Arquivos da categoria: Cultura

Museu da Fotografia vai entrar na lista do Patrimônio Turístico de Fortaleza

O Museu de Fotografia de Fortaleza, projeto do empresário Sílvio Frota, vai entrar na lista do Patrimônio Turístico da Capital. A oficialização ocorrerá mês que vem, informa o secretário municipal do Turismo, Alexandre Pereira.

Quem já visitou, fala mil maravilhas de um acervo que era particular e que, agora, está à disposição do público.

  • Sobre o Museu da Fotografia, saiba mais aqui.

 

Artigo comemora 130 anos do livro que eternizou Sherlock Holmes

Com o título “Nem tão elementar assim, meu caro”, eis artigo que Mantovanni Colares, juiz estadual e professor universitário, manda para o Blog. Ele fala de Sherlock Holmes e da sua admiração por esse personagem que, mesmo sem existir, fez surgir um museu com sua história. Confira:

Há exatos 130 anos chegava às livrarias do Reino Unido o romance “A Study in Scarlet”; eu o traduziria como “Estudando em Escarlate”, para manter o jogo fonético do sibilar dos “ss” do início das duas palavras no inglês, mas preferiram o sem graça “Um Estudo em Vermelho”. Era um pequeno e despretensioso livro do desconhecido médico jovem escocês que, – soube-se mais tarde –, na falta de clientela em seu consultório, utilizava seu tempo livre a escrever coisas. Arthur Conan Doyle era seu nome, e talvez muitos não se dêem conta, só com essa indicação, do gigantismo da personagem por ele criada, ao ponto de levar alguns a crer que a ficção chegou, de fato, a existir.

Sherlock Holmes. Agora todos compreendem do que se trata. Desconheço uma personagem literária que, mesmo sem jamais ter existido, fez surgir um museu com sua “história” e objetos pessoais. Sim, objetos pessoais de um “ser” que nunca foi de fato alguém, pois ali estão a famosa lupa, o cachimbo tipo calabash e o chapéu de caçador (deerstalker cap), na figura imaginada por Sidney Paget, o artista que ilustrou algumas das histórias de Conan Doyle. O museu, em Londres, fica exatamente na Baker Street, 221B, endereço no qual a própria Scotland Yard, nos romances e contos sherlockianos, por vezes se socorria ante uma envergonhada incapacidade de dissolver mistérios.

Certamente um rapaz de vinte e seis anos, ao criar aquele que inicialmente ira ser chamado de Sherringford Holmes, mas logo batizado definitivamente como Sherlock – inspirado em seu velho e astuto professor Joe Bell –, jamais imaginou que um dia não somente se tornaria escritor de tempo integral (full-time writer), como prisioneiro da própria personagem, chegando mesmo a decretar a morte de sua criação, pois pretendia escrever outras histórias que não as daquele Detetive, e o fez em memorável cena de luta corporal de Holmes com James Moriarty, seu inimigo maior, nas convulsivamente perigosas Cataratas de Reichenbach, na Suiça. Entretanto, Doyle se viu forçado a trazê-lo de volta à vida e aos livros, diante de um pedido de “ressurreição” impossível de ser negado, eis que feito nada menos do que pela Rainha da Inglaterra.

O que explica o sucesso de Sherlock? Conan Doyle afirmou que estava cansado de ler romances policiais nos quais o autor escondia dados, e assim trapaceava com o leitor, ao revelar na última página o assassino, com elementos jamais fornecidos nas páginas anteriores. Assim, o Escritor se propôs a nada esconder quando da narrativa da história, de modo que todos poderiam chegar às mesmas conclusões firmadas por Holmes ao desvendar o mistério.

Certamente a esse detalhe não se resume o sucesso da obra. Penso que nossa admiração se sobrepõe à vergonha por nunca percebermos o óbvio. Todos nos sentimos como John Hamish Watson, o médico narrador das histórias, aparentemente desprovido de inteligência, e que servia de ponte para o brilho de Holmes. Watson, o único capaz de se aproximar do excêntrico Detetive Particular criador da chamada Ciência da Dedução (Science of Deduction), com suas marcas pessoais tidas por muito como detestáveis: arrogante, solitário, exímio tocador de violino, hábil boxeador, e que se entregava ao hábito de consumir cocaína – legalmente permitida à época – durante os angustiantes hiatos de tempo nos quais desgraçadamente não havia qualquer desafio a enfrentar, até que surgia um caso, e Holmes despertava para a vida, restando ao previsível John aguardar o fecho do mistério com o arremate humilhante, um “elementar meu caro Watson”, jocosa interjeição a mostrar quão simples eram os aparentemente intrincados enigmas.

Acontece que em nenhum dos quatro romances ou dos cinquenta e seis contos dedicados ao detetive número um do romance policial, consta a expressão “elementar, meu caro Watson”. Sherlock Holmes se dirigia ao amigo com um protocolar “meu caro doutor” (my dear doctor), ora em tom de ironia, ora com distância de pensamento, quando se encontrava mergulhado em enigmas submetidos à sua invariável mente elucidadora de mistérios.

