Arquivos da categoria: Papa Francisco

Brasil tem 30 novos santos: papa canoniza mártires de Cunhaú e Uruaçu

A Igreja tem 35 novos santos, dos quais 30 são brasileiros. Em cerimônia presidida pelo papa Francisco neste domingo (15), na Praça São Pedro, foram canonizados os mártires de Cunhaú e Uruaçu, no Rio Grande do Norte, os protomártires do México – considerados os primeiros mártires do continente americano -, além do sacerdote espanhol Faustino Míguez, fundador do Instituto Calasanzio, das Filhas da Divina Pastora, e do frade capuchinho italiano Angelo d’Acri.

Após ser cantado o Veni Creator, o prefeito da Congregação para as Causas dos Santos, cardeal Angelo Amato, acompanhado pelos postuladores das causas, dirigiu-se ao papa pedindo que se procedesse à canonização dos beatos, com a leitura de seus nomes e de uma breve biografia deles. Após cânticos e orações, Francisco leu a fórmula de canonização.

O processo de canonização durou 15 anos e chegou à Congregação das Causas dos Santos por intermédio do cardeal Cláudio Hummes, arcebispo emérito de São Paulo.

(Agência Brasil)

Papa Francisco presenteia Santuário Nacional de Aparecida

O papa Francisco enviou ao Santuário Nacional, em Aparecida (SP), a Rosa de Ouro. Trata-se de uma honraria da igreja católica que representa uma particular estima por cidades, pessoas ou santuários reconhecidos como centros de grande devoção.

Esta foi a terceira vez que o Santuário Nacional foi presenteado por um papa com uma Rosa de Ouro.

“O que mais me impressionou foi a grande quantidade de peregrinos que vem ao Santuário. Retorno com particular alegria, pois vou representar o papa Francisco. O santo padre que envia uma Rosa de Ouro como símbolo de seu amor a Nossa Senhora, assim como seu afeto ao povo brasileiro”, disse o cardeal italiano Giovanni Battista Re, responsável por trazer o presente do Vaticano para Aparecida.

(Agência Brasil)

Palavras de Francisco

Editorial do O POVO deste domingo (10) comenta a visita do papa Francisco à Colômbia, onde há mais de meio século a população sofre com uma guerra interna. Confira:

Se existe alguém que pode ajudar no processo de consolidação da paz na Colômbia, essa pessoa é o papa Francisco. A visita dele ao país será um potente estímulo de aproximação entre os colombianos, que sofrem com uma guerra interna, fratricida, há mais de meio século.

No ano passado, o governo colombiano logrou um acordo de paz com o maior grupo guerrilheiro do país, as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), mas não sem oposição interna. A primeira versão do acordo foi rejeitada em plebiscito, o que levou a novas negociações, até se chegar a um ponto em que as Farc depositaram as armas e ingressaram na vida política do país como um partido político legal.

Agora, coincidindo com a visita do papa, o presidente Juan Manuel Santos – um dos principais artífices do acordo com as Farc – anunciou um cessar-fogo bilateral com o Exército de Liberação Nacional (ELN), atualmente o principal grupo guerrilheiro em atividade. Ainda é um processo inicial, mas a suspensão das hostilidades marca uma etapa importante – e bastante simbólica por ter sido anunciada às vésperas da chegada do papa ao país.

Francisco está na Colômbia com o desafio de apoiar a reconciliação da sociedade, dividida quanto aos acordos com a guerrilha, incluindo a base da Igreja Católica. O lema dessa quinta viagem do papa à América Latina é “Dar o primeiro passo”. Em vídeo, antes da viagem, Francisco anunciou: “Dar o primeiro passo encoraja-nos a ir ao encontro do outro e a estender a mão”. Uma mensagem suave, porém um chamamento firme à conciliação.

Em seu primeiro dia de visita, Francisco enviou seu recado ao povo colombiano, pedindo que se abstenha da vingança; ao mesmo tempo, desafiou os líderes políticos a estabelecerem leis mais justas para evitar a desigualdade, que leva à violência.

