Arquivos da categoria: Economia

Investimento público federal em transportes caiu 6,1% em seis anos, mostra EPL

O investimento público federal em transportes caiu de R$ 19,7 bilhões em 2010 para R$ 18,5 bilhões em 2016, um recuo de 6,1% em seis anos. Quando levado em conta o investimento total, com público somado ao privado, o montante aplicado aumentou 26,5% entre 2010 e 2016.

O investimento privado feito em concessões foi o que mais cresceu no período, passando de R$ 4,2 bilhões em 2010 para R$ 9,8 bilhões no ano passado, ou seja, uma elevação de 133,3%.

As informações estão no Anuário Estatístico dos Transportes, documento da Empresa de Planejamento e Logística (EPL) e do Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil com informações sobre os sistemas e a infraestrutura de transportes em geral no Brasil. O objetivo do anuário é ajudar na formulação de políticas públicas e na tomada de decisões sobre o setor.

O diretor-presidente da EPL, José Carlos Medaglia Filho, ressalta que a partir de 2010 a soma do investimento público e privado no setor de transportes parou de crescer e se estabilizou. A partir de 2015, houve redução. O principal fator para a queda, segundo ele, foi a redução do investimento público.

Em 2016, segundo diretor-presidente da EPL, o investimento público mostrou pequena recuperação – crescendo 0,61% na comparação com 2015 – e o privado, por sua vez, teve queda de 19,3%, em uma reversão de tendência em relação ao ano anterior. O motivo do recuo do investimento privado, de acordo com Medaglia, foi a incerteza quanto ao retorno financeiro dos investimentos somada à recessão.

“Os interesses do setor privado, aliados ao delicado momento porque passa a conjuntura econômica nacional foram, no ano de 2016, os grandes inibidores do investimento no setor”, afirmou. Segundo ele, o governo está trabalhando para o tornar o investimento mais atrativo para os empresários.

(Agência Brasil)

CTB divulga nota contra possível privatização da Cagece

Os trabalhadores e trabalhadoras participantes do II Congresso Estadual da CTB do Ceará aprovaram, neste sábado (24/06), uma moção de repúdio contra a tentativa de privatização, por meio de uma PPP, do serviço de saneamento das regiões metropolitanas do Cariri e de Fortaleza. O encontro ocorreu na sede do Sindicato dos Bancários do Ceará, em Fortaleza.

A moção, apresentada pela direção do Sindiagua, foi aprovada por unanimidade pelos mais de 350 trabalhadores congressistas da Central. O  documento – que será encaminhado ao governador Camilo Santana, à direção da Cagece e do BNDES – traz críticas ao projeto de Parceria Público Privada (PPP) que está sendo gestado pelo Governo do Estado em conjunto com o BNDES, por meio do programa de privatizações do governo Temer.

Segundo o texto, privatizar o saneamento é ir na contramão de uma tendência mundial de reestatização, já que estudos internacionais apontam que em mais  de 200 cidades do mundo o poder público tomou de volta o serviço de água e esgoto após as gestões privadas terem provocados enormes prejuízos à sociedade, como aumento de tarifa e queda na qualidade do serviço.

“A moção pede que o governador Camilo retire o Ceará do programa de privatizações do governo Temer, a exemplo do Rio Grande do Norte e da Paraíba. Permitir uma privatização disfarçada da de PPP é transformar a água, que é um direito, em mercadoria. A experiências do mundo comprovam que é inconcebível deixar o saneamento nas mãos da iniciativa privada, porque  quando isso acontece o lucro passa a ficar acima do interesse coletivo”, alerta Jadson Sarto, presidente do Sindiagua.

O congresso da CTB elegeu sua nova diretoria que tem Luciano Simplício como presidente reeleito. Seis integrantes do Sindiagua fazem parte da nova direção.

(Foto – Divulgação)

CNI promove congresso para debater o futuro da indústria brasileira no mundo digital

As maiores tendências em inovação e a forma como as tecnologias digitais impactarão a indústria brasileira e a capacidade de o País competir internacionalmente serão debatidas no 7º Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria. A realizado é da Confederação Nacional da Indústria (CNI) e do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e ocorrerá terça e quarta-feira próximas, em São Paulo. O evento faz parte da agenda da Mobilização Empresarial pela Inovação (MEI), informa a assessoria de imprensa da CNI.

