calculados em valor pouco acima da inflação.

Para fazer a inscrição no site do MEC, o candidato deve fornecer o número do CPF, a data de nascimento e um e-mail válido. Além disso, precisa informar a renda familiar para comprovar que se encaixa nas exigências do programa.

Os resultados de pré-seleção e as listas de espera serão divulgados após o encerramento das inscrições. Para a modalidade Fies a lista com os nomes será publicada no dia 5 de março, e na modalidade P-Fies, no dia 12 de março.

(Agência Brasil)

PSB dá cartada final a Joaquim Barbosa

Emissários foram ao ex-ministro do STF, Joaquim Barbosa, para dizer que o vice-governador de São Paulo, Márcio França já não se mostra tão fiel a Geraldo Alckmin, presidenciável tucano, e pode disputar o governo.

A informação é da Coluna Radar deste domingo, adiantando que o partido espera que o ex-ministro se filie ao PSB até abril.

Joaquim Barbosa só ouviu.

Mais uma agência reduz nota do Brasil

Editorial do O POVO deste domingo (25) aponta que Brasil teve nova redução de nota de crédito, diante dos grandes déficits fiscais, além do “grande retrocesso” no recuo do governo em relação à reforma da Previdência. Confira:

Mais uma agência de classificação de risco, desta vez a Fitch, reduziu a nota de crédito da dívida soberana do Brasil de “BB” para “BB-”, com isso o Brasil fica mais longe do selo de “bom pagador”, três degraus abaixo do “grau de investimento”. Foi a segunda grande agência a rebaixar a nota do Brasil neste ano, o mesmo tendo sido feito pela Standard&Poor’s (S&P) em janeiro.

Pesou na decisão o fato de o governo federal ter desistido da reforma previdenciária. Em comunicado, a Fitch anunciou que o rebaixamento deu-se devido a “persistentes e grandes déficits fiscais, além da crescente e elevada dívida pública”, considerando “grande retrocesso” o recuo do governo em relação à reforma da Previdência.

A importância da classificação das agências é que investidores e grandes fundos internacionais levam em conta essas notas para a aplicação de seus recursos. Com uma nota ruim, considera-se que há risco de o governo deixar de resgatar os títulos que lançou no mercado, fazendo cair os investimentos no País.

É certo que as agências de classificação de risco podem falhar, como aconteceu na crise financeira de 2008, ao dar boas notas às operações de venda de hipotecas imobiliárias, o que provocou a debacle de bancos e investidores.

Mas os grandes fundos de pensão americanos, por exemplo, continuam a levá-las em conta investindo somente em países com grau de investimento em pelo menos duas das três grandes agências de classificação de risco.

Assim, recursos estrangeiros, necessários à economia, deixam de entrar no País, prejudicando o desenvolvimento das empresas brasileiras, e trazendo consequências para toda a sociedade. Para compensar a desistência, pelo menos por ora, da reforma da Previdência, o governo terá de cortar R$ 14 bilhões de outras áreas no orçamento da União, o valor da economia prevista para contas públicas, caso a proposta fosse aprovada no Congresso. Assim, é de se lastimar que esse debate não tenha ido adiante, pois a reforma da Previdência terá de ser encarada no próximo governo, independentemente de quem seja o candidato eleito.

Advogado defende parlamento mais técnico e menos político

Apesar de reconhecer a importância do tratamento político no parlamento, o advogado Wilson Sales Belchior aponta a necessidade de um maior número de técnicos no Congresso Nacional, como forma de acelerar as políticas públicas, além de devolver à sociedade a credibilidade da política.

Como conselheiro federal da Ordem dos Advogados do Brasil, foi colaborador do “Simples da Advocacia”, que reduziu alíquotas, desburocratizou o sistema contábil para advogados. Wilson Belchior também trabalhou pela criação de novas oportunidades de trabalho para o setor.

Com a bandeira do empreendedorismo, da inovação e do desenvolvimento de políticas públicas para os jovens, o advogado, administrador e professor universitário tem percorrido o Ceará como alternativa a uma pré-candidatura à Câmara Federal nas eleições deste ano. Ele recebe o apoio do suplente a senador e presidente estadual do Democratas, Chiquinho Feitosa.