Somos todos Watson, indefesos ante o talento de Holmes, e perplexos – porém inexplicavelmente encantados – com sua personalidade desprovida de qualquer interesse pelo humano, e sim por escaninhos dos quebra-cabeças decorrentes de assassinatos e crimes diversos.

Holmes é o protótipo da inteligência impossível de ser alcançada. Watson é o retrato de nossa elogiável sensibilidade com os dramas humanos, porém de uma inútil capacidade para se chegar ao fundo da mente criminosa e, por isso mesmo, desalentadora. No fim das contas, Holmes tem um tributo de humanismo bem mais relevante do que o pretendido por Watson, pois é Sherlock quem livra a sociedade de criminosos. Na arte, como na vida, nem tudo é tão elementar assim, meu caro.

*Mantovanni Colares,

Juiz de Direito, Professor Universitário e escritor, e se descobriu um apaixonado pela literatura aos 17 anos, ao ler Arthur Conan Doyle.

TJA comemora o Dia Mundial do Teatro

O Theatro José de Alencar realiza nesta segunda-feira – Dia Mundial do Teatro, programação especial, fechando a Semana de Teatro. Opções para todos os gostos e atrações em diversos horários, comprovando a força do TJA, mais antigo e simbólico palco das artes cearenses, que estará aberto excepcionalmente nesta segunda-feira, para celebrar esta data especial.

A partir das 14h30min, desta segunda-feira, o grupo Juventude Positiva da ONG Frente de Assistência a Criança, do Lagamar Prado, apresenta o espetáculo “O Menino Azul”, no foyer do TJA, que excepcionalmente estará aberto neste dia da semana, devido à Semana de Teatro.

Às 15h, tem a Padaria Espiritual com Oscar Roney, Ronaldo Agostinho e Talhes Valério, no Saguão. E, às 16h30min, a Escola de narradores e a Escola de Palhaçaria e Circo Escola apresenta Xilito Palhaçada, com atividades circenses, na Praça José de Alencar, Calçada do teatro.

Encerrando a programação ocorrem ainda duas apresentações, a primeira no Porão do TJA, às 18h15min, com a encenação da peça “Morte Anunciada”, adaptada e interpretada por Oscar Roney, e Direção de Francinice Campos. E a segunda, às 19 horas, será o espetáculo “Os Tamburetes”, com Gil Brandão e Joca Andrade, no Palco Principal.

Lei Rouanet: de transparência a limites de incentivo; veja o que muda

Concentradas em um pacote de mudanças, que vão desde a participação coletiva nos processos de fiscalização de projetos culturais até a regionalização de investimentos, novas regras divulgadas pelo Ministério da Cultura alteram a Lei Rouanet (Lei 8.313/91). Além de definir limites de incentivo e prestação de contas em tempo real para empresas, artistas e produtores culturais, as alterações influenciam até o público. O valor médio de ingressos, catálogos ou livros passa a ser R$ 150.

Após denúncias de fraudes, investigadas pela Operação Boca Livre, em outubro de 2016, em projetos aprovados pela Lei Rouanet (Lei 8.313/91), o Ministério anunciou as mudanças na legislação, reunidas em uma nova instrução normativa (1/2017). De acordo com o Ministério da Cultura, cerca de R$ 16 bilhões foram captados por meio da Lei Rouanet. Nos últimos 20 anos, cresceu quase 100 vezes a captação de recursos, de R$ 111 milhões, em 1996, para R$ 1,13 bilhão, em 2016.

Veja os principais pontos da lei e o que mudou:

O que é a Lei Rouanet?

Criada em 1991, a Lei de Incentivo à Cultura (Lei Rouanet) é conhecida por sua política de incentivos fiscais para projetos e ações culturais: por meio dela, cidadãos (pessoas físicas) e empresas (pessoas jurídicas) podem destinar para esses fins parte do Imposto de Renda devido.

O mecanismo de incentivos fiscais da Lei Rouanet é apenas uma forma de estimular o apoio da iniciativa privada ao setor cultural. Ou seja, o governo abre mão de parte dos impostos para que esses valores sejam investidos na Cultura.

Para que setores valem a Lei Rouanet?

A lei define o enquadramento com base em segmentos culturais, que são: artes cênicas; livros de valor artístico, literário ou humanístico; música erudita ou instrumental; exposições de artes visuais; doações de acervos para bibliotecas públicas, museus, arquivos públicos e cinematecas, bem como treinamento de pessoal e aquisição de equipamentos para a manutenção desses acervos; produção de obras cinematográficas e videofonográficas de curta e média metragem e preservação e difusão do acervo audiovisual. Também estão na lista a preservação do patrimônio cultural material e imaterial e a construção e manutenção de salas de cinema e teatro – que poderão funcionar também como centros culturais comunitários, em municípios com menos de 100 mil habitantes.