A última edição do Congresso de Inovação aconteceu em maio de 2015, em São Paulo, e atraiu mais de 2 mil pessoas. Nesta 7ª edição, são esperadas 3 mil pessoas para os dois dias de programação do evento, que terá como tema Inovar é criar valor. A estrutura envolve uma área de 11 mil metros quadrados, com duas arenas para palestras, espaço comum para apresentação de ecossistemas de inovação e uma praça de convivência.

Palestrantes

Entre os palestrantes confirmados estão Peter Diamandis, presidente da Singularity University, fundador da XPRIZE Foundation e autor de best-sellers, como “Abundância” e “O futuro é melhor do que você imagina”; Lisa Gallo, vice-presidente global de Pesquisa da Avon, que participa de painel sobre inovação no Brasil e no mundo; o brasileiro Henrique Malvar, cientista-chefe da Microsoft, que falará de armazenamento em nuvem; Carlos Cunha, brasileiro cientista sênior de dados da Bosch, que tratará de tecnologias inteligentes; Colin Parris, vice-presidente da GE, que participará de painel sobre os riscos e oportunidades para o Brasil diante de inovações disruptivas; Rafael Steinhauser, presidente da Qualcomm para a América Latina, que falará sobre tecnologias disruptivas e os principais fatores que devem impulsionar o ambiente de inovação no país; entre outros especialistas em inovação.

Na terça-feira (27), primeiro dia de atividades do Congresso, será apresentado o Índice Global de Inovação, um dos principais indicadores de inovação, editado anualmente pela Universidade de Cornell (EUA) e a escola de negócios Insead (França), em parceria com a Organização Mundial de Propriedade Intelectual (OMPI). O documento apresenta o desempenho de 127 economias – mais de 97% do PIB mundial – em diversos critérios de inovação. É a primeira vez que o Fórum Internacional do Global Innovation Index ocorrerá na América Latina.

Casos de Inovação

Além dos debates, o Congresso de Inovação é uma grande vitrine para a inovação desenvolvida no Brasil. O evento dedicará um espaço para a exibição interativa dos exemplos de inovação selecionados para compor o livro 22 Casos de Inovação.
O público poderá conhecer soluções, produtos e processos inovadores desenvolvidos por micro, pequenas e grandes indústrias, de setores variados.

Exportações da produção industrial do NE crescem 325,8% no ano

As exportações de produtos industrializados nordestinos aumentaram 35,8% em 2017 até maio, em relação ao mesmo período do ano anterior. Nos primeiros cinco meses do ano, as vendas da produção industrial para o exterior registram US$ 5,24 bilhões. Somados os produtos não-industrializados, as empresas da Região exportaram US$ 6,64 bilhões, valor 30,4% maior do que em 2016. A informação é da assessoria de imprensa do BNB.

Entre os industrializados, as exportações dos manufaturados somaram US$ 3,17 bilhões, o que aponta crescimento de 47,7%, em relação ao período de janeiro a maio do ano passado. As vendas de semimanufaturados para o exterior totalizam US$ 2,07 bilhões, aumento de 20,9%. As exportações de produtos básicos registram US$ 1,33 bilhão, 12,8% maiores do que no mesmo período de 2016.

Ceará

No Ceará, as exportações cresceram 109% no ano. O Estado já vendeu US$ 824,3 milhões a outros países. Os principais produtos exportados são placas de aço. Castanha de caju e calçados de borracha aparecem na sequência.

Até maio, a Região importou US$ 7,91 bilhões. O valor é 21,3% maior do que nos cinco primeiros meses de 2016. China, Estados Unidos e Argentina são os principais parceiros comerciais do Nordeste.

O recorte regional é do Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste (Etene), órgão de pesquisas do Banco do Nordeste, com dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços. O trabalho está publicado no documento Diário Econômico, disponível no site www.bnb.gov.br/diario-economico-2017.

Capital de giro

O Banco do Nordeste disponibiliza capital de giro em condições diferenciadas a exportadores de mercadorias ou serviços. O produto Exportação Nota de Crédito à Exportação / Cédula de Crédito à Exportação (NCE/CCE) pode ser acessado por pessoas jurídicas ou físicas e tem como principais vantagens: isenção de IOF, prazo de pagamento de até 36 meses, com carência de até 12 meses, e flexibilidade na definição do tipo de encargo (juros pré-fixados, pós-fixados ou indexados a variação cambial).