(Foto: Divulgação)

Ligações de fixo para móvel ficam mais baratas a partir deste domingo

A partir de hoje (25), as ligações locais e interurbanas de telefones fixos para móveis ficarão mais baratas. Segundo a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), a redução das chamadas locais vai variar entre 10,58% e 12,75% e a das tarifas interurbanas, entre 3,98% e 7,41%.

A queda vai ocorrer devido à redução das tarifas de interconexão, que é o valor cobrado de uma empresa pelo uso da rede de outra operadora para a realização de serviços. O cálculo das tarifas é feito pela Anatel. De acordo com a agência, as tarifas de inteconexão foram usadas inicialmente para subsidiar a instalação de redes das operadoras móveis.

A redução das tarifas vale para as ligações originadas nas redes das concessionárias de telefonia fixa – Oi, Telefônica, CTBC, Embratel e Sercomtel – destinadas às operadoras móveis. O preço médio das ligações locais de telefone fixo para móvel vai passar de R$ 0,18 para R$ 0,12, sem imposto.

Para as ligações interurbanas feitas de fixo para móvel com DDD iniciando com o mesmo dígito, por exemplo, DDDs 61 (Brasília) para 62 (Goiânia), o preço médio cairá de R$ 0,55 para R$ 0,39. Enquanto o preço médio das demais ligações interurbanas de fixo para celular, vai ser reduzido de R$ 0,62 para R$ 0,45.

Desde 2014, a tarifa de interconexão vem caindo e novas reduções devem acontecer até 2019. A lista com a redução de cada concessionária está disponível no site da Anatel.

(Agência Brasil)

Como parir uma ditadura

381 1

Da Coluna Valdemar Menezes, no O POVO deste domingo (25):

A intervenção federal no Rio de Janeiro é o grande embuste do momento, visando tirar a atenção da opinião pública da derrota sofrida pelos promotores do golpe de 2016 – a reforma da Previdência – e da inviabilização da candidatura Luciano Huck (que estava sendo trabalhada para ser uma fraude semelhante a que levou Collor ao governo em 1989).

Sem alternativa para enfrentar e vencer um candidato das forças progressistas, os golpistas “estão no mato sem cachorro”. Assim armaram o espetáculo diversionista da intervenção federal no Rio e da criação de um inimigo interno – o crime organizado – como sendo o principal obstáculo para a retirada do Brasil da enrascada em que se meteu. É a forma de ganhar tempo, enquanto tramam a maneira de adiar as eleições de 2018 e consumar o golpe definitivo contra a democracia, seguido da instalação de uma nova ditadura.

O jogo é arriscado e muitas cabeças lúcidas,dentro das Forças Armadas sabem que a instituição pode pagar um preço muito alto. O prestígio que os militares gozam, no momento, se deve em grande parte ao fato de terem estado até agora fora do protagonismo político. No momento, a frustração e a indignação se voltam para os “políticos”. Quando estes forem despachados pela farda, o preço do gás de cozinha, dos combustíveis, da luz, o salário mínimo raquítico, o desemprego e todas as mazelas sociais desaguarão na caserna.

Não haverá outros “culpados” a apontar. E para piorar, não consta que os militares tenham uma “varinha mágica” para resolver os problemas do País.

Vitória do Ceará obriga vencedor no clássico Leão x Ferrão e rebaixa Tiradentes

Pela primeira vez na temporada, o Ceará assumiu a liderança do Campeonato EStadual de Futebol, na noite desse sábado (24), ao derrotar o Tiradentes, por 3 a 1, no estádio Presidente Vargas. Com o resultado, o Tiradentes foi rebaixado para a segunda divisão do próximo ano. Arhur, Luidy e Roberto marcaram para o Vozão, enquanto Furlan descontou para o Tigre.

A vitória alvinegra por dois gols de diferença obriga a um vencedor no clássico Fortaleza x Ferroviário, na tarde deste domingo (25), no PV. O empate beneficia o Fortaleza, somente a partir de 4 a 4. O vencedor do clássico terminará a fase classificatória como líder.

A última rodada da fase classificatória ainda terá Iguatu x Guarani e Horizonte x Maranguape. A rodada foi aberta nesse sábado, no estádio Domingão, com Floresta 1 a 1 Uniclinic.