E acrescentou: “Quanto mais exigente o caminho que leva à paz e à compreensão, maiores devem ser nossos esforços para reconhecermos uns aos outros, para curarmos feridas, para construirmos pontes, para fortalecermos relações e apoiarmos uns aos outros”.

Palavras de Francisco.

Papa questiona fé de cristãos que consultam horóscopos e cartomantes

O Papa Francisco afirmou nesse domingo (13) que a fé não é uma fuga dos problemas, mas, sim, o que dá sentido à vida. Para Francisco, cristãos que consultam “cartomantes e horóscopos” não tem “fé tão forte”.

Durante a Oração do Ângelus no Vaticano, o pontífice disse que, quando os fiéis não se “apegam à palavra do Senhor e, para ter mais segurança, consultam horóscopos e cartomantes, a pessoa começa a chegar ao fundo”.

“Apenas a fé dá a segurança da presença de Jesus, que nos impulsiona a superar as tempestades existenciais. É a certeza de segurar uma mão que nos ajuda com as dificuldades, apontando o caminho, mesmo quando está escuro”, acrescentou o papa.

Francisco ressaltou que o Evangelho de hoje, que recorda o episódio de Jesus a caminhar sobre as águas, tem “um rico simbolismo” e faz refletir sobre a fé, pessoalmente e em comunidade, porque o barco dos apóstolos “é a vida de cada um, mas também da Igreja”. E acrescentou: “este episódio é uma imagem da maravilhosa realidade da Igreja de todos os tempos: um barco ao longo da travessia também enfrenta ventos contrários e tempestades que ameaçam dominá-la”.

Na Praça de São Pedro, o pontífice afirmou que o que salva a Igreja é a “coragem e as qualidades dos seus homens sendo que a fé em Cristo e a sua palavra são garantias contra o naufrágio”.

(Agência Brasil)

Pedalada com Jesus leva mensagem de uma Igreja missionária e que sai às ruas

Uma mensagem que Deus é jovem, que a Igreja é feliz e missionária e que sai às ruas marcou neste domingo (6) a 8ª Pedalada com Jesus, por meio do passeio ciclístico realizado pela Paróquia Mãe Santíssima, no Parque Dois Irmãos.

O passeio teve um trajeto de 10 quilômetros e recebeu o carinho e o apoio dos moradores da região por onde passava.

O presidente da Câmara Municipal de Fortaleza, Salmito Filho (PDT), acompanha o evento desde o seu início e destacou que a mensagem da Pedalada com Jesus reflete o desejo do papa Francisco de uma Igreja mais próxima aos problemas da população, com mais fraternidade. Salmito ressaltou ainda “a liderança querida por todos do pároco Reginaldo”, que recebe o apoio do padre João.

(Foto – Divulgação)

Papa pede aos jovens brasileiros para que combatam a corrupção

O Papa Francisco pediu para os jovens do Brasil combaterem a corrupção e não terem “medo” de lutar. O líder católico fez o apelo em uma mensagem divulgada ontem, 31, e enviada aos participantes de um evento organizado pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil para celebrar os 300 anos da aparição da Virgem Maria no rio Paraíba do Sul, em São Paulo. “Vocês são a esperança do Brasil e do mundo, não tenham medo de combater a corrupção”, disse Jorge Mario Bergoglio.

O Papa também agradeceu os jovens pelo seus testemunhos de fé e pelo zelo com que enfrentam as dificuldades diárias. “Caros amigos, em meio às incertezas e inseguranças de cada dia, em meio à precariedade que as situações de injustiça criam ao redor de vocês, tenham uma certeza: Maria é um sinal de esperança que lhes animará com um grande impulso missionário”, afirmou Bergoglio.

“Ela conhece os desafios em que vocês vivem. Com sua atenção e acompanhamento maternos, lhes fará perceber que não estão sozinhos”, ressaltou. Na carta, o Papa também citou o tema da 32ª Jornada Mundial da Juventude, que ocorrerá em janeiro de 2019, no Panamá, e recordou os apelos que fez na Assembleia do Conselho Episcopal Latinoamericano (Celam) em 2017.