O crédito contempla financiamento à exportação ou à produção de bens para exportação e atividades de apoio e complementação integrantes e fundamentais do comércio exterior.

Meirelles diz que meta de inflação para 2019 pode ser reduzida

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse hoje (23) que há espaço para reduzir a meta da inflação na próxima reunião do Conselho Monetário Nacional (CMN). “Há uma possibilidade sim. A inflação apurada no IPCA-15 [Índice de Preços ao Consumidor Amplo 15, prévia da inflação oficial] é a menor inflação em 12 meses desde 2007, 3,52%. A expectativa de inflação para os próximos 12 meses está estabilizada e nós temos boas condições para analisar qual será a meta para 2019.”

Segundo Meirelles, a eventual redução da meta, que hoje é de 4,5%, não compromete a retomada econômica. “Não há nada que possa prejudicar a retomada neste momento”, destacou.

Meirelles participou, em São Paulo, de uma reunião com empresários do setor varejista. Durante o encontro, fechado à imprensa, o assunto foi o desenvolvimento da economia, segundo relato do ministro. “Houve um interesse muito grande em saber como está o desenvolvimento da economia brasileira, se falou bastante da questão das reformas e a perspectiva de aprovação, que impacta bastante esse segmento.”

Em relação à reforma da Previdência, Meirelles espera que a proposta do governo seja aprovada integralmente e reafirmou que a negociação com os parlamentares está em curso. “O projeto como está acreditamos que seja adequado, mas, evidentemente, o Congresso é soberano e temos que conversar, não achamos que possa haver alterações dramáticas porque isso prejudicaria a eficácia da reforma”, argumentou.

(Agência Brasil)

Deve a conta de luz da Enel e quer negociar?

O Tribunal de Justiça e a Enel Distribuição Ceará vão realizar mutirões de conciliação de processos nos dias 26 de junho e 3 de julho. A ação ocorrerá na sede do 5º Juizado Especial da Comarca de Fortaleza. Estão agendadas 16 ações para participar da força-tarefa. A demanda pelo mutirão veio a partir de solicitação da Enel Distribuição Ceará.

Os processos foram previamente selecionados pelo 5º Juizado Especial da Comarca de Fortaleza, nos quais foi verificada a possibilidade de conciliações. O objetivo é dar maior celeridade ao julgamento de processos e zerar o número de ações envolvendo consumidores da empresa.

Além das audiências, a Enel Distribuição Ceará realizará distribuição de material informativo com dicas sobre economia de energia, risco e perigos no uso da energia elétrica, direitos e deveres do consumidor, responsabilidade social e atuação da empresa.

SERVIÇO

*5º Juizado Especial – Rua Setecentos Vinte Nove, nº 443, bairro Conjunto Ceará.

*Central de Atendimento da Enel – 0800 285 0196.

Reajuste de 12,9% na tarifa de água e esgoto entra em vigor segunda-feira no Ceará

Entra em vigor, na próxima próxima segunda-feira, 26, o reajuste de 12,9% na tarifa da água e esgoto de 151 municípios atendidos pela Cagece.. Com o aumento, o valor cobrado por m³ pelos serviços da empresa passa a R$ 3,17. O reajuste foi anunciado no fim do último mês de maio e, segundo a companhia, foi consequência do aumento nos custos de produção e operação “agravados pela crise hídrica que o Ceará atravessa”. As agências reguladoras no Estado autorizaram a companhia a aplicar revisão ordinária de 17,23%, mas estará sendo aplicado percentual menor.

De acordo com a Cagece, os valores cobrados são definidos de acordo com a categoria e a demanda de consumo de cada cliente, com tarifa maior quando o consumo aumenta.

“Esta é uma maneira da companhia garantir uma cobrança justa, evitar o desperdício de água tratada e subsidiar a tarifa paga pelos clientes com menor poder aquisitivo, como é o caso da tarifa social, por exemplo”, avisa a companhia, em nota.

A revisão ordinária foi autorizada pela Agência Reguladora dos Serviços Públicos Delegados do Estado do Ceará (ARCE) – no caso dos municípios do interior; e Autarquia de Regulação, Fiscalização e Controle de Serviços Públicos de Saneamento Ambiental (ACFOR) – no caso de Fortaleza.