Teto de valor do ingresso e cotas

O valor médio máximo dos ingressos será R$ 150, o que equivale a três vezes o benefício do vale-cultura, R$ 50. A cota de 30% de ingressos distribuídos gratuitamente e a de 20% das entradas com preço limitado ao valor do vale-cultura não foram alteradas.

Regras para propor projetos

O proponente deve comprovar ter realizado, nos dois anos anteriores, projeto em área cultural conexa à proposta apresentada. Assim, se o produtor não tiver realizado projeto na área de música nos últimos dois anos, ele não poderá inscrever um novo projeto nesta área utilizando sua pessoa jurídica, e terá de buscar empresa que tenha atuado na área específica nos últimos 24 meses.

Serão liberados da exigência produtores que estejam se inscrevendo pela primeira vez; nesse caso, o ministério delimita um teto de R$ 200 mil por projeto. Antes, o proponente devia comprovar apenas sua atuação na área cultural nos dois anos anteriores, mas sem especificação da área.

Limites dos proponentes

Para distribuir a renúncia fiscal do governo, o ministério estabeleceu novos limites que variam de acordo com o proponente, ou seja, microempresários e pessoas físicas poderão pedir até R$ 700 mil com até quatro projetos por ano. Na outra ponta, sociedades limitadas e outras pessoas jurídicas poderão propor até R$ 40 milhões, com no máximo 10 projetos.

Custo dos projetos

Cada projeto poderá custar até R$ 10 milhões, e a receita bruta com produtos culturais não poderá ser maior do que o custo total do projeto aprovado pela pasta da Cultura. No máximo 20% poderão ser gastos com divulgação.

Além disso, o produto cultural, seja espetáculo, show, teatro, deverá custar no máximo o equivalente a R$ 250 por pessoa do público. Ou seja, um produto com o custo máximo de R$ 10 milhões deverá ter público de 40 mil pessoas para estar dentro da legislação. O objetivo é evitar que projetos muito onerosos atendam a um público restrito.

Valor máximo de captação

Foi estabelecido o valor máximo de captação de R$ 10 milhões por projeto, com limite de R$ 40 milhões a projetos simultâneos de um mesmo proponente. A exceção ao limite (R$ 10 milhões) são projetos de temática de patrimônio, da área museológica e Planos Anuais, que não terão limite do valor.

Teto para projeto audiovisual

Com relação a projetos de audiovisual, serão fixados tetos para projetos de diferentes formatos: R$ 800 mil para média-metragem; R$ 600 mil para mostras e festivais, e R$ 50 a R$ 300 mil para sites e séries na web.

Limite de lucro por projeto

De acordo com a nova instrução, o valor total da receita bruta de cada produto cultural incentivado não pode ser superior ao incentivo fiscal previsto para o projeto.

Incentivos regionais

A pasta também instituiu incentivos regionais. Atualmente, menos de 10% dos projetos apoiados por incentivo fiscal estão nas regiões Norte (0,8%), Nordeste (5,5%) ou Centro-Oeste (2,6%). Os projetos nas três regiões terão limite máximo de R$ 15 milhões, sendo que a divulgação poderá chegar a 30% desse valor. Nessas regiões, o limite de projetos por proponente será flexibilizado. Será possível captar 50% a mais do que o limite estabelecido para cada proponente. A maior parte dos incentivos está no Sudeste (80%) e Sul (11%).

Prestação de contas

Pelas novas regras, quando um projeto é aprovado, uma conta no Banco do Brasil é aberta, e a movimentação dos recursos poderá ser acompanhada em tempo real. A movimentação desses recursos poderá ser visualizada online, e os dados serão disponibilizados no Portal da Transparência. Não será mais necessário o envio de notas fiscais. O pagamento em cheque não será mais utilizado. Os recursos passam a ser movimentados por cartão magnético, e os proponentes passam a ter direito de fazer saques de até R$ 1 mil por dia.

Antes disso, o limite de saque era de R$ 100 por dia e não eram utilizados cartões para movimentar o dinheiro. Além disso, a prestação de contas era manual.

Teto para cachês artísticos

A norma determina que os valores dos cachês sejam no máximo R$ 30 mil para artista ou modelo solo (moda) e R$ 60 mil para grupos artísticos ou de modelos. No caso de orquestras, R$ 1,5 mil por músico e até R$ 30 mil ao maestro. Custos relacionados a direitos autorais e conexos continuam limitados a 10% do total do projeto. Com isso, o Ministério oficializa uma exigência prévia da Comissão Nacional de Incentivo à Cultura (CNIC) de 2013. Valores maiores dependerão de aprovação da CNIC – órgão colegiado que subsidia as decisões do Ministério da Cultura na aprovação dos projetos submetidos à Lei Rouanet.

Regionalização

Segundo o ministério, 80% dos projetos incentivados pela Rouanet estão na Região Sudeste. Para propostas a serem realizadas integralmente no Nordeste, Norte e Centro-Oeste, o teto de captação por projeto é 50% maior, ou seja, de R$ 15 milhões. Produtores que atingirem o limite de R$ 40 milhões poderão apresentar novos projetos de até R$ 20 milhões se eles se destinarem a essas regiões. Para tais projetos, os custos de divulgação também podem ultrapassar os 20% do valor do projeto e chegar a 30%.