“Não tenham medo de se arriscar e de trabalhar para construir uma nova sociedade, permeando com a força do Evangelho os ambientes sociais, políticos, econômicos e universitários. Não tenham medo de combater a corrupção e não se deixem seduzir por ela!”, pediu Francisco. “Sob o manto de Maria, vocês poderão redescobrir a criatividade e a força para serem protagonistas de uma cultura de aliança e, consequentemente, criar novos paradigmas que guiarão a vida do Brasil”, destacou o Papa. A mensagem foi entregue aos jovens brasileiros que participam do prorgama “Rota 300”, encerrado em 29 de julho com uma festa no Santuário Nacional de Aparecida.

(ANSA)

Papa Francisco faz apelo à moderação e ao diálogo entre palestinos e israelenses

O Papa Francisco fez hoje (23) um apelo para incentivar a moderação e o diálogo entre palestinos e israelenses em Jerusalém. O apelo líder da Igreja Católica ocorreu pouco mais de uma semana após o atentado na Esplanada das Mesquitas, ocorrido no dia 14, que deixou cinco mortos.

Desde o ocorrido, uma onda de violência estourou na região.

“Acompanho com preocupação as graves tensões e violências desses últimos dias em Jerusalém. Sinto a necessidade de expressar um apelo à moderação e ao diálogo. Peço que se unam a mim nas orações para que o Senhor inspire todos para o propósito da reconciliação e da paz”, disse o papa no Vaticano, durante a tradicional celebração do Ângelus..

A escalada de violência teve início após a morte de dois dois policiais israelenses na Cidade Velha de Jerusalém. Os agentes foram mortos a tiros por três árabe-israelenses abatidos logo em seguida. O governo de Israel afirmou que as armas utilizadas haviam sido escondidas na Esplanada e fechou o acesso ao local por dois dias.

Desde então, as autoridades de Israel aumentaram as medidas de vigilância e irritaram os palestinos que consideram a Esplanada um dos lugares santos de Jerusalém. Foram colocados detectores de metais na entrada e somente homens com mais de 50 anos tiveram o acesso permitido à Esplanada das Mesquitas para as tradicionais orações de sexta-feira.

Nos últimos dois dias, quatro palestinos morreram em enfrentamentos com as forças de segurança em Jerusalém Leste e na Cisjordânia, enquanto três israelenses foram assassinados por um palestino durante um jantar.

Papa Francisco pede o fim da violência na Venezuela e se solidariza com as vítimas

O Papa Francisco pediu o fim dos violentos protestos anti-governo na Venezuela e expressou solidariedade com as famílias dos mortos.Francisco liderou milhares de pessoas em uma oração pela Venezuela no domingo, lembrando que o país vai comemorar aniversário de sua independência na próxima quarta-feira (05).

“Eu direciono minhas orações a esta querida nação e expresso minha solidariedade com as famílias que perderam seus filhos nos protestos. Apelo para o fim da violência e para uma solução pacífica e democrática para a crise”, disse o Papa.

Pelo menos 80 pessoas foram mortas desde que os protestos contra o governo entraram em erupção há três meses.

O Vaticano patrocinou um diálogo no ano passado que falhou. Recentemente, os bispos venezuelanos viajaram para o Vaticano e informaram Francisco sobre suas críticas à inclinação autoritária do presidente Nicolas Maduro.

(Associated Press)

Após conversa com o Papa, Trump diz que saiu mais disposto a trabalhar pela paz no mundo

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, qualificou de “fantástico” o encontro com o papa Francisco que aconteceu nesta quarta-feira (24), segundo os meios italianos. A informação é da Agência EFE. Trump fez esta afirmação ao se encontrar com o primeiro-ministro italiano, Paolo Gentiloni, na Villa Taverna, a residência do embaixador americano em Roma.