Governo vai substituir o seguro-desemprego pelo FGTS, diz Meirelles

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, confirmou hoje (23) que o governo estuda utilizar o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para substituir o pagamento do seguro-desemprego. A medida foi divulgada pelo jornal O Globo e, segundo Meirelles, está em “fase embrionária”.

Segundo a reportagem, o governo pretende usar o saldo do FGTS e a multa de 40%, paga nos casos de demissão sem justa causa, para repassar três parcelas ao trabalhador, substituindo o seguro-desemprego. O valor mensal seria equivalente ao último salário recebido pelo empregado. Após esse período, se permanecer sem colocação, o trabalhador poderia dar entrada no seguro-desemprego e receber o restante do saldo do FGTS.

“Existem discussões na área econômica do governo, seja no Ministério da Fazenda, seja no Ministério do Planejamento, seja em outras áreas em diversos níveis, sobre diversas coisas que possam induzir o país a voltar a crescer” disse Meirelles ao ser perguntado sobre o assunto após participar de um evento promovido pela Câmara Americana de Comércio (Amcham) em São Paulo.

O ministro também comentou a suspensão das importações de carne bovina fresca brasileira pelos Estados Unidos, anunciada ontem (22), e disse que o Brasil prestará os esclarecimentos necessários para reverter a decisão norte-americana.

“Compete à Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos [Apex] fazer o trabalho no sentido de assegurar que as dúvidas e preocupações dos outros países sejam resolvidas, e o país volte a exportar normalmente”, declarou.

Reforma Trabalhista

Durante o evento, o ministro recebeu um manifesto da Amcham em apoio às reformas trabalhista, previdenciária e tributária. Apesar da rejeição da proposta de reforma trabalhista do governo na Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado, Meirelles mostrou otimismo com a votação do texto no plenário.

“Um senador que perdeu o voo, outro que teve uma questão de partido, outro com uma questão familiar. Então, tiveram diversas questões que fizeram com que isso, ocasionalmente, ocorresse. Agora, nós acreditamos que a reforma deve ser aprovada e deve ser implantada.”

Edição: Luana Lourenço

Estado do Ceará – O menino que queria ser médico, mas tem vocação para a música

Com o título “O Ceará: Nem São Paulo nem Flórida”, eis artigo do ex-secretário estadual do Turismo, Allan Aguiar. Ele comenta deslizes do Estado no plano econômico. Culpa a falta de planejamento. Confira:

O Ceará queria ser a São Paulo do Nordeste quando poderia ter sido uma Flórida brasileira. O Ceará queria ser a mutação perfeita entre os “tigres asiáticos” e o “vale do silício”. O Governo do Ceará queria indústrias e programou a bússola do modelo de desenvolvimento econômico do Estado para este objetivo majoritário. Sabe aquele filho que você quer que seja médico, mas a vocação dele é para a música? É mais ou menos isso o que o papai Governo tenta desde o século passado, sem sucesso. Sem os saltos prometidos em campanhas eleitorais, o Estado continua patinando nos 2% da economia nacional e teima em uma estratégia pouco lúcida e muito caduca para gerar renda para sua população, insistentemente pobre. Mesmo com todas as induções e isenções do Governo do Ceará a participação da Indústria no PIB do Estado recuou, não atingindo hoje sequer 20% de participação no referido PIB. Somos ridículos 1,8% da Indústria nacional e, até agora, nada de Montadoras e muito menos refinaria. Sequer água temos para o agronegócio.

Longe dos mercados consumidores e com enormes deficiências em sua logística de transportes e infraestruturas de escoamento marítimo, rodoviário e aéreo, sobrou a surrada guerra fiscal e os incentivos locacionais como únicas armas nessa luta para gerar postos de trabalho pelo viés da industrialização do Estado, tarefa essa bem mais dificultada pela modernização/automação dos processos produtivos. Adicionando esses complicadores, Estados vizinhos como Pernambuco e Maranhão ganharam enorme espaço na disputa da movimentação de cargas com seus Portos de SUAPE e ITAQUI, respectivamente o quinto e o sétimo maiores do Brasil. Nosso PECÉM, ainda imberbe, ocupa uma modesta posição no ranking nacional e busca um parceiro forte para turbinar e aparecer.