(Agência Brasil)

Secult promoverá o I Encontro do Sistema Estadual de Cultura

A Secretaria da Cultura do Estado vai promover, nesta terça e quarta-feira, no Teatro Carlos Câmara e no Theatro José de Alencar, em Fortaleza, o I Encontro do Sistema Estadual de Cultura 2017. Reunirá secretários de Cultura e outros gestores culturais dos municípios cearenses com o objetivo ampliar o diálogo da pasta com os novos gestores municipais.

Hora, segundo o titular da Secult, Fabiano Piúba, de apresentar em detalhes a política cultural do Estado e os diversos programas, projetos e ações da pasta e procurar fechar uma agenda coletiva para estruturação e fortalecimento dos Sistemas Municipais de Cultura.

Programação

Nesta terça-feira, às 9 horas, no Teatro Carlos Câmara, acontecerá a abertura do encontro, com uma mesa sobre a construção do Sistema Estadual e dos Sistemas Municipais de Cultura e a maior presença da política cultural no Interior do Estado, além de apresentação, pelo secretário da Cultura, Fabiano Piúba, da equipe e dos principais programas, projetos e ações da Secult.

Das 14 às 17 horas, serão debatidos os desafios e perspectivas da agenda de implantação e fortalecimento dos Sistemas Municipais de Cultura (incluindo os planos, conselhos, fóruns e fundos municipais de cultura), bem como dos sistemas setoriais (arquivos, bibliotecas, museus, teatros e bandas de música). Fechando a programação do primeiro dia do encontro, uma apresentação do Mapa Cultural do Ceará como ferramenta de construção e integração dos sistemas municipais de Cultura, além de debate com os gestores municipais de Cultura.

Na quarta-feira, às 9 horas, no Theatro José de Alencar, acontecerá o Encontro do Sistema Estadual de Teatros (SET), coordenado pela diretora do TJA, Selma Santiago. Já na sede da Secult, no Cineteatro São Luiz, haverá das 14 às 18 horas atendimento aos gestores municipais pelas diversas coordenadorias da Secretaria, passando informações e esclarecendo dúvidas sobre programas, projetos e ações da secretaria.

Morre arqueóloga Rosiane Limaverde, da Fundação Casa Grande

Morreu, nesta manhã de segunda-feira, a arqueóloga Rosiane Limaverde (51), da Fundação Casa Grande, de Nova Olinda (Região do Cariri). Vítima de câncer no ovário, ela vinha se tratando há meses.

Rosiane era casada com Alemberg Quindins,, com que criou, em dezembro de 1992, a Fundação Casa Grande-Memorial do Homem Kariri. Alemberg, atualmente, é secretário da Cultura de Juazeiro do Norte.

O velório acontecerá a partir das 16 horas, no Teatro Violeta Arraes, em Nova Olinda. O corpo será cremado.

Governador lamenta

Em sua página no Facebook, o governador Camilo Santana (PT) lamenta a morte de Rosiane:

Recebi com muito pesar a notícia da morte de uma pessoa muito querida e que deu relevante contribuição para a cultura e a arte do Ceará: Rosiane Limaverde. Doutora em Arqueologia pela Universidade de Coimbra (Portugal), Rosiane foi fundadora, ao lado do marido Alemberg, da Fundação Casa Grande – Memorial do Homem Kariri, de Nova Olinda, cujo trabalho de valorização da nossa história e da nossa cultura tem sido referência para o Brasil e para o mundo. A Fundação Casa Grande tem desempenhado, desde 1992, um importante trabalho social junto às crianças e jovens cearenses, já tendo sido reconhecida e homenageada por entidades como o UNICEF e o Ministério da Cultura. Através do Alemberg Quindins, da família e amigos de Rosiane, deixo meu abraço de afeto, respeito e gratidão.

(Foto – Divulgação)

Fortaleza será sede do I Seminário Empreendedorismo e Cultura

O Centro Cultural Banco do Nordeste será sede, nos dias 22 e 23 próximos, a partir das 18 horas, do I Seminário Empreendedorismo e Cultura. O encontro vai promover, por meio de palestras e oficinas gratuitas, troca de experiências com renomados produtores culturais, artistas e empreendedores criativos. Destacam-se o jornalista e gestor cultural Henilton Menezes e o publicitário e mestre em Design, Davi Gomes, entre outros profissionais do meio cultural.

O evento é idealizado pela ATO Marketing Cultural e pelo CCBNB e objetiva uma discussão sobre empreendedorismo criativo e fortalecimento do campo da Cultura por meio da formação dos agentes culturais e apoiadores em potencial de ações de empreendedoras. Além de palestras para inspirar práticas para fortalecimento do campo da Cultura, oficinas vão promover a discussão sobre a sustentabilidade de projetos e empreendimentos criativos.