“Com o papa, tive um fantástico encontro. Ele é uma grande pessoa”, disse Trump a Gentiloni, com quem manteve uma breve reunião antes da Cúpula do G7, que será realizada entre 26 e 27 de maio na cidade siciliana de Taormina.

Os jornalistas italianos que estiveram presentes nestes primeiros instantes da reunião, também informaram que a esposa de Trump, Melania, se aproximou para cumprimentar o primeiro-ministro e depois contou sobre a visita ao hospital infantil Bambin Gesú que é administrado pelo Vaticano.

Com esta reunião, termina a visita de 19 horas de Trump à capital italiana, na qual foi recebido pelo papa e pelo presidente da República, Sergio Mattarela.

Está previsto que o líder americano chegue nesta tarde a Bruxelas para participar da Cúpula de líderes da Organização do Tratado do Atlântico Norte. No dia 26 retornará à Itália para participar da Cúpula do G7.

Após encontro no Vaticano

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, declarou que está “mais determinado do que nunca” a trabalhar pela paz no mundo, após ter se reunido com o papa Francisco, no Vaticano.

“Honra de uma vida inteira ter encontrado Sua Santidade o papa Francisco. Deixo o Vaticano mais determinado do que nunca a buscar a paz em nosso mundo”, escreveu o presidente em sua conta no Twitter.

Eles conversaram em particular por 27 minutos e depois fizeram a tradicional troca de presentes. De acordo com a Santa Sé, o papa e Trump mantiveram um diálogo “cordial” em que respaldaram “a promoção da paz no mundo” mediante a negociação política.

O Vaticano informou que eles debateram pontos de vista “sobre alguns temas relacionados ao âmbito internacional e a paz no mundo”. Para Trump e Francisco este objetivo é alcançado “mediante negociação política e diálogo inter-religioso, no tocante à situação do Oriente Médio e a proteção das comunidades cristãs”.

A Casa Branca ainda não informou o conteúdo da reunião nem os temas tratados. A única avaliação da audiência, por enquanto, foi o tweet de Trump e algumas declarações feitas no encontro dele com o primeiro-ministro italiano, Paolo Gentiloni, em Villa Taverna, na residência do embaixador americano em Roma.

Segundo o presidente americano, o pontífice é “uma grande pessoa”, alguém “especial”, e a reunião com foi “fantástica”.

Papa recebe Trump no Vaticano

 

O papa Francisco e o presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, se reuniram nesta quarta-feira (24) no Vaticano durante 27 minutos e depois fizeram a troca habitual de presentes. A informação é da Agência EFE.

Após a conversa,Trump apresentou sua delegação, da qual fazem parte a mulher Melania, a filha mais velha, Ivanka, o genro, Jared Kushner, além do secretário de Estado, Rex Tillerson, do assessor de Segurança Nacional, o tenente-geral H.R. McMaster, e da porta-voz presidencial, Hope Hicks, mais oito pessoas e uma intérprete.

Francisco cumprimentou com cordialidade Melania, a quem perguntou se tinham comido “pizza”, e depois abençoou um objeto que a esposa do presidente tinha nas mãos. Ivanka também disse algumas palavras ao pontífice, que a escutou sem falar.

Depois, na tradicional entrega de presentes, Trump lhe deu uma caixa que continha, segundo ele, “livros de Martin Luther King”.

Francisco, por sua vez, entregou a Trump seus três escritos principais: as encíclicas Evangelii Gaudium e Laudato Se e a exortação Amoris Laetitia, além de sua última mensagem da jornada de paz. Ele também abençoou um terço que apresentou aos Trump em uma bandeja.

O presidente norte-americano disse ao papa, ao receber seus escritos: “Leremos”.

O presente mais simbólico foi o medalhão de bronze com que o papa presenteia muitos chefes de Estado, representando uma oliveira que cresce em uma pedra partida.

O papa Francisco recebeu Trump com um aperto de mão. Depois, foram à biblioteca para a reunião, que ocorreu com a ajuda de um intérprete, já que, como justificou Francisco ao presidente, seu inglês não é muito bom.