Na “guerra de foice” gerada pela falta de planejamento econômico e sem saber ajustar a bússola, o Governo do Estado abraçou qualquer atividade econômica, até mesmo as predatórias de suas próprias vocações naturais. O Exemplo mais frustrante dos efeitos nocivos pode ser visualizado ao longo dos 573 Km de litoral, transformados em verdadeiro paliteiro de aerogeradores, os quais esterilizam extensas faixas de costa altamente vocacionada para o petróleo cearense ainda não extraído: o Turismo. Esses parques eólicos praianos nada geram de empregos e quase nada de impostos municipais e estaduais.

Enquanto o Estado queria indústria de transformação, os investidores privados só tinham olhos para a Indústria do Turismo, a mais inclusiva atividade econômica existente. Sobrevoavam nossas praias e vislumbravam um novo Caribe na esquina tropical da América do Sul. Somente em 1995 o Estado acordou do sonho único e criou a Secretaria de Turismo objetivando oferecer algum contorno de ordenamento dessa atividade e uma agenda mínima capaz de colocar o Ceará no jogo dos Destinos Turísticos. Contudo, notadamente na última década, abdicou de uma gestão profissional e técnica capaz de emular com os agentes econômicos do mercado turístico e com investidores e preferiu entregar a pasta para políticos preocupados com as próximas eleições e não com as próximas gerações.

Assim, enquanto o Turismo sangra no prejuízo e os investidores se afastam da litigante e violenta Terra da Luz, estamos longe de ser uma São Paulo das indústrias e mais distante ainda de virar uma Flórida dos turistas endinheirados, tudo em face da miopia dos gestores e planejadores do Estado que pelo visto imporão os mesmos 2% de importância econômica do Ceará, diante do Brasil, em 2027…2037…quando então estaremos mortos.
Afinal, como cantou nosso mais sensível poeta, que partiu há pouco, “o passado é uma roupa que não nos serve mais” e “precisamos todos rejuvenescer”.

*Allan Aguiar,

Ex-Secretário do Turismo do Ceará.

Ciro Gomes: Quem botou Temer na vice da Dilma foi o Lula

Dentro do I Fórum Fortaleza de Economia e Políticas Locais, que acontece no auditório do prédio-anexo da Assembleia Legislativa, o ex-ministro Ciro Gomes (PDT) ocupou espaços para novas críticas ao governo federal.

Mas o que chamou a atenção foi um ponto: Ciro disse que Lula foi o responsável pela indicação de Michel Temer (PMDB) para vice na chapa de Dilma Rousseff (PT). “Quem botou o temer na vice foi o Lula!”, afirmou o presidenciável pedetista, eximindo Dilma de qualquer responsabilidade nesse aspecto.

Ciro ainda disse que o Brasil da Era Lula surfou economicamente porque apostou no consumo, ms acabou quebrando na Era Dilma.

Esse fórum é o primeiro de uma série que a Prefeitura de Fortaleza, segundo o prefeito Roberto Cláudio, realizará para discutir questões do interesse do País, com repercussões para a cidade.

DETALHE – O convidado para a conferência é o professor Mangabeira Unger.

Prévia da inflação oficial de junho acumula 3,52%

A prévia da inflação oficial, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), registrou 0,16% em junho deste ano, abaixo da taxa de 0,24% de maio. É o índice mais baixo para a prévia de junho desde 2006, quando o IPCA-15 chegou a -0,15%.

Segundo dados divulgados hoje (23), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), com a prévia de junho, a inflação oficial acumula taxa de 3,52% em 12 meses. A taxa acumulada em 12 meses é a menor desde junho de 2007 (3,44%).

Entre os grupos de despesa que mais contribuíram para a queda da inflação na prévia do mês estão os alimentos e bebidas, que registraram deflação (redução de preços) de 0,47% e os transportes (-0,10%).

(Agência Brasil)

Ministro da Agricultura vai aos EUA tentar reverter suspensão à carne

O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, informou que vai viajar aos Estados Unidos para prestar todos os esclarecimentos necessários e tentar reverter a suspensão de compra de carne in natura do Brasil.

A suspensão foi anunciada nessa quinta-feira pelo governo norte-americano. A informação é da Veja Online.