SERVIÇO

*Inscrições
As inscrições são gratuitas e devem ser realizadas no site http://www.atomarketingcultural.com.br/seminario/.

*Centro Cultural Banco do Nordeste – Rua Conde D’eu, 560 – Centro
Email: atendimento@atomarketingcultural.com.br
Mais Informações – (85) 3464-3108
Evento Gratuito.

 

Museu da Fotografia vai entrar na lista do Patrimônio Turístico de Fortaleza

O Museu da Fotografia de Fortaleza, inaugurado no último dia 11, no bairro Varjota, vai entrar na lista de Patrimônio Turístico da Cidade. Anunciou o secretário Alexandre Pereira, ao visitar o equipamento, nesta semana. O museu é resultado de um sonho e investimento do empresário Silvio Frota. O ato de reconhecimento deve acontecer até o próximo mês.

“O Museu tem sua importância cultural, histórica, turística e ainda social. O Sílvio desenvolveu um trabalho belíssimo, que vai levar a arte da fotografia até às comunidades carentes”, destaca o secretário do Turismo.

Acervo

O Museu reúne 440 obras das mais de 2 mil imagens colecionadas pelo empresário Sílvio Frota. São imagens de fotógrafos brasileiros e estrangeiros, que narram histórias de guerras mundiais, da Grande Depressão, da ditadura militar brasileira, dos conflitos que arruinaram a Síria e dos protestos de 2013, entre outras.

É o segundo equipamento de iniciativa privada, que será reconhecido como Patrimônio Turístico. No ano passado, o Espaço Cultural Unifor também foi reconhecido e incluído na promoção do destino Fortaleza.

(Foto =- Divulgação)

Fabiano Piúba é eleito presidente do Fórum Nacional dos Secretários Estaduais da Cultura

O secretário da Cultura do Ceará, Fabiano Piúba, foi eleito, nesta quinta-feira, em Brasília, por unanimidade, o presidente do Fórum Nacional de Dirigentes Estaduais de Cultura. A escolha ocorreu durante reunião do fórum que tem, entre seus objetivos, propor e oferecer a construção de uma política pública cultural em âmbito regional e nacional. Isso, com a participação e atuação dos estados brasileiros.

Fabiano Piúba, bom destacar, é escritor e doutor em Educação pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Foi nomeado secretário-adjunto da Cultura do Estado do Ceará em fevereiro de 2015 e secretário da Cultura do Estado do Ceará em fevereiro de 2016, pelo governador Camilo Santana (PT).

Secretário cobra em Brasília repasses atrasados da Cultura

O secretário estadual da Cultura, Fabiano Piúba, cobrava ontem, em Brasília, no Ministério da Cultura, repasses em atraso para a Secult da ordem de R$ 13 milhões. Grana deve sair parcelada.

Entre os projetos, está o programa Pontos de Cultura, que expande ações da área pelo Interior do Estado.

 

Grupo Chocalho comemora o Dia da Poesia

Empresária Ana Garcia Soria entre homenageados.

O Grupo Cultural Chocalho vai comemorar, nesta terça-feira, às 19 horas, na Casa Juvenal Galeno (Centro), o Dia da Poesia. Para marcar a data, segundo o coordenador do grupo, professor Auriberto Cavalcante, haverá uma série de homenagens a personalidades que se destacam no apoio ao setor cultural do Estado.

MÉRITO CHOCALHEIRO

01- ANA GARCIA SORIA ( EMPRESÁRIA ):
02- EDMILSON TORRES ( PROFESSOR E POETA );
03- GERARDO CARVALHO FROTA- PARDAL ( PROFESSOR E POETA CORDELISTA );
04- LYMA NETTO ( PEDAGOGO E POETA );
05- PAULO GUERRA ( ESCRITOR E SECRETÁRIO DA CULTURA DE CAUCAIA );
06- PEDRO SAMPAIO ( RADIALISTA, ESCRITOR E POETA );
07- RICARDO CÉSAR ( PROFESSOR E EMPRESÁRIO )

AMIGO DO GRUPO CHOCALHO

01- CARLOS MATOS ( DEPUTADO E EMPRESÁRIO);
02- DOMINGOS FILHO ( PRESIDENTE DO TCM );
03- FABIANO PIÚBA( SECRETÁRIO DA CULTURA DO CEARÁ );
04- JOÃO TELES ( PROFESSOR E POETA );
05- JORGE PINHEIRO ( VEREADOR E ADVOGADO );
06- VALCINEY FREIRE ( JORNALISTA ).

AMIGO DA POESIA

01- ALAÉRCIO FLOR ( PROFESSOR E POETA );
02- ANTONIO MATOS ( POETA );
03- J. UDINE VASCONCELOS ( POETA );
04- JOSÉ CARLOS NASCIMENTO ( PROFESSOR E POETA );
05- VICENTE ALENCAR ( JORNALISTA E POETA ).