Enquanto durou a conversa, Melania e Ivanka Trump visitaram a Capela Paolina e a Sala Régia do Vaticano.

(Com Agência EFE)

Papa Francisco se diz profundamente triste com atentado em Manchester

O Papa Francisco ficou “profundamente triste ao saber […] sobre a trágica perda de vidas humanas causadas por um bárbaro ataque” em Manchester, na noite desta segunda-feira (22). O Estado Islâmico assumiu a autoria.

Em um telegrama enviado em seu nome pelo secretário de Estado, cardeal Pietro Parolin, ao bispo local, o Papa “exprime a própria solidariedade para aqueles que foram atingidos por este insensato ataque de violência”.

(Agência ANSA)

Papa diz que escutará Trump e buscará que “portas que não se fechem”

O papa Francisco afirmou nesse sábado (13) que na reunião com o presidente de Estados Unidos, Donald Trump, prevista para 24 de maio no Vaticano, o “escutará”, dirá o que pensa e buscará que “portas que não sejam fechadas”.

“Eu jamais faço julgamentos sobre uma pessoa sem escutá-la. Eu o escutarei e direi o que penso”, acrescentou o papa.

Para Francisco, o importante em qualquer situação é “buscar que as portas não sejam fechadas. Continuar adiante e passo a passo”. Francisco lembrou que “a paz é artesanal e se faz a cada dia”.

O papa assegurou que sempre pensa no respeito, em “caminhar juntos” e em “ser muito sincero com o que cada um pensa”.

Francisco receberá o presidente norte-americano no dia 24 de maio em Roma, que depois viajará a Bruxelas e no dia 26 participará da Cúpula do G7 que será realizada na cidade siciliana de Taormina.

(Agência Brasil)

Papa Francisco canoniza dois irmãos pastorinhos em Fátima

O papa Francisco canonizou neste sábado (13), em Fátima (Portugal), os dois irmãos pastorinhos Jacinta e Francisco Marto, que, ao lado da prima Lúcia, presenciaram as aparições da Virgem Maria.

Em cerimônia que durou cerca de três horas, o papa ordenou que os nomes dos irmãos sejam inscritos no Livro dos Santos, formalizando, assim, a canonização dos dois pastores portugueses, os mais jovens santos não mártires da Igreja Católica.

A missa foi acompanhada pelo coro do Santuário de Fátima. Francisco não deixou de marcar posição perante as injustiças do mundo em relação aos mais desfavorecidos. Na homília, agradeceu aos presentes explicando por que não poderia ter deixado de participar dos festejos do centenário das aparições e de venerar a Virgem Maria.

”Sob seu manto, não se perdem; dos seus braços, virá a esperança e a paz que necessitam, e suplico para todos meus irmãos no batismo e em humanidade, de modo especial para os doentes, pessoas com deficiência, os presos e desempregados, os pobres e abandonados”, afirmou, sob os aplausos dos fiéis.

Após o término da cerimônia, o andor com a imagem Virgem de Fátima foi levado de volta à Basílica da Santíssima Trindade por dez jovens cadetes do Exército, cruzando os milhares de fiéis que não se cansavam de acenar e de aplaudir. O gesto foi repetido por um sorridente papa Francisco, que aguardou silenciosamente, sentado, até o momento em que desceu no altar para a Cerimônia do Adeus. Já no papamóvel, Francisco foi cercado pela multidão. Risonho, ele acenava para os fiéis, que seguravam lenços e bandeiras. No trajeto, um policial lhe entregou um bebê, a quem o papa acariciou ternamente. Poucas horas depois, o pontífice embarcou em um avião da TAP de volta ao Vaticano, acompanhado por um grupo de 72 jornalistas.