Fortaleza é sede do Feirão da Casa Própria da Caixa Econômica

A Caixa Econômica Federal inicia hoje (23) em três cidades a segunda e última rodada do Feirão da Casa Própria 2017. Até domingo (25), os interessados em comprar um imóvel poderão escolher entre 30.377 unidades novas e usadas, à venda em Brasília, Curitiba e Fortaleza, onde se estenderá até domingo, no Shopng RioMar Papicu.

Realizado em parceria com construtoras, correspondentes imobiliários e imobiliárias, o Feirão da Caixa reúne em um só lugar milhares de ofertas de imóveis e a opção de financiamento. A primeira etapa do evento este ano ocorreu em 11 cidades, entre 26 e 28 de maio.

Na ocasião, segundo a assessoria de comunicação da Caixa, foram fechados R$ 10,2 bilhões em negócios. De acordo com a assessoria, o montante é quase igual ao alcançado em todo o feirão de 2016, que foi de R$ 10,3 bilhões. Segundo a Caixa, não há uma estimativa de valor em fechamento de negócios para esta segunda rodada em 2017.

Para pleitear o crédito para a casa própria no feirão é preciso levar documento de identidade, CPF, comprovante de renda e de residência atualizados. Os visitantes que preencherem propostas de crédito podem acompanhar o andamento do processo pela internet, por meio de uma ferramenta disponível no site da Caixa Econômica Federal. Esse recurso existe desde 2013. Em Brasília, o feirão será realizado no Pavilhão B do Parque da Cidade, em Curitiba, na Expo Unimed, e em Fortaleza, no shopping RioMar.

Edição: Graça Adjuto

Camilo embarca com a família para São Paulo: Giro de mídia e voo inaugural de Jericoacoara

Camilo com Onélia e os filos Pedro e Luiza na sala de embarque.

O governador Camilo Santana (PT) embarcou com a família, nesta sexta-feira, na rota de São Paulo. Na agenda dele, contato com os meios de comunicação e embarque, já neste sábado pela manhã, no voo inaugural da Gol, que ligará São Paulo a Jericoacoara (Litoral Oeste).

Camilo, na Capital paulista, dará entrevistas sobre o bom momento da área educacional cearense e também sobre o PIB do primeiro trimestre, além de outro fato: é um dos poucos Estados que continua pagando em dia seus servidores e atraindo investimentos externos.

O governador desembarcará do voo inaugural da Gol no Aeroporto de Cruz no começo da tarde de sábado. Ali, haverá ato de inauguração do terminal que ganha o nome de “Comandante Ariston Pessoa” (Ariston Pessoa fundou a primeira empresa aérea cearense – TAF).

De lá, Camilo retornará para Fortaleza, quando vai se preparar para viagem rumo a Europa. Ele decolará domingo à noite para reuniões com a Fraport, em Frankfurt, na Alemanha. Essa empresa arrematou em leilão o Aeroporto Internacional Pinto Martins.

De lá, seguirá para Paris, onde tem reuniões com o Instituto Pasteur em busca de uma unidade dessa fundação para o Polo Farmoquímico de Horizonte (Região Metropolitana de Fortaleza). Camilo só retorna ao Ceará na quinta-feira. Até lá, a vice-governadora Izolda Cela, responderá pelo Governo.

Governo americano suspende todas as importações de carne fresca do Brasil

O secretário de Agricultura dos Estados Unidos, Sonny Perdue, anunciou nesta quinta-feira (22) a suspensão de todas as importações de carne fresca do Brasil devido a preocupações recorrentes sobre a segurança dos produtos destinados ao mercado americano. Em comunicado, Perdue informou que a suspensão dos embarques permanecerá em vigor até que o Ministério da Agricultura brasileiro tome medidas corretivas que o Departamento de Agricultura americano considere satisfatórias.

O Serviço de Inspeção e Segurança de Alimentos dos EUA inspeciona todos os produtos de carne que chegam do Brasil e desde março recusou a entrada para 11% dos produtos brasileiros de carne fresca. “Esse valor é substancialmente superior à taxa de rejeição de um por cento das remessas do resto do mundo”, diz a nota do governo americano.

Desde o aumento da inspeção, foi recusada a entrada de 106 lotes de produtos bovinos brasileiros, devido a problemas de saúde pública, condições sanitárias e problemas de saúde animal. A nota dos Estados Unidos diz que o governo brasileiro se comprometeu a resolver essas preocupações.