(Foto: Reprodução)

Ministério da Saúde libera R$ 61 milhões para cirurgias eletivas

Os estados brasileiros que cumpriram a meta de produção estabelecida em portaria para que municípios pudessem organizar a produção de mutirões de cirurgias eletivas, terão a oportunidade de receber o dobro dos recursos pagos no último semestre, ou seja, poderão realizar ainda mais procedimentos, diminuindo o tempo de espera dos pacientes que aguardam por uma cirurgia eletiva. O Ministério da Saúde liberou mais R$ 61,1 milhões para repassar aos 67 municípios de 17 estados brasileiros que atingiram a meta, conforme produção cirúrgica realizada. No total, foram feitas mais de 80,6 mil cirurgias eletivas em 2017.

“Estados que já conseguiram organizar a fila única têm a oportunidade de reduzir ainda mais a fila de espera dos pacientes que aguardam por alguma cirurgia. A medida visa reforçar as estratégias de ampliação aos procedimentos eletivos, garantindo o melhor encaminhamento e tratamento dos pacientes. Essa iniciativa vai ajudar a diminuir a demanda e a reorganizar a lista de espera”, reforçou o ministro da Saúde, Ricardo Barros.

Estão previstas entre as cirurgias eletivas procedimentos de média e alta complexidade, sem caráter de urgência, como cirurgias de pele, tecido subcutâneo, oftalmológicas; cirurgias das glândulas endócrinas; cirurgias do sistema nervoso central e periférico; cirurgias das vias aéreas superiores, da face, cabeça e pescoço; cirurgias e oncológicas; cirurgias do aparelho circulatório e digestivo e cirurgias do aparelho osteomuscular. Esses procedimentos fazem parte da rotina dos atendimentos oferecidos à população nos hospitais de todo o país, de forma integral e gratuita, por meio do Sistema Único de Saúde.

Em 2017, o Ministério da Saúde, em uma ação conjunta com estados e municípios, adotou o modelo de fila única para cirurgias eletivas em todo país. Foi feito um levantamento inédito de toda a demanda do SUS por estado para organizar a rede de saúde, acelerar o atendimento do cidadão e reduzir o tempo de espera. Para isso, além do valor repassado mensalmente, foram garantidos R$ 250 milhões extras. Parte desse valor já foi liberado para realização de mutirões, o equivalente a R$ 41,6 milhões.

Para receberem os recursos, estados e municípios deveriam, obrigatoriamente, estar com a fila única atualizada e cadastrada junto ao Governo Federal, o que garante mais transparência e agilidade no atendimento aos pacientes, que muitas vezes ficam sujeitos à lista de espera de um único hospital e deixam de concorrer a vagas disponíveis em outras unidades de saúde da região.

(Ministério da Saúde)

Conselho de Segurança da ONU aprova trégua de 30 dias na Síria

O Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) aprovou nesse sábado (24) a resolução que pede trégua de 30 dias no conflito da Síria com o objetivo de fornecer ajuda humanitária e retirar feridos e doentes do país.

Após vários dias de intensas negociações, a Rússia aprovou o texto de compromisso, que teve apoio unânime dos 15 Estados-Membros. A resolução, impulsionada pela Suécia e pelo Kuwait, “pede” um cessar-fogo humanitário a todas as partes em conflito de pelo menos 30 dias no território sírio. A trégua, no entanto, vai autorizar que as operações militares contra grupos considerados terroristas pela ONU, incluindo o Estado Islâmico (EI) e a Frente Al Nusra, continuem.

O Conselho de Segurança ordenou que, uma vez que a trégua comece, todas as partes permitam o acesso seguro de comboios humanitários da ONU e de seus parceiros a qualquer ponto que precise de ajuda. Além disso, as Nações Unidas exigem que seja facilitada a entrada de médicos para atender feridos e doentes e que, se necessário, a retirada de algumas pessoas seja realizada.