MULHER POESIA

01- ANA GARCIA SORIA ( EMPRESÁRIA );
02- MOZARLY ALMEIDA ( JORNALISTA );
03- NANDA GOIS ( ESCRITORA E POETA );
04- PAULA VIRGÍNIA DE ARAÚJO CARVALHO ( PROFESSORA E SINDICALISTA );
05- THUANY ALBUQUERQUE ( EMPRESÁRIA )

(Foto -Divulgação)

Ciro Gomes entre agraciados com a Medalha da Abolição

A Assessoria de Imprensa do Governo do Ceará divulgou, nesta segunda-feira, as personalidades que serão agraciadas com a Medalha da Abolição 2016-2017. Foram escolhidos seis nomes.

São eles o empresário Carlos Francisco Ribeiro Jereissati (irmão do senador Tasso Jereissati); o ex-governador Ciro Gomes (pré-candidato a presidente pelo PDT); o músico e produtor cultural Francisco Alemberg de Souza Lima (da Casa Grande, de Nova Olinda e atual secretário da Cultura de Juazeiro do Norte); a professora e escritora Luiza de Teodoro Vieira; o ministro do Tribunal Superior Eleitoral e imortal da Academia Cearense de Letras, Napoleão Nunes Maia Filho; e o médico Valton Miranda Leitão, militante socialista.

A entrega da Medalha ocorrerá no próximo dia 25 de março, no Palácio da Abolição, em solenidade que terá à frente o governador Camilo Santana.

 

Vila da Música, primeiro equipamento da Secult no Interior será inaugurada no Crato

Padre Ágio e o prefeito do Crato,  Zé Aílton Brasil.

Neste sábado, ás 16 horas, o governador Camilo Santana e os secretários Fabiano dos Santos (Cultura) e Jesualdo farias (Cidades), vão inaugurar a Vila da Música, no Belmonte, no município do Crato (Região do Cariri). Com eles, estará o prefeito Zé Ailton Brasil (PP);

A Vila da Música, primeiro equipamento da Secult no Interior, é um prédio de 3.300 m² metros, que conta com estúdio, auditório, salas de aula, biblioteca, setor administrativo, refeitório, estacionamento, cozinha, quadra poliesportiva, oficina luthieria, despensa, vestiários, laboratório de informática, pátio e banheiros. A obra custou R$ 3.179.731,52 e foi financiada pelo Banco Mundial (BIRD).

Ao todo, foram adquiridos 310 instrumentos musicais, entre clarinetes, piano, violoncelos, flautas, contrabaixos, violinos e outros. Inicialmente, a escola de formação musical atenderá 180 alunos de todas as idades.

As atividades da Vila da Música serão geridas pela secretaria de Cultura do Estado e funcionarão juntamente a Sociedade Lírica do Belmonte, a SOLIBEL, patrimônio cultural cratense criada em 1973 pelo Padre Ágio. O ensino de música clássica e popular para crianças e adolescentes tem proporcionado ao bairro Belmonte, bem como à cidade do Crato, uma nova e maior perspectiva quanto a formação músico-sociocultural.

DETALHE – No ato, o Padre Ágio, da SOLIBEL, e os Irmãos Aniceto vão ser homenageados pelo governador Camilo Santana.

Teatro Carlos Câmara terá neste sábdao a II Feira Paratodos

O Teatro Carlos Câmara (TCC) abrirá suas portas neste sábado (11), a partir das 16 horas, para a segunda edição da PARATODOS, feirinha de arte com exposição de artesanato, quadrinhos, postais trabalhos em couro, além de shows musicais, teatro e gastronomia. O comando é do Grupo Teatro Máquina em parecia com a Secretaria de Cultura do Estado. O acesso é gratuito.

Loreta Dialla, atriz componente do Teatro Máquina e uma das responsáveis pela produção da ocupação artística no equipamento, conta que mais de 20 expositores, entre artistas e artesãos confirmaram participação nesta edição da Feirinha PARATODOS.

Nas vibrações musicais, o evento marcará o retorno da Banda Argonautas com show exclusivo no palco principal do teatro e terá discotecagem com setlist precioso de Nego Célio. PARATODOS e especialmente para a meninada, vai ter o grupo residente, Teatro Máquina, abrindo mostra repertório com o espetáculo infantil João Botão.

Fechando a programação, a feira contará ainda com oficinas e espaço solidário, uma ação voluntária e permanente da ocupação Teatro Máquina no TCC que convida todos a chegarem junto na arrecadação de roupas e calçados, novos ou usados em boas condições, como também produtos de higiene pessoal para serem doados aos moradores carentes que vivem no entorno do equipamento e de comunidades próximas ao Teatro.

SERVIÇO

*Teatro Carlos Câmara – Rua Senador Pompeu, 454. Centro.

Cineteatro São Luiz abre edital para instalação de um café e bomboniere

O Cineteatro São Luiz abriu edital para selecionar empresa que deverá instalar uma bomboniere no foyer do equipamento. No mesmo edital, seleção para instalçao de um café no imóvel ao lado do cineteatro. O edital tem como critério melhor técnica e preço. Podem participar empresas especializadas e que satisfaçam as exigências constantes no projeto básico detalhado no edital. Confira o edital.