(Agência Brasil)

Na primeira mensagem aos fiéis em Fátima, papa pede concórdia entre os povos

Na primeira mensagem aos fiéis que o aguardavam em Fátima para as comemorações do centenário das aparições da Virgem Maria, o papa Francisco pediu “concórdia entre todos os povos”, convidando-os a “lavar os pés na mesma mesa que une a todos”. A multidão foi estimada em cerca de 300 mil pessoas. As cerimônias deste fim de semana preveem também a canonização dos irmãos pastores Jacinta e Francisco, que, ao lado da prima Lúcia, tiveram a visão da Virgem no início do século passado.

O papa Francisco chegou nesta sexta-feira (12) à Base Aérea de Monte Real, em Portugal, no horário previsto – 16hs30 – para uma visita de apenas 23 horas ao país. Quarto papa a visitar Fátima, Francisco foi recebido pela cúpula governista, tendo à frente o presidente Marcelo Rebelo de Sousa. No ano passado, assim que tomou posse, Rebelo foi ao Vaticano visitar o pontífice.

Na base aérea, depois de cumprimentar o primeiro-ministro Antonio Costa e o presidente da Assembléia, Ferro Rodrigues, e de um encontro reservado com Rebelo, o papa embarcou em um helicóptero militar em direção ao Estádio de Fátima. No centro do campo, Francisco tomou o papa móvel, que o levou à Capelinha das Aparições. O trajeto foi percorrido lentamente, com o papa acenando à multidão, que, desde cedo, ocupou as vias de acesso ao Santuário para vê-lo e aclamá-lo.

Quando o papamóvel surgiu no Recinto do Santuário, os sinos repicaram, levando os fiéis a saudar o papa Francisco com gritos de alegria e entusiasmo. Cantando e rezando, num coro estimulado pelos alto-falantes, as pessoas levantaram bandeiras multicoloridas de diversos países e de grupos de peregrinos de diferentes origens. O percurso não demorou mais de 15 minutos, até que o carro papal estacionou frente à Capelinha das Aparições.

Usando batina branca, Francisco desceu, cumprimentou os religiosos que o cercaram e entrou na capela onde, de pé, frente à imagem da Virgem de Fátima, rezou em silêncio durante cerca de 10 minutos.

Enquanto o papa rezava, todos permaneceram em silêncio. Em seguida, Francisco dirigiu-se à multidão e, em português, pediu a “concórdia entre todos os povos”, convidando-os a “lavarem os pés na mesma mesa que une a todos.”

(Agência Brasil)

Papa pede solução para crise na Venezuela

O papa Francisco pediu nesse sábado (6) que os bispos venezuelanos façam o possível para estabelecer pontes entre o governo do presidente do país, Nicolás Maduro, e a oposição visando solucionar a crise interna, informou a Conferência Episcopal da Venezuela.

Ela publicou uma carta que o papa enviou aos bispos venezuelanos. No documento, Francisco se solidariza com as “dificuldades” que todos estão atravessando e agradece pela “contínua luta em evitar qualquer forma de violência, em respeitar os direitos dos cidadãos e em defender e promover a dignidade humana e os direitos fundamentais”.

“Igual aos senhores, estou convencido de que os grandes problemas da Venezuela só podem ser solucionados se houver vontade de estabelecer pontes, de dialogar seriamente e de cumprir com os acordos firmados. Exorto-lhes a continuar fazendo o máximo necessário para que esse caminho seja possível”, diz a carta.

O papa afirmou que segue preocupado com a situação do povo venezuelano e expressou uma “profunda dor pelos enfrentamentos e pela violência”. Nos últimos dias, 37 pessoas morreram e mais de 700 ficaram feridas em uma onda de protestos que tomou as ruas do país.

“A violência não ajuda a solucionar os problemas, só provoca mais sofrimento e dor”, afirmou o papa, agradecendo as iniciativas dos bispos para fomentar a generosidade e a solidariedade entre os venezuelanos.

(Agência Brasil)

Papa Francisco rejeita “extremismo” em missa com minoria católica egípcia

O papa Francisco disse neste sábado (29) no Cairo, diante de milhares de pessoas, em sua maioria fiéis da comunidade católica egípcia, que Deus rejeita o extremismo e o único que permite é o da “caridade”.