Nessa quarta-feira (21), o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) do Brasil suspendeu as exportações de cinco frigoríficos para os EUA, depois de autoridades sanitárias americanas identificarem irregularidades provocadas pela reação à vacina contra a febre aftosa. Segundo nota do Mapa, a proibição continuará em vigor até que sejam adotadas “medidas corretivas”.

Segundo o secretário de Agricultura dos EUA, “garantir a segurança do fornecimento de alimentos da nossa nação é uma das nossas missões críticas, e é uma tarefa que empreendemos com muita seriedade. Embora o comércio internacional seja uma parte importante do que fazemos no Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA, na sigla em inglês), e o Brasil há muito tempo é um dos nossos parceiros, minha prioridade é proteger os consumidores americanos. Isso foi o que fizemos, interrompendo a importação de carne fresca brasileira”, disse.

PIS/Pasep será liberado na próxima semana para quem assinou carteira em 2015

Quem trabalhou com a carteira assinada em 2015 pode ter direito a receber um dinheiro extra este ano: termina na sexta-feira (30) da semana que vem o prazo para saque do abono salarial dos programas de Integração Social (PIS) e de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep), relativo ao ano-base 2015. O valor pode chegar a R$ 937, patamar atual do salário-mínimo.

Têm direito ao abono os trabalhadores inscritos nos programas há pelo menos cinco anos e que tenham trabalhado formalmente por pelo menos 30 dias em 2015, com remuneração mensal média de até dois salários mínimos. É necessário ainda que os trabalhadores tenham tido seus dados informados corretamente pelo empregador na Relação Anual de Informações Sociais (Rais).

Até 31 de maio, 1,83 milhão de trabalhadores ainda não haviam sacado o abono, o equivalente a 7,56% do total com direito ao saque. Segundo o Ministério do Trabalho, este é o balanço mais recente disponível. Passado o prazo para o saque, os valores não requeridos são destinados ao Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).

O valor a que o trabalhador tem direito pode variar de R$ 78 a R$ 937, dependendo de quanto tempo ele trabalhou formalmente em 2015. O abono PIS é pago pela Caixa Econômica Federal e o Pasep pelo Banco do Brasil. O primeiro destina-se a trabalhadores do setor privado e o segundo a servidores públicos.

Para sacar o PIS, o trabalhador que tiver Cartão Cidadão e senha cadastrada pode se dirigir aos terminais de autoatendimento da Caixa ou a uma casa lotérica. Caso não tenha o cartão, pode receber o valor em uma agência da Caixa apresentando documento de identificação. Informações podem ser obtidas pelo telefone 0800 726 0227.

Os servidores públicos com direito ao Pasep devem verificar se houve depósito em conta. Caso isso não ocorra, devem procurar uma agência do Banco do Brasil e apresentar um documento de identificação. Mais informações podem ser obtidas pelo número 0800 729 0001.

(Agência Brasil)

Inadimplência em faculdades privadas foi de 9% em 2016

A inadimplência no ensino superior privado apresentou nova alta em 2016. No ano passado, 9% das mensalidades foram pagas com atrasos de mais de 90 dias no país. Esse é o maior valor desde 2010, quando a inadimplência atingiu 9,6%. Os dados foram divulgados hoje (22) pelo Sindicato das Mantenedoras de Ensino Superior (Semesp).

Em 2015, o índice de inadimplência do setor foi de 8,8%. Segundo a Semesp, uma das explicações para a alta é a crise econômica e política que o país enfrenta. “Ás vezes, é a família que banca a mensalidade, e aí se um membro da família perde o emprego, diminui a renda e começa a apertar para pagar a mensalidade”, diz o diretor executivo da entidade, Rodrigo Capelato.

A redução do número de novos contratos do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) também é apontada como causa para o aumento da inadimplência. Segundo a Semesp, entre 2014 e 2016, o número de estudantes que ingressaram no ensino superior com o Fies caiu de 730 mil para 200 mil. “Isso significa que entrou muito menos gente com financiamento e tendo que arcar com pelo menos uma parte da mensalidade”, explica Capelato.

A pesquisa também apontou que as instituições de pequeno porte (com até 2 mil alunos) são as que menos sofreram com a inadimplência de até 30 dias, mas foram as que registraram maior crescimento na taxa de inadimplência em mensalidades com mais de 90 dias de atraso. Já as instituições de médio porte (de 2 mil a 7 mil alunos) apresentaram as menores taxas para atrasos acima de 90 dias desde o início da pesquisa, em 2006.