A resolução foi negociada por duas semanas pelos membros do Conselho de Segurança, entre os crescentes pedidos internacionais de algum tipo de ação perante os intensos ataques do governo contra o reduto opositor em Ghouta Oriental, nos arredores de Damasco. Na última semana, a campanha deixou pelo menos 510 pessoas mortas na região, entre eles 127 menores de idade, segundo dados da última apuração da organização não governamental Observatório Sírio de Direitos Humanos. A resolução foi aprovada após negociações para conseguir o apoio da Rússia, aliada do governo sírio e que era contra à iniciativa.

O Conselho de Segurança tinha previsto votar a medida ontem (23), mas, por falta de acordo, adiou para hoje. Mesmo assim, ainda foram necessárias mais discussões, o que atrasou a decisão em mais de duas horas.

(Agência Brasil)

Nordeste já conta com monitoramento piloto para as secas

A Região Nordeste conta com o Monitor de Secas para acompanhar o ciclo de estiagem e melhorar a política e a gestão dos problemas decorrentes da escassez de chuva. O objetivo do Monitor é integrar o conhecimento técnico e científico já existente em diferentes instituições estaduais e federais e estabelecer diferentes graus de severidades da estiagem, permitindo acompanhar a evolução temporal e espacial. As informações são atualizadas mensalmente. O modelo foi baseado no Monitor de Secas dos Estados Unidos, desenvolvido pelo Centro Nacional de Mitigação de Secas dos EUA (NDMC).

O modelo de acompanhamento facilita a tradução das informações em ferramentas e produtos para serem utilizados por instituições tomadoras de decisão e indivíduos, de modo a fortalecer os mecanismos de monitoramento, previsão e alerta precoce. Além disso, é uma maneira de consolidar em um mesmo lugar e com uma mesma linguagem as diferentes informações sobre seca na região, que sempre tiveram espalhadas em órgãos diferentes, usando indicadores diversos. “Não havia muita possibilidade de integração das informações e compartilhamento dos dados”, recorda Ana Paula Fiorezi, superintendente adjunta de Operações e Eventos Críticos da Agência Nacional de Águas (ANA).

Na verdade, o que o equipamento faz é sistematizar o processo com uma metodologia bastante simples: usar indicadores de secas que são consagradas em nível mundial e classificar a seca em classes de severidade. “Vai de situação sem seca ou de seca moderada até seca excepcional. Uma vez por mês são elaborados mapas que permitem uma comparação da evolução da seca na região”, explica a representante da agência.

Com o Monitor, é possível saber quais regiões estão sendo mais afetadas e conseguir traçar uma tendência de evolução dessa seca. “A resposta à seca não depende só da severidade do evento naquele determinado momento, mas de um acumulado de históricos porque uma coisa é você ter uma seca severa que persistia dois meses e outra que persistia há alguns anos”, complementa Ana Paula Fioreze.

Ela explica ainda que quando o cidadão entra nesse mapa consegue visualizar as informações não somente por estados. “Não é uma instituição só que faz isso e privilegia a participação de todas as instituições estaduais. São três estados que fazem o revezamento na autoria: Bahia, com o Inema – Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Estado da Bahia; Pernambuco com a Apac – Agência Pernambucana de Águas e Clima e o Ceará com a Funceme – Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos”, ressalta. Eles usam dados que estão disponíveis em diferentes locais e consolidam as informações. Todos os estados participam de um processo de validação pegando os mapas e verificando com as pessoas que atuam no campo se aquilo corresponde a realidade ou não.

As informações sobre seca dificilmente são conseguidas em tempo real. A periodicidade que se consegue por enquanto é mensal. “Na verdade é um instrumento utilizado mais pelos órgãos gestores de recursos hídricos. Mas vários estados e o Ministério da Integração, também em algumas ações, usam para confirmar situação de emergência ou de calamidade e para se planejar para resposta, como por exemplo a carros-pipas ou outros socorros”, reforça a superintendente da ANA.

O sistema é um instrumento de monitoramento e não de prognóstico. Por enquanto, está centralizado no Nordeste. Desde janeiro de 2017, o equipamento passou a ser coordenado pela Agência Nacional de Águas e um dos objetivos é expandir esse monitoramento para todo o país em cinco anos.