Em seu segundo e último dia de visita ao Egito, o pontífice celebrou missa em um estádio da capital, sob forte esquema de segurança, para tentar evitar ataques de radicais islâmicos.

Área próxima ao local da missa foi palco, em 2015, da morte de 20 pessoas que assistiam a uma partida de futebol. As mortes ocorreram por causa da aglomeração no evento, embora várias organizações não governamentais tenham dito que a polícia contribuiu com o desastre ao lançar gás lacrimogêneo.

“Deus só gosta da fé professada com a vida, porque o único extremismo que Ele permite aos crentes é o da caridade”, disse o papa durante a homilia.

“Qualquer outro extremismo não vem de Deus”, acrecentou Francisco, diante de uma plateia a quem pediu que não tenha “medo de amar a todos, amigos e inimigos, pois o amor é a força e o tesouro do crente”.

A missa é o principal evento do dia, dedicada especialmente à comunidade católica no Egito, grupo religioso de apenas 200 mil pessoas em um país onde a maior parte dos quase 90 milhões de habitantes é  muçulmana.

O primeiro dia da visita do papa ao Egito foi dedicado principalmente a encontros com líderes religiosos muçulmanos e da comunidade copta ortodoxa, além de uma conferência internacional da paz.

(Agência Brasil)

Papa Francisco cumpre agenda no Egito

O Papa Francisco chegou nesta sexta-feira (28) ao Egito para uma visita de dois dias. Ele vai participar de uma conferência internacional para a paz com líderes muçulmanos, com o objetivo de enviar uma mensagem de reconciliação entre as religiões. O encontro é organizado pela Universidade Islâmica do Cairo, onde Francisco se encontrará com o imã Ahmed Mohamed El Tayeb, líder religioso deste centro de referência para os sunitas. A informação é da Agência EFE.

A agenda do pontífice prevê ainda reunião com representantes do governo egípcio e um discurso aos participantes da Conferência sobre a Paz. Ele se encontrará também com Teodoro II de Alexandria (o papa da Igreja Ortodoxa Copta), com o qual fará uma oração ecumênica pelas vítimas dos atentados contra cristão ocorridos recentemente no Egito.

O airbus da companhia Alitalia, no qual o papa viajou, aterrissou no Aeroporto Internacional do Cairo às 14 horas (horário local, 9 horas de Brasília) após decolar do aeroporto romano de Fiumicino três horas antes.

(Agência EFE)

Papa canonizará em outubro mártires brasileiros

O Papa Francisco canonizará no dia 15 de outubro deste ano, na Basílica de São Pedro, no Vaticano, os primeiros mártires brasileiros, os sacerdotes André de Soveral, Ambrósio Francisco Ferro e o laico Mateus Moreira, além de outras 27 pessoas assassinadas em 1645.

O anúncio foi realizado hoje (20), durante assembleia de cardeais dirigida pelo papa, onde foram definidas as datas das cerimônias de canonização de vários futuros santos.

Para que sejam canonizados, eles não necessitaram nenhum milagre, apenas o parecer positivo dos membros da Congregação para as Causas dos Santos, que reiterou o assassinato por “ódio à fé”.

Eles são os primeiros mártires e santos brasileiros assassinados entre os dias 16 de julho e 3 de outubro de 1645 pelos protestantes calvinistas holandeses instalados em Brasil naquela época.

Muitos foram assassinados em Cunhaú e Uruacu, no Rio Grande do Norte, durante uma missa dominical celebrada por André de Soveral. Eles tinham sido beatificados pelo papa João Paulo II em março de 2000, na Basílica de São Pedro.

Os mártires brasileiros serão canonizados em uma cerimônia ao lado de dois meninos mexicanos conhecidos como Mártires de Tlaxcala; o espanhol Faustino Miguez, fundador do Instituto Calasancio Filhas da Divina Pastora e o sacerdote franciscano italiano Luca Antonio Falcone.