As projeções do Semesp apontam que em 2017 a inadimplência deverá ficar em torno de 9,2%. Capelato diz que a inadimplência deve começar a cair a partir do segundo semestre do ano que vem, por conta de uma possível recuperação da economia e também pela iniciativa de algumas faculdades de oferecer parcelamento das mensalidades.

(Agência Brasil)

Dória quer criar fundo turbinado pela venda de terrenos baldios, casas e apartamentos da Prefeitura

A Prefeitura de São Paulo enviou para a Câmara Municipal um projeto que cria um fundo imobiliário com base na venda ou no leilão de cerca de mil imóveis públicos atualmente sem uso, informa o colunista Lauro Jardim, do O Globo.

São terrenos baldios, casas, prédios e apartamentos.

O prefeito João Doria quer que o fundo seja uma blue chip — ação da Bovespa com grande percepção de qualidade, liquidez e ganhos. A remuneração proposta é o IPCA + 6%.

Confiança do empresariado registra queda em junho

O Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) caiu para 51,9 pontos em junho, uma redução de 1,8 ponto na comparação com maio. O indicador cai pela primeira vez após quatro meses de estabilidade, de acordo com a Confederação Nacional da Indústria (CNI). Na análise da entidade, o país ainda enfrenta dificuldades para superar a crise. “Como ainda mantém-se acima da linha divisória de 50 pontos, o ICEI revela que os empresários permanecem confiantes, mas a confiança se reduziu entre maio e junho”, diz o estudo divulgado hoje (22).

Os indicadores da pesquisa variam em uma escala que vai de zero a 100 pontos. De acordo com o estudo, quando o índice fica acima de 50 pontos, os empresários estão confiantes. A CNI observa, no entanto, que o índice de junho é insuficiente para estimular o investimento industrial. Embora esteja 6,2 pontos acima do registrado em junho do ano passado, a confiança do empresário continua abaixo da média histórica de 54 pontos.

“Com a queda de junho, a confiança fica ainda mais distante do nível necessário para a recuperação da economia”, afirma o economista da CNI Marcelo Azevedo, em nota divulgada pela entidade.

A confiança é maior nas grandes empresas, segmento em que o ICEI alcançou 54,1 pontos. Nas pequenas empresas, o indicador ficou em 48,8 pontos, abaixo da linha divisória dos 50 pontos, que separa o otimismo do pessimismo. A indústria extrativa foi o segmento que apresentou a maior queda em relação a maio, passou de 57,6 para 52,7.

O indicador de expectativas caiu de 57,4 pontos em maio para 54,9 pontos em junho, o que mostra a redução do otimismo dos empresários em relação à situação da economia brasileira e das empresas nos próximos seis meses. Já o indicador que revela a percepção dos industriais sobre a situação atual das empresas e da economia ficou estável, em 46 pontos, indicando, de acordo com o estudo, que o empresário ainda percebe piora do ambiente corrente de negócios.

A pesquisa foi feita entre 1º e 12 de junho, com 2.958 empresas. Dessas, 1.173 são pequenas, 1.112 são médias e 673 são de grande porte. O ICEI antecipa tendências de produção e de investimento.

(Agência Brasil)

FHC quer ampliação das privatizações para evitar assalto do Estado por políticos e corporações

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) fez duras críticas à classe política brasileira e pediu que o país amplie as privatizações de estatais como forma de evitar novos casos de corrupção nessas companhias, após recentes escândalos na Petrobras e na Eletrobras, as duas maiores empresas públicas do país. A informação é da Veja Online.

“Nosso sistema político deu cupim nele, está todo podre, ele bichou, e a população percebeu isso”, disse o ex-presidente, que participou nesta quarta-feira de evento para discutir o futuro da estatal de energia elétrica no Instituto Fernando Henrique Cardoso, em São Paulo.

“O que puder privatizar, privatiza, porque não tem outro jeito. Essa não é minha formação cultural, mas não tem mais jeito. Ou você realmente aumenta a dose de privatização, ou você vai ter de novo um assalto ao Estado pelos setores políticos e corporativos”, disse o ex-presidente.