As inscrições são gratuitas e ficam abertas até as 10 horas do dia 10 de abril, com entrega de documentação no próprio Cineteatro São Luiz, na Praça do Ferreira. Entre os critérios de qualificação técnica e operacional a serem atendidos pela empresa a ser selecionada estão capacidade de atendimento ao público (qualificação dos profissionais, portfólios da empresa, equipamentos a serem utilizados na exploração dos espaços), estética, qualidade e funcionalidade da proposta de exploração.

Entre os critérios do mérito cultural estão proposta gastronômica, qualidade e diferencial dos serviços a serem ofertados (conceito da loja do café, tipo de cardápio e serviços agregados), alinhamento com o funcionamento do Cineteatro São Luiz (conceito, história, horários e programação) e grau de contribuição no incentivo à divulgação e promoção dos produtos artísticos e culturais cearenses.

Entre os critérios de qualificação técnica e operacional a serem atendidos pela empresa a ser selecionada estão capacidade de atendimento ao público (qualificação dos profissionais, portfólios da empresa, equipamentos a serem utilizados na exploração dos espaços), estética, qualidade e funcionalidade da proposta de exploração. Entre os critérios do mérito cultural estão proposta gastronômica, qualidade e diferencial dos serviços a serem ofertados (conceito da loja do café, tipo de cardápio e serviços agregados), alinhamento com o funcionamento do Cineteatro São Luiz (conceito, história, horários e programação) e grau de contribuição no incentivo à divulgação e promoção dos produtos artísticos e culturais cearenses.

As propostas de preços também serão avaliadas, e todos os projetos apresentados pela empresa vencedora do edital passarão por análise da Coordenação de Patrimônio Histórico, Artístico e Cultural da Secult (Cophac), garantindo cuidado, preservação e sintonia com o Cineteatro São Luiz, bem tombado pelo patrimônio em nível estadual. O prazo máximo para execução das obras e dos serviços dos projetos será de 120 dias após aprovação pela Cophac e pela Diretoria do Instituto Dragão do Mar.

Diretrizes dos novos espaços

Entre as diretrizes a serem seguidas no café e na bomboniére estão ambientação que traduza a história do Cineteatro São Luiz, unindo o tradicional e o contemporâneo; operação feita por empresa com estrutura profissional; acessibilidade; cardápio e ambientação que dialoguem com a cultura e a arte ( nome dos pratos, decoração, uniformes, etc ); serviço de produtos relacionados à gastronomia cearense / parceria com chefs locais / gastronomia x cultura; divulgação da programação cultural do São Luiz, da Secult, do Dragão e outros equipamentos; respeito às orientações e especificidades do prédio, devidamente fornecidas pela Cophac; funcionamento em horário comercial e nos fins de semana, de acordo com a programação do Cineteatro São Luiz.

SERVIÇO

O edital está disponível nos sites da Secult (www.secult.ce.gov.br) e do Instituto Dragão do Mar (www.centrodragaodomar.org.br.) Dúvidas podem ser esclarecidas pelo fone 3252-0587, das 9 às 18 horas, ou pelo e-mail admcineteatrosaoluiz@gmail.com.

Exposição marca o Dia Internacional da Mulher em Fortaleza

Nesta quarta-feira (8), a partir das 17 horas, três mulheres apresentarão todo o seu talento numa exposição intitulada “Guerreiras ou Artistas?”.

São elas Cidinha Fonseca, Fátima Azevedo e Fátima Gomes, que  partem de uma pesquisa sobre a presença feminina na história da arte cearense.

No Espaço Cultural dos Correios (Centro). Entrada fraca e até 10 de junho próximo.

Fortaleza ganhará o Museu da Fotografia

Com o título “O Museu da Fotografia”, eis artigo do secretário do Turismo de Fortaleza, Alexandre Pereira. Ele destaca novo equipamento que a cidade ganhará semana que vem e que surge por iniciativa cidadã. Confira:

Fortaleza ganha o Museu da Fotografia na próxima semana — 11 de março —, um presente para a cidade e a coroação de uma tradição que entre nós tem solidas raízes históricas. É a fotografia o principal registro iconográfico da nossa memória como enfatiza, neste momento, a exposição Arquivo Nirez, em curso no prédio da Alfândega, na Praia de Iracema.

Por nossa cidade vicejaram fotógrafos da maior grandeza, nativos ou alienígenas, mas sempre dando enorme contribuição à difusão desta atividade e deixando entre nós registros que valem ainda mais quanto quando distanciados no tempo. Podemos citar dois ícones da fotografia, Luciano Carneiro — no jornalismo principalmente nas páginas da revista O Cruzeiro — e Chico Albuquerque — pioneiro da fotografia da publicidade no Brasil e mestre no portrait. Através da arte do domínio da luz essas duas referências importantes, ao lado de centenas de outras, enriquecem a história das comunicações e das artes no nosso país.