(Agência Lusa)

Prefeito de São Paulo pede ao Papa Francisco que reconsidere decisão de não vir ao Brasil

O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), encontrou o Papa Francisco no Vaticano, na manhã desta quarta-feira (19), e pediu para que o pontífice revisse a decisão de não vir ao Brasil em outubro. O tucano foi à Basílica de São Pedro acompanhado da mulher, Bia Doria, e da filha, Carolina.

O Papa Francisco era esperado no país em razão da celebração dos 300 anos da aparição de Nossa Senhora Aparecida, mas acabou cancelando a visita. A decisão, na opinião de Doria, não foi a mais acertada: “Talvez não tenha havido aí uma orientação adequada ao Santo Padre, porque não estar presente em uma data tão importante como essa, na maior nação católica do mundo, não me parece a melhor medida. Mas quem sou eu para julgar o Papa?”.

O tucano afirmou que aproveitou o encontro com Sua Santidade para lhe entregar um presente e pedir que reavaliasse o cancelamento. “Ofereci a camisa da seleção brasileira assinada por todos os jogadores. Por fim, ao entregar a bandeira brasileira a ele, eu disse ‘Santo padre, eu gostaria de pedir, em nome do povo brasileiro, que o senhor pudesse revisar sua decisão de não ir ao Brasil no próximo mês de outubro”.

O prefeito conta que não recebeu uma resposta definitiva. Segundo Doria, o pontífice admitiu, no entanto, que seria “difícil” uma mudança nos planos. O tucano diz que ainda tentou argumentar: “Tomei a liberdade de dizer ‘Santo Padre, difícil não é impossível. Se o senhor puder reconsiderar, milhões de brasileiros vão saudá-lo por essa decisão’. Ele disse ‘Vamos ver, mas o Brasil terá sempre as minhas bênçãos’”.

(Portal G1)

Papa recusa convite de Temer para visitar o Brasil

Em uma carta na qual recusa um convite para visitar o Brasil, o Papa Francisco cobrou o presidente Michel Temer para evitar medidas que agravem a situação da população carente no país. A correspondência foi uma resposta a outra enviada pelo mandatário no fim de 2016, na qual o líder da Igreja Católica era convidado formalmente para as celebrações dos 300 anos da aparição de Nossa Senhora Aparecida, comemorados em 2017.

“Sei bem que a crise que o país enfrenta não é de simples solução, uma vez que tem raízes sócio-político-econômicas, e não corresponde à Igreja nem ao Papa dar uma receita concreta para resolver algo tão complexo”, escreveu o Pontífice, segundo trecho publicado pelo jornalista Gerson Camarotti, da “Globo News”.

“Porém não posso deixar de pensar em tantas pessoas, sobretudo nos mais pobres, que muitas vezes se veem completamente abandonados e costumam ser aqueles que pagam o preço mais amargo e dilacerante de algumas soluções fáceis e superficiais para crises que vão muito além da esfera meramente financeira”, acrescentou.

Sobre o convite, o Papa disse que, devido a sua intensa agenda, não poderia visitar o Brasil neste ano. Ainda de acordo com Camarotti, Jorge Bergoglio afirmou rezar pelo país e que acompanha “com atenção” os acontecimentos na maior nação da América Latina.

Citando sua exortação apostólica “A Alegria do Evangelho”, Francisco também lembrou que não se pode “confiar nas forças cegas e na mão invisível do mercado”, em um momento em que o governo Temer tenta aprovar reformas econômicas para garantir a confiança dos investidores.

Em setembro passado, na inauguração de uma imagem de Nossa Senhora Aparecida no Vaticano, o Pontífice já havia dito que o Brasil passava por um “momento triste”. Um mês antes, Francisco enviara uma carta não oficial em apoio a Dilma Rousseff, que na época ainda não tinha sofrido o impeachment. Contudo, Bergoglio sempre evitou se posicionar publicamente sobre a crise política enfrentada pelo país e que culminou na derrubada da presidente petista.

(ANSA)