Ana Paula Fioreze lembra que população pode acessar todos os mapas e os indicadores do Monitor, além dos resultados finais, que são sempre disponibilizados no 15º dia do mês subsequente. Há também o aplicativo, disponível para IOS e Android, onde podem ser baixados os indicadores que vêm sempre com uma narrativa do mês anterior. O endereço é: monitordesecas.ana.gov.br

(Agência Brasil)

Roberto Cláudio recebe elogios de participante do BBB

4088 1

A cearense Patrícia Leitte desmanchou-se em elogios ao prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio (PDT), durante conversa com seus colegas confinados no Big Brother Brasil – BBB, apresentado pela Globo.

Ela citou avanços em Fortaleza, como aplicativo para ônibus, bicicletar e ciclofaixa de lazer. Patrícia é servidora municipal, mas antes esteve na Assembleia Legislativa do Ceará.

(Foto: Divulgação)

Seul apoia novas sanções dos Estados Unidos contra Coreia do Norte

A Coreia do Sul manifestou apoio às novas sanções unilaterais adotadas pelos Estados Unidos (EUA) contra Pyongyang e afirmou que essas medidas contribuirão para o objetivo comum de conseguir a desnuclearização do Norte de forma pacífica.

Seul avaliou as medidas punitivas adicionais anunciadas ontem pela Casa Branca contra a Coreia do Norte, qualificadas como o “maior conjunto” de sanções econômicas contra o regime e focadas em 27 empresas de navegação e 28 navios que negociam com o país asiático.

As novas sanções são “uma reafirmação da vontade dos Estados Unidos de avançar para uma resolução pacífica e diplomática na questão nuclear”, afirmou um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores de Seul, em entrevista à agência local de notícias Yonhap.

Seul acredita que as medidas “fazem parte dos esforços para levar o Norte ao caminho da desnuclearização” e confia em “continuar a sua cooperação e consultas em todos os níveis” com a Casa Branca “para conseguir o objetivo comum de resolver o problema norte-coreano de forma pacífica”.

Em entrevista coletiva ao lado do primeiro-ministro australiano, Malcolm Turnbull, após encontro na Casa Branc, o presidente Donald Trump afirmou ontem que se as novas sanções sobre a Coreia do Norte “não funcionarem”, ele irá “até a fase 2”, o que “pode ser muito duro”.

As novas sanções unilaterais de Washington chegam em um momento de aproximação entre as duas Coreias por causa dos Jogos Olímpicos de inverno, que se realizam no condado sul-coreano de PyeongChang.

(Agência Brasil)

Mais fácil um boi voar do que o PT apoiar alguém, diz Ciro Gomes

O pré-candidato à Presidência da República pelo PDT, Ciro Gomes, afirmou em entrevista à Rádio Itatiaia, de Belo Horizonte, que “é mais fácil um boi voar do que o PT apoiar alguém”. Ciro comentava o encontro que teve com o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT), no início da semana.

O pré-candidato pedetista disse que “Lula e o PT” precisam entender o momento nacional em relação à condenação em segunda instância do ex-presidente no caso do triplex no Guarujá (SP). “Todo mundo sabe que os tribunais não vão deixar o Lula registrar a candidatura por causa da Ficha Limpa”, disse Ciro, acrescentando que, mesmo assim, “Lula vai registrar e aí começa com o negócio que a gente sabe: liminar de juiz acolá, puxadinho jurídico pra acolá”.

Segundo o pedetista, “um país com 206 milhões de bocas não pode ficar refém dessa miudice política”. “O Brasil está acima de todos nós.” Na entrevista, Ciro falou ainda sobre a possibilidade de prisão do ex-presidente, condenado pelo juiz federal Sérgio Moro, de Curitiba, com sentença confirmada e ampliada pelos desembargadores do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4).

“Sofro com a ideia de um presidente, a quem tanta gente quer bem, merecidamente, mesmo repudiado e odiado, ser preso porque teria feito besteira ao redor de um triplex cafona numa praia de São Paulo”, disse Ciro. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

(Agência Estado)

Ceará poderá – enfim – assumir a liderança do Estadual e ainda rebaixar o Tiradentes

O Ceará poderá assumir a liderança do Campeonato Cearense de Futebol, pela primeira vez este ano, caso consiga vencer o Tiradentes, na noite deste sábado (24), no PV, na última rodada da fase classificatória. Em caso de vitória, o Vozão também provocará o rebaixamento do Tiradentes, independente dos resultados de Guarani e Horizonte, que neste domingo (25) enfrentam o Iguatu e Maranguape, respectivamente.