Além desse aspecto real, indelével, atávico, outro me move a saudar a chegada do Museu da Fotografia e, este, quebra paradigmas. Trata-se de uma ação do setor privado, de cidadão apaixonado por fotografia, Silvio Frota, guardião de importante acervo objeto de exposições e que agora serão continuamente mostrados à cidade e aos seus visitantes. Silvio tomou a inciativa de construir o Museu da Fotografia, uma ação sua, com investimento seu e um presente que, para a cidade, não tem preço.

Torço para este exemplo seja inspirador. Ele mostra que todos nós somos responsáveis pela nossa cidade e as ações de criam novos equipamentos públicos podem e devem vir do setor privado até com mais regularidade. O exemplo nos é dado o tempo todo tanto em países da Europa quanto dos Estados Unidos. Lembramos rapidamente do Museu Guggenheim, mantido por uma fundação sem fins lucrativos, um presente que ajudou a revitalizar a cidade de Bilbao, na Espanha. Na área de Educação são dezenas de exemplos de mecenas que fundam universidades a partir de vultosas doações, caso da Universidade de Stanford, na Califórnia, entre tantos outros.

O Museu da Fotografia de Fortaleza, em belo projeto arquitetônico sintetizado no seu logotipo minimalista será rapidamente um ponto de visitação não somente para o morador da cidade. Com toda certeza as levas de turistas que tem nossa cidade como destino terá um novo ponto de atração ainda mais porque o Museu está situado em polo gastronômico, na Varjota.

Todos os operadores do turismo e toda a sua cadeia produtiva só tem a dizer “muito obrigado, Silvio” por esta iniciativa privada cheia de espírito público e de amor pelas artes e pela nossa Fortaleza.

*Alexandre Pereira,

Secretário do Turismo de Fortaleza.

Camilo prestigiará posse de adversário político em entidade cultural

O governador Camilo Santana (PT) prestigiará, no próximo sábado, a solenidade de posse do ex-governador Lúcio Alcântara como presidente do Instituto do Ceará.

O ato está marcado para as 17 horas, na sede da entidade, que fica na Praça do Carmo. Camilo recebeu o convite, antes do Carnaval das mãos de Lúcio, que foi recebido em audiência, no Palácio da Abolição.

DETALHE – Lúcio Alcântara é o presidente do PR no Ceará. Esse partido faz oposição ao petista.

(Foto – Divulgação)

 

Internautas repercutem Theatro José de Alencar no desfile da Beija-Flor

A diretora do Theatro José de Alencar, Selma Santiago, ressaltou a importância da presença do TJA no desfile, em momento de grande destaque, em meio à homenagem da escola a “Iracema” e ao grande escritor cearense.

“O Theatro José de Alencar brilhou encerrando o belíssimo desfile da Beija-Flor de Nilópolis. Iracema, a Virgem dos Lábios de Mel, tomou conta da avenida e fez o povo cantar. Agradecemos à Beija-Flor pela homenagem e ao Ilclemar Nunes pelo maravilhoso enredo. Foi lindo!”, ressaltou.

O Theatro José de Alencar, equipamento da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult) e um dos teatros-monumentos do Brasil, tombado pelo patrimônio em nível federal, foi destacado para todo o País no desfile da escola de samba Beija-Flor, no carnaval do Rio de Janeiro.

O carro alegórico que representou o Theatro foi um dos mais elogiados do desfile, com grande repercussão também nas redes sociais. Apenas na página do TJA no Facebook, já são quase 32 mil pessoas alcançadas por um post sobre o desfile, com mais de 800 curtidas.

(Governo do Ceará – Secult)

Cearense faz exposição de casais no romantismo de Verona

Belas e românticas imagens de casais percorrendo as ruas de Verona, na Itália de 14 anos atrás. Este é o material que compõe a exposição do artista Diego Oliveira, Sette e Meia, em cartaz no Centro Cultural Banco do Nordeste (CCBNB-Cariri), até 17 de março, em Juazeiro do Norte, na Região do Cariri.

O ensaio conflui a partir de influências da literatura teatral de William Shakespeare, dos ambientes cenográficos do cinema italiano de Fellini e da oralidade épica e romântica nordestina.

Nascido em Acopiara (CE), Diego Oliveira é licenciado em artes visuais pela Universidade do Cariri. Habitou por um ano na Itália e foi afetado por suas referências históricas e culturais. Diego recebeu homenagem da Câmera de Vereadores, em 2015, pelo seu trabalho como artista visual no Cariri e pela repercussão de sua obra no circuito internacional.

A curadora da exposição, Adriana Botelho, é documentarista e pesquisadora. Ela estuda a imagem e seus suportes, linguagens no cinema, artes visuais e design. Mestre em Artes Visuais (EBA-UFRJ), com pesquisa na área de história da arte no segmento da arte moderna, cursa atualmente doutorado em Artes Performativas e da Imagem em Movimento na Universidade de Lisboa.

(BNB)