O Ceará manterá a liderança somente se vencer o Tiradentes, por uma diferença de dois gols ou mais, além de torcer pelo empate entre Fortaleza e Ferroviário, neste domingo, no PV.

A abertura da rodada teve início há pouco, com Floresta x Uniclinic, no estádio Domingão. As duas equipes já estão classificadas para o hexagonal da próxima fase da competição.

(Foto: Arquivo)

Como produzir Marcolas em série

Em artigo no O POVO deste sábado (24), a jornalista Regina Ribeiro avalia a logística do tráfico de drogas. Confira:

Durante toda a semana acompanhamos o desenrolar da notícia da morte de líderes do PCC no Ceará. Gegê e Paca, de acordo com as notícias de agora, foram abatidos pelo comando da facção em um acerto de contas cujos indícios levam a crer que tenham infringido os rígidos códigos internos da irmandade a que pertenciam.

Para além da autossuficiência que paira sobre esses grupos, a excelência da logística e o sucesso das operações que colocam o Estado praticamente correndo atrás para saber o que aconteceu, o episódio que está se desenrolando pela vizinhança e sob as nossas vistas chama a atenção em alguns aspectos.

O primeiro deles é a sofisticação em torno do crime. É claro que a arraia miúda do tráfico é preta, pobre e está se matando nas periferias de Fortaleza, do Rio e de qualquer outra cidade brasileira, abusando do poder que lhes foi dado pela ausência de governo. Mas o topo da cadeia do crime se mostra fiel à desigualdade que impera na sociedade brasileira. A elite do tráfico chega ao Ceará e se junta aos seus iguais em fortuna. Compra apartamentos de milhão, frequenta lugares caros, adquire carrões que impõem respeito, freta helicópteros como homens de negócios bem sucedidos.

O segundo aspecto que se destaca é o fato de que a prisão dos líderes aparentemente não arrefece em uma vírgula o comando da irmandade. O sistema de liderança que é exercido impõe controle sobre os negócios e vigilância para detectar desmandos e interpelar o malfeito com a execução sumária. Esse episódio do PCC deixa claro que o tráfico no Brasil já alcançou todas as escaladas do poder. Seu líder máximo, Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola, preso pela última vez em 1999, tomou São Paulo de assalto em 2006, quando impôs uma onda de violência que se espalhou pela cidade com a morte de 43 policiais e agentes públicos. Ao revidar, a Polícia Militar deixou para trás o estirão de 122 pessoas mortas, a grande maioria delas sem nenhum comprometimento com o tráfico. Na cadeia, Marcola encomendou a morte de inimigos. Membros do PCC brincaram de bola com o crânio dos desafetos. Ao dar depoimento na CPI dos Bingos, na Câmara Federal, desafiou os deputados, afirmando que eles também roubavam.

Marcos Camacho ficou órfão de mãe aos 9 anos. Começou a praticar furtos, ainda na infância, nas ruas de SP, viciou-se em cola – daí o nome Marcola.

Ascendeu no mundo do crime. Já preso, em 2003, ordenou a morte do fundador do PCC, Cesinha, de quem discordava quanto aos métodos, e assumiu o comando da organização. É descrito como um homem calmo, educado, com um quê de refino. Não fala palavrão, tem ótimo relacionamento com os carcereiros. É um leitor esmerado dos clássicos ocidentais, incluindo Victor Hugo, Dante, Nietzsche. De uma prisão de segurança máxima, Marcos Camacho mantém sua liderança imbatível e estaria ligado aos homens assassinados em Aquiraz.

O secretário de segurança pública do Ceará, André Costa, afirmou esta semana que sabe quem são dos líderes das facções que agem no Ceará e onde eles estão. Alegou que algumas garantias jurídicas dispensadas a todos os cidadãos dificultam a prisão de “criminosos”. Talvez o problema não sejam as garantias excessivas que cidadãos de bem desfrutam, mas justamente a ausência delas. Para uma larga fatia da população que mora nos arredores de Fortaleza, o ambiente anda muito propício para estágios de Marcolas